Guerra entre Armênia e Azerbaijão: O Impasse de Nagorno-Karabakh e seus Inimigos

As hostilidades começaram em Nagorno-Karabakh. A qualquer momento, a situação pode se transformar em um conflito aberto entre o Azerbaijão e a Armênia. Acontece que o “impasse de Karabakh” não era um beco sem saída. Mas começamos a apreciar algo apenas quando o perdemos.

Vamos colocar essa situação em um contexto geopolítico e histórico.

Problema de Karabakh após o colapso da URSS

As origens do atual conflito de Karabakh estão associadas ao colapso da URSS. Com o enfraquecimento da central sindical na periferia da URSS, movimentos e tendências nacionais e nacionalistas começaram a se intensificar, o que resultou no surgimento de novos países. Entretanto, praticamente todas as repúblicas da União Soviética (com exceção da Armênia propriamente dita) eram estruturas multiétnicas – e na Armênia havia um certo número de russos, azerbaijanos e curdos. Em outras repúblicas sindicais, a situação era ainda mais multidimensional do ponto de vista étnico. No sentido pleno da palavra, nenhuma das fronteiras que surgiram durante a desintegração da URSS jamais existiu dentro dessas fronteiras, e dentro da URSS as fronteiras tinham um valor nominal e os fatores nacionais e étnicos foram levados em conta apenas na estratégia geral de movimento em direção a uma nova comunidade pós-nacional do “povo soviético”. Stalin, mais sensível em virtude de sua origem, incluiu deliberadamente elementos étnicos heterogêneos nas repúblicas nacionais em questões étnicas, a fim de suprimir completamente qualquer tentativa em algum ponto de se separar da URSS. Ou seja, a heterogeneidade étnica e a inclusão de vários enclaves étnicos em repúblicas nacionais foi a princípio uma estratégia stalinista deliberada e, mais tarde, quando a vigilância geopolítica foi perdida, tornou-se uma espécie de inércia.

Karabakh soviético

Com o enfraquecimento da central sindical, agravaram-se simultaneamente as contradições nacionais e étnicas. Ao nível das repúblicas, isso levou à criação de estados pós-soviéticos, ao nível dos grupos étnicos, deu origem a uma série de conflitos agudos. Karabakh é um deles.

Azerbaijanos e armênios têm uma longa disputa: de quem é Karabakh: azerbaijani ou armênio? Sem ir muito fundo na história, deve-se responder a essa pergunta da seguinte maneira: Karabakh era soviético. No decurso da reaproximação de Lenin com Kemal Ataturk, este território foi anexado administrativamente ao Azerbaijão, mas era principalmente soviético, e sua composição étnica, onde azerbaijanos e armênios formavam cerca de duas metades, não foi decisiva – tanto aqueles como estes deveriam se tornar simplesmente soviéticos…

O enfraquecimento da ideologia comunista na URSS durante o período da perestroika levou ao adiamento do projeto internacionalista e à reafirmação das identidades nacionais e étnicas, saindo da matriz ideológica. Em territórios etnicamente mistos, isso levou a conflitos (Transnístria, Abkházia, Ossétia do Sul, turcos da Mesquita, etc.). Em Karabakh, o conflito foi especialmente sangrento e violento.

Como Karabakh se tornou armênio?

A posição do governo federal da URSS que estava em rápido enfraquecimento era inicialmente do lado do Azerbaijão. Baku Mutalibova seguiu um curso mais centralista, enquanto Yerevan se tornou uma das principais forças motrizes por trás do colapso da URSS. O nacionalismo na Armênia começou a crescer rapidamente e isso afetou os armênios de Karabakh. Entre os azerbaijanos, foi em Karabakh que os sentimentos nacionalistas começaram a se desenvolver, no qual a Frente Popular liberal e pró-Ocidente tentou jogar.

Os armênios agiram de forma decisiva e apesar das tropas soviéticas, após os trágicos massacres, tomaram Nagorno-Karabakh, expulsando de lá as tropas soviéticas, que se encontravam indecisas por falta de ordens inteligíveis de Moscou. Paralelamente, foi realizada limpeza étnica e os azerbaijanos foram quase completamente expulsos de Karabakh. Inspirados pelos sucessos militares, os armênios conquistaram mais 7 regiões do Azerbaijão adjacentes a Karabakh, na esperança de trocá-las posteriormente pelo reconhecimento da independência.

Paralelo a isso, o colapso da URSS ocorreu em todas as direções. O Azerbaijão também o deixou. Paralelamente, liberais pró-ocidentais chegaram ao poder na Federação Russa, liderados por Yeltsin, que nas fases anteriores participou ativamente do colapso da URSS e estabeleceu laços estreitos com movimentos nacionalistas e separatistas nas Repúblicas Soviéticas. Os armênios usaram isso a seu favor, correndo para firmar uma aliança com os liberais russos, contra o vacilante Azerbaijão, tomado por problemas internos – o caótico governo dos democratas liberais da Frente Popular, que terminou apenas com a chegada de um político realista realmente adequado e sóbrio: Heydar Aliyev. Mas também levou muito tempo para superar, pelo menos parcialmente, as consequências de desastres anteriores. Assim, uma aliança foi formada entre os liberais russos e os liberais nacionalistas armênios, que forneceu apoio aos armênios em Karabakh. O mesmo movimento jogou Baku no campo da coalizão anti-russa GUUAM – Geórgia, Ucrânia, Uzbequistão, Azerbaijão, Moldávia. Após a saída do Uzbequistão, a organização perdeu um U (GUAM).

Mas, apesar de toda a proximidade entre os democratas de Yeltsin de Moscou e os nacionalistas liberais de Yerevan, é importante que Moscou não tenha ido até o fim e não tenha reconhecido a independência de Nagorno-Karabakh, após o que poderia ser legalmente anexada à Armênia.

O impasse de Karabakh agradou a todos

É assim que as pré-condições para a situação atual se desenvolveram no sentido jurídico e geopolítico. Karabakh é controlado etnicamente por armênios e não é considerado oficial pela Armênia, mas sim seu próprio território. Moscou, por padrão, reconheceu o status quo, ou seja, o controle armênio, mas no nível administrativo apoiou a posição de Nagorno-Karabakh e 7 regiões ocupadas dentro do Azerbaijão. Yerevan esperava obter mais de Moscou, mas Moscou não fez mais concessões. Talvez isso se deva à política de Yevgeny Primakov, um realista bastante duro e sóbrio.
Isso deu origem à situação do impasse de Karabakh. A situação não pôde ser resolvida pela força pelos azerbaijanos, já que do lado da Armênia estavam as tropas russas. As bases militares foram retiradas do território do Azerbaijão e não foi Heydar Aliyev quem entendeu perfeitamente que deixava as tropas da OTAN entrarem, ele não só perderia Karabakh para sempre, mas também perderia qualquer possibilidade de soberania. Os armênios também não conseguiram obter apoio legal no Ocidente, apesar de seus lobbies influentes nos Estados Unidos e na Europa. Tudo se chocou contra as tropas russas e era muito arriscado retirá-las, bem como romper as relações com Moscou. Em Moscou, a mesma coisa aconteceu.

No final, esse estado de coisas, de certo modo, agradou a todos. Moscou poderia melhorar gradualmente as relações com Baku sem sacrificar Yerevan. O Ocidente não se aprofundou na situação, evitando o confronto direto com a Federação Russa. O controle armênio geralmente satisfazia os próprios armênios. E o Azerbaijão manteve suas esperanças devido ao fato de que tanto Moscou quanto o Ocidente reconheceram os direitos legais à integridade territorial.

Ao mesmo tempo, qualquer mudança no equilíbrio desse impasse de Karabakh levaria inevitavelmente a uma piora da situação para todos. Eles perderam tudo: os armênios não tiveram chance de reconhecer a independência de Karabakh de qualquer maneira e, neste estado de coisas, eles exauriram tudo que podiam. O Azerbaijão não podia se dar ao luxo de se opor fortemente a Moscou, e o lobby armênio no Ocidente também bloqueou as tentativas dos diplomatas azerbaijanos de se aproximarem mais. Esta linha foi ativamente pressionada pelos israelenses, insatisfeitos com a parceria entre Yerevan e Teerã. Moscou, no caso de uma escalada do conflito, demonstrou sua incapacidade de controlar o sul do Cáucaso. Apenas o Ocidente poderia se interessar pela situação em Karabakh revivida, mas não para sair do impasse, mas para criar um novo impasse – mais vantajoso para o próprio Ocidente e menos vantajoso para a Rússia.

Em outras palavras, não era um beco sem saída.

“Eixo Moscou-Baku” sob Putin e Ilham Aliyev

Embora geopoliticamente o impasse de Karabakh tenha existido até o momento, predeterminando os principais parâmetros da situação, na última década a razão dos principais fatores mudou um pouco sem afetar o equilíbrio geral.

Primeiro, surgiu uma reaproximação entre Putin e o herdeiro de Heydar Aliyev, Ilham Aliyev. Putin estava restaurando a soberania da Rússia, quase completamente perdida pelos liberais nos anos 90, e isso o forçou a reconsiderar a estratégia de Moscou no espaço pós-soviético na ótica da Eurásia. E isso, por sua vez, exigia levar em consideração todos os atores para evitar sua excessiva reaproximação com o Ocidente. Aliyev não correu para o Ocidente, agiu com delicadeza e conquistou a confiança de Putin. Foi assim que começou a se delinear o eixo Moscou-Baku, no qual existia apenas o problema de Karabakh.

Em segundo lugar, o regime de Ilham Aliyev revelou-se estável e eficaz, o que levou a um aumento da influência de Baku na geopolítica, a uma recuperação econômica e a uma política social bem-sucedida. Após a virada dos anos 90, a sociedade se estabilizou, o que também influenciou no crescimento do potencial estratégico militar, que antes se encontrava em péssimo estado. Baku gradualmente se preparou para uma solução militar. E isso tornava sua posição cada vez mais forte.

Porém, o que fortalecia Ilham Aliyev, o fator Putin, ao mesmo tempo o limitava. Disposição para usar a força é uma coisa, mas se formos falar sobre palavras em ações, ela vai de encontro aos interesses de Moscou. E então toda a situação mudou dramaticamente.

Plano de 5 distritos

Com o fortalecimento do eixo Moscou-Baku e o crescimento do potencial estratégico do exército do Azerbaijão, Ilham Aliyev em algum momento formulou claramente a tese: deixe Moscou ajudar a resolver a situação com Karabakh, e então o próximo passo será a finalização da união Rússia-Azerbaijão. Putin pensou em como fazer isso sem perder seu aliado armênio. E essa não era uma tarefa fácil.

Na primavera de 2016, cansado de esperar, Ilham Aliyev decidiu mostrar que a espera não pode durar para sempre. Isso levou a uma escalada e ao início da ofensiva do Azerbaijão. Durante seu curso, Baku conseguiu recapturar várias pequenas zonas nas regiões adjacentes a Karabakh. A ofensiva, no entanto, foi interrompida. Analistas militares e políticos azerbaijanos dizem que o motivo foi o apelo de Putin. Seu conteúdo é desconhecido. Mas logicamente – se tal ligação aconteceu – Putin deveria ter oferecido a Aliyev um cenário alternativo.

Em qualquer caso, tal cenário não demorou a surgir. Previa a transferência de 5 das sete regiões do Azerbaijão capturadas pelos armênios como o primeiro passo para acalmar a situação. Putin conseguiu coordenar esse projeto com Aliyev e Serzh Sargsyan. Sargsyan, no entanto, mais tarde começou a atrasar a implementação do projeto, citando a necessidade de reforma política. Porém, no momento decisivo, ele foi derrubado por Nikol Pashinyan, que estava mais voltado para o Ocidente e começou a sabotar fortemente o projeto de 5 regiões – dizem, essa é toda a liderança anterior, e não tenho nada a ver com isso.

Isso colocou Moscou em uma situação desagradável novamente, mas era assim que se pretendia. O plano do Ocidente para 5 regiões, que preserva o status quo e abre o caminho para uma maior reaproximação entre Moscou e Baku, era completamente inaceitável.

Isso criou as pré-condições para o que está acontecendo em Karabakh hoje. A interrupção do projeto de 5 regiões tornou-se uma pré-condição geopolítica para o início das hostilidades em 27 de setembro de 2020.

Golpe para a Rússia

O que está acontecendo hoje em Karabakh está prestes a se transformar em uma guerra de pleno direito entre o Azerbaijão e a Armênia. Este será um golpe colossal para a Rússia, pois irá derrubar o equilíbrio de poder com o qual a Rússia está feliz. A revisão desse equilíbrio por meio de ação militar em qualquer direção trará apenas consequências negativas para a Rússia. A Armênia dificilmente pode ganhar alguma coisa (mesmo teoricamente) em tal situação. Ela já tem um máximo. Baku, tendo se tornado muito mais forte, tem certas chances de alcançar algum sucesso, mas dificilmente se pode contar com uma vitória completa.

° Em primeiro lugar, os armênios – e especialmente o Karabakh – são excelentes e brutais na guerra.
° Em segundo lugar, a Armênia está ligada por uma aliança militar com a Rússia.
° Em terceiro lugar, se a posição dos armênios se tornar completamente deplorável e a Rússia ficar inativa (o que simplesmente não pode ultrapassar um certo limite), o Ocidente se juntará aos armênios (especialmente se o Azerbaijão for apoiado pela Turquia).

Não estou falando de sacrifícios humanos que serão inevitáveis. A guerra está matando pessoas. Mas do ponto de vista geopolítico, todos os participantes de um conflito militar provavelmente sofrerão perdas muito pesadas.

Talvez eu não leve algo em consideração, mas até agora me parece que a escalada militar em Karabakh traz apenas perdas e desvantagens muito sérias para todos os seus participantes e todas as partes ativamente envolvidas.

No entanto, se o beneficiário definitivamente não for a Armênia, se a Rússia incorrer em custos muito graves no sentido geopolítico e os benefícios do Azerbaijão forem altamente duvidosos e problemáticos (mesmo se alguns territórios forem conquistados, Aliyev piorará drasticamente suas relações não apenas com Moscou, mas também com Oeste – não importa o que os oficiais de ligação com os centros estratégicos ocidentais lhe prometam), quem se beneficia de tal conflito hoje? E por que hoje?

Com base na situação que se desenvolveu no mundo em um contexto mais amplo, vemos que a escolha do momento coincide com a exacerbação de uma verdadeira guerra civil nos Estados Unidos, onde o confronto entre Trump e Biden se tornou um embate ideológico entre globalistas (democratas) e nacionalistas (partidários de Trump). Os globalistas acreditam que Trump está liderando as coisas para um mundo multipolar, que é pelo que Putin está lutando. E, portanto, um golpe na Rússia enfraquecerá até certo ponto a posição de Trump, que na Rússia não vê um inimigo real e, aos olhos dos oponentes de Trump, a Rússia é uma aliada de Trump (o que não é o caso, mas na política – e não apenas na política – mitos são mais importante do que fatos). Os globalistas claramente apoiaram Pashinyan, com a ajuda de quem esperavam quebrar e até mesmo romper a aliança russo-armênia. Era possível sacudi-lo, mas não quebrá-lo. Eles provavelmente vieram do outro lado. Do lado de Baku.

O que está acontecendo em Karabakh é um golpe para a Rússia.
Levando esses fatores em consideração, Moscou deve construir uma estratégia para suas ações. Mas nenhum parâmetro inteligível de tal estratégia é visível na superfície. Já estamos irreversivelmente atrasados ​​com o plano de transferência de 5 regiões. Você pode esquecer isso. A paz deve ser encorajada a todo custo – para criar grupos e mesas redondas. Mas a eficácia de tais medidas, que são corretas em si mesmas (afinal, Moscou só precisa de paz e de preferência imediatamente) é questionável. E aqui está o que é importante: mesmo que uma guerra total entre o Azerbaijão e a Armênia possa ser evitada desta vez, a posição de Moscou nesses países não vai melhorar de forma alguma. Isso decorre da análise acima.

Existe uma saída, em teoria, em qualquer situação. Deveria haver. Mas ainda não consigo vê-la.

Acontece que o “impasse de Karabakh” não era um beco sem saída. Mas começamos a apreciar algo apenas quando o perdemos.

Fonte: Geopolitica.ru

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa e um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta