A Rússia pode impedir que a China e a Índia entrem em um confronto armado?

Os recentes eventos na fronteira entre Índia e China se destacaram na mídia global, com as forças armadas dos dois países cada vez mais engajadas em escaramuças e confrontos.

Tentativas de tomar territórios tornaram-se uma prática padrão para os guardas de fronteira chineses e indianos implantados ao longo da fronteira compartilhada de 3.400 km desde a guerra de 1962. Nenhuma bala voou e nenhum sistema de armas foi usado desde 1975. Em 1993, os dois gigantes asiáticos assinaram um acordo sobre a “Manutenção da Paz e Tranquilidade”, também conhecido como Linha de Controle Real (LAC) – um passo adiante no caminho da desconfiança.

De alguma forma, os militares conseguiram resolver incidentes a nível local, com os dois lados reafirmando seu compromisso com a promoção da boa vizinhança. Não mais. As mortes foram registradas quando os dois lados entraram em confronto em meados de Junho, em um cenário de tensões, aumentando gradualmente desde o início de Maio. Nova Délhi e Pequim estão se culpando por violar a Linha de Controle Real (LAC) que separa as forças no vale de Galwan.

Os soldados usavam paus, pedras e punhos, mas a Índia e a China continuam a aumentar suas forças no Himalaia, trazendo mais armas. Cada lado percebe que pagaria um preço alto se houvesse uma guerra no contexto de uma crise econômica global induzida pelo Coronavírus. Travar forças de combate e fornecimento a uma altitude tão alta é uma tarefa difícil. Mas nenhum dos lados está pronto para fazer concessões sobre reivindicações territoriais. As duas potências nucleares permanecem travadas em um tenso impasse militar.

Estes eventos parecem estar aproximando a Índia dos Estados Unidos, enquanto as relações sino-americanas estão se deteriorando rapidamente. Nova Délhi pode obter apoio diplomático e aumentar as importações de armas de Washington. Isso serviria aos interesses dos EUA.

O presidente Donald Trump se ofereceu para mediar a disputa. Mas, se a situação ficar séria, Washington não intervirá. Ao contrário de Islamabad. É altamente provável que o Paquistão se junte à China em caso de guerra. Incidentes militares entre soldados paquistaneses e indianos ocorrem regularmente em Jammu e Caxemira, dificultando as perspectivas de melhoria das relações entre Islamabad e Nova Délhi. O último confronto ocorreu em Junho.

Dificilmente se pode imaginar Washington tentando mitigar as tensões na fronteira entre a China e a Índia, porque precisa da Índia como aliada em sua cruzada contra a China. Considerando a crescente tensão no Pacífico Ocidental, especialmente no Mar da China Meridional, serviria aos interesses dos EUA se a China movesse algumas de suas forças, incluindo mísseis terrestres de alcance mais curto e intermediário, bem como aeronaves de ataque, para o Himalaia. , longe das áreas costeiras.

Pode ser frustrante para Washington que Nova Délhi tenha demonstrado interesse em adquirir armas russas, e não americanas, após o agravamento das tensões com Pequim. Em particular, pediu a Moscou que acelerasse a entrega do avançado sistema de defesa aérea S-400 de longo alcance. Esta é uma arma defensiva, e Pequim nunca pediu a Moscou para não vendê-la para a Índia.

A Rússia tem um grande interesse pela estabilidade política na Eurásia, e manter a paz é o principal objetivo de sua diplomacia. Moscou considera a Índia e a China como duas nações amigas, mas não empreendeu nenhum esforço aberto para se envolver no processo de reconciliação.

Segundo o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, a Índia e a China não precisam de “ajuda e assistência para resolver suas disputas”.

É verdade que, diferentemente dos EUA, a Rússia não está disposta a se envolver diretamente como intermediária, mas uma redução de tensões e o início de negociações sobre demarcação de fronteiras seria o cenário ideal e desejado. Índia e China são os atores globais de que Moscou precisa para promover seus interesses econômicos e objetivos na política externa. Cada grande nação serve como contrapeso ao outro. Além disso, a China contrabalança os EUA, enquanto a Índia contrabalança a China.

Apoiar um deles inclinaria a balança, privando a Rússia de um parceiro estratégico. Para Moscou, a necessidade de escolher lados é uma situação em que todos perdem. Simplesmente não pode ficar à toa enquanto a situação se agrava ainda mais. Apesar da recusa declarada de intervir como mediadora, a Rússia está fadada a ser a que age silenciosamente nos bastidores – o que é a coisa certa a fazer. Seu peso como parceiro político, militar e econômico da China e da Índia é suficiente para influenciar a maneira pela qual os eventos se desenrolam.

A participação da Rússia na Organização para Cooperação de Xangai (OCX) e no BRICS (junto com o Brasil, Índia, China e África do Sul), bem como o status de Moscou como nação fundadora de ambos os grupos, tornam o completo não envolvimento irrealista. Ambas as organizações foram criadas para lidar com questões de segurança, e este é o momento certo para demonstrar sua relevância. Caso contrário, sua vitalidade será questionada.

Afinal, foi em Moscou que soldados indianos e chineses marcharam juntos, participando do desfile do Dia da Vitória em 24 de Junho, com a presença dos chefes de defesa dos dois países. Em 23 de Junho, a capital russa sediou a videoconferência dos ministros das Relações Exteriores trilaterais Rússia-Índia-China (RIC), reunindo os três chefes de política externa.

O acordo alcançado durante o evento para realizar uma cúpula trilateral da RIC na reunião do G20 em Novembro, bem como expandir o formato do grupo para incluir as reuniões dos ministros da Defesa, é uma contribuição para o processo de paz.

Isso prova que a Rússia é vista como um parceiro aceitável para ambas as nações. É verdade que foi mera coincidência que a conferência tenha sido realizada apenas uma semana após o incidente no vale de Galwan – a luta que ocorreu em 16 de Junho. Inicialmente agendada para Março, a conferência foi adiada devido ao surto de Coronavírus. Talvez seja simbólico que as próximas cúpulas do BRICS e da OCX deste ano também sejam realizadas em solo russo, em São Petersburgo, reunindo os líderes da Rússia, China e Índia.

Um dos cenários prevê que a Índia se aproxime muito dos EUA e de seus aliados. Nova Délhi pode escolher um lado no impasse de Washington com Pequim, sob pressão de alguns círculos influentes que representam a elite política do país.

Poderia aumentar seus laços com o QUAD (Diálogo Quadrilateral de Segurança), liderado pelos EUA, um fórum estratégico informal composto pelos Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia, criado para combater a China. Tal desenvolvimento fortaleceria ainda mais a relação Rússia-China, incluindo a cooperação militar, com a redução da velocidade para desacelerar o desenvolvimento dos laços políticos e militares Rússia-Índia. O comércio entre a China e a Rússia totalizou US $ 110,75 bilhões em 2019, marcando um aumento anual de 3,4%. Por outro lado, o comércio total entre a Rússia e a Índia foi de US $ 11,2 bilhões no ano passado, um aumento de 2,3% em relação a 2018. No entanto, a Rússia é responsável por 60-70% das importações de equipamento militar da Índia.

Olhando para as perspectivas de se afastar do abismo da guerra, nem tudo é sombrio e desolador. Há um lado positivo – é muito importante que as autoridades chinesas e indianas se empenhem em dialogar, como ocorreu recentemente. Isso mostra que os lados estão se esforçando para evitar o pior.

De fato, uma guerra entre as duas potências nucleares traria um golpe devastador à segurança internacional. Poderia engolir outros países e sufocar o comércio global, especialmente se as hostilidades se espalhassem para o Oceano Índico. A maneira de lidar com o problema é envolver-se em sérios esforços para alcançar a demarcação em todas as áreas disputadas e, finalmente, encerrar as disputas de fronteira, ao invés de demonstrar prontidão para travar uma guerra.

Fonte: RT

Deixe uma resposta