Eleições Estadunidenses de 2020: Da Teoria da Conspiração ao Fato da Conspiração

Se até a posse de Biden todo discurso alegando fraude, golpe ou manipulação das instituições para dar a vitória aos democratas era considerado como teoria da conspiração, qual não foi a surpresa quando a revista Time, uma das mais prestigiosas dos EUA, e de orientação radicalmente anti-Trump, revelou o esquema secreto usado pelo Deep State para derrotar Trump. Não é mais teoria da conspiração.

A revista Time admitiu em uma reportagem na semana passada que uma “conspiração”, tal como ela mesma a chama, dirigida por uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas” “conseguiu que os estados mudassem os sistemas de votação e as leis” e “pressionou com sucesso as empresas de mídia social” entre outras conquistas destinadas a derrubar “democraticamente” o Trump, cuja revelação representa uma tentativa dos democratas de flexionar seu novo poder narrativo pós-eleitoral sobre seus adversários, bem como possivelmente provocar os mais instáveis em risco entre eles a reagir de forma violenta, o que poderia então ser explorado para justificar a próxima fase de sua “conspiração”.

O gato está fora do saco

Os democratas e seus apoiadores anteriormente difamavam todos os que especulavam sobre esforços secretamente concertados contra o ex-presidente Trump no período que antecedeu e que se segiu às eleições do ano passado como “teóricos da conspiração”, e tais indivíduos até correram o risco de serem expurgados das mídias sociais por exercerem sua liberdade de expressão constitucionalmente consagrada, dependendo de como eles articulavam suas opiniões pessoais a esse respeito. Foi-lhes dito que expressar publicamente tal interpretação dos eventos equivale a espalhar “desinformação” e tentar “deslegitimar” o resultado “democrático” do processo eleitoral dos EUA. Isso torna ainda mais surpreendente que a revista Time admita em uma reportagem da semana passada que uma “conspiração” dirigida por uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas” “conseguiu que os estados mudassem os sistemas de votação e as leis” e “pressionou com sucesso as empresas de mídia social” entre outras conquistas que visavam a derrubada “democrática” de Trump. Em outras palavras, a “teoria da conspiração” tornou-se um “fato da conspiração”.

Questões Politicamente Inconvenientes

Isto naturalmente levanta a questão de por que aquele meio de comunicação pró-democrata se gabaria tão orgulhosamente de “A História Secreta da Campanha Oculta que Salvou as Eleições de 2020”, como o artigo é chamado. A Time não pode ser “desacreditada” pelos democratas, caso contrário eles infligiriam os mesmos danos contra as dezenas de indivíduos citados em seu relatório que cooperaram voluntariamente com a jornalista Molly Ball a fim de mostrar, como um deles disse, que “o sistema não funcionou magicamente” e que “a democracia não opera por conta própria”. Quer queiram ou não, eles confirmaram a até então chamada “teoria da conspiração” como um “fato da conspiração”, vindicando assim todos os defensores de Trump que anteriormente expressaram tais sentimentos. Não apenas isso, mas eles também reconheceram tacitamente que aqueles que foram cancelados foram vítimas da mesma autodescrita “conspiração” dirigida por uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas”. É aparentemente inexplicável porque eles fariam isso, mas refletir profundamente sobre a decisão deliberada de revelar tudo isso fornece algumas explicações plausíveis.

Demonstrando o Poder Narrativo Pós-Eleitoral dos Democratas

A primeira é que, como “todo democrata é um aspirante a ditador“, o partido quis flexionar seu novo poder narrativo pós-eleitoral para humilhar seus oponentes. A mensagem enviada é suficientemente simples, e é que eles são capazes não só de se safar com “conspirações” literais como esta, mas são poderosos o suficiente para aparelhar e instrumentalizar as instituições sob seu controle (Big Tech, governo, mídia de massa, etc.) a fim de reprimir politicamente aqueles que ousam acusá-los de fazer o que eles, de fato, fizeram. Como previsto na análise do autor no final do ano passado sobre como a “América de Biden seria uma distopia infernal“, os democratas querem impor rapidamente uma ditadura de partido único de facto ao resto do país em colaboração com seus aliados “Republicanos Somente em Nome” (RINO). Eles estão suficientemente ébrios de poder depois de terem conseguido com sucesso o que Nebojsa Malic da RT descreveu corretamente como uma Revolução Colorida e assim vencendo o que o autor da presente peça chamou anteriormente de Guerra Híbrida do Terror na América, que eles estão entusiasmados em promover a toda velocidade em direção a este objetivo sem qualquer hesitação.

Máximos Motivos de Desmoralização

O movimento “Make America Great Again“, inspirado no Trump, está atolado em uma guerra política com os RINOs e, ao mesmo tempo, luta para se purificar de elementos subversivos do QAnon. Isto a torna mais fraca do que jamais foi desde seu início e, portanto, incapaz de organizar adequadamente qualquer resistência política significativa a este esquema. Nunca houve um momento melhor para os democratas atacarem dando o que eles esperam que seja o golpe fatal para a moral de seus mais importantes oponentes, especialmente porque sua revelação foi desvelada na época em que o Trump atolado no pântano, decidiu aliar-se ao Establishment do Partido Republicano na esperança provavelmente equivocada de que o partido possa recuperar o controle do Congresso durante as eleições de meio de mandato de 2022. A intensa frustração que alguns dos opositores dos democratas poderiam, compreensivelmente, sentir sobre todos esses acontecimentos esmagadores que acontecem ao mesmo tempo, poderia até mesmo incitar alguns dos mais instáveis e arriscados, como os cultos de QAnon, a exagerar de uma forma violenta que poderia então ser explorada para justificar a próxima fase desta “conspiração”.

Ditadura Através de Moções “Democráticas”

Afinal, há poucas dúvidas entre os opositores dos democratas de que o partido está agora tentando impor uma ditadura de facto de um partido único ao resto do país, especialmente depois que a Time orgulhosamente se vangloriou de como eles conseguiram a primeira fase de sua autodescrita “conspiração” para derrubar “democraticamente” o Trump devido aos esforços “secretos” de uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas”. Apesar de terem deixado claro que eles irão instrumentalizar seu controle sobre as instituições para reprimir politicamente os outros através de ataques difamatórios, cancelando, e talvez pior com base na narrativa indiscutível de dois pesos e duas medidas, eles ainda querem completar sua plena tomada de poder, passando por moções superficialmente “democráticas”. Por isso, avançaria muito seu grande objetivo estratégico se um apoiador de Trump instável, em risco e incontrolavelmente angustiado fosse provocado por esta revelação a conspirar ou mesmo, Deus proíba, a realizar um ataque terrorista doméstico. Na verdade, isso nem precisa acontecer na realidade, pois o contexto já está definido para inventar essa alegação, caso necessário.

Reina a Confusão

Um dos objetivos suplementares implícitos de admitir a “conspiração” contra Trump por uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas” é tornar impossível para qualquer pessoa saber realmente no que acreditar. Por esta razão, quaisquer relatos sobre ataques terroristas domésticos ou planos dos apoiadores de Trump em resposta à revelação surpreendente da Time não podem ser tomados à letra, já que sempre haverá a dúvida persistente, mas plausível, de que tais alegações também fazem parte da “conspiração” mais ampla que foi recentemente confirmada. Enquanto tal, não seria surpreendente se muitas pessoas suspeitassem que tal ataque fosse uma falsa bandeira ou que aqueles implicados no planejamento de algo do tipo fossem apanhados pela polícia secreta (FBI), se é que algo assim aconteceu de alguma forma. A intenção de abordar isto tão diretamente não é automaticamente estender a credibilidade a essas interpretações, mas apenas chamar a atenção para a probabilidade de que elas surjam na sequência do escandaloso relatório da Time.

“Solidariedade Americana” é a Única Solução Realista

O impacto político doméstico seria, no entanto, o mesmo se realmente acontecesse ou não, já que esses incidentes seriam certamente explorados para avançar o grande objetivo estratégico dos democratas de impor um Estado de partido único de facto ao resto do país. É certo que não parece haver nada que os dissidentes possam fazer para impedir isso, exceto talvez organizar imediatamente um movimento de “Solidariedade Americana” modelado a partir de seu histórico homólogo polonês, mesmo que também possa levar anos para ter qualquer efeito perceptível, se é que poderia ter algum, considerando as condições políticas internas drasticamente diferentes nas quais ele operaria pacificamente. Não apenas qualquer tentativa de organizar uma resistência violenta seria ilegal e indiscutivelmente imoral, mas simplesmente facilitaria os planos dos democratas, fornecendo provas reais do que eles descreveriam como um complô terrorista doméstico para justificar a implementação acelerada da próxima fase de sua “conspiração”. Por estas razões, a “Solidariedade Americana” é a única solução realista (embora possivelmente a longo prazo) para esta situação.

Conclusão

Os democratas tomaram a decisão deliberada de ter um de seus mais proeminentes porta-vozes tão orgulhosamente se gabando da autodescrita “conspiração” que uma “cabala bem conectada de pessoas poderosas” organizou contra Trump. Isto foi feito para humilhar e desmoralizar seus adversários políticos, bem como provavelmente provocar os mais instáveis e em risco, tais como os mais radicais cultistas do QAnon, a cometerem atos de violência que poderiam então ser explorados como justificação para a próxima fase de sua “conspiração”. As mensagens enviadas são várias: os democratas capturaram com sucesso o controle de todas as instituições e agora as estão instrumentalizando para reprimir politicamente seus oponentes com base em dois pesos e duas medidas; esta revelação era amplamente conhecida há muito tempo por todos os lados, mas foi reconhecida publicamente pelos culpados apenas neste momento devido a seu momento estratégico; e ninguém pode mais tomar as declarações dos democratas e de seus procuradores (incluindo as instituições) pelo valor de face. Na verdade, enquanto uma Guerra Híbrida na América acaba de terminar, outra apenas começou.

Fonte: One World

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *