Oscar: A Partir de 2024 Apenas Filmes “Inclusivos” Serão Premiados

Escrito por Renato Franco
O que importa hoje não é mais a excelência, mas a adequação aos valores politicamente corretos da pós-modernidade. E para garantir essa adequação vale toda forma de censura e cancelamento. É o totalitarismo “do bem” garantindo representatividade e inclusão de “minorias” supostamente oprimidas.

Não vence o melhor, mas o que inclui mais. Não vence o mais talentoso, mas aquele que sabe ser o mais politicamente correto. Esta é a revolução que os Oscar estão prestes a fazer, uma inovação que anestesia as diferenças e impõe cotas étnicas e de gênero. De fato, a Academia de Hollywood estabeleceu novos requisitos para favorecer a representação equânime de origem, gênero, orientação sexual e pessoas com deficiências. A partir de 2024, os longas-metragens terão que atender aos novos padrões para serem elegíveis ao Oscar de Melhor Filme. A escolha da Academia se referirá tanto à representação da diversidade no elenco quanto nas equipes envolvidas na realização de filmes, desde a produção até a comercialização e distribuição. Entre os novos padrões exigidos está que pelo menos um dos atores principais deve ser de um grupo étnico minoritário; alternativamente, 30% do elenco deve ser formado por duas das diferentes categorias: mulheres, afro-americanos, hispânicos, membros da comunidade LGBT e deficientes.

O presidente da Academia, David Rubin, e a CEO Dawn Hudson explicaram que “esta abertura pretende refletir a heterogeneidade da população global”. Acreditamos que estes padrões de inclusão serão um catalisador para mudanças essenciais e duradouras em nossa indústria”. O novo formato “totalmente inclusivo”, que toma o caminho míope de transformar tudo o que é conhecido em uma minoria a ser defendida, já recebeu consenso, mas também críticas, como a da atriz Kirstie Alley que a chamou de “uma decisão orwelliana: é uma vergonha para artistas do mundo inteiro”.

A reforma das regras vem cinco anos após a falsa controvérsia em torno do “Oscar So White”, que provocou um debate devido à ausência de representantes de cor entre os candidatos. Uma acusação que também lapidou esta edição do Veneza com a revista Variety, destacando a falta de jurados afro-americanos. “Eles têm os nervos à flor da pele na América sobre isso, mas essas não são nossas obsessões – a resposta do diretor Alberto Barbera -. Temos uma lista para mostrar de todas as pessoas contatadas, inclusive afro-americanos, que não puderam aceitar devido a óbvias dificuldades de viagem”. Mesmo que a revolução só comece em 2024, Hollywood não é o primeiro sinal neste sentido. O Festival de Berlim, o Berlinale, anunciou há algumas semanas que a partir da edição de 2021 deixará de premiar a melhor atriz e o melhor ator: em vez disso, haverá um prêmio “pelo melhor desempenho principal” que poderá ser concedido a mulheres, homens e pessoas que não se reconhecem em nenhum dos sexos. As produções estão, portanto, se auto-regulamentando (ou auto-censurando) para evitar serem acusadas de não-inclusividade e os casts multirraciais estão se tornando a norma (mais recentemente o Tenet de Nolan onde os três principais respeitam a paridade de cores: um branco, um preto, um indiano).

Fonte: Corriere della Sera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *