Alain de Benoist: “A ideologia de gênero é anti-sexo”

Ao mesmo tempo que a ideologia de gênero é propagada quotidianamente pela mídia, pelas grandes empresas e pelas ONGs estrangeiras, com o objetivo de desconstruir as noções tradicionais de sexualidade, todo debate sobre o tema é bloqueado porque os apologistas da ideologia de gênero negam a sua existência. Em entrevista para um jornal italiano, o filósofo Alain de Benoist explica o que é a ideologia de gênero, quais são seus objetivos e o que há de errado com ela, alertando, porém, contra abordar o tema desde uma perspectiva moralista.

O debate sobre a teoria do gênero está bloqueado porque os defensores desta ideologia… negam a sua existência. Segundo o movimento gay, nunca houve tal teoria, já que a única coisa que afirmam fazer é lutar contra a discriminação. A teoria do gênero, explicam os ativistas gays, foi inventada pelo Vaticano para fazer as pessoas acreditarem que existe um complô gay com objetivos misteriosos e sórdidos. Finalmente, existe ou não uma teoria do gênero?

Claro que há! Autores como Judith Butler, Eric Fassin, Monique Wittig e muitos outros, o que eles são senão representantes da teoria do gênero, ou seja, partidários de uma teoria que afirma que as identidades sexuais não são de todo dependentes do sexo biológico ou da filiação sexual? Mas esta teoria também não é o resultado de nenhuma “conspiração homossexual”. Ela se baseia na ideia de que a identidade sexual é derivada de uma pura “construção social”. Afirma que não há diferença significativa entre meninos e meninas ao nascer (postulado de neutralidade); afirma que o indivíduo não deve nada à natureza e pode se construir a partir do nada (fantasma da autogeração).

Quanto à discriminação, há formas muito diferentes de combatê-la. Se a discriminação consiste em tratar homens e mulheres de forma desigual, eu sou, naturalmente, o primeiro a querer que ela desapareça. Mas precisamos saber se a igualdade deve ser entendida como sinônimo de egoísmo. Em outras palavras, precisamos saber se, para restaurar a igualdade entre os sexos, a diferença entre eles precisa desaparecer, no que eu obviamente não acredito. O mesmo se aplica aos “estereótipos”, que nada mais são do que verdades estatísticas abusivamente generalizadas. A forma como algumas pessoas imaginam que, para “desconstruir estereótipos”, é preciso atacar as próprias noções de masculino e de feminino revela que, por muito que finjam o contrário, aqueles que pensam desta forma aderem ao postulado básico da teoria do gênero.

Muitos e muito diversos são aqueles que lutam contra a teoria do gênero. O mesmo se aplica aos seus argumentos: devem eles, na sua opinião, evitar certos argumentos que poderiam ter um objetivo errado ou fazer o jogo do inimigo que pretendem combater?

Existem, de fato, várias formas de criticar a ideologia do gênero. No meu livro Les démons du bien [Os Demônios do Bem], a minha crítica é exclusivamente de natureza intelectual: estudo esta ideologia para saber qual é o seu valor em termos de verdade, percebo que é nulo e explico o porquê. Em muitos círculos católicos o que se faz não é tanto uma crítica deste tipo, mas uma crítica moral. Ela se baseia no postulado de que a teoria do gênero procura legitimar um comportamento sexual que é considerado “aberrante” ou “anormal” desde o início, começando pela homossexualidade.

Eu discordo duplamente desta ideia. Em primeiro lugar – e este é um ponto fundamental – penso que a teoria do gênero não procura tanto justificar este ou aquele comportamento sexual, mas sim negar a diferença entre os sexos, o que não é exatamente a mesma coisa. O que eles almejam não é homossexualidade, mas indistinção.

Por outro lado, eu não faço nenhum juízo moral sobre preferências ou orientações sexuais. Eu não vejo em nome do que eu formularia semelhante juízo. A homofobia, então, é apenas mais uma tolice entre outras. O que eu acho importante é lembrar que o masculino e o feminino existem independentemente da orientação sexual. Os homossexuais não são de forma alguma um “terceiro sexo”, pela simples razão de que existem apenas dois sexos. Gays e lésbicas são homens e mulheres como todos os outros, com a particularidade de terem suas próprias preferências sexuais e de estarem em minoria. Mas “minoria” nunca significou “menos natural”: uma norma estatística não é a mesma que uma norma moral. Com isto quero dizer que não sou daqueles que apenas criticam a teoria do gênero na esperança de regressar à velha ordem moral.

Embora seja uma tolice fingir que as diferenças entre homens e mulheres não existem ou são irrelevantes para os papéis sociais que desempenham, talvez seja verdade que os papéis sociais de homens e mulheres precisam ser repensados hoje em dia. Você concorda? E se sim, como os repensaria?

Não há dúvida de que os papéis sociais de homens e mulheres mudaram radicalmente ao longo das últimas décadas. Ao integrar uma grande maioria de mulheres no sistema salarial, a fronteira entre uma esfera privada feminina e uma esfera pública masculina tem sido progressivamente esbatida. O acesso à contracepção, a legalização do aborto e até mesmo a disjunção entre as responsabilidades familiares e os poderes sexuais deram às mulheres liberdades, cuja conquista não lamento minimamente. Não tenho nostalgia pelo patriarcado à moda antiga, que nunca foi tão insuportável quanto na “Belle Époque” da revolução industrial e da ascensão da burguesia! Creio, no entanto, que algumas dessas liberdades têm sido parcialmente ilusórias. A possibilidade oferecida às mulheres de trabalharem fora de casa, por exemplo, tem sido tanto uma libertação quanto uma alienação (em favor do sistema capitalista). E aqueles que mais se beneficiaram da “revolução sexual” acabaram sendo os homens…

A questão é se esta transformação das funções sociais masculinas e femininas deve envolver a negação ou o desaparecimento da feminilidade e da virilidade. Acho que não é nada disso. A pertença sexual não é apenas uma questão de órgãos sexuais (o cérebro em si já é sexuado ao nascer), e a dessexualização de facto de um certo número de papéis e funções não fez desaparecer esta invariância antropológica que constitui a divisão do gênero humana em dois sexos. No espaço e no tempo, no âmbito de diferentes culturas, os papéis sociais masculino e feminino têm evoluído sem parar (é o que insistem aqueles que raciocinam em termos essencialistas), mas essa evolução nunca questionou o fato de que homens e mulheres não pertencem ao mesmo sexo ou gênero.

O que precisa ser repensado é de que forma distinta se pode expressar hoje em dia o masculino e feminino. O erro, propagado pela teoria de gênero, seria acreditar que o masculino e o feminino deveriam simplesmente parar de se expressar, pois já não correspondem a nada. Isto equivaleria a considerar que homens e mulheres devem doravante ser considerados como indivíduos abstratos e não mais como seres encarnados; isto é, fazendo abstração do corpo e da carne, da sedução e das relações sexuais. Como uma feminista francesa muito hostil à teoria do gênero, Camille Froidevaux-Metterie, diz: “Por que, depois de ter sido apenas corpos, as mulheres de hoje deveriam viver como se não tivessem corpo?”

Cabe identificar na teoria de gênero um problema mais específico: o ódio que sente esta sociedade pela figura do homem, do macho e do pai?

Durante séculos, na era do patriarcado, os valores femininos foram considerados constantemente inferiores aos valores masculinos. Na tradição cristã, as mulheres têm sido frequentemente atribuídas, pelo menos simbolicamente, à ordem da voluptuosidade, da sedução e, portanto, do pecado. Tertuliano via nela a “toca do diabo”. Nos tempos clássicos, as mulheres também eram facilmente condenadas por “bruxaria”. Agora se caiu no extremo oposto. Valores tradicionalmente considerados femininos (a sensibilidade, o espírito de ajuda mútua e de cooperação, etc.) têm sido colocados acima dos valores masculinos. Tudo o que evoca virilidade ou masculinidade suscita zombaria, desdém, hostilidade. A noção de autoridade é desacreditada em seu próprio princípio… embora permaneça onipresente na vida real. Ao mesmo tempo, a criança (que no passado sempre foi considerada mais ligada carnalmente à mãe do que ao pai) é objeto de uma idolatria sem precedentes. No passado, o crime supremo era o parricídio; hoje é o infanticídio. Esta situação não é preferível ao antigo reinado do masculino. É, na verdade, a sua inversão simétrica. O desequilíbrio não é removido pela substituição do patriarcado pelo matriarcado.

O que é particularmente perturbador no colapso da figura paterna é que o pai não pode mais desempenhar o papel que normalmente lhe corresponde: encarnar a lei simbólica que permite à criança pôr um fim à “fusão materna” própria da primeira infância; ou o que é o mesmo: entrar na vida adulta. A quebra dos valores viris leva os homens a duvidar de si mesmos, o que prejudica seriamente as relações entre os sexos. O colapso da função paterna produz uma geração de narcisistas imaturos que nunca conseguem resolver o seu complexo de Édipo. Esta evolução é um dos aspectos centrais da sociedade pós-moderna que temos em vista.

Sobre o tema “casamento para todos”…

O “casamento para todos” é reivindicado por uma minoria da minoria, representando um total de menos de 1% da população. Na Espanha, onde o casamento gay foi legalizado em 2005, o casamento entre indivíduos do mesmo sexo representa apenas 0,6% de todos os casamentos. A ideologia de gênero diz respeito a todos. Na medida em que afirma que as crianças são, ao nascer, “neutras” do ponto de vista sexual, ou quando afirma que o sexo biológico não influencia em nada as preferências sexuais da maioria dos indivíduos, e que o sexo (são apenas dois) deveria ser substituído pelo “gênero” (haveria uma multidão, constituindo tantas “normas” que o poder público teria de institucionalizar), essa ideologia levaria, de fato, à negação da alteridade sexual, o que acabaria em total confusão. A ideologia de gênero faz parte de uma ficção de liberdade incondicional, de criar a si mesmo a partir do nada. Com ela, não se trata de liberar o sexo, mas de se libertar do sexo. Não o vejo, porém, como o faz o Vaticano, como um meio desviante de “legitimar a homossexualidade”, o que me parece, no mínimo, bastante simplista.

Eu acrescentaria que, em um país onde dois em cada três filhos nascem fora do casamento, não se pode dizer que os heterossexuais aparecem hoje como os campeões mais credíveis do “casamento tradicional” (que, na verdade, nada mais é do que o casamento republicano). Hoje, porém, não há ninguém além de “sacerdotes” e “homossexuais” (que às vezes são os mesmos) que querem poder se casar. Quanto à minha posição pessoal, ela pode ser resumida em uma fórmula: sou a favor do casamento homossexual e contra o casamento entre homossexuais. Para ser claro, penso que o casamento clássico, na medida em que é uma instituição fundada sobre uma presunção de procriação, como mostra sua etimologia (do latim “matrimônio”, derivado do “mater”, mãe), deve ser reservado aos casais heterossexuais, mas não sou hostil a um contrato de união civil que permita a duas pessoas do mesmo sexo perpetuar, pelo menos formalmente, sua união. Também sou a favor da adoção para todos, mas hostil à adoção no caso de casais homossexuais. Na verdade, no que diz respeito ao casamento, tudo é uma questão de definição: ou vemos um contrato entre dois indivíduos, ou vemos uma espécie de aliança entre duas linhagens diferentes. Porque não são a mesma coisa.

Depois de anos de luta, que avaliação podemos fazer do feminismo?

Uma avaliação necessariamente contrastante, pela excelente razão de que o feminismo, por si só, não significa muito. Sempre houve, de fato, duas grandes tendências dentro do movimento feminista. A primeira, que chamo de “feminismo identitário e diferencialista”, busca acima de tudo defender, promover e revalorizar o feminino em relação aos valores masculinos impostos por séculos de “patriarcalismo”. Não só o feminino não é negado, como, ao contrário, é proclamado o seu igual valor em relação ao masculino. Esta tendência tem certamente conhecido excessos, às vezes até caindo na misandria (nos anos 60, algumas feministas americanas chegaram a dizer que “uma mulher tem a mesma necessidade de um homem que um peixe de uma bicicleta”). Ao menos eles não questionam a distinção entre os sexos. Eu acho esse feminismo bastante simpático. É este feminismo que deve realmente fazer avançar a condição feminina.

A segunda tendência, que podemos chamar de “feminismo igualitário e universalista”, é bem diferente. Longe de buscar a revalorização do feminino, considera que é, ao contrário, o reconhecimento da diferença entre os sexos que tem permitido que o “patriarcado” se imponha. A diferença é, portanto, tão tênue quanto indissociável da dominação, enquanto a igualdade é, inversamente, colocada como sinônimo de indiferença ou egoísmo. Entramos, portanto, em outra categoria. Para fazer desaparecer o “sexismo”, devemos fazer desaparecer a distinção entre os sexos (assim como para fazer desaparecer o racismo devemos negar a existência de raças) – e sobretudo negar a sua complementaridade natural. Assim, as mulheres não devem mais conceber a sua identidade em termos de pertença (ao sexo feminino), mas em termos de seus direitos como sujeitos individuais abstratos.

Como disse a ultrafeminista Monique Wittig, “é uma questão de destruir o sexo para ter acesso ao status de homem universal”. É obviamente a partir dessa segunda tendência que surgiu a teoria do gênero.

É realmente necessário ser uma feminista para ser uma mulher de verdade?

Teríamos que concordar sobre o que é uma “mulher de verdade”. Raymond Abellio distinguiu três grandes tipos de mulheres: mulheres “originais” (as mais numerosas), mulheres “viris” e mulheres “derradeiras”. Ele interpretava o feminismo como um movimento para mobilizar as primeiras por parte das segundas. O certo é que se pode ser uma feminista no sentido identitário sem ser uma universalista. A questão que se coloca, no entanto, é se a segunda tendência mencionada anteriormente ainda pode ser descrita como “feminista”. Se não há mais sujeitos do que homens e mulheres, se o recurso ao “gênero” permite que o masculino e o feminino sejam desligados do seu sexo, não vemos como a teoria do gênero ainda pode ser considerada “feminista”, ou seja, o que caracteriza as mulheres como mulheres? Como as mulheres poderiam continuar a ser mulheres libertando-se do feminino? Estas são precisamente as questões que estão sendo levantadas pelas feministas mais hostis à ideologia de gênero, como Sylviane Agacinski ou Camille Froidevaux-Metterie.

Hoje, quanto às FEMEN… basta mostrar os seios para promover a causa feminina?

Se assim fosse, a condição feminina, após várias décadas, teria dado um extraordinário passo em frente! Mas no mundo de hoje, a exibição de um par de seios é de uma banalidade tremenda. Assim como na praia, o monokini está fora de moda. Exibindo seus seios por toda parte, as FEMEN, vindas da Ucrânia, imaginavam ingenuamente que iriam causar uma grande impressão. Mas eles só causam risos. Disseram acreditar que, para se fazer entender, tinham que recorrer ao que alguns sociólogos chamam de “nudez hostil”, uma nudez que não é concebida como um meio de atrair, seduzir ou provocar desejo, mas como um desafio agressivo, uma espécie de proclamação diante do inimigo. Este tipo de prática revela um pobre exibicionismo no qual atualmente se resume uma grande parte da sociabilidade ocidental, que consiste em usar seu corpo como uma mercadoria. As infelizes FEMEN logo serão esquecidas porque ninguém mais se importará com suas tetas!

Mas seria um erro acreditar que elas têm o apoio das feministas. Excetuando Caroline Fourest, notória e amorosamante jogada nos braços de Inna Shevchenko, a maioria das feministas rapidamente se distanciaram dessas exibicionistas, a quem reprovam pelo uso de seus corpos e pelo apelo a uma “política de telegenia”, a fim de mobilizar a atenção da mídia, com o risco de legitimar indiretamente o reconhecimento das diferenças entre os sexos – claramente, de fazer uso de suas glândulas mamárias de acordo com os “estereótipos”. Outros ativistas se opuseram à exibição dos seios, que ao invés de afirmar a superioridade da nudez, elas fariam melhor defendendo a liberdade das mulheres de se vestirem como quiserem. Neste contexto, deve-se ler o artigo de Mona Chollet intitulado “Mulheres em Todo Lugar, Feminismo em Lugar Nenhum”. Quanto às reivindicações propriamente feministas das FEMEN, elas ainda estão reivindicando!

Fonte: Il Primato Nazionale

Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Deixe uma resposta