‘Lindinhas’ da Netflix: Não é a primeira vez que Hollywood tenta normalizar a pedofilia

Escrito por Brandon Smith
A elite capitalista mundial é pedófila e psicopata e Hollywood é o coração de seu maquinário de engenharia social. Não é de hoje que se associa o mundo do cinema a abusos infantis. Na verdade, Hollywood tem tentado normalizar a sexualização infantil desde os anos 30, durante a Grande Depressão. O filme “Lindinhas” é apenas a tentativa mais recente e, por coincidência, novamente em momento de crise global.

Após estudar e expor as agendas das elites hegemônicas durante os últimos 14 anos, posso dizer com alguma autoridade que, observando essas pessoas, você rapidamente começa a entender a realidade do mal. Qualquer um que despreze o conceito do mal como nada mais que uma “construção social” ou uma questão de “percepção” está sofrendo de ingenuidade ou preconceito.

Essas pessoas tiveram a sorte de ter evitado um encontro com os psicopatas residentes em sua cidade, ou, têm certas tendências secretas que não revelarão. Uma coisa que achei mais perturbador foi o hábito de pessoas más virem rapidamente em defesa de outras pessoas más que nem sequer conhecem. Ou seja, eu fiquei inicialmente chocado ao descobrir o nível extremo de fraternidade que os predadores sentem e exibem quando outros predadores estão sendo expostos. É como se eles fossem uma irmandade não falada, e não gostam quando seus parentes estão sendo punidos por seus crimes.

Sim, existem coisas como ignorância, ganância, ciúme, desejos insalubres, etc., e todas essas fragilidades podem levar a atos malignos. Dito isto, na maioria dos casos você verá que a MAIOR parte das pessoas sente culpa, arrependimento, empatia e remorso que as impedem de seguir adiante com seus instintos mais depravados. Isto é o que comumente chamamos de “consciência”, e um grande número de pessoas a tem. Sem ela, nossa espécie teria se autodestruído e se extinguido há milhares de anos.

Com os psicopatas, porém, não se trata apenas de uma completa falta de empatia e de consciência; eles também muitas vezes se empenham na destruição, na violação e na exploração dos outros. Os sociopatas padrão prejudicam as pessoas no processo de conseguir o que querem porque não têm a capacidade de se compadecer. Os psicopatas prejudicam as pessoas porque É ESTE O SEU OBJETIVO. Pense nisso como uma espécie de torcicolo; eles cobiçam o controle sobre os outros, eles se intoxicam com isso. E, sua droga de escolha mais procurada é a violação da inocência.

Em minha vida, encontrei mentirosos épicos, vigaristas, estupradores, assassinos e até pedófilos, e seus hábitos e maneirismos tendem todos a ser os mesmos. A cada encontro, você recebe um curso intensivo sobre o mal e começa a aprender a identificá-los por seus tiques de personalidade e processos mentais quebrados. Chega ao ponto em que eles realmente se tornam entediantes e previsíveis.

Enquanto Hollywood gosta de romantizar os psicopatas como eternamente interessantes, na vida real eles são mais como robôs ou máquinas descerebradas. A maioria deles são bons no que fazem, que é ser predadores ou parasitas, mas é o único conjunto de habilidades deles – é a única coisa que os define. Caso contrário, eles não têm capacidade de imaginação ou criatividade e todos os seus pensamentos e idéias são roubados de outros e reciclados. Na verdade, você vai descobrir que se você estiver perto de um psicopata por um longo período de tempo, ele vai começar a falar e agir como você. Isto é o que eles fazem; eles procuram se misturar.

Algumas pessoas têm dificuldade de compreender a natureza da psicopatia e do mal porque viveram vidas abrigadas e permanecem felizes sem se darem conta do perigo.

Certamente, é possível passar pela vida sem encontrar indivíduos tão aberrantes. Psicopatas completos (também conhecidos como sociopatas narcisistas) são raros no grande esquema da sociedade humana. Eles representam cerca de 1% da população estatisticamente, com narcisistas e pessoas com tendências sociopatas representando cerca de 5% do público em geral. E essa é uma coisa boa, porque uma impressionante maioria dos crimes violentos tendem a ser cometidos por pessoas com tendências psicopatas. Eles são, de longe, o principal dreno dos recursos da justiça criminal e a maior ameaça à estabilidade social e à segurança.

Se alguém realmente quisesse mudar a humanidade para melhor, NÃO poderia fazê-lo sem antes remover os psicopatas da equação. Isto significa, o mais importante, retirá-los de posições de poder e influência cultural. O problema é que não há como testar com precisão e facilidade os traços psicopáticos de forma preventiva. É necessária uma observação psicológica extensiva em um ambiente controlado.

Os testes psicológicos padrão podem ser enganados, e os testes de varredura cerebral são altamente suspeitos (há pessoas que tentaram fazer uma carreira com esse negócio de varredura cerebral de psicopatas, mas ainda não há provas de que os testes sejam capazes de identificar tais traços de forma preventiva). Em última análise, os psicopatas têm que ser julgados pelas suas ações e comportamento ao longo do tempo por alguém que esteja muito familiarizado com seus traços universais de personalidade.

Dito isto, uma vez que estas pessoas se identifiquem através da ação, algo tem que ser feito a respeito delas. Se lhes for permitido continuar sem resistência, eles seguirão seu caminho até sua conclusão natural, o que significa terror e carnificina para qualquer pessoa com quem entrem em contato.

A fim de se protegerem e suas atividades, os psicopatas se organizam, de fato, juntos. Isso tem acontecido repetidamente ao longo da história e os membros mais inteligentes ou astutos geralmente se agrupam dentro dos escalões superiores da sociedade, infiltrando-se nas instituições de poder. Novamente, o conceito de “psicopata solitário” é uma criação de Hollywood que não representa a vida real. Desde que haja ganho mútuo a ser obtido e que haja muitas vítimas a serem exploradas, os psicopatas podem facilmente se unir.

Hollywood tem provado ao longo dos anos ser um paraíso para pessoas más. Não tanto no que concerne celebridades (embora muitas delas sejam narcisistas e sociopatas), mas mais em termos das pessoas que controlam a indústria. Todo o edifício foi projetado como um refúgio para tendências sub-humanas. Eles celebravam isto abertamente no passado, embora hoje em dia eles finjam que estão limpando a casa.

A máquina de Hollywood é uma armadilha de vampiro, um farol luminoso que atrai pessoas talentosas (ou pelo menos esperançosas e fascinadas pela perspectiva de estrelato), drenanda-os de toda sua vida e depois cuspindo-as uma vez terminada a alimentação. Isto é particularmente verdadeiro para crianças, e o número de casos de abuso infantil na indústria é espantoso. Se fosse qualquer outro negócio, a mídia estaria em pé de guerra por conta do número de condenações e alegações. Se a indústria do fast food tivesse tantas acusações de pedofilia quanto Hollywood, a mídia de massa estaria escrevendo milhares de artigos por ano condenando a epidemia de molestamento em celeiros. Mas quando se trata de Hollywood, os principais jornalistas defendem raivosamente as pessoas no topo e atacam os críticos como “teóricos da conspiração”.

A propensão dos psicopatas a valorizar as crianças como seus alvos mais procurados é bem conhecida. Nem sempre isso é necessariamente sexual, às vezes é apenas uma questão abuso físico ou mental. Mas, para eles, as crianças são uma iguaria sem igual. O que poderia ser mais cativante para o mal do que destruir a vida de uma pessoa puramente inocente e arrancar delas a sua infância?

Só nos últimos anos é que a pedofilia em Hollywood tem sido levada mais a sério pelo público em geral. As elites de Hollywood que dominam posições corporativas de alto nível têm sido os provedores e controladores da expressão cultural dos Estados Unidos por quase um século e, no entanto, raramente são objeto de escrutínio. São suas próprias ações que criaram o recente movimento de luta contra o abuso organizado de crianças.

Os psicopatas são movidos por desejos tortos e distorcidos, mas também são movidos por uma necessidade desesperada de “provar” que o resto da sociedade é tão má ou tão perturbada quanto eles, se lhes for dado o “empurrão” certo. Esta é uma de suas maiores fraquezas, porque isso os leva a cometer erros e a expor sua verdadeira natureza.

É aí que entra o filme ‘Lindinhas’ da Netflix…

Assisti agora a partes deste filme, incluindo cenas dramáticas da história para ter uma noção justa do conteúdo total, bem como alguns clipes das cenas notórias que enfureceram o público. E, posso dizer SEM SOMBRA DE DÚVIDA, que este filme é de fato pornografia infantil, de acordo com a definição jurídica do Departamento de Justiça. Um aviso – NÃO recomendo que você mesmo assista a este filme, mas se o fizer, esteja ciente de que o conteúdo é altamente perturbador.

Se você ouviu da mídia convencional que a reação a este filme foi “exagerada” e parte de uma “conspiração da extrema-direita”; então estou aqui para lhe dizer que você foi enganado. Embora eu continue a manter minha posição de que o Qanon é uma piada e uma operação de desinformação que tem estado errada sobre quase todas as previsões que eles fizeram, você não precisa fazer parte do culto Q para ver a tentativa de normalizar a pedofilia na base do ‘Lindinhas’.

Argumentos feitos pela mídia majoritariamente politicamente correta expuseram onde eles realmente se encontram sobre a questão do mal, e todos eles são a favor do filme! Mais uma vez, a extrema-esquerda política expõe sua verdadeira natureza quando se trata da defesa de conteúdos terríveis. Houve indícios disso em campanhas anteriores da mídia, como a publicação esquerdista Salon e um artigo que publicaram em defesa da pedofilia escrito por um pedófilo auto-proclamado. O argumento deles? Que a pedofilia deve ser tratada com mais empatia, desde que os pedófilos não atuem sobre seus impulsos. Mais tarde, o Salon retirou o artigo, mas outros meios de comunicação argumentaram que eles deveriam tê-lo deixado publicado.

Inicialmente, a crítica ao trailer do filme ‘Lindinhas’ foi recebida com zombaria por parte da mídia especializada, as únicas pessoas que já tinham visto o filme em sua totalidade. Eles alegaram que os críticos não tinham idéia do que estavam falando e que o trailer não transmitia a verdadeira mensagem do filme, que supostamente seria de que a exploração sexual de crianças é “ruim”. No entanto, quando o filme foi lançado, ficou claro que isto era mentira.

Você pode empacotar pornografia infantil em tantas declarações de “arte” e “narrativa” quantas quiser, mas no final das contas, ainda é pornografia infantil. O fato de ter sido dirigido por uma mulher da África Ocidental que migrou para a França é irrelevante. As mulheres africanas migrantes também podem ser pedófilas e psicopatas. E sim, qualquer um que exponha meninas de 11 anos a este tipo de produção cinematográfica é de fato um psicopata.

Os métodos cinematográficos e os ângulos de câmera são o que entregam o jogo, e qualquer pessoa que tenha estudado cinema entende como isto funciona. Os sujeitos sexualizados do cinema tendem a se emprestar a uma certa forma de cinematografia que é projetada para glamorizar e seduzir.

Por exemplo, veja o filme ‘As Divas do Blue Iguana’ (que realmente me agradou), um filme sobre a vida sórdida das strippers que tentam sobreviver em Los Angeles. Observe o trabalho da câmera nesse filme e, então, se você puder aguentar, compare-o com as cenas de dança em ‘Lindinhas’. O trabalho de câmera é O MESMO, pairando sobre certas partes do corpo de forma voyeurística. A diferença é que ‘Divas do Blue Iguana’ estrela MULHERES ADULTAS, não meninas de 11 anos.

‘Lindinhas’ é frequentemente defendida pela mídia como sendo um filme “premiado” na Sundance; ou seja, se as elites da crítica da arte assinam embaixo, então trata-se de material social e moralmente aceitável. Ele é simplesmente “inteligente demais” para os plebeus entenderem, certo? Bem, eu mesmo sou um cinéfilo de longa data e sei quando estou olhando para “arte” e quando estou olhando para exploração, e ‘Lindinhas’ é exploração clara.

Deve-se notar também que o co-fundador do Festival de Cinema de Sundance se declarou culpado de acusações de abuso sexual infantil há apenas um ano. Portanto, talvez ter o emblema do prêmio Sundance em um filme não seja um passe livre em relação pedofilia.

É claro que o filme ‘Lindinhas’ não é a primeira vez que Hollywood tenta normalizar a sexualização de crianças. Em 1932 e 1933, logo no início da Grande Depressão, o produtor Jack Hays e o diretor Charles Lamont lançaram uma série de pelo menos oito filmes que seriam chamados de “Baby Burlesque”. Os filmes apresentavam atores e atrizes extremamente jovens, incluindo Shirley Temple antes de ela ser um monstro de bilheteria, representando histórias e cenas de adultos, vestida com trajes de adultos.

Os filmes continham tons sexuais generalizados, e se você estiver familiarizado com os modos como Temple foi grotescamente abusada pelos produtores de Hollywood durante seu tempo como atriz, os filmes têm uma escuridão acrescida a eles.

A fórmula dos filmes de Baby Burlesque era retratar atores jovens em situações adultas e depois rotulá-lo de “paródia”. Isto incluía uma jovem Temple interpretando uma prostituta vestida de “roupa de rua” reveladora e discutindo quanto ela custava. Os filmes posteriores de Temple retratariam uma criança jovem, muitas vezes órfã, adotada por ou passando o filme inteiro com um rico benfeitor. Pais geralmente não aparecem nos filmes ou são mortos de alguma forma trágica, deixando a criança sozinha e vulnerável. As danças e até mesmo as canções nos filmes são semi-eróticas, especialmente para a época. As relações entre as crianças e os adultos benfeitores são bizarras, e geralmente são retratadas como uma interação quase romântica ao invés de uma interação normal entre adulto e criança.

Hollywood vem fazendo isso há MUITO tempo. ‘Lindinhas’ nada mais é do que uma versão modernizada do Baby Burlesque.

Para deixar claro, a Netflix não fez o filme, eles apenas fizeram a distribuição do mesmo. Dito isto, seu trailer promocional do filme mostrou diretamente os elementos sexuais e não muito mais, o que me indica com o que eles REALMENTE se importavam, e não era a história. Uma vez que o filme foi lançado ao público, tornou-se óbvio que os trailers do filme nem sequer arranhavam a superfície do conteúdo pedófilo concreto.

O casting para o filme levou 6 meses para ser concluído e mais de 700 garotas foram “testadas” para os papéis de protagonista. A diretora Maïmouna Doucouré continua a defender o filme, chamando-o de um projeto “feminista”. Isto não é surpreendente; a natureza perturbada e mentalmente perturbada do movimento progressista se presta a todos os tipos de distúrbios. O maior problema é sua paixão pelo relativismo moral e sua capacidade de racionalizar qualquer número de crimes em nome da “diversidade” ou da “igualdade” ou da “interseccionalidade”. Estas são palavras ocas criadas por pessoas ocas; elas não desculpam o mau comportamento.

Como com o Baby Burlesque, a pornografia infantil é muitas vezes mascarada como outra coisa. No caso de ‘Lindinhas’, a exploração infantil é mascarada como um comentário solto sobre a exploração infantil. É uma ironia cega? Não, na verdade não. Ao contrário, em minha opinião, ela foi planejada.

Acho interessante que as redes de pedofilia em Hollywood pareçam escolher os momentos mais instáveis da história como trampolim para introduzir a sexualização infantil na consciência pública. Eles inundaram o mercado de entretenimento com filmes do Baby Burlesque logo no início da Grande Depressão. Agora eles estão empurrando o envelope ainda mais durante uma pandemia, protestos e crise econômica nos dias de hoje. Minha teoria? Eles vêem a fraqueza e a incerteza generalizada em nossa sociedade e a vêem como uma oportunidade para mudar fundamentalmente nossos limites morais.

As elites realmente querem que olhemos para filmes como ‘Lindinhas’ e digamos “Nossa, esta coisa da pedofilia não é tão ruim quanto parece… e talvez não seja errado ficar excitado por crianças de 11 anos…”. Algumas pessoas estão de fato dizendo isso no YouTube agora mesmo, quando vêm em defesa do filme.

Resumindo: Se você fica excitado por crianças de 11 anos, então você é psicologicamente defeituoso e deve ser separado do resto da sociedade para o bem de todos. Há certos comportamentos que não podem e não devem jamais ser adotados por nossa cultura como toleráveis. Este é um deles.

Se há algo de positivo a ser obtido da obsessão da elite hegemônica em nos fazer aceitar o abuso infantil como “normal”, é que eles continuam a expor os demônios que eles são. Felizmente, parece que os Estados Unidos e grande parte do mundo rejeitaram completamente ‘Lindinhas’, e qualquer interesse no filme parece ser devido à curiosidade mórbida sobre como um tal desastre poderia ter sido produzido e distribuído. Hollywood NUNCA vai convencer o público de que o abuso infantil é legal, mas eles continuarão a tentar até que nós acabemos com eles.

Fonte: Alt-Market

Deixe uma resposta