A dialética chinesa

O Maoísmo institucionalizado no Partido Comunista Chinês e na liderança de Xi Jinping não é a inversão de 5 mil anos de história e civilização (como diriam anticomunistas), nem a superação de 5 mil anos de história e civilização (como diriam comunistas ocidentais).

É a continuação de 5 mil anos de história e civilização, com a dialética maoísta (claramente influenciada pelo Tao) revitalizando e sintetizando todos os elementos positivos e engrandecedores desses milênios de história em uma nova era.

É impossível compreender a eficiência das medidas tomadas pelo Estado chinês no combate ao coronavírus sem atentar para uma mentalidade confucionista generalizada e difundida entre a população, que sobreviveu aos piores momentos da Revolução Cultural.

O triunfo dos 5 mil anos de história se expressa na liderança de Xi Jinping, que é, simultaneamente, maoísta e confucionista. A Grande Síntese foi alcançada através do Tao de Mao.

Raphael Machado

Advogado, ativista, tradutor, membro fundador e coordenador-geral Nova Resistência, é um dos principais divulgadores do pensamento e obra de Aleksandr Dugin e de temas relacionados a Quarta Teoria Política no Brasil.

Deixe uma resposta