Biopolítica do Coronavírus (Parte VII) – Coletes Amarelos e Jalecos Brancos: Os “Empregos de Merda”

A crise pandêmica expôs as clivagens sociais de maneira bastante radical. Os ricos gravavam seus vídeos de “Fique em Casa!” de dentro de suas mansões, enquanto seguiam lucrando por teletrabalho ou rentismo, enquanto a toda uma ampla categoria de “empregos de merda” a possibilidade do teletrabalho foi negada. A desigualdade social também implicou desigualdade diante do risco de morte.

Será que estou fazendo um “bullshit job”, um trabalho inútil, ou não? That is the question. Deste ponto de vista, o confinamento tem agido um pouco como um soro da verdade: se eu estou confinado, se eu teletrabalho, não seria porque estou fazendo um desses trabalhos inúteis? Ai, ai, ai! Esta pergunta foi feita pela primeira vez por David Graeber em um artigo que foi bastante debatido nos espaços altermundialistas em 2013, antes de se tornar cinco anos depois um livro best-seller, emocionante e engraçadíssimo com um tom alegremente perceptivo, “Bullshit Jobs” (2018). Leiam esse livro. O coronavírus lhe deu uma nova e ardente atualidade (obrigado a Dominique Méda por nos lembrar recentemente de sua existência).

David Graeber se parece com seu livro: ele é tanto um anarquista quanto seu livro é anárquico. Metodologicamente falando, ele tem até mesmo algo do professor Didier Raoult. Suas fontes às vezes são fantasiosas, ele colheu seus exemplos no decorrer de discussões nas redes sociais. Em resumo, ele é contra amostras representativas onde não há motivo para convocá-las. Isso é o que torna suas idéias tão estimulantes. Mesmo que ele não o admita, o slogan da Occupy Wall Street: “Nós somos os 99%”, é ele. Deve-se dizer que ele conhece bem o 1% restante, pois em seu campo escolhido, ensinando antropologia na London School of Economics, uma das escolas mais seletas do mundo, ele pertence a esta elite, acadêmica neste caso, e em todos os outros lugares seu esquerdismo desregrado lhe dá o legítimo capital cultural para ser suficientemente interessante para aparecer na BBC e na Radio France. Fora isso, ele é um cara muito cativante.

Nomenclatura dos Empregos Inúteis

Marx distinguiu duas classes sociais antagônicas, Graeber se apega a dois tipos de empregos que se sobrepõem de forma hilária à velha rivalidade marxista: os “bullshit jobs”, que não trazem nada para a comunidade, mas trazem muito dinheiro para aqueles que os fazem; e os “shit jobs”, que trazem muito para a comunidade, mas que não trazem nada para aqueles que os fazem.

Para dizer a verdade, Graeber é especialmente implacável em relação aos “bullshit jobs”, talvez porque, como um ativista de esquerda, ele só teve contato com pessoas neles. Mas, como eu disse, ele é um cara legal e engraçado. De todas as categorias de trabalhos inúteis que ele enumera, o meu favorito é o “preenchedor de planilhas”, que me recorda a obra-prima absoluta da crítica social (e metafísica) que é o “Diário de um Louco” de Nikolas Gogol em seus “Contos de Petersburgo” com seu pequeno funcionário público afiando lápis e registrando em seu diário uma loucura crescente que é cada vez mais inacessível.

Além disso, Graeber passa por todos os “bullshit jobs” incluindo analistas financeiros, agentes imobiliários, pessoal administrativo (há tantos “bullshit jobs” no setor privado quanto no setor público, mas este último já deu origem a uma literatura superabundante, de modo que não vale a pena ficar por aqui), advogados de negócios, os condenados do telemarketing que nos ligam de Madagascar, gerentes de recursos humanos, vendedores de brinquedos online idiotas, organizadores de seminários, utilizadores de Power Point, cabeleireiros de cães, animadores de reuniões e, last but not least, todos aqueles caras que produzem relatórios de atividades tão volumétricos quanto pilhas de recipientes de metal, “reportando”, como os neo-mongóis chamam quando estão no modo “corporate” – a doença verbomotora do capitalismo terminal.

A Sovietização do Neoliberalismo

Isto é o que leva Graeber a comparar o neoliberalismo com a burocracia soviética, dois exércitos de parasitas em imagem espelhada. No regime capitalista avançado, o trabalho inútil está ganhando terreno em todos os lugares. Assim, segundo Graeber, até metade do trabalho útil – os ofícios socialmente úteis, portanto – se perde em trabalho inútil (escrever relatórios demorados, perder tempo em reuniões intermináveis e outros cursos de treinamento desnecessários, etc.).

Mas o problema é mais amplo. Pense no tempo perdido preenchendo formulários, preenchendo pedidos de aplicações digitais, anotando IDs e senhas perdidas que não podem ser recuperadas. Ou baixando séries viciantes em vez de trabalhar, arranhando o nariz em vez de pensar no que Macron vai fazer após a desconfinação, ou navegando em aplicativos em seu smartphone para escrever informações cruciais como: “Você trancou a porta da geladeira?” ou, “Mas que merda, Cindy! Tá falando sério?!”

O Que Aconteceu com os Analistas Financeiros?

Em resumo, o neocapitalismo é uma mistura de produtivismo e parasitismo. Como isso é possível? Basta ler o trabalho de Ivan Illich sobre a contraprodutividade. Após uma determinada etapa, qualquer ganho se transforma em perda. Os círculos virtuosos degeneram em círculos viciosos. Isto é ainda mais verdadeiro para instituições em situação de monopólio, sem nenhum outro predador além deles mesmos, que é o que é o sistema capitalista, que multiplica atividades inúteis que são responsáveis por enquadrar outras atividades que, por sua vez, acabam se tornando inúteis. Tão inúteis que poderiam desaparecer sem que ninguém se importasse. A prova está no Covid-19. Quem notou o desaparecimento dos promotores imobiliários e dos analistas financeiros?

É assim que passamos de trabalho de merda pra trabalho inútil, para um terço das pessoas, nos Estados Unidos, no Reino Unido e certamente na França, que acham que seu trabalho não tem mais significado do que tem uma utilidade social. Isto deu até mesmo origem a uma nova síndrome: o “brown-out”, literalmente a queda de energia ou de tensão. Uma espécie de neurastenia lânguida e suave, uma sensação mais houllebecquiana do que kafkiana, que se encarna ou se desencarna na figura do deprimido depressor.

Os Novos Escravos das Galés

Eis os “bullshit jobs”, vamos aos “shit jobs”, os empregos de merda, socialmente desvalorizados, mas inegavelmente úteis. Se eles desaparecessem, a sociedade entraria em colapso por conta própria. Sem eles, não haveria pão, não haveria cuidados dentários, não haveria sopa de letrinhas para crianças, não haveria remoção de lixo. Aqueles que os praticam são os fornalheiros da sociedade de consumo e os escravos de galé da sociedade de serviços: eles garantem o “back office”, nas palavras de Denis Maillard em Une colère française (2019). Será prontamente admitido que nenhum deles pode trabalhar por teletrabalho.

Macron gaseou-os, atordoou-os, bateu neles, perseguiu-os. Sem piedade. Hoje, ele os parabeniza. De repente, os zeros se tornaram heróis, os últimos da fileira os primeiros na trincheira e os Coletes Amarelos se moveram sem problemas das noites na prisão para as noites de vigília. Não mudou muita coisa, pode-se dizer. O governo, que nunca foi mesquinho com lançador de balas de defesa e granadas de gás lacrimogêneo (a noção de estoque estratégico encontra aqui seu sentido), não achou por bem fornecer-lhes máscaras!

Jérôme Fourquet e Chloé Morin compararam a sociologia das profissões consideradas essenciais, se não vitais, em tempos de pandemia, e a dos Coletes Amarelos: o mínimo que podemos dizer é que eles têm muitos pontos em comum. Eles incluem os caixas, os motoristas de caminhão, os auxiliares de enfermagem, os entregadores, os carteiros, os coletores de lixo, os lojistas e os famosos “motoristas de empilhadeiras”. É um proletariado sem glória e sem um mito mobilizador. A casa do povo é agora o armazém. Entre os homens, o armazém substituiu a fábrica em desvantagem. Para as mulheres, é a assistência social – e ela não substituiu vantajosamente o pessoal das casas burguesas de antanho.

A Desigualdade Diante do Risco

Uma das teses centrais de Ulrich Beck, autor de A Sociedade do Risco (1986), um livro central para entender nosso tempo, é que, na era da globalização, os riscos são cada vez mais indiscriminados, particularmente nas sociedades dominadas pelo que ele chama de “subpolítica tecnológica”: quanto mais globalizado o risco se torna, mais indiferenciado socialmente – em resumo, mais “democratizado” ele é. Assim, a matéria particulada ou o aquecimento global não separam o executivo do trabalhador. Isto é verdade. Mas os descontaminadores ainda são necessários em Fukushima ou Chernobyl, e a menos que eu esteja enganado, não são as ativistas do Osez le Féminisme os primeiros a se voluntariarem. Também não são as sufragistas ou altos executivos que compram casas podres com vista para a usina elétrica em Flamanville ou Fessenheim na esperança de obter lucros imobiliários antes de desenvolver câncer de tireóide. Portanto, é necessário qualificar esta sociodistribuição de risco e sua exposição, ontem ao metano, hoje aos vírus ou outros riscos.

Esta desigualdade diante da morte é mais comum entre os homens. Os trabalhadores vivem seis anos menos que os gerentes (não as trabalhadoras), um número que até agora tem sido incompressível. Uma reserva, mas de tamanho considerável, neste quadro tão implacável quanto uma tragédia grega: a desigualdade em tempo de guerra. Se sempre foi a infantaria a mais exposta, a arma mais sacrificada, a que tem o maior número de mortos, é errado imaginar que este sangramento afete apenas as tropas proletárias. Hoje, os médicos estão na linha de frente, assim como os farmacêuticos, para não mencionar os políticos locais, os pequenos comerciantes e, em menor medida, os professores. E para que conste, foram os oficiais inferiores, em 1914-1918, os que sofreram as maiores perdas. Para cada quatro homens de infantaria massacrados nas trincheiras, um oficial de infantaria em cada três, incluindo sua parte de saint-cyrianos [referência aos oficiais formados na Escola Especial Militar de Saint-Cyr], certamente, mas também de professores – de normalistas a professores primários (com um status muito superior ao de hoje), a profissão proporcionalmente mais afetada.

Contando Dinheiro ou Contando os Mortos

O governo francês não tem pressa em prestar contas do pessoal de saúde infectado pela Covid-19. Na Itália, sabemos que já houve cerca de uma centena de médicos que morreram. Na França? Circulando, circulando, não há nada para ver aqui. Seria muito simples reunir dados das agências regionais de saúde. Mas Macron tem medo disso, Olivier Véran não sabe que eles existem e Jérôme Solomon está sempre confuso com suas tabelas de multiplicação. Estes senhores sabem contar, mas não os mortos (o premonitório “Vocês contam o dinheiro, nós contamos os mortos!” cantada no outono passado pelos Jalecos Brancos em greve).

Portanto, é claro, não vamos acrescentar sua voz ao concerto de elogios diários duvidosos dirigidos aos cuidadores – demasiado esperados e ouvidos para serem levados a sério. Mas mais uma vez se verifica que a sociedade abriga tesouros de dedicação apesar da constante regurgitação da filosofia utilitarista, que postula a busca do interesse individual, única unidade de medida de dor e prazer. Esta filosofia, que está no coração do neoliberalismo, não resiste por um momento à análise. Seu oposto não mais que o resto. Assim, somos feitos de tal forma que buscamos o ganho e a simpatia, lutando constantemente entre a sociabilidade natural de nossa espécie e um eu não menos natural, a busca pelo interesse e pelo desinteresse, confiança e desconfiança, o amigo e o inimigo. Nem anjo nem animal, como disse Pascal, que, embora fosse um bom jansenista, via o mal em toda parte.

Vamos dar graças ao vírus. Ele recordou a uma certa medicina dourada e desviada as suas missões hipocráticas essenciais, que às vezes ela tinha tendência a negligenciar. Um pouco como no sketch que Les Inconnus [trio humorístico francês] dedicaram aos hospitais públicos, com um chefe de departamento tão arrogante quanto preguiçoso, que chega tarde, atravessa os corredores negligentemente, visita os doentes como um diletante, antes de escorregar prematuramente, confiando a seu assistente: “Bem, estou indo, tenho uma aula”.

– Na Sorbonne?
– Não, em Roland-Garros!

Obviamente, não estamos mais lá.

O Hospital Não se Preocupa Mais com Caridade

Sem o coronavírus, o hospital público francês estava programado para ir parar no IML. Por vinte anos ele tem sido demolido, cama após cama, edifício após edifício, emergência após maternidade. Vinte anos de cortes no orçamento resultando em cem mil leitos perdidos. Em dez anos, quase 12 bilhões de economia (tudo acumulado). Mesmo antes de 2008, optamos por salvar “nossos” bancos, não nosso hospital. Para um banqueiro salvo, quantas camas foram sacrificadas? Aqui como em qualquer outro lugar, o serviço da dívida se tornou uma servidão insuportável. Com a precificação por atividade, que generalizou os cortes médicos e sua cultura ilusória dos resultados, criamos um hospital empresarial sob o regime forçado do gerenciamento de automóveis, seguindo a lógica do “lean management” (to lean “enxugar, emagrecer”). A administração hospitalar está procurando em todos os lugares por ganhos de produtividade.

Finalmente, não em toda parte e não para todos: este regime emaciado só se aplica a pacientes franceses, não a imigrantes ilegais. Surpreendentemente, os sindicatos, que com razão gritam seu descontentamento, nunca apontam o custo delirante da AME, a Ajuda Médica do Estado, quase 1 bilhão por ano, para os pseudo-migrantes que vêm para receber tratamento gratuito – para eles, não para nós – para patologias pesadas e muito caras. Vocês sabiam que a Previdência Social incorre em média a cada ano em mais despesas de saúde para um “migrante indocumentado”, que nunca pagou contribuições, do que para um francês, que pagou contribuições durante toda sua vida?

Nem Serviçais nem Freiras

Hoje, 30 enfermeiros são agredidos todos os dias, uma dúzia de enfermeiros desde 2016 cometeram suicídio no local de trabalho, os pacientes são cada vez menos pacientes, 30% dos enfermeiros abandonam sua profissão dentro de cinco anos após a obtenção do diploma de enfermagem e mais de dois terços do pessoal trabalha em regime de plantão. Bem, apesar disto, apesar desta bagunça, apesar desse ritmo infernal, o hospital tem mantido, singularmente a super-representação feminina. Nem serviçais nem freiras, as feministas gritaram histericamente nas convulsões de 1968. Naturalmente, senhoras! Mas, finalmente, não há nada de desonroso em servir os doentes. Um dos maiores testemunhos sobre o que significa cuidar dos doentes pode ser lido para se ter certeza disso, estou me referindo ao prodigioso Un Souvenir de Solferino (1862) do futuro fundador da Cruz Vermelha, Henry Dunant. Para ler e reler. Com as antigas crônicas em tempos de peste, onde os mais belos testemunhos, os mais aflitivos, sempre, são aqueles dirigidos às freiras – suas ancestrais. Uma pessoa nasce mulher, não se torna uma mulher.

Artigos Precedentes

Biopolítica do Coronavírus (I) – A Lição de Michel Foucault
Biopolítica do Coronavírus (II) – O Paciente Zero é a Globalização
Biopolítica do Coronavírus (III) – Tempo Ruim para os “Sem Fronteiras”
Biopolítica do Coronavírus (IV) – A Imunodeficiência das Elites
Biopolítica do Coronavírus (V) – O Caso Griveaux: Paris vale uma Epidemia
Biopolítica do Coronavírus (VI) – Big Pharma e Normativismo Médico

Artigo Seguinte

Biopolítica do Coronavírus (VIII) – O Homo Festivus e a Cultura Afeminada da Solicitude

Fonte: Éléments

François Bousquet

.

Deixe uma resposta