Sarah Abed – Os Curdos: Armas de Desestabilização de Washington no Oriente Médio (Parte I)

Fonte: https://www.globalresearch.ca/the-kurds-washingtons-weapon-of-mass-destabilization-in-the-middle-east/5599207?fbclid=IwAR2vz7Re1eZbNQZbSek5bFfHeLi_GLAqcxvX0rTHbIE-P4u0_E8PlM1BieA

Qual é o papel exercido pelo PKK, pelo YPG, pelos Peshmerga e outras organizações nacionalistas curdos na geopolítica do Oriente Médio? Qual é a história recente dos curdos? Eles são um só povo ou uma miríade de tribos pouco unidas? Para responder a essas e outras perguntas traduzimos essa primeira parte de uma série de artigos sobre os curdos.

Os relatos históricos dos curdos têm sido objeto de mistério e perplexidade há anos, e raramente têm sido discutidos pelos principais meios de comunicação ocidentais até recentemente. Desde a invasão do Iraque pelos EUA e o conflito em curso na Síria, os curdos tem sido romantizados pela grande mídia e pelos políticos dos EUA para justificar uma narrativa intervencionista ocidental nesses países. Desde que os EUA invadiram a Síria, os EUA e Israel tem apoiado o Curdistão semi-autônomo, com Israel comprando US$ 3,84 bilhões em petróleo, um movimento que poderia ter ramificações geopolíticas e econômicas para ambas as partes (https://newrepublic.com/article/118549/israel-and-kurdistans-alleged-oil-deal-putting-us-notice).

Em 2015, o Financial Times (https://www.ft.com/content/150f00cc-472c-11e5-af2f-4d6e0e5eda22?mhq5j=e2) informou que Israel havia importado 77% de seu suprimento de petróleo do Curdistão nos últimos meses, trazendo cerca de 19 milhões de barris entre o início de maio e 11 de agosto. Durante esse período, mais de um terço de todas as exportações do norte do Iraque, enviadas pelo porto turco de Ceyhan, foram para Israel, com transações no valor de quase US$ 1 bilhão, segundo o relatório, citando “dados de remessa, fontes comerciais e rastreamento de navios-satélite”.

As vendas são um sinal da crescente assertividade do Curdistão iraquiano e do desgaste ainda maior dos laços entre Erbil e Bagdá, que há muito tempo teme que o objetivo final dos curdos seja a total independência em relação Iraque.

Kurdish fighters from the People’s Protection Units, (Y.P.G), stand guard next to American armored vehicles at the Syria-Turkey border, Apri, 2017. (Youssef Rabie Youssef/EPA)

Em 1966, o ministro da Defesa do Iraque, Abd al-Aziz al-Uqayli, culpou os curdos do Iraque por tentarem estabelecer “um segundo Israel” no Oriente Médio. Ele também afirmou que “o Ocidente e o Oriente estão apoiando os rebeldes para criar [khalq] um novo Estado israelense no norte da pátria”, como haviam feito em 1948 quando criaram Israel. Curiosamente, a história se repete com o seu relacionamento atual – cuja existência só é reconhecido de passagem por ambos os lados por medo de represálias.

Durante grande parte do conflito na Síria, várias milícias curdas se tornaram alguns dos aliados mais próximos da coalizão liderada pelos EUA no país, recebendo grandes quantidades de armas (https://www.nytimes.com/2017/05/09/us/politics/trump-kurds-syria-army.html?_r=0) e carregamentos pesados ​​de armas, além de treinamento de membros da coalizão (https://www.latimes.com/world/middleeast/la-fg-us-iraq-weapons-20140811-story.html). As milícias curdas também dominam as Forças Democráticas da Síria (SDF), o grupo apoiado pelos EUA mais conhecido por liderar a ofensiva apoiada pela coalizão contra a fortaleza do Daesh (ISIS) em Raqqa. As armas que os Estados Unidos forneceram aos combatentes curdos e árabes no país na coalizão anti-ISIS inclui metralhadoras pesadas, morteiros, armas antitanque, carros blindados e equipamentos de engenharia (https://www.nytimes.com/2017/05/09/us/politics/trump-kurds-syria-army.html?_r=0).

Em maio, o presidente dos EUA, Donald Trump, aprovou o armamento de milicianos curdos na Síria com armas pesadas, incluindo morteiros e metralhadoras. Dentro de um mês após a aprovação de Trump, 348 caminhões com assistência militar foram passados ​​para o grupo, acrescentou Anadolu. De acordo com os dados da agência de notícias, a lista de armas do Pentágono a ser entregue ao grupo inclui 12.000 rifles Kalashnikov, 6.000 metralhadoras, 3.000 lançadores de granadas e cerca de 1.000 armas antitanques de origem russa ou americana (https://www.nbcnews.com/news/us-news/officials-trump-approves-plan-arm-syrian-kurds-n756886).

As remessas dos Estados Unidos incluíram 130 caminhões, com 60 carros passando em 5 de junho e 20 veículos em 12 de junho, de acordo com o Sputnik News (https://sputniknews.com/middleeast/201706171054711865-syria-pyd-us-armour-supply/).

Em 17 de junho, o Sputnik News informou que os Estados Unidos ainda estão fornecendo munição ao Partido da União Democrática (PYD) na Síria para combater o Daesh, entregando 50 caminhões em apenas um dia, de acordo com relatos da mídia turca (https://sputniknews.com/middleeast/201706171054711865-syria-pyd-us-armour-supply/). No início do dia, os caminhões chegaram à cidade de al-Hasakah, no noroeste da Síria.

Os laços históricos e modernos entre Israel e os curdos trouxeram benefícios para ambos os lados (https://www.meforum.org/3838/israel-kurds). No passado, Israel obteve inteligência e apoio para alguns milhares de judeus que fugiam do Iraque ba’athista. Os curdos receberam segurança e ajuda humanitária, além de elos para o mundo exterior, especialmente os Estados Unidos. O primeiro reconhecimento oficial de que Jerusalém havia prestado ajuda aos curdos data de 29 de setembro de 1980, quando o primeiro-ministro Menachem Begin revelou que Israel havia apoiado os curdos “durante sua revolta contra os iraquianos em 1965 até 1975” e que os Estados Unidos estavam cientes desse fato. Begin acrescentou que Israel havia enviado instrutores e armas, mas não unidades militares.

Ethnic Kurdish Israelis protest outside the Turkish embassy in Tel Aviv, Israel, July 8, 2010.

Os curdos são o maior grupo de pessoas nômades do mundo que permanecem apátridas desde o início dos tempos. Esse fato permitiu às potências ocidentais usar a situação “apátrida” do povo curdo como uma ferramenta para dividir, desestabilizar e conquistar o Iraque e a Síria, onde os interesses coloniais do petróleo e do gás são profundos.

A coalizão de criminosos de guerra liderada pelos EUA está usando elementos da população curda da Síria para atingir seu objetivo de destruir o país não beligerante e democrático da Síria, liderado por seu popular presidente eleito democraticamente Bashar al-Assad (https://www.voltairenet.org/article193142.html). Washington procura criar sectarismo e divisões étnicas em um país que, antes da guerra lançada pelo Ocidente, não os tinha.

No entanto, os curdologistas rejeitam essa caracterização porque ela não se encaixa em sua descrição de eventos históricos que atribui a eles um Estado em determinado momento da história. A sua população estimada é de 30 milhões, de acordo com a maioria das fontes demográficas. Eles também rejeitam a ideia de que estão sendo usados ​​como peões (https://komnews.org/syrian-kurdish-pyd-co-leader-dismisses-possibility-of-being-used-as-pawns/).

Respondendo a uma pergunta sobre onde o governo autônomo “traçaria os limites” no apoio dos EUA e no apoio de outras superpotências, o colíder do Partido da União Democrática Curda da Síria (PYD), Salih Muslim Muhammad, afirmou:

“Nossa garantia é a nossa mentalidade. Depende de quanto educamos e organizamos nosso pessoal. Se defendermos nossa moral e ideologia, poderes maiores não poderão nos usar como peões”.

Talvez nenhum outro grupo de pessoas nos tempos modernos tenha sido tão romantizado na consciência ocidental quanto os curdos. Consistentemente retratados como “combatentes da liberdade” que estão eternamente lutando por uma terra que lhes foi negada, os curdos têm sido frequentemente utilizados ao longo da história por outros países e impérios como uma flecha e nunca foram eles mesmos o arco.

No caso de hoje, os curdos estão sendo usados ​​pela OTAN e por Israel para cumprir o objetivo colonialista dos dias de hoje de dividir grandes Estados como o Iraque em micro-Estados para garantir objetivos geopolíticos. Quando as nações são divididas em micro-Estados, elas são mais fáceis de conquistar por entidades estrangeiras. Este é um movimento de assinatura que as nações imperialistas poderosas usam com o objetivo de colonizar nações menores e menos influentes. Os curdos foram utilizados como peões nessa estratégia de “dividir e conquistar” ao longo da história e continuam a se permitir serem usados ​​pelas potências coloniais (https://www.union-communiste.org/en/2014-11/middle-east-the-kurdish-people-used-as-a-pawn-by-the-western-powers-3850).

Oportunistas ultra-esquerdistas ou verdadeiros revolucionários?

Em um artigo escrito em 2007, o analista de notícias sênior da NPR Daniel Schorr (https://www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=6861069?storyId=6861069) afirmou que os curdos do Iraque têm uma longa história de serem usados ​​como peões nas lutas regionais pelo poder. Agora, eles estão no meio de uma disputa entre os Estados Unidos e o Irã pelo domínio no Oriente Médio.

Em 1973, o presidente Richard Nixon e o secretário de Estado Henry Kissinger fizeram com que a CIA instaurasse uma revolta curda no norte do Iraque contra Saddam Hussein. Os Estados Unidos se afastaram da rebelião quando Saddam e o xá do Irã resolveram suas diferenças, deixando os curdos para enfrentarem seu próprio destino. Curiosamente, os curdos parecem ter desenvolvido amnésia, mais uma vez escolhendo cooperar com Washington, que os usou repetidamente apenas para seu próprio benefício.

Na Guerra do Golfo pela conquista iraquiana do Kuwait em 1990, o Presidente George H.W. Bush apelou aos curdos, bem como aos xiitas do sul, para se rebelarem contra Saddam.

A Kurd kisses a picture of United States President George W. Bush during celebrations in the streets of Sulaymaniyah, northern Iraq Wednesday April 9, 2003. (AP/Kevin Frayer)

Vitoriosos nessa guerra, as forças armadas americanas permitiram que Saddam retivesse seus helicópteros, que ele usou para retaliar contra os curdos, junto com os xiitas, às centenas. A opinião pública americana acabou forçando o governo a estabelecer zonas de exclusão aérea ao norte e ao sul para proteger as duas populações.

A lealdade curda aos EUA custou-lhes bastante, e é com certo narcisismo que o governo Bush presumiu dizer aos curdos autônomos que tipo de relações eles poderiam manter com outros países da região, incluindo o rival americano Irã (https://www.csmonitor.com/2007/0119/p09s01-cods.html). Mas os curdos parecem se encontrar em uma disputa entre os EUA e o Irã pelo domínio no Oriente Médio mais uma vez.

Andrew Exum, ex-oficial do Pentágono para o Oriente Médio que serviu como Ranger do exército, declarou (https://www.westernjournal.com/trump-moves-defeat-isis-arming-syrian-kurds/):

“… essa decisão – armar um grupo estreitamente associado a uma organização terrorista estrangeira envolvida em uma insurgência de décadas contra o Estado turco – provavelmente repercutirá nas relações dos EUA com a Turquia nas próximas décadas.”

O governo turco há muito insiste que a milícia curda está intimamente ligada ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, um grupo separatista conhecido como PKK. Esse grupo é listado pela Turquia, Estados Unidos e Europa como uma organização terrorista.

Uma estimativa aproximada encontrada no CIA Factbook (https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/tu.html) define a população curda em 14,5 milhões na Turquia, 6 milhões no Irã, cerca de 5 a 6 milhões no Iraque e menos de 2 milhões na Síria, o que totaliza quase 28 milhões de curdos no que eles se referem como “Curdistão” e regiões adjacentes.

No entanto, outras fontes afirmam que restam apenas 1,2 milhão de curdos na Síria devido cuidadosamente planejada e calculada guerra imposta pela OTAN e seus aliados do Golfo (https://www.mintpressnews.com/decade-long-u-s-campaign-foment-syria-revolution-unseat-assad/227648/). Aproximadamente o mesmo número migrou para a Alemanha nos últimos seis anos.

É importante diferenciar entre os curdos que se assimilaram nos países em que agora residem e rejeitam a ideia de estabelecer um Curdistão ilegal e aqueles que têm fome de poder e estão permitindo uma parceria com o Ocidente e Israel para ajudar na desestabilização da região. Alguns curdos na Síria, especialmente aqueles que residem em áreas não controladas pelos curdos, como Damasco, são leais ao governo sírio e declararam que votaram em Assad em 2014.

Essa eleição livre e democrática viu Assad ganhar 88,7% dos votos populares sobre os outros dois candidatos (https://www.rt.com/news/163696-assad-win-president-syria/). No início da guerra na Síria, havia curdos lutando no Exército Árabe Sírio, que recebiam armas e salários como seus colegas sírios. Há um pequeno número que ainda está no Exército Árabe Sírio, no sul da Síria.

Mas no nordeste da Síria, muitos curdos desertaram para o SDF liderado pelos EUA, onde as armas, salários e treinamento são fornecidos pelos EUA. Os sírios consideram os curdos que permaneceram leais à Síria como seus irmãos e irmãs sírios e as descrições da traição curda neste artigo não se aplicam a eles.

The loosely-knit coalition of Syrian rebel groups known as the Syrian Democratic Forces (SDF), are armed, trained and backed by the U.S. The group is currently engaged in the early stages of battle in the ISIS stronghold of Raqqa, Syria.

Independência e Desunião

Uma coisa importante a lembrar é que o marcador étnico “curdo” se refere a falantes de vários idiomas diferentes, porém relacionados. Os dois mais importantes são sorani no Iraque e Irã e kurmanji na Síria, Turquia e regiões contíguas menores no Iraque e no Irã. O sorani tende a usar a escrita árabe, enquanto o kurmanji usa a escrita latina, o que mostra o quão diferentes eles podem ser um do outro.

O Governo Regional do Curdistão do Iraque (KRG) é predominantemente formado por falantes de sorani, enquanto o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o PYD e outros grupos nacionalistas na Síria e na Turquia falam kurmanji. Essa divisão mapeia naturalmente essas expressões políticas divergentes. Não é tão simples como sobrepor as fronteiras do KRG sobre o território controlado pelo PYD e pelo PKK.

Por outro lado, a Turquia não contesta as aspirações dos falantes de sorani na mesma medida em que o faz em relação aos falantes de kurmanji. Incentivar a autonomia dos curdos iraquianos não deve acarretar os mesmos problemas para a aliança turco-americana, quanto estimular o nacionalismo curdo siro-turco acarretaria.

A busca pela independência é intrínseca à identidade curda (https://www.cfr.org/interactives/time-kurds#!/?cid=soc-at-the_time_of_the_kurds-infoguide). No entanto, nem todos os curdos imaginam um Curdistão unificado que abrangeria as regiões curdas de quatro países soberanos diferentes. A maioria dos movimentos e partidos políticos curdos concentra-se nas preocupações e autonomia dos curdos em seus respectivos países. Dentro de cada país, há curdos que assimilaram e cujas aspirações podem ser limitadas a maiores liberdades culturais e reconhecimento político.

Kurd

Curdos por todo o Oriente Médio têm perseguido vigorosamente seus objetivos através de uma multidão de grupos. Enquanto alguns curdos estabeleceram partidos e organizações políticas legítimas nos esforços para promover os direitos e a liberdade dos curdos, outros travaram lutas armadas. Alguns, como o PKK turco, empregaram táticas de guerrilha e ataques terroristas que têm como alvo civis, incluindo seus colegas curdos.

A grande variedade de partidos e grupos políticos curdos reflete as divisões internas entre os curdos, que geralmente seguem linhas tribais, linguísticas e nacionais, além de desacordos e rivalidades políticas. As tensões entre os dois partidos políticos curdos iraquianos dominantes, o Partido Democrático do Curdistão (KDP) e a União Patriótica do Curdistão (PUK) se intensificaram até virar uma guerra civil que matou mais de 2.000 curdos em meados dos anos 90.

A desunião política se estende além das fronteiras, com partidos e organizações curdos formando ramificações ou forjando alianças nos países vizinhos. Hoje, divergências sobre as perspectivas de autonomia curda na Síria ou as relações dos curdos iraquianos com o governo turco promoveram tensões que colocaram o KDP iraquiano e sua organização irmã síria, o KDP-S, contra o PKK e seu ramo sírio, o PYD. Ainda assim, grupos adversários curdos trabalharam juntos quando isso foi conveniente. A ameaça representada pelo ISIS levou o Peshmerga, afiliado ao KDP, a lutar ao lado das forças sírias do PYD.

Grupos curdos, às vezes, barganham não apenas com seus próprios governos, mas também com os vizinhos – em alguns casos, às custas de suas relações com seus irmãos curdos. As complexas relações entre grupos curdos e entre os curdos e os governos da região tem flutuado e as alianças se formam e se rompem com a mudança das condições políticas. A desunião dos curdos é citada por especialistas como uma das principais causas de sua incapacidade de formar um Estado próprio.

As reivindicações ilegais e injustificadas por autonomia dos curdos

O Ocidente afirma que os curdos são uma das forças mais morais e dignas do Oriente Médio que lutam contra o ISIS. Mas se o foco deles é derrotar o ISIS, como afirmam, por que estão cometendo genocídio contra os sírios (https://www.mintpressnews.com/u-s-coalition-cleansing-raqqa-of-arabs-to-expand-kurdish-autonomous-region/229054/) no processo? Levando isso em consideração, é difícil justificar a alegação persistente do Ocidente de que grupos terroristas curdos armados estão tentando ajudar a Síria. A realidade no terreno contradiz esses elogios vazios, que o Ocidente usa para se legitimar enquanto apoia essas organizações terroristas. Essa narrativa falsa foi de fato usada para armar os curdos na Síria, a fim de criar instabilidade e divisão.

É estranho que os curdos sejam tão antagônicos em relação aos sírios, já que o país os tem recebido bem, de modo geral. Por exemplo, reformas foram feitas na Síria em 2012 para beneficiar os curdos.

U.S.-backed, Kurdish-led Syria Democratic Forces raise their flag in the center of the town of Manbij after driving ISIS out of the area, in Aleppo province, Syria. (ANHA via AP)

“O presidente Assad emitiu um decreto que concede a cidadania síria árabe a pessoas registradas como estrangeiras na (província de Hassake)”, disse a agência de notícias SANA.

A medida, que beneficiou cerca de 300 mil curdos, surgiu uma semana depois de Assad encarregar um comitê de “resolver o problema do censo de 1962 na província de Hassake”.

Em janeiro de 2015, a agência de notícias SANA (https://sana.sy/en/?p=26797) informou que o então primeiro-ministro sírio, Dr. Wael al-Halqi, disse:

“Os curdos são um componente profundamente arraigado da sociedade síria e Ayn al-Arab faz parte da Síria que é querida pelos corações de todos os sírios.”

A afirmação de Al-Halqi veio durante sua reunião com uma delegação curda, que incluía figuras curdas. Ele também pediu a todos que descartem a violência e difundam a amizade, reiterando que uma solução para a crise síria pode ser alcançada “por meio do diálogo nacional e da consolidação das reconciliações nacionais”, indicando que o diálogo definitivamente estará “sob o guarda-chuva da pátria, longe de ditados estrangeiros”.

Em 2014, o Encontro Democrático Civil de Curdos Sírios (https://sana.sy/en/?p=16595) disse que a firmeza do povo de Ayn al-Arab diante dos terroristas era uma forma de expressão do compromisso dos curdos sírios em se comprometerem com sua pátria na Síria. O Conselho Superior de Secretários do encontro disse que a firmeza de Ayn al-Arab foi motivo de admiração e que as tentativas de transgredir a integridade territorial da Síria foram parte de um plano para causar caos e divisão e minar o eixo de resistência.

Estes são apenas alguns exemplos das tentativas do governo sírio de unificar todos aqueles que vivem dentro das fronteiras do país. Mas, mesmo com essas ações de boa fé, o SDF optou por ficar do lado dos inimigos da Síria, em vez de trabalhar com o exército sírio.

Um acordo recente – iniciado e mediado pelos EUA entre uma facção do Exército Livre da Síria (FSA) e o SDF liderado pelos curdos estabelece condições pelas quais as negociações iniciadas pelos EUA permitiriam que a facção da Brigada al-Muatasim da FSA assuma pacificamente 11 aldeias no norte Síria que são controladas pelo SDF (https://twitter.com/MustafaSejari/status/862241035669446656). As linhas gerais deste acordo sem precedentes foram anunciadas em 10 de maio, afirmando que a coalizão liderada pelos EUA havia delegado à al-Muatasim a tarefa de controlar e administrar as aldeias designadas.

View image on Twitter

A Brigada Al-Muatasim é considerada forte aliada dos EUA, razão pela qual foi selecionada para administrar as aldeias designadas. Isso prova ainda mais o ponto de que EUA, SDF e FSA ainda estão trabalhando juntos. A sua cooperação é parte de um esforço para combater o progresso sendo feito pelo Exército Árabe Sírio e seus aliados.

Deixe uma resposta