Eleições Americanas: A Segunda Guerra Civil e o Colapso dos Estados Unidos

Escrito por Valentin Katasanov
As eleições americanas chegaram a um impasse, com os dois candidatos, Donald Trump e Joe Biden, reivindicando a vitória. Esse é o fruto de tensões que vem se intensificando ao longo dos últimas duas ou três décadas, contrapondo uma América Profunda, rural, proletária e branca, a uma América Global, representada por brancos super-ricos e lumpemproletarios imigrantes ou negros, concentrados em metrópoles. Esse é o cenário previsto para uma segunda guerra civil.

Dezenas de livros e centenas de artigos foram escritos, desde o final do século XX, falando sobre o fim da era dourada dos Estados Unidos e os graves acontecimentos que se aproximam do país.

Patrick Buchanan, em seu famoso livro The Death of the West: How Dying Populations and Immigrant Invasions Imperil Our Country and Civilization [A Morte do Ocidente: Como Populações Agonizantes e Invasões Imigracionistas Ameaçam nosso País e Civilização], escreveu sobre a próxima “morte” dos Estados Unidos, mais precisamente, sobre a crise da civilização americana, sobre o declínio dos Estados Unidos enquanto grande potência. O não menos famoso cientista político Samuel Huntington publicou o livro Who Are We? The Challenges to America’s National Identity [Quem somos? Os Desafios à Identidade Nacional Americana]. Sua perspectiva sobre o futuro dos Estados Unidos também é pessimista. Francis Fukuyama, sete anos após seu livro de 1992, O Fim da História e o Último Homem, escreveu The Great Disruption: Human Nature and the Reconstitution of Social Order [A Grande Tribulação: Natureza Humana e a Reconstituição da Ordem Social], onde ele expressa uma ansiedade oculta sobre o futuro dos Estados Unidos.

Todos estes autores viram como uma ameaça particular para os Estados Unidos o fato de que a cultura anglo-protestante começou a ser rapidamente corroída por outras culturas trazidas por imigrantes não-europeus. O “caldeirão cultural” no qual os povos e grupos étnicos acabam se tornando uma nova comunidade histórica chamada “povo americano” não acabou funcionando nos Estados Unidos. A propósito, o título completo do livro de Patrick Buchanan em russo soa assim: “A morte do Ocidente: como uma população moribunda e as invasões de imigrantes ameaçam nosso país e nossa civilização”. Por “população moribunda”, o autor quis dizer americanos brancos, cuja participação no total da população americana está diminuindo alarmantemente devido à crescente proporção de afro-americanos e de pessoas de cor.

Já segundo Huntington, os bancos e as empresas transnacionais começaram a contribuir para minar os valores culturais e religiosos da “boa e velha América”, erodindo suas tradições.

Todos estes trabalhos foram escritos em um estilo bastante acadêmico. Hoje, porém, a atenção dos americanos não se concentra tanto nos livros grossos dos cientistas políticos e futurólogos universitários, mas nos prognósticos de outros tipos. Aqueles em que 2020 parece ser um ponto crítico para os Estados Unidos. E há muitos desses prognósticos.

Assim, as profecias de “Nostradamus” que já circulam pela internet e pelas redes sociais dizem que em 2020 os Estados Unidos “chegarão ao fim”.

As profecias do profeta adormecido Edgar Cayce, que viveu entre 1877 e 1945, não são menos famosas. Somente de meados de 1943 a meados de 1944, Casey conduziu mais de 1.500 sessões com misteriosos “informantes”, deixando vários milhares de respostas de estenógrafos (chamadas de “leituras”) a uma grande variedade de perguntas. Todas as “revelações” que Casey recebeu estavam em estado de transe, de sonho (daí o apelido de “O Profeta Adormecido”). Em seguida, ele disse que o 44º presidente dos Estados Unidos seria o último. Segundo dados oficiais, Barack Obama foi o 44º presidente na linha dos presidentes dos EUA, que passou dois mandatos na Casa Branca (20 de janeiro de 2009 a 20 de janeiro de 2017). E Donald Trump, que o substituiu, seria o número 45. No entanto, os especialistas calcularam que Trump continua sendo o 44º presidente, já que houve o presidente Stephen Grover Cleveland na história dos Estados Unidos, que foi contado duas vezes, o que está errado. Se for contado corretamente, então Donald Trump é o 44º presidente dos Estados Unidos. Diz-se que os conselheiros do Trump conhecem a previsão de Edgar Cayce e a utilizam ativamente na campanha eleitoral [1]. Se Trump for reeleito, ele ainda será o número 44. E se Joe Biden vencer, isso significará “o fim da América”. E o “começo do fim” poderia ser 3 de novembro de 2020.

Edgar Cayce não mencionou a data de 2020 em suas profecias. Ele só falou do 44º Presidente dos Estados Unidos. Entretanto, conheço dois prognósticos nos quais seus autores dão diretamente o nome de 2020. A crise nos Estados Unidos, de acordo com estas previsões, não deve começar nem mais cedo nem mais tarde, em outras palavras, deve ser 2020.

Eu já escrevi sobre outra previsão e seu autor [2]. Este é o renomado sociólogo norueguês Johan Vincent Galtung, que tem 90 anos de idade. Em 1980, ele previu com precisão o colapso da União Soviética. Ele também previu com bastante precisão o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque. Galtung é um especialista em geopolítica. Por causa de suas previsões precisas, ele foi apelidado de profeta norueguês. No início do século 21, Galtung disse que os Estados Unidos iriam desaparecer enquanto império. Seu declínio começará em 2020 e em 2025 perderia completamente seu status de superpotência. O norueguês argumentou que a perda de prestígio internacional dos EUA seria acompanhada por um “aumento do sentimento fascista” nos Estados Unidos.

E agora quero nomear outro profeta que chamou 2020 de um ano crítico para a história dos EUA. Este é Thomas W. Chittum, nascido em 1947; escritor americano, pesquisador e analista independente, programador profissional.

Durante a primeira metade de sua vida, nosso herói foi um soldado e um mercenário militar. Aos 18 anos de idade foi mobilizado na Guerra do Vietnã: serviu como soldado de primeira classe na 173ª Brigada Aérea do Exército dos EUA na Indochina, participou de numerosas operações militares. Na década de 1970, ele serviu sob contrato nas Forças Armadas do Zimbábue (então Rodésia do Sul), guardando a fronteira. No início dos anos 90, ele acabou na Europa como mercenário durante a guerra na antiga Iugoslávia, onde serviu no exército croata.

Retornando da Europa em 1993, T. Chittam começou uma vida civil. Possuindo habilidades excepcionais, ele se tornou um programador profissional. E ele decidiu catalogar suas observações acumuladas, durante um quarto de século de serviço militar em diferentes partes do mundo, através de atividades analíticas e de escrita. Ele é o autor de três livros.

Sua obra mais famosa foi o primeiro livro que escreveu em 1994-1995, que foi publicado em 1996: Civil War II: America’s Coming Collapse [A Segunda Guerra Civil: O Futuro Colapso da América]. De acordo com T. Chittam, as tendências que se desenvolvem nos Estados Unidos são ameaçadoras. A maior ameaça é representada pela mudança na composição etnocultural da população do país. Estamos falando de uma diminuição do número total de residentes nos EUA na proporção daqueles que são chamados “americanos brancos”, portadores de uma cultura que o autor às vezes chama de “cristã”, às vezes de “protestante” (com um aumento na proporção de portadores de outras culturas).

Mesmo aqueles afro-americanos que nasceram nos Estados Unidos (e cujos ancestrais nasceram nos Estados Unidos) não se tornaram parte da cultura protestante. Eles continuaram a atacar os americanos brancos mesmo depois que as últimas restrições raciais foram levantadas em 1964 e a igualdade total dos americanos brancos e africanos foi proclamada.

O fluxo de imigrantes de todo o mundo para os Estados Unidos continuou. As leis de imigração dos EUA eram muito liberais e a fronteira estatal americana estava cheia de buracos, especialmente no lado mexicano. Todos os anos, centenas de milhares de imigrantes ilegais entram no país através da fronteira sul. Em vez de um “crisol” da América, havia uma “caldeirão” onde a pressão aumentava, agravada por contradições étnicas e culturais. T. Chittam advertiu que este “caldeirão” poderia explodir. Patrick Buchanan, Samuel Huntington, Francis Fukuyama escreveram sobre o mesmo, mas as estimativas e previsões de T. Chittam são mais específicas.

Primeiro, sua linguagem é mais compreensível para o leitor comum. T. Chittam entende melhor a guerra do que os cientistas políticos profissionais e futurólogos de Washington. Em segundo lugar, as previsões destes cientistas políticos e futurólogos são dadas sem datas específicas, enquanto T. Chittam diz tudo muito concretamente: a segunda guerra civil na América começará em 2020.

O estudo de T. Chittam contém um conjunto de indicadores que o autor propôs para monitorar tanto os cidadãos comuns quanto as autoridades federais, a fim de avaliar a velocidade de abordagem de uma catástrofe. A lista de indicadores da T. Chittam é composta de 36 itens. Aqui estão apenas os primeiros itens desta lista (dou um resumo):

  1. Aplicação de “tatuagens raciais”: indicação da nacionalidade nos cartões de identidade e outros documentos.
  2. Dar aos imigrantes (incluindo imigrantes ilegais) o direito de votar nas eleições.
  3. Primeiro, a restrição, e depois a eliminação do direito de portar armas (destruição do potencial militar da classe trabalhadora branca).
  4. Divisão racial do júri (os jurados começam a defender e justificar seus companheiros de tribo).

Naturalmente, os outros elementos da lista são igualmente importantes. Por exemplo, o parágrafo 16: o surgimento e crescimento de áreas fechadas à polícia nas cidades – são áreas que a polícia não controla mais e onde as gangues de rua dominam. Item 20: a expansão dos subúrbios murados, que são timidamente referidos como “condomínios fechados” (fortalezas para a população branca). Item 28: a queda do dólar em relação a outras moedas importantes. Cláusula 32: mudança no equilíbrio da migração dos Estados Unidos e Canadá (uma volta de 180 graus no fluxo de migrantes).

O establishment americano desconfiava das previsões da T. Chittam. Sua metodologia para monitorar as crescentes ameaças propostas pelo autor do livro foi ignorada. As previsões do veterano de guerra foram descritas como alarmistas, capazes de desestabilizar a situação no país. O autor foi chamado de paranóico, e depois foi silenciado. Uma conspiração de silêncio foi organizada em torno de T. Chittam e seu livro.

Na Rússia, o nome de T. Chittam é mais conhecido do que nos Estados Unidos; o livro do veterano militar americano foi traduzido para o russo e publicado duas vezes (editora “Knizhnyy mir”). A primeira vez em 2010, a segunda vez no atual 2020. Na capa da edição de 2010, após o título, aparece em letras grandes: “2020”. De tempos em tempos, T. Chittam é entrevistado pela mídia russa.

Entre as muitas profecias e previsões sobre o destino dos Estados Unidos, as previsões de T. Chittam são as mais sólidas e precisas. E elas se tornam realidade diante de nossos olhos.

A mídia americana prefere chamar os eventos dos últimos meses de agitação social nos Estados Unidos, mas isso não é verdade. O que está acontecendo tem todos os sinais de uma guerra civil. Há um quarto de século, um veterano militar americano advertiu sobre isso.

Notas

[1] – https://www.fondsk.ru/news/2020/10/27/amerikanskaya-anomalia-52132.html
[2] – https://www.fondsk.ru/news/2020/04/06/norvezhskij-prorok-o-skorom-padenii-pax-americana-50549.html

Fonte: Fondsk

Deixe uma resposta