Biopolítica do Coronavírus (Parte V) – O Caso Griveaux: Paris vale uma Epidemia

Não foi apenas o Estado brasileiro que agiu com incompetência e negligência no começo da pandemia. Nessa excelente análise de caso, o escritor François Bousquet fala sobre como em pleno início de pandemia, a mídia francesa preferiu concentrar toda a sua atenção no vazamento de uma “sextape” de Benjamin Griveaux, candidato de Macron para a prefeitura de Paris. O governo francês, por sua vez, em vez de tomar as medidas necessárias contra o vírus, demitiu a Ministra de Saúde para ter uma candidata para disputar a capital francesa.

Oscar Wilde gostava de dizer que o primeiro vestígio humano que Robinson Crusoé descobriu em sua ilha foi um pé, o de Sexta-Feira. E ele acrescentou, teatral: “Que símbolo!” Nós, a última coisa que vimos de Benjamin Griveaux foi sua genitália. Que símbolo também! Depois disso, ele desapareceu nas águas do esquecimento, para o alívio de todos. Poof! Aqueles que se perguntavam até onde iríamos, haviam acabado de encontrar uma resposta para a pergunta: até Griveaux. É o nível do piso. A partir daí, só podemos subir. Com Alexandre Benalla, ele está para o Macronismo – primeiro em marcha, depois em debandada – o que Cahuzac foi para o Hollandismo.

Nós esquecemos, mas todos aqueles pés niquelados saíram da barriga do Partido Socialista, inclusive Benalla, quando ele ainda era um pouco fértil. Quem não conhecia o Partido Socialista antes que as luzes do socialismo fossem extintas na França não conheceu realmente a vulgaridade. Foi lá que encontrou refúgio, a verdadeira, a única, a Fera imunda. A vulgaridade chegou a ter sua sede no número 10 da rua de Solferino. Se Napoleão III pudesse ter previsto, ele teria deixado os austríacos vencerem a batalha de Solferino.

O mestre da elegância era então Julien Dray. O cavalheiro com relógios de ouro e diamantes do Partido Socialista. Quando você lhe perguntava que horas eram, ele lhe pedia 50 mil euros – o preço de suas loucuras relojoeiras. Mais do que qualquer outro, ele ilustrava os excessos dom-corleonescos dos socialistas.

Para um jovem jornalista, ir a “Solferino” era como ir a um zoológico. Lá se encontravam os elefantes das federações departamentais e os jovens lobos das seções parisienses, os chegados, os não suficientes e os ainda não chegados. Uma verdadeira cesta de caranguejos e contas suíças. Perto daquilo, a Babilônia bíblica era uma República puritana e a Sin City uma aldeia florida. A escória da elite. No meio de tudo isso, às vezes você se deparava com um velho professor socialista que parecia ter desembarcado da Lua. Ou ele acabava se cortando, ou era a barba de seu colar que ele aparou antes de se misturar com o regime da corrupção como Topaze na peça de Marcel Pagnol.

Ele queria ser César e morreu Pompeu

Seria preciso um Saint-Simon das ruas para agarrar tudo isso, arrastar pelo cabelo esta harpia da Martine Aubry, pisotear este flanco sintético do François Hollande, empalhar aquela iguana caolha do Dominique Strauss-Kahn, o Rocco Siffredi do FMI, empurrar da escadaria principal Manuel Valls, Bonaparte das salas de reunião. Nada além de milionários mendincantes. E nem sequer estamos falando dos bilionários, dos Bergé e de outros Badinter. Quando você deixava a Rua de Solferino, você sabia que havia algo podre no reino da França.

Neste pequeno mundo, Griveaux era o último na corda dos alpinistas. Quando ele ingressou na República em Marcha, ele traiu todos os seus camaradas. Exceto Macron. Mas a República em Marcha, é realmente um discurso de correção. Entre os partidários de Macron, a medida padrão não é a vulgaridade, mas a nulidade. Garanhão também é demais. Um bom garanhão não sente a necessidade de filmar suas cruzas, ele apenas as faz. A exposição e o voyeurismo são reservados a rapazes com problemas de ignição ou com panes repetidas. E, então, Narciso só faz amor consigo mesmo – que vocês nos perdoem: ele literalmente ejacula sobre si mesmo.

Griveaux levou o YouPorn para o loft do Governo. Não há mais nada a esconder. O rei está nu, assim como seu antigo porta-voz. Seu fim de carreira lembra as palavras de Clemenceau no dia seguinte à morte do presidente Félix Faure, um grande mulherengo, nos braços de sua amante – alguns dizem em sua boca -, em 1899, no Palácio do Eliseu: “Ele queria ser César e morreu Pompeu”.

Você saberá tudo sobre o piu-piu

Em que material se faz um Griveaux, com seu queixo retraído, sua pele fina, seus olhinhos gananciosos. Ele oferece uma mistura curiosa de patê de repolho, de látex, de narcisismo infantil, de exibicionismo ostentatório, de fanfarronice sexual – e aquela arrogância patética, anã, que acrescentou a seu desprezo de classe uma ausência de classe no desprezo. Ele podia vomitar na França dos caras que fumam cigarro e dirigiam a diesel, ele era conduzido por chauffer e preferia cachimbos.

Cada época tem suas cartas de amor, Griveaux pertence à geração das sextapes, uma coisa de adolescentes e futebolistas. Nunca poderemos agradecer suficientemente a Juan Branco, Alexandra de Taddeo e Piotr Pavlenski (que, aliás, acabou de ter uma crise de epilepsia dostoievskiana) – três adolescentes também, o mito, a ninfa e o sadomasoquista – o suficiente por liberarem o vídeo priápico de Griveaux.

A imprensa se atirou contra eles, apesar de terem feito um bom trabalho em seu papel, apesar de também eles serem atores do narcisismo contemporâneo que querem existir, custe o que custar. Branco mostrando seu rastilho de revolucionário mundano, Taddeo seus seios, e Pavlenski suas mutilações. Ao se democratizar, a Galeria de Espelhos da mídia foi transformada em galeria das praças. Jogam-se cotovelos e nádegas.

Nenhuma vida privada para homens públicos

Os guardiões do templo ficaram indignados. Desde que Stephane Hessel lhes ensinou o método, eles o têm reciclado constantemente. Ah, os gritos de indignação dos colunistas conscienciosos, dos blogueiros infinitos, dos plagiadores medíocres incontinentes! Eles lançaram mão dos lenços, do roupão do promotor – e da conspiração russa. Piotr Pavlenski, que havia recebido asilo político, não podia senão ser lançado em um asilo. Protesto geral. A República estava em perigo. Um dos seus foi tocado. Todos solidários. Não violamos a sacrossanta privacidade desses senhores que nos governam (enquanto eles passam seu tempo fingindo-se de Sagrada Família nas revistas de fofoca).

O insubstituível Jean-Edern Hallier, que selvaticamente “ultrajou” os socialistas ao revelar sua devassidão, citou ainda um aforismo de Léon Blum: “Sem vida privada para os homens públicos, sem vida pública para os homens privados!” Uma vez dito isto, ele abriu as comportas da fossa séptica de Mitterrand em sua maravilhosa revista, L’Idiot International, o maior junto com a Éléments. A mídia central estava gritando sacrilégio republicano, estávamos nos divertindo muito. Devemos este prazer a Branco, Taddeo e Pavlenski. Obrigado, de verdade!

Os doentes não agradecerão a Benjamin

O país oficial que não falou da pandemia por mais de dez dias, enquanto a China estava começando seu platô epidêmico, e a Itália começava a tremer. “Vamos debater entre ‘gentlemen’ sobre o sexo dos anjos, o dizível e o indizível, o privado e o público!”, podia-se ouvir nos aparelhos de TV. Não nos aborreçam com seu coronavírus. É culpa da medicina chinesa, pfff! Nós na França temos um caso de Estado em nossas mãos, o Eliseu em comoção bélica, a França na fase 4 da gestão de crises. Um salve para o soldado Griveaux! E daí seus asiáticos, hein! Basta voltar aos seus arrozais. Saiam daqui! Vão pescar pique no Rio Amarelo e visitem a Torre Eiffel quando lhe dissermos!”

No Eliseu, mal se sabia da existência do Covid-19. Covid o quê? Sibeth Ndiaye pensava que era o nome de uma cápsula espacial. Mas, Griveaux, não cheguem perto! “Uma ignomínia”, “uma bobajada fedorenta”, que não incomodaria a nova porta-voz do governo. Ela estava até disposta a encomendar milhões de máscaras para proteger suas delicadas narinas. Ainda assim, o caso Griveaux resultou em um jogo de cadeiras musicais que deu à pandemia uma vantagem de dez dias. Com Griveaux morto no campo da desonra, Macron não encontrou nada melhor para fazer do que demitir Agnes Buzyn, sua Ministra da Saúde, chefe da lista eleitoral em Paris, tudo na véspera da explosão pandêmica (podemos ver um pouco das prioridades). Se ainda fosse um repúdio, mas não, era uma promoção. E Macron e Buzyn estão agora reescrevendo a história à sua maneira, mas a verdade é que nenhum deles acreditava na ameaça, como já disseram repetidamente. Pasteur esperaria assim sua vez, um destino à la Etienne Marcel estava esperando por Buzyn na noite de 15 de março. Afinal de contas, vencer em Paris vale uma epidemia. Obrigado, Benjamin!

Fonte: Revue Éléments

François Bousquet

.

Deixe uma resposta