Alain de Benoist: “A crise sanitária está soando o toque de morte da globalização e da ideologia do progresso”

Crise sanitária, crise econômica, crise política: como será o pós-coronavírus? Quais serão as consequências dessa pandemia? Em que contexto foi possível que o coronavírus se espalhasse tão rapidamente pelo mundo? Quais são os dogmas que estão sendo derrubados pela pandemia?

Com precisão e erudição características, o filósofo Alain de Benoist aborda essas e outras questões, abordando a falência da ideologia pós-liberal hegemônica e do modelo econômico neoliberal tornada evidente por essa crise global.

A história está sempre aberta, como todos sabem, e isso a torna imprevisível. Mas, em certas circunstâncias, é mais fácil ver o médio e longo prazo do que o curto prazo, como mostra bem a pandemia do coronavírus. No curto prazo, certamente se imagina o pior: sistemas de saúde saturados, centenas de milhares, até milhões de mortos, rupturas de cadeias de suprimentos, tumultos, caos e tudo o que se seguirá. Na realidade, estamos sendo levados por uma onda e ninguém sabe aonde ela vai levar ou quando vai acabar. Mas, se olharmos mais além, certas questões se tornam evidentes.

Já foi dito, mas vale repetir: a crise de saúde está soando (provisoriamente?) o toque de morte da globalização e da ideologia hegemônica do progresso. Com certeza, as grandes epidemias da Antiguidade e da Idade Média não precisavam da globalização para produzir dezenas de milhões de mortos, mas é claro que a generalização dos transportes, das trocas e das comunicações no mundo contemporâneo só poderia agravar as coisas. Na “sociedade aberta”, o vírus é muito conformista: age como todo mundo, circula – e agora nós não estamos mais circulando. Em outras palavras, estamos rompendo com o princípio da livre circulação de pessoas, bens e capitais, que se resumia no slogan “laissez faire”, ou seja, deixe ir, deixe passar. Isto não é o fim do mundo, mas é o fim de um mundo.

Lembremos: após a implosão do sistema soviético, todo Alain Minc do planeta anunciou uma “globalização feliz”. Francis Fukuyama até profetizou o fim da história, convencido de que a democracia liberal e o sistema de mercado haviam ganho definitivamente o dia. Ia-se transformar a terra em um enorme shopping center, suprimir todos os obstáculos ao livre intercâmbio, dissolver fronteiras, substituir países por “territórios” e estabelecer a “paz universal” que Kant havia previsto. As identidades coletivas “arcaicas” seriam progressivamente erradicadas, e a soberania se tornaria obsoleta.

A globalização repousava sobre o imperativo de produzir, vender e comprar, de circular, de avançar e de misturar de forma “inclusiva”. Dependia da ideologia do progresso e da ideia de que a economia substituiria definitivamente a política. A essência do sistema era o fim dos limites: sempre mais trocas, sempre mais bens, sempre mais lucros para permitir que o dinheiro se alimentasse de si mesmo para se transformar em capital.

Seguindo o antigo capitalismo industrial, que ainda tinha algumas âncoras nacionais, um novo capitalismo, cada vez mais desligado da economia real, inteiramente desterritorializado e funcionando em tempo zero, decolou ao exigir que os Estados, agora prisioneiros dos mercados financeiros, adotassem uma “boa governança”, suscetível de servir aos seus interesses. As privatizações se espalharam, assim como as deslocalizações e os contratos internacionais, levando à desindustrialização, ao declínio da receita e ao aumento do desemprego. O antigo princípio ricardiano da divisão internacional do trabalho foi usado e abusado, o que levou a uma competição, em condições de dumping, entre os trabalhadores dos países ocidentais e os do resto do mundo. A classe média ocidental começou a declinar, enquanto as classes mais baixas se expandiam, tornando-se cada vez mais vulneráveis e precárias. Os serviços públicos foram sacrificados no altar dos grandes princípios da ortodoxia orçamentária liberal. O livre intercâmbio tornou-se mais um dogma do que nunca, e o protecionismo o seu nêmesis. Se não funcionava, nunca se recuava, ao contrário, se pisava no acelerador.

Mas agora, por cima de tudo isso, colapso! Enquanto outrora se vangloriava do movimento e do desenraizamento, agora tudo parou. Enquanto se esperava o iminente desaparecimento das fronteiras, vê-se em toda parte: a União Européia está fechando suas fronteiras (o que se revela possível!) – fronteiras estão sendo colocadas entre cidades e regiões, entre edifícios e indivíduos. Um após outro, todos os países estão restabelecendo o controle de suas fronteiras – e todos estão aplaudindo.

A ordem do dia de ontem era vivermos juntos em uma sociedade sem fronteiras; hoje é “ficar em casa” e não se misturar com os outros. Os yuppies das metrópoles estão fugindo como lemingues para encontrar segurança na França da periferia que costumavam desdenhar. Já se foi o tempo em que se falava apenas em um “cordão sanitário” para manter uma distância do pensamento inconformista! No mundo “marítimo” de flutuação, de repente se enfrenta o retorno do telúrico – do lugar que vincula.

Completamente murcha, a Comissão Européia parece um coelho assustado: desnorteada, atordoada, paralisada. Incapaz de compreender o estado de emergência, suspendeu embaraçosamente o que antes era mais importante: os “princípios de Maastricht”, ou seja, “o pacto de estabilidade”, que limitava os orçamentos do Estado a 3% do PIB e a dívida pública a 60%. Em seguida, o Banco Central Europeu desbloqueou 750 bilhões de euros, supostamente para responder à situação, mas na realidade para salvar o euro. A verdade, porém, é que em uma emergência, cada país decide e age por si mesmo.

Em um mundo globalizado, as normas devem permitir abordar todas as eventualidades. Mas isso esquece que em um estado de exceção, como mostrou Carl Schmitt, as normas não podem mais ser aplicadas. Se dermos ouvidos aos bons apóstolos, o problema era o Estado, mas agora ele se torna a solução, assim como em 2008, quando os bancos e os fundos de pensão apelaram para o poder público, que anteriormente haviam denunciado, para protegê-los da falência. O próprio Macron disse anteriormente que os programas sociais custavam uma soma insana, mas agora ele se declara disposto a gastar o que for necessário para superar a crise sanitária, sem limites. Quanto mais a pandemia se espalhar, mais os custos públicos terão de crescer. Para cobrir os custos do desemprego e preencher as brechas nas empresas, os Estados vão aplicar centenas de bilhões, apesar de já estarem profundamente endividados.

A legislação trabalhista está sendo suavizada, a reforma das aposentadorias está sendo adiada, novos planos de compensação do desemprego estão sendo postergados indefinidamente. Até mesmo o tabu da nacionalização desapareceu. Aparentemente, vai se encontrar o dinheiro que antes não se podia encontrar, mas de repente tudo que antes era impossível é agora possível.

Também estão agora fingindo descobrir que a China, que se tornou a fábrica do mundo (em 2018, a China representava 28% do valor agregado da produção industrial mundial), produz todo tipo de coisas que decidimos não fazer nós mesmos, a começar pelos nossos remédios (desde 2008, a Europa não produz uma grama de paracetamol!), e isso nos transforma no objeto histórico dos outros. O chefe de Estado – que surpresa! – afirmou que “é uma loucura delegar aos outros a nossa alimentação, a nossa proteção, a nossa capacidade de cuidar de nós mesmos, do nosso modo de vida”. “As próximas semanas e meses vão exigir decisões de ruptura”, acrescentou ele. Será possível, portanto, realocar aspectos inteiros de nossa economia e diversificar nossas cadeias de abastecimento?

Tampouco devemos ignorar o choque antropológico. O entendimento do homem promovido pelo paradigma dominante era o do indivíduo desligado de seus pares, em propriedade plena de si mesmo (“meu corpo me pertence!”), com o objetivo de contribuir para o equilíbrio geral ao procurar permanentemente maximizar seu próprio interesse em meio a uma sociedade profundamente regida por contratos legais e relações comerciais. É esta visão do homo oeconomicus que se encontra em processo de colapso. Enquanto Macron chama a responsabilidade de todos, a solidariedade da proximidade, e até mesmo a “união nacional”, a crise da saúde tem recriado sentimentos de pertencimento. Nossas relações com o tempo e o espaço foram transformadas: nossa relação com nosso modo de vida, com a razão de nossa existência e com valores que não se esgotam com os da “República”. Ao invés de reclamar, as pessoas admiram o heroísmo dos profissionais de saúde. A importância está sendo redescoberta do que temos em comum, o trágico, a guerra e a morte – enfim, tudo o que queríamos esquecer: é um retorno fundamental da realidade.

E agora, o que está diante de nós? Antes de tudo, certamente uma crise econômica, que terá as mais severas consequências sociais. Todos antecipam uma recessão muito forte, que afetará tanto a Europa quanto os Estados Unidos. Milhares de empresas vão falir, milhões de empregos estão ameaçados, e espera-se uma queda do PIB de até 20%. Os Estados terão que se endividar novamente, o que tornará o tecido social cada vez mais frágil.

Esta crise econômica e social pode levar a uma nova crise financeira ainda maior do que a de 2008. O coronavírus não será o fator chave, pois a crise é esperada há anos, mas certamente será o catalisador. Os mercados acionários começaram a entrar em colapso e o preço do petróleo caiu. O crash do mercado acionário não afeta apenas os acionistas, mas afeta os bancos cujo valor depende de suas participações ativas: o crescimento hipertrófico das participações financeiras resultou da atividade especulativa no mercado que eles buscaram em detrimento da atividade bancária tradicional de poupança e empréstimos. Se o crash bolsista é acompanhado por uma crise dos mercados de dívida, como foi o caso da crise do subprime, a propagação da inadimplência de pagamentos no centro do sistema bancário aponta para um colapso geral.

O risco então é ter que responder simultaneamente a uma crise sanitária, uma crise econômica, uma crise social, uma crise financeira e, para não ser esquecido, uma crise ecológica e migratória. Uma tempestade perfeita: este é o próximo tsunami.

Haverá também consequências políticas, em todos os países. Qual é o futuro do presidente chinês após o colapso do “dragão”? O que vai acontecer nos países árabes muçulmanos? E o impacto nas eleições presidenciais americanas, em um país onde dezenas de milhões não têm cobertura médica?

Quanto à França, neste momento as pessoas estão cerrando fileiras, mas não são cegas. Eles veem que a epidemia foi enfrentada pela primeira vez com ceticismo, até mesmo indiferença, e o governo hesitou em adotar uma estratégia: testes sistemáticos, imunidade de rebanho ou confinamento. A procrastinação e as declarações contraditórias duraram dois meses: esta doença não é grave, mas causa muitas mortes; as máscaras não fazem nada, mas os profissionais de saúde precisam delas; os exames de triagem são inúteis, mas vamos tentar realizá-los em grande escala; ficar em casa, mas sair para votar. No final de janeiro, Agnès Buzyn, ministra francesa da Saúde, nos garantiu que o vírus não deixaria a China. Em 26 de fevereiro, Jerome Salomon, diretor geral de Saúde, testemunhou na Comissão de Assuntos Sociais do Senado que não havia falta de máscaras. Em 11 de março, Jean-Michel Blanquer, Ministro da Educação, não via motivo para fechar escolas e faculdades. Nesse mesmo dia, Macron gabou-se de que “não renunciaremos a nada e com certeza não à liberdade”, depois de ter ido comprovadamente ao teatro alguns dias antes, porque “a vida deve continuar como normal”. Oito dias depois, uma mudança de tom: reclusão universal. Quem pode levar pessoas assim a sério? Na linguagem dos Coletes Amarelos, pode-se traduzir isso pelo slogan: os confinados estão sendo regidos pelos contras.

Estamos em guerra, nos diz o chefe de Estado. Guerras exigem líderes e meios. Mas nós só temos “especialistas” que não concordam uns com os outros e nossas armas são armas de espoleta. Como resultado, três meses após o início da epidemia, ainda nos faltam máscaras, testes de triagem, gel desinfetante, leitos hospitalares e respiradores. Nos falta tudo porque nada foi previsto, e ninguém se apressou para compensar quando a tempestade chegou. Segundo muitos médicos, os responsáveis devem ser chamados a prestar contas.

O caso do sistema hospitalar é sintomático porque está no centro da crise. De acordo com os princípios liberais, os hospitais do setor público deveriam ser transformados em centros de custos, de modo a incentivá-los a ganhar mais dinheiro em nome do sacrossanto princípio da rentabilidade, como se seu trabalho pudesse ser tratado simplesmente como uma questão de oferta e demanda. Em outras palavras, um setor não mercantil deveria ser subordinado aos princípios do mercado, introduzindo uma racionalidade gerencial se apoia no critério único do just-in-time, o que levou os hospitais públicos à beira da paralisia e do colapso. Sabiam que as diretrizes regionais de saúde, por exemplo, estabelecem um limite para o número de ressuscitações em função do “mapa da saúde”? Ou que a França eliminou 100 mil leitos hospitalares durante os últimos 20 anos? Que em Mayotte existem atualmente 16 leitos de UTI para 400 mil habitantes? Os profissionais de saúde falam sobre isso há anos, mas ninguém ouviu. Nós estamos pagando o preço agora.

Quando tudo isso acabar, vamos voltar à desordem normal, ou vamos encontrar, graças a esta crise de saúde, uma oportunidade de começar com bases melhores, longe do demonismo da comercialização do mundo, do produtivismo e do consumismo a todo custo?

Espera-se que sim, exceto que as mesmas pessoas se mostraram incorrigíveis. A crise de 2008 poderia ter servido como uma lição, mas foi ignorada. Os velhos hábitos prevaleceram: prioridade aos lucros financeiros e à acumulação de capital, em detrimento dos serviços públicos e do emprego. Quando as coisas pareciam estar indo melhor, apressou-se novamente na lógica infernal do endividamento, e os “touros” voltaram a ganhar, circulam produtos financeiros tóxicos, os acionistas insistem no pleno retorno de seus investimentos, enquanto, sob o pretexto de restabelecer o equilíbrio, é posta em prática uma política de austeridade que assola o povo. A “sociedade aberta” seguiu sua inclinação natural: mais uma vez!

No momento, pode-se fazer uso do confinamento para reler ou redescobrir o formidável trabalho do sociólogo Jean Baudrillard. Em um mundo “hiperreal”, onde a virtualidade ultrapassou a realidade, ele foi o primeiro a falar da “alteridade invisível, diabólica e elusiva que é o vírus”. O vírus da informática, o vírus da epidemia, o vírus da bolsa, o vírus do terrorismo, a circulação viral da informação digitalizada: tudo isso, argumentou ele, obedecia “ao mesmo protocolo de virulência e irradiação com poder viral sobre a imaginação”. Viralidade, em outras palavras, é o grande princípio contemporâneo do contágio da desregulamentação.

Enquanto escrevo estas linhas, os moradores de Wuhan e Xangai estão redescobrindo que em seu estado natural, o céu é azul.

Fonte: Valeurs Actuelles

Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Deixe uma resposta