Diversidade ou Hegemonia? O Paradoxo Progressista

Escrito por Robert Eastern
O que os progressistas desejam? Ampliar a “diversidade” ou impor “conformidade”? Esse é um dos principais paradoxos do progressismo liberal, que parece pretender obrigar o planeta inteiro e todas as culturas do mundo a aceitarem o mesmo conjunto de valores iluministas em nome da “diversidade”.

Os liberais progressistas desenvolveram a duplicidade hipócrita em uma bela arte, e esta é uma das razões pelas quais os tradicionalistas e conservadores tão frequentemente perdem na arena quando confrontados com a metodologia liberal. Uma de suas táticas preferidas é acusar seus oponentes das coisas de que eles mesmos são culpados antes mesmo que as armas sejam sacadas. Eles institucionalizaram este discurso dúplice com a invenção de conceitos cujo objetivo é esconder o que realmente está acontecendo.

Aqui eu gostaria de me concentrar em apenas um. A causa da “diversidade” é muito defendida pela esquerda radical que agora controla quase todos os canais de comunicação do Ocidente. Mas o que se entende por tal conceito e o que ele deve promover? Como qualquer pessoa vagamente pensante sabe agora, o conceito não tem nada a ver com a diversidade real, mas significa (nas palavras de Rod Dreher) “não se opor à uniformidade cultural imposta”. Como chegamos até aqui?

Longe de serem libertárias, as raízes do liberalismo ocidental eram e ainda são hegemônicas, dogmáticas, intolerantes e violentas. A idéia de que “certos direitos inalienáveis” são “evidentes por si mesmos” lança estes dogmas ocidentais diretamente contra outras culturas e religiões que se opõem a eles. Desde a época do chamado “Iluminismo” (na verdade, o início da nova Idade das Trevas na qual ainda vivemos), esta nova religião hubrística se propôs a conquistar o globo.

Os chamados “valores ocidentais” deveriam substituir as tradições indígenas ou pré-existentes através de soft-power (educação e tecnologia) e hard-power (mudança de regime, sanções e assim por diante). O mais importante em tudo isso foi a ascensão do feminismo. A luta das mulheres contra a cultura de seus antepassados significava que as tradições e hierarquias seriam desmanteladas e desvitalizadas. Isto é mais claramente óbvio com o colapso do protestantismo europeu com suas “bispas” lésbicas e suas igrejas vazias.

Este impulso implacável pela uniformidade dogmática tentou preservar uma fachada de “diferença”, permitindo que algumas (mas não todas) práticas culturais e religiosas continuassem. Mas o problema é que quando uma cultura é forçada a entrar no colete de “valores universais ocidentais” de tamanho único, então não resta nada, exceto a fachada. O que resta é o Islã sem seu conceito bélico de jihad, o Hinduísmo sem o sistema de castas, o Cristianismo sem pecado e arrependimento. Até mesmo os verdadeiros budistas estão hoje lutando contra o rebaixamento de sua religião a um estilo de vida para veganos ocidentais.

Muito em breve as igrejas estão vazias de crentes (porque não há nada em que acreditar), mas cheias de turistas de jeans e shortinhos. A cultura tornou-se um museu, enfadonha e sem vida (como todos os museus são). Todos estão convidados, mas ninguém mais quer participar. A superfície desta sociedade pode parecer diversa, mas a diferença autêntica desapareceu e nunca mais voltará. Não se pode unir o humanismo liberal ocidental moderno e o cristianismo tradicional sem matar um ou outro. Eles são diametralmente opostos. O mesmo se aplica a todas as culturas e civilizações antigas do mundo.

Este novo mundo pode ser mais igualitário e menos cruel (embora eu ainda não esteja convencido de que a massa total de sofrimento seja menor), mas é um mundo surpreendente em sua banalidade. A cultura tradicional foi substituída por um verniz de simulacro de diferença e isto está tornando o mundo um lugar muito aborrecido. Não faz muito tempo que viajantes partiam para terras estrangeiras sem intenção hegemônica. Eles relatavam práticas estranhas como a sáti e a amarração de pés, mas não como embaixadores da Anistia Internacional. Já em 1940, Freya Stark relatou uma conversa no Iêmen em seu livro, Um Inverno na Arábia:

“Você é um desses estrangeiros”, disse [um beduíno da tribo Ba Qutmi], “que estão vindo para nos fazer libertar nossos escravos, e pagar impostos, e para fazer nossas mulheres fazerem o que quiserem”?

“Eu não sei”, disse eu, “sobre os dois primeiros, mas sei que suas mulheres já fazem o que querem, porque eu mesma sou uma mulher”.

Mas a escrita está na parede para tais culturas, o braço longo dos bem pensantes de hoje chega aos cantos mais remotos do mundo, homogeneizando e destruindo tudo em seu rastro. Será que os futuros progressistas lamentarão quando não houver um Cinturão da Bíblia nos EUA, quando as igrejas na Rússia forem museus como os da velha Europa, quando até mesmo as mesquitas estiverem vazias, exceto por alguns poucos imãs politicamente corretos?

Acho que no geral eles não vão lamentar. É preciso lembrar o quanto a maioria dos progressistas é ignorante. Eles não entendem nem mesmo os conceitos religiosos mais básicos (como o calendário litúrgico) que são os nomes de seus próprios feriados nacionais e períodos acadêmicos. Eles não sequer capazes de dizer o que a Festa da Epifania celebra ou quando o Concílio de Nicéia aconteceu. Por outro lado, haverá um pequeno grupo que lamentará. Aqueles sofisticados comediantes ocidentais como Louis Theroux e Sacha Baron Cohen, que ganham seu dinheiro ridicularizando pessoas que consideram atrasadas e retardadas, não terão assunto para seus filmes. De quem eles vão zombar então?

Fonte: Geopolitica.ru

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *