Federico Pieraccini – Um Ataque Terrorista contra a Integração Eurasiática

O assassinato do general iraniano Qassem Suleimani em Bagdá, na madrugada de 3 de janeiro, pelas forças norte-americanas, apenas destaca a extensão do fracasso da estratégia dos EUA no Oriente Médio. É provável que provoque reações que não beneficiam os interesses dos EUA na região.

Para compreender o significado deste evento, é necessário reconstruir rapidamente os desenvolvimentos no Iraque. Os EUA ocupam o Iraque há 17 anos, após a sua invasão do país em 2003. Durante esse período, Bagdá e Teerã restabeleceram os laços, mantendo um importante diálogo sobre a reconstrução do pós-guerra, bem como reconhecendo a importância da população xiita no Iraque.

Em duas décadas, Iraque e Irã passaram de declarar guerra entre si para cooperar no chamado Crescente Xiita, favorecendo a cooperação e o desenvolvimento comercial e militar do quarteto composto pelo Irã, Iraque, Síria e Líbano. Esses laços, após recentes vitórias sobre o terrorismo internacional, foram consolidados, levando a conexões geográficas atuais e planejadas entre esse quarteto.

Movimentos e organizações locais têm apelado para que as tropas americanas deixem o território iraquiano com vigor e força crescentes nos últimos meses. Washington tem acusado Teerã de incitar protestos associados.

Ao mesmo tempo, grupos de origem duvidosa, que têm procurado equiparar a presença iraniana à americana, têm apelado para a retirada das Unidades de Mobilização Popular (UMP) ligadas ao Irã do Iraque. Os protestos de tais grupos parecem ser patrocinados e financiados pela Arábia Saudita.

Com acusações mútuas voando pelos ares, os EUA atacaram uma facção pró-iraniana conhecida como Kataib Hezbollah em 29 de dezembro. Este episódio desencadeou uma série de reações no Iraque que acabaram por envolver a embaixada dos EUA em Bagdá, que foi sitiada durante dias por manifestantes zangados com os ataques aéreos em curso das forças norte-americanas.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, culpou o Irã por essa situação volátil, alertando que Teerã seria responsabilizado por qualquer escalada da situação envolvendo a embaixada.

Na madrugada de 3 de janeiro de 2020, outro emaranhado foi acrescentado ao nó górdio que é o Oriente Médio. Qassem Suleimani foi assassinado quando o seu comboio foi atacado por um drone perto do Aeroporto Internacional de Bagdá. O opositor mais eficaz do ISIS e do jihadismo wahhabi em geral foi assim eliminado pelos EUA em um ato terrorista levado a cabo em um país estrangeiro em uma área civil (perto do Aeroporto Internacional de Bagdá). O champanhe teria sem dúvida fluido imediatamente após o recebimento desta notícia no Congresso dos EUA, no Knesset israelense, no palácio real de Riad e em Idlib entre os militantes da al-Nusra e da al-Qaeda.

Resta saber quais foram as razões por trás da decisão de Trump de aprovar o assassinato de um líder tão influente e importante. Certamente a necessidade de demonstrar à sua base (e aos seus financiadores israelenses e sauditas) joga a favor da sua cruzada anti-iraniana. Mas há outras razões que explicam melhor as ações de Trump que estão mais relacionadas com a influência dos EUA na região; o jogo de xadrez geopolítico no Oriente Médio transcende qualquer líder singular ou qualquer ataque com drones.

Na Síria, por exemplo, a situação é extremamente favorável ao governo em Damasco, sendo apenas uma questão de tempo até que o país esteja novamente sob o controle do governo central. O general Soleimani e o Irã têm desempenhado um papel central na libertação do país do flagelo do terrorismo, um flagelo dirigido e financiado pelos Estados Unidos e seus aliados regionais.

No Iraque, a situação política é menos favorável para os EUA agora do que em 2006. Qualquer progresso nas relações entre Bagdá e Teerã deve-se também ao general Suleimani, que, juntamente com as UMPs e o exército iraquiano, libertou o país do ISIS (que foi criado e alimentado pela inteligência ocidental e saudita, conforme revelado pelo Wikileaks).

Parece que as sanções dos EUA contra o Irã não tiveram realmente o efeito pretendido, servindo apenas para consolidar a posição do país contra o imperialismo. Os EUA, como resultado, estão passando por uma crise na região, sendo efetivamente expulsos do Oriente Médio, em vez de sair intencionalmente.

Nesta situação extraordinária e sem precedentes, os russos e os chineses estão oferecendo a si próprios como garantidores militares, políticos e econômicos do emergente megaprojeto eurasiático (os recentes exercícios navais entre Pequim, Moscou e Teerã servindo como exemplo tangível deste compromisso). Naturalmente, é do seu interesse evitar qualquer conflito regional prolongado que só serviria para lançar uma chave inglesa em seu vasto megaprojeto eurasiático.

Putin e Xi Jinping enfrentam dias difíceis pela frente, tentando aconselhar o Irã a evitar uma resposta excessiva que daria a Washington a desculpa perfeita para uma guerra contra o Irã.

As perspectivas de uma região sem terrorismo, com um Crescente Xiita revigorado, liderado pelo Irã a nível regional e acompanhado pela China e Rússia a nível econômico (Iniciativa do Cinturão e da Rota) e militar, oferecem pouca esperança a Riad, Tel Aviv e Washington de poder influenciar os acontecimentos na região e este será provavelmente o principal argumento que Putin e Xi Jinping usarão para tentar dissuadir qualquer resposta aberta iraniana.

Decidir matar o líder da Força Quds no Iraque prova apenas uma coisa: que as opções disponíveis para Trump e seus aliados regionais estão encolhendo rapidamente, e que as tendências regionais ao longo da próxima década parecem irreversíveis. A sua única esperança é que Teerã e os seus aliados se manifestem, o mais tardar, com uma provocação, justificando assim a guerra regional que só serviria para beneficiar Washington ao abrandar a unificação regional sob a liderança iraniana.

Devemos lembrar que sempre que os EUA se encontram em uma situação em que não podem controlar um país ou uma região, sua tendência é a de criar o caos e, em última instância, destruí-lo.

Ao matar o General Suleimani, os EUA esperam causar estragos na região para abrandar ou acabar com qualquer perspectiva de integração. Felizmente, a China, a Rússia e o Irã estão bem cientes de que qualquer conflito não seria do seu próprio interesse.

Nenhum míssil lançado com drones será suficiente para salvar os EUA de décadas de erros de política externa e dos horrores a eles associados; nem será suficiente para apagar a memória da incansável luta de um herói contra o imperialismo e o terrorismo.

Deixe uma resposta