Brasília e a Geografia Sagrada

A data oficial da fundação de Brasília é a mesma da fundação de Roma. A intenção talvez até fosse boa, mas, espiritualmente, as duas cidades são antitéticas.

.  .  .

A data oficial da fundação de Brasília é a mesma da fundação de Roma. A intenção de Kubitschek talvez até fosse boa, mas, espiritualmente falando, as duas cidades são antitéticas.

A criação de Roma foi um ato ritual, com sacrifício de sangue e com a aplicação de técnicas de geografia sagrada. Por mais que seja verdadeira a noção de que o espaço em que Brasília se localiza possua a sua significação mística, na construção de Brasília estão ausentes todos os elementos ritualísticos e religiosos da urbanística tradicional.

Brasília é uma cidade sem esquinas. Sem esquinas, não há como fazer despachos. E — como já estabelecemos outras vezes — a “macumba” é a verdadeira “unidade das religiões”.

Os romanos, por exemplo, eram um povo macumbeiro. O ano inteiro havia despachos para a Tríade Capitolina e para as incontáveis outras divindades. Porque a cidade toda possuía lugares propícios para os altares, templos e despachos.

A arquitetura de Brasília — projetada toda ela por um elemento de um povo nomádico — carece de todo espírito, de toda identidade. Ela não tem nem dimensão telúrica, nem celestial. Ela é estranha, opressiva. É difícil, para o cidadão, se sentir em casa ali. E também não é uma arquitetura que faça o cidadão pensar no transcendente.

Pode-se discutir muita coisa sobre política, economia, sociologia, antropologia, mas estou convicto de que, para salvar o país, precisaremos apelar à Geografia Sagrada.

Brasília tem que ser completamente refeita, zerada e construída novamente. Dessa vez com muitas esquinas e encruzilhadas. E quem sabe, com um novo nome.

Raphael Machado

Advogado, ativista, tradutor, membro fundador e coordenador-geral Nova Resistência, é um dos principais divulgadores do pensamento e obra de Aleksandr Dugin e de temas relacionados a Quarta Teoria Política no Brasil.

Deixe uma resposta