O Papel do Capital nas Eleições Americanas: Quem Financia Biden e Trump?

No Ocidente “democrático”, as eleições costumam ser decididas pela aplicação inteligente de dinheiro em grantes quantidades, com raras exceções. Nos EUA, isso é ainda mais verdadeiro e todas as disputas presidenciais são disputas entre bilionários. É importante, portanto, entender quem financia quem e quais são os interesses que apoiam os dois lados nessas próximas eleições americanas.

O dinheiro desempenha um papel fundamental nas campanhas eleitorais dos EUA. Ele é gasto em publicidade, salários de consultores e empresas de relações públicas. Além disso, a estratégia dos Democratas mostra que o financiamento vai para protestos de rua. Como sua abordagem de confronto é adotada antecipadamente e envolve provocar pessoas em protestos massificados, essa é uma técnica que também requer sérios investimentos.

Vamos explorar os diferentes mecanismos de captação de recursos para campanhas eleitorais e os interesses de vários grupos financeiros (e indivíduos).

Comitês de Ação Política

Desde 1976, os comitês de ação política (PACs) têm sido utilizados nos EUA para levantar fundos para publicidade e propaganda durante as campanhas eleitorais. Após 2010, quando a Suprema Corte dos EUA levantou restrições às doações políticas, começaram a surgir novas versões desses comitês chamados de Super PACs. Ao contrário dos comitês de ação política convencionais, que não podem aceitar contribuições de mais de US$ 5.000 de um único indivíduo e contribuições de corporações ou sindicatos são ilegais, os Super PACs podem aceitar contribuições ilimitadas. Os Super PACs também estão ativamente engajados em contra-propaganda e desinformação contra os opositores políticos.

Mais de 2.000 Super PACs foram registrados nas eleições presidenciais anteriores dos EUA em 2016.Este é o mecanismo mais transparente de levantamento de fundos, uma vez que as autoridades reguladoras acompanham cada centavo.

O Super PAC do Trump é chamado de America First Action, enquanto o de Joe Biden é chamado de Priorities USA.

O Super PAC do senador Seth Moulton também tem estado ativo durante a atual campanha eleitoral.

O Woman Vote, que é totalmente voltado para a metade feminina do eleitorado, está trabalhando para os democratas.

Há também outros PACs e Super PACs envolvidos nestas eleições para ambos os lados.

Trump e os Doadores de Biden

Desde o início de 2019 até julho de 2020, Trump conseguiu levantar cerca de US$ 1,1 bilhão, dos quais US$ 800 milhões já foram gastos até setembro. Em julho, Trump substituiu Brad Parscale, seu agora ex-gerente de campanha, por Bill Stepien, instruindo-o a trabalhar com mais eficiência e gastar menos dinheiro.

De acordo com a revista Forbes, 9% dos bilionários americanos, que juntos valem um total de US$ 210 bilhões, deram dinheiro para cobrir as despesas da campanha Trump 2020, seja diretamente ou através de seu cônjuge. No total, Trump recebeu apoio de cerca de uma centena de bilionários.

Mais da metade dos doadores da Trump vive em três estados: Flórida, Nova Iorque e Texas. Três quartos deles são “self-made men”; os demais herdaram pequenas fortunas e as transformaram em fortunas maiores. Seus negócios estão relacionados com imóveis, energia, esporte e assim por diante. Um quinto dos doadores enriqueceu com finanças e investimentos. Este grupo inclui pessoas como o CEO da Blackstone Stephen Schwarzman, o proprietário de fundo de hedge John Paulson, e o ex-chefe da Franklin Templeton Charles B. Johnson. Cerca de 10% dos doadores ganharam seu dinheiro com especulação imobiliária, incluindo o bilionário Richard LeFrak, companheiro de Trump em Nova Iorque.

O banqueiro texano Andrew Beal doou mais do que qualquer outro ao Comitê Trump Victory. Os irmãos proprietários de cassinos Lorenzo e Frank Fertitta também doaram milhões a este comitê. Joe e Marlene Ricketts (TD Ameritrade) doaram mais de 1 milhão de dólares. Eles não doaram nada em 2016.

Andrew Beal doou aproximadamente a mesma quantia. Um milhão de dólares foi doado por Dennis e Phyllis Washington (cujo negócio é mineração e construção). Diane Hendricks (telhados) doou um pouco menos de 1 milhão de dólares. Kenny e Lisa Troutt (telecom) – $925.000. Jeffery e Melinda Hildebrand (petróleo) – $775.000. Isaac e Laura Perlmutter (Marvel Comics) – $721.000. Peter Thiel da Palantir – $250.000. Deve-se notar que Peter Thiel tem participações no Facebook e doou a mesma quantia para a campanha de 2016 do Trump.

É interessante que alguns bilionários doaram quantias bastante pequenas em milhares e até centenas de dólares.

Um grande doador que costumava doar regularmente aos republicanos – o magnata de Las Vegas Sheldon Adelson – recusou-se a apoiar a Trump.

Biden tem o apoio de Wall Street e do Vale do Silício. Ele também arrecadou uma grande quantia de dinheiro graças a pequenas contribuições. Em termos do número de doadores ricos que oferecem apoio, Biden superou Trump, recebendo dinheiro de 131 bilionários.

O maior doador de Biden foi George Soros, que gastou mais de US$ 8 milhões durante todo o ciclo eleitoral (para cobrir várias necessidades). Novos patrocinadores de Biden incluem Sean Parker e Dustin Moskovitz do Facebook, o co-fundador do Twitter Ev Williams, e o CEO do Twilio Jeff Lawson.

Jeff Skoll, da eBay, tem despejado dinheiro tanto em Biden quanto nos democratas do Senado. Mark Pincus, que está envolvido em jogos on-line, doou $626.000. Barry Diller, que fez seu dinheiro na mídia online – $620.000.

Os doadores de Biden também incluem Nicole Shanahan, a esposa de Sergey Brin do Google ($25.000), e Merryl Zegar, a esposa de Charles Zegar (Bloomberg LP).

Em setembro de 2020, Biden conseguiu arrecadar um recorde de 383 milhões de dólares. O recorde anterior era de menos de 200 milhões de dólares, obtido por Barack Obama em setembro de 2008.

No entanto, nem todos os representantes do Vale do Silício estão apoiando os democratas.

Bill Gates está apoiando Donald Trump. É uma escolha pragmática. Há algum tempo, a administração da Casa Branca ajudou a Microsoft a ganhar uma licitação para criar servidores para apoiar o Pentágono, embora a Amazon, que anteriormente havia recebido um contrato da CIA para servidores de nuvem, também tenha lutado pela licitação. A disputa causou um escândalo no Departamento de Defesa dos EUA em 2019.

Elon Musk também deu seu apoio ao Trump, citando a demência de Biden. Além disso, Trump tem o apoio do fundador da Oracle, Larry Ellison.

Um detalhe importante deve ser mencionado aqui, que é que há sinais de um profundo cisma na sociedade americana que afetou não só a elite financeira, mas também as relações familiares. Por exemplo, o ex-CEO da Microsoft Steve Ballmer apoiou Trump, mas sua esposa Connie doou $500.000 a um Super PAC pró-Biden.

A Indústria de Defesa dos EUA e a Influência Indireta

Tradicionalmente, os militares dos EUA permanecem fora das campanhas eleitorais, embora Donald Trump tenha apoiado ativamente os militares desde o início de sua presidência. É significativo que, em um de seus discursos, Joe Biden falou sobre a possibilidade de aumentar as despesas militares, o que foi considerado como uma tentativa de influenciar as preferências das forças de segurança.

Entretanto, além das tentativas dos candidatos de conquistar os militares, existe um mecanismo interessante que reflete certos interesses contrários dos militares e think tanks, quando estes últimos servem a grupos políticos.

O fato é que o complexo militar-industrial americano (ou seja, os principais fabricantes de sistemas de armas e produtos relacionados, muitas vezes civis, bem como estruturas do Departamento de Defesa) financia vários think-tanks americanos de forma contínua.

Os cinco principais doadores são Northrup Grumman, Raytheon, Boeing, Lockheed Martin e Airbus. Junto com estes contratantes, o dinheiro também é transferido do Departamento de Defesa, do Departamento de Segurança Nacional, do Departamento de Estado, da Força Aérea dos EUA e do Exército dos EUA. A cada ano, cerca de US$ 1 bilhão é dado a vários centros para programas e pesquisas. Os destinatários habituais são os think-tanks que lidam com questões de defesa, segurança e estratégia militar. Entretanto, a lista também inclui uma série de organizações que estão no espectro globalista, como o Conselho de Relações Exteriores e o Centro Stimson.

Os dez principais centros que receberam subsídios entre 2014 e 2019 (inclusive) são:

  • Corporação RAND – $1.029.100.000;
  • Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS) – $8.956.000;
  • Conselho Atlântico – $8.697.000;
  • Fundação Nova América – $7.283.828;
  • Fundo German Marshall para os Estados Unidos – $6.599.999;
  • CSIS – $5.040.000;
  • Conselho de Relações Exteriores – $2.590.000;
  • Instituto Brookings – $2.485.000;
  • Fundação Heritage – US$1.375.000;
  • Centro Stimson – $1.343.753.

Além do conhecido Conselho de Relações Exteriores, esta lista também inclui o CNAS, que na verdade é um centro pró-democrata. Foi estabelecido pela ex-Subsecretária de Defesa (2009-2012) Michèle Flournoy e ex-Subsecretária de Estado para Assuntos do Leste Asiático e do Pacífico (2009-2013) Kurt Campbell. Ambos representam o Partido Democrata.

A Fundação Nova América se posiciona ideologicamente como um think-tank liberal e de centro-esquerda. Eric Schmidt já ocupou um dos primeiros postos de trabalho lá. Seu atual presidente e CEO é Anne-Marie Slaughter, que atuou como diretora de planejamento político na administração Obama.

É revelador que o centro lançou a Campanha Matching 2020 para angariar fundos para reorganizar o sistema político do país. A campanha termina em 30 de outubro – pouco antes das eleições presidenciais.

O Conselho do Atlântico é o think-tank da OTAN.

De fato, os doadores acima mencionados também estão financiando indiretamente a propaganda política, já que estão pagando pelas atividades destes centros e, como especialistas “independentes” em vários assuntos, seus funcionários falam na televisão e escrevem artigos nos principais jornais e revistas. Assim, eles moldam a opinião pública.

Financiando Protestos de Rua

Como os democratas têm confiado em protestos em massa, um fator importante para eles é a busca de fundos para estimular vários grupos de apoio.

Antifa, BLM e várias organizações de esquerda, inclusive antiglobalistas, são todos grupos de protesto importantes para os democratas.

A Antifa tem sido vinculada aos trotskistas. Em fevereiro de 2016, o Comitê Internacional da Quarta Internacional publicou uma declaração que dizia: “O novo movimento antiguerra deve ser anti-capitalista e socialista, pois não pode haver luta séria contra a guerra a não ser na luta pelo fim da ditadura do capital financeiro e do sistema econômico que é a causa fundamental do militarismo e da guerra. O novo movimento antiguerra deve, portanto, por necessidade, ser completa e inequivocamente independente e hostil a todos os partidos e organizações políticas da classe capitalista”.

Trotskistas de todo tipo, incluindo o especulador financeiro George Soros, estão apoiando ativamente os grupos antifa radicais em todo o mundo. Em julho de 2017, seus recursos ajudaram a mobilizar mais de 100.000 antiglobalistas e membros da Antifa para protestos em Hamburgo durante a cúpula do G20.

Mas desde que a Antifa foi reconhecida como uma organização terrorista nos EUA, ela está imitando com sucesso, e recentemente se fundiu com o movimento Black Lives Matter (BLM), a fim de evitar problemas com as autoridades.

A BLM é apresentada na mídia global como um movimento pelos direitos dos negros nos EUA que são vítimas de brutalidade policial, racismo institucional e assim por diante. A realidade, no entanto, é um pouco diferente. A expressão #BlackLivesMatter apareceu pela primeira vez sob a forma de uma hashtag no Twitter em 2013. Acredita-se que o movimento foi organizado pelos ativistas radicais de esquerda Alicia Garza, Patrisse Cullors e Opal Tometi. O slogan “Mãos para cima – Não atire!” foi popularizado pela ativista negra Nelini Stamp, uma das organizadoras do movimento “Occupy Wall Street” (financiado por George Soros), após o assassinato de Michael Brown em agosto de 2014. Ela também representou o Working Families Party, que foi um dos fundadores da organização Dream Defenders. O Conselho Consultivo dos Defensores dos Sonhos inclui Angela Davis, uma ex-líder do Partido Comunista dos EUA.

Alicia Garza também tem vínculos com a National Domestic Workers Alliance, People Organized to Win Employment Rights (POWER), a School of Unity and Liberation (SOUL), a Right to the City Alliance, e Forward Together, todos eles apoiados por vários doadores.

A BLM também recebe financiamento indireto, através de várias estruturas, da Democracy Alliance – um fundo especial criado em 2005 para “construir uma sociedade progressista” nos EUA, incluindo o apoio às minorias sexuais e às pessoas de cor. O fundo é considerado o clube de doadores liberais mais poderoso do país, e foi inicialmente financiado por George Soros, pelo empresário Peter Lewis e pelo desenvolvedor de software e homossexual Tim Gill. Além do envolvimento direto de Soros, o clube também inclui o bilionário Tom Steyer.

O dinheiro não é gasto apenas no ensino e na construção pseudo-científica de novos “valores”, no entanto. Técnicas típicas de revolução coloridas são utilizadas para incentivar seus ativistas da linha de frente e mobilizar o BLM. Uma das formas mais eficazes é o financiamento direto de manifestantes. Sabe-se que os manifestantes de rua eram pagos $5.000 por mês para incitar e manter a agitação civil em Ferguson. Há também uma conexão aqui com o alto escalão do establishment. Uma das organizações envolvidas no financiamento da agitação civil em Ferguson em 2014 foi a Missourians Organizing for Reform and Empowerment (MORE), uma antiga filial da Association of Community Organizations for Reform Now (ACORN), que entrou em falência em 2010. Barack Obama trabalhava para a ACORN e a representava no tribunal como advogado.

Embora a mídia limite as informações sobre Black Lives Matter aos protestos contra a violência policial e a luta pelos direitos dos afro-americanos, os objetivos do movimento são na verdade muito mais amplos. A BLM está procurando substituir as pedras fundamentais da sociedade americana: 1) abolir o conceito judaico-cristão da família nuclear tradicional, que é a unidade social básica na América; 2) abolir a polícia e desmantelar o sistema prisional; 3) normalizar o transexualismo e deslegitimar a chamada heteronormatividade (a crença de que a heterossexualidade é a norma); e 4) abolir o capitalismo e substituí-lo por um sistema econômico controlado pelo governo.

Os democratas também têm o apoio de antiglobalistas de perfil relativamente alto. Entre outros, Naomi Klein apelou para que as pessoas se unissem à luta contra Trump. No entanto, este paradoxo – que os antifas e antiglobalistas estão trabalhando no interesse dos globalistas – não está sendo noticiado pelos meios de comunicação conservadores da América.

Na esfera da mídia, Biden tem o apoio da organização de notícias The Intercept.

Ela foi inicialmente criada e financiada pelo fundador e proprietário do eBay Pierre Omidyar através do Fundo da Rede Omidyar.

O Washington Post, que é propriedade de Jeff Bezos, da Amazon, também está do lado dos democratas, criticando constantemente o Trump. No entanto, nem Jeff Bezos nem Mark Zuckerberg, do Facebook, apoiam abertamente Trump ou Biden. Alguns acreditam que eles estão financiando secretamente ambos.

A Complexidade das Previsões

É difícil fazer uma previsão precisa nesta eleição, uma vez que os democratas estão exigindo um voto por correspondência. Embora o serviço postal americano seja uma agência governamental, este método é altamente vulnerável à fraude nos EUA, e não existe um mecanismo adequado para verificar e controlar o processo em si. A equipe do Trump já advertiu sobre o risco que este elemento do sistema eleitoral representa.

De acordo com os dados mais recentes baseados das pesquisas de opinião do Cook Political Report, Inside Elections e Sabato’s Crystall Ball, o Arizona, a Flórida, a Georgia, o Michigan, a Carolina do Sul, a Pensilvânia e o Wisconsin são atualmente considerados os estados que irão determinar em grande parte o resultado da eleição.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Deixe uma resposta