YouTube remove canais do escritor dissidente Alain Soral

A empresa norte-americana decidiu remover os dois canais por “violações repetidas das [suas] condições de uso”.

Uma semana depois do canal do polemista Dieudonné, o YouTube excluiu, nessa segunda-feira, 6 de julho, os do ensaísta dissidente Alain Soral, condenados no passado por contestarem aspectos da narrativa sobre o Shoah (”Holocausto”).

“ERTV Officiel” (“Égalité & Réconciliation”, o nome do site), contava mais de 1.200 vídeos e 185.000 assinantes até segunda-feira. Ele tinha acumulado mais de 80 milhões de visualizações desde a sua criação, em 2010. O segundo, “ERTV International ” (15 vídeos, 3.200 inscritos, 260.000 visualizações), ativo desde março, foi igualmente excluído, segundo anúncio do YouTube. A plataforma detida pelo Google indica que esses canais foram excluídos por “violações repetidas das [suas] condições de uso”.

Os regulamentos da plataforma americana mudaram em junho de 2019, tornando-a “mais intransigente”, segundo suas próprias palavras, quanto ao discurso de ódio.

Segunda-feira, 30 de junho, o YouTube havia fechado o canal do polemista Dieudonné (450.000 assinantes) e o baniu de sua plataforma. O site americano, de propriedade do Google, então alegou as mesmas razões para a remoção dos canais de Alain Soral. No mesmo dia, os canais de Richard Spencer e de David Duke foram removidos.

Primeira remoção em 2018

Tal como no caso de Dieudonné, Alain Soral não poderá mais retornar ao YouTube, ainda que com um novo canal, assegura a empresa. No entanto, os vídeos nos quais ele figura ainda poderão estar visíveis se não violarem os termos de uso.

“ERTV Officiel” já havia sido removido em junho de 2018. O YouTube já estava alegando “não conformidade com os regulamentos da comunidade” para explicar essa remoção.

Mas Alain Soral em seguida apelara para o YouTube. Dois dias depois, o site americano voltou atrás nessa decisão.

O YouTube hoje refere que Alain Soral atuou em uma área cinzenta no que concerne aos regulamentos então em vigor e um domínio perfeito para reinstaurar seu canal.

“Voltamos a um dos três avisos”, nos explica o representante da plataforma. Alain Soral sabia, no entanto, que estava suspenso. Pouco após o restabelecimento de seu canal, ele se perguntou no Twitter “quanto tempo” isso duraria.

A nova resistência avança na França

Para os militantes do movimento Égalité & Réconciliation, a linha divisória entre os verdadeiros oponentes da ditadura sionista na França e os outros é clara: de um lado, os autênticos rebeldes como Alain Soral e Dieudonné, do outro, os manipuladores Éric Zemmour e Michel Onfray, que desfilam em todas as plataformas.

O movimento E&R é um dos pioneiros da nova resistência na França e já desenvolveu as próprias armas: servidores de vídeo autônomos, mensagens criptografadas, espaços privados de financiamento coletivo etc. Da mesma forma, estão usando ferramentas de segurança gratuitas (código aberto), plataformas de vídeo descentralizadas e outras soluções alternativas em curso ou futuras.

Fontes: Le Monde e Égalité & Réconciliation

Deixe uma resposta