Stephen Gowans – O Mito da Excelência Moral do YPG Curdo

Uma crítica dura dirigida à Organização Socialista Internacional, sob o título “Se a ISO existisse em 1865”, abrange uma verdade sobre a orientação de grandes partes da esquerda ocidental em relação ao governo nacionalista árabe em Damasco. A verdade revelada é que a OSI e seus cognatos não deixarão pedra sobre pedra em sua busca por uma força síria indígena para apoiar que tenha pegado em armas contra Damasco, mesmo a ponto de insistir que um grupo digno de apoio certamente deve existir, mesmo que não possa ser identificado.

É claro que Washington ajuda, denominando seus proxies nos termos mais elogiosos. Os insurgentes islâmicos na Síria, principalmente da Al Qaeda, foram celebrados há não muitos anos como um movimento pró-democracia, e quando esse engano não se mostrou mais sustentável, como rebeldes moderados. Agora que os chamados moderados foram expostos como o oposto, muitos esquerdistas se apegam à esperança de que, entre os oponentes islâmicos do governo secular socialista árabe da Síria, possam ser encontrados depositários dos valores que a própria Damasco já abraça. Certamente, em algum lugar, existem esquerdistas seculares armados contra o governo para serem apoiados; pois parece que o objetivo é encontrar uma razão, não importa quão tênue, para criar um nimbus de excelência moral em torno de um grupo que se opõe com armas ao governo de Damasco; algum grupo que possa parecer não-sectário, anti-imperialista, socialista, comprometido com os direitos das mulheres e minorias e pró-palestino; em outras palavras, um grupo como os socialistas árabes do Ba’ath da Síria, mas sem ser eles.

Um passo adiante para cumprir essa esperança é o PKK, um grupo guerrilheiro anarquista demonizado como organização terrorista ao operar na Turquia contra um aliado dos EUA, mas que leva o nome de YPG na Síria, onde é o principal componente do grupo “Força Democrática Síria”. O YPG é tão atraente para muitos esquerdistas ocidentais que alguns chegaram ao ponto de se oferecer para lutar em suas unidades. Mas o YPG é a grande esperança que se acredita que seja?

Curdos na Síria

É difícil determinar com precisão quantos curdos existem na Síria, mas é claro que o grupo étnico compreende apenas uma pequena porcentagem da população síria (menos de 10% de acordo com a CIA e 8,5% de acordo com uma estimativa citada por Nikolaos Van Dam, em seu livro The Struggle for Power in Syria. [1]) As estimativas da proporção da população curda total que vive na Síria variam de 2% a 7% com base nos números populacionais apresentados no World Factbook da CIA. Metade da comunidade curda vive em Turquia, 28% no Irã e 20% no Iraque. Um relatório desclassificado do Departamento de Estado dos EUA de 1972 estimou que apenas entre 4% e 5% dos curdos do mundo viviam na Síria [2]. Embora as estimativas sejam difíceis, é claro que os curdos constituem uma proporção bastante pequena da população síria e que o número de membros do grupo que vive na Síria como uma proporção da comunidade curda como um todo é minúsculo.

O PKK

Os combatentes curdos na Síria operam sob o nome de YPG, que está “ligado ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, ou PKK, um movimento guerrilheiro radical que combina ideias anarquistas com nacionalismo curdo. Os guerrilheiros do PKK têm lutado contra o Estado turco desde 1978” e o PKK é “classificado como organização terrorista pela União Europeia, Turquia e EUA”[3].

Cemil Bayik é o principal comandante de campo do PKK na Turquia e de sua encarnação síria, o YPG. Bayik “chefia a organização guarda-chuva do PKK, o KCK, que une afiliados da PKK em diferentes países. Todos seguem o mesmo líder, Abdullah Ocalan, que está preso na Turquia”[4] desde 1999, quando ele foi preso pelas autoridades turcas com a assistência da CIA.

Ocalan “já foi devoto do marxismo-leninismo”, de acordo com Carne Ross, que escreveu um perfil do líder nacionalista curdo no The Financial Times em 2015. Mas Ocalan “passou a acreditar que, como o capitalismo, o comunismo sempre dependia de coerção. “Preso em uma ilha no mar de Mármara, Ocalan descobriu “a obra-prima de um pensador político de Nova Iorque chamado Murray Bookchin”. Bookchin “acreditava que a verdadeira democracia só prosperaria quando a tomada de decisão pertencesse à comunidade local e não fosse monopolizada por elites distantes e irresponsáveis”. O governo era desejável, argumentou Bookchin, mas a tomada de decisões precisava ser descentralizada e inclusiva. Enquanto anarquista, Bookchin preferia chamar sua abordagem de “comunalismo”. Ocalan adaptou as ideias de Bookchin ao nacionalismo curdo, chamand a nova filosofia de “confederalismo democrático”. [5]

O sionismo trabalhista tem ideias semelhantes sobre um sistema político baseado em comunidades descentralizadas, mas é, em sua essência, um movimento nacionalista. Da mesma forma, as visões de Ocalan não podem ser entendidas fora da estrutura do nacionalismo curdo. O PKK pode abraçar belos objetivos utópicos de confederalismo democrático, mas é, em sua essência, uma organização dedicada ao estabelecimento do autogoverno curdo – e, como se vê, não apenas no território tradicionalmente curdo, mas também no território árabe, tornando o paralelo com o sionismo trabalhista ainda mais forte. Tanto na Síria quanto no Iraque, combatentes curdos usaram a campanha contra o ISIS como uma oportunidade de ampliar o Curdistão para territórios tradicionalmente árabes nos quais os curdos nunca estiveram na maioria.

O objetivo do PKK, escreve Sam Dagher, do The Wall Street Journal, “é uma confederação de enclaves autogovernados liderados pelos curdos no Irã, Iraque, Síria e Turquia” [6] nos quais as populações curdas estão presentes, ainda que, como vimos, seja insignificante na Síria. Na busca desse objetivo, “até 5.000 curdos sírios morreram lutando ao lado do PKK desde meados da década de 1980, e quase todos os principais líderes da YPG e combatentes endurecidos pela batalha são veteranos da luta de décadas contra a Turquia”. [7 ]

Na Síria, o objetivo do PKK “é estabelecer uma região autogovernada no norte da Síria” [8], uma área com uma população árabe significativa.

Quando os combatentes do PKK cruzam a fronteira para a Turquia, eles se tornam “terroristas”, de acordo com os Estados Unidos e a União Europeia, mas quando voltam para a Síria são milagrosamente transformados em “guerrilheiros” que travam uma guerra pela democracia como o principal componente da Força Democrática Síria. A realidade é, no entanto, que, do lado turco ou sírio da fronteira, o PKK usa os mesmos métodos, persegue os mesmos objetivos e depende em grande parte do mesmo pessoal. O YPG é o PKK.

Uma Oportunidade

Washington há muito tempo quer expulsar os nacionalistas árabes da Síria, considerando-os como “um foco da luta nacionalista árabe contra a presença e os interesses regionais americanos”, como Amos Ma’oz disse uma vez. Os nacionalistas árabes, particularmente o Partido Socialista Árabe Ba’ath, no poder desde 1963, representam muitas coisas que Washington deplora: socialismo, nacionalismo árabe, anti-imperialismo e anti-sionismo. Washington denunciou Hafez al-Assad, presidente da Síria de 1970 a 2000, como um comunista árabe, e considera seu filho Bashar, que o sucedeu como presidente, como pouco diferente. O Departamento de Estado reclama que Bashar não permitiu que a economia síria – baseada nos modelos soviéticos, dizem seus pesquisadores – fosse integrada à economia global supervisionada pelos EUA. Além disso, Washington reclama do apoio de Damasco ao Hezbollah e ao movimento de libertação nacional palestino.

Os planejadores americanos decidiram eliminar os nacionalistas árabes da Ásia invadindo seus países, primeiro o Iraque, em 2003, que, como a Síria, era liderado pelos socialistas árabes do Ba’ath e depois a Síria. No entanto, o Pentágono logo descobriu que seus recursos estavam sobrecarregados pela resistência às ocupações do Afeganistão e Iraque, e que uma invasão da Síria estava fora de questão. Como alternativa, Washington iniciou imediatamente uma campanha de guerra econômica contra a Síria. Essa campanha, ainda em vigor 14 anos depois, acabaria com a economia e impediria Damasco de fornecer educação, assistência médica e outros serviços essenciais em algumas partes do país. Ao mesmo tempo, Washington tomou medidas para reacender a longa guerra santa que os islâmicos da Síria haviam travado contra o Estado, desde a década de 1960 e culminando na sangrenta tomada de Hama, a quarta maior cidade da Síria, em 1982. A partir de 2006, Washington trabalhou com a Irmandade Muçulmana da Síria para reacender a jihad contra o governo secular de Assad. A Irmandade teve duas reuniões na Casa Branca e se reuniu frequentemente com o Departamento de Estado e o Conselho de Segurança Nacional.

O surto de violência islâmica em março de 2011 foi recebido pelo PKK como uma oportunidade. Como relata Yaroslav Trofimov, do Wall Street Journal, “o PKK, que já foi aliado de…Damasco…tem estado presente há muito tempo entre as comunidades curdas no norte da Síria. Quando a maré revolucionária chegou à Síria, a filial síria do grupo rapidamente assumiu o controle de três regiões de maioria curda ao longo da fronteira turca. Os combatentes e armas do PKK foram transmitidos para lá de outras partes do Curdistão.”[9] Os “curdos sírios”, escreveram os colegas de Trofimov, Joe Parkinson e Ayla Albayrak, consideraram “a guerra civil como uma oportunidade para criar um enclave autônomo” semelhante ao estabelecido por seus parentes étnicos no Iraque vizinho”.[10] Aquele enclave, há muito apoiado pelos Estados Unidos e Israel, era visto como um meio de enfraquecer o Estado iraquiano.

Damasco facilitou a tomada do controle do PKK retirando suas tropas das áreas dominadas pelos curdos. O especialista em Oriente Médio Patrick Seale, que escreveu que os curdos “aproveitaram a oportunidade” do caos gerado pela revolta islamista “para impulsionar sua própria agenda política” [11], especulou que o objetivo do governo sírio em se afastar das áreas de maioria curda era redirecionar “tropas para a defesa de Damasco e Aleppo”; punir a Turquia por seu apoio aos insurgentes islamistas; e “conciliar os curdos, de modo a dissuadi-los de se juntar aos rebeldes”. [12] O PKK, como se vê, não se juntou aos insurgentes islamistas, como Damasco previu. Mas eles se juntaram a uma parte mais significativa da oposição à Síria nacionalista árabe: o próprio mestre de marionetes, os Estados Unidos.

Em 2014, o PKK havia “declarado três administrações autônomas, ou cantões, como as chamam, no norte da Síria: Afreen, no noroeste, perto da cidade de Aleppo; Kobani; e Jazeera no nordeste, que abrange Ras al-Ain e a cidade de Qamishli. Seu objetivo [era] conectar os três”.[13] Isso significaria controlar os espaços intermediários ocupados pelos árabes.

Um Acordo com Washington

Nesse ponto, o PKK decidiu que seus objetivos políticos poderiam ser melhor atendidos através de um acordo com Washington.

O Departamento de Estado “havia permitido a possibilidade de uma forma de descentralização na qual diferentes grupos” – os curdos, o governo secular e os insurgentes islâmicos – cada um recebia alguma autonomia na Síria. [14] Observe a suposição implícita nessa visão de que é da competência de Washington conceder autonomia na Síria, enquanto a questão de se o país deve se descentralizar, adequadamente dentro do âmbito democrático dos próprios sírios, é negada às pessoas que lá vivem e trabalham. Se formos levar a sério as ideias inspiradas em Ocalan inspiradas em Bookchin sobre investir a autoridade da tomada de decisão nas pessoas, essa abominação antidemocrática dificilmente pode ser tolerada.

Mesmo assim, o PKK ficou empolgado com a ideia dos EUA de dividir “a Síria em zonas que correspondem aproximadamente às áreas atualmente mantidas pelo governo, pelo Estado Islâmico, pelas milícias curdas e por outros insurgentes”. Um “sistema federal” seria estabelecido, “não apenas para as áreas de maioria curda, mas para toda a Síria”. Uma região federal curda seria criada “em todo o território agora ocupado pelo” PKK. A zona se expandiria para incluir o território que os curdos esperavam “capturar em batalha, não apenas do ISIS, mas também de outros grupos insurgentes árabes”. [15]

O PKK “pressionou as autoridades americanas” a apoiarem o esquema, comprometendo-se a agir como uma força terrestre contra o ISIS em troca. [16] O grupo disse que estava “ansioso para se juntar à coalizão liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico em troca de reconhecimento e apoio de Washington e seus aliados para as administrações autônomas dominadas pelos curdos que eles [estabeleceram] no norte da Síria”. [17]

As únicas pessoas satisfeitas com esse plano foram o PKK, os israelenses e os americanos.

“O apoio dos EUA a esses grupos curdos” não apenas na Síria, mas no Iraque, onde os curdos também estavam explorando a batalha com o ISIS para expandir seu domínio em áreas tradicionalmente árabes, ajudou “a dividir a Síria e o Iraque”, escreveu Robert Fisk correspondente veterano para o Oriente Médio do The Independent. [18] A divisão redundou em benefício dos Estados Unidos e Israel, os quais têm interesse em seguir uma política de divisão paraconquistar para exercer uma hegemonia conjunta sobre o mundo árabe. Patrick Seale observou que o plano curdo-americano para o governo curdo no norte da Síria havia sido visto com “júbilo silencioso em Israel, que há muito tempo mantém um relacionamento semiclandestino com os curdos, e saúda qualquer desenvolvimento que possa enfraquecer ou desmembrar a Síria”. [19]

Por sua vez, os turcos se opuseram, percebendo que Washington havia concordado em dar ao PKK um Estado em todo o norte da Síria. [20] Enquanto isso, Damasco se opôs ao plano, “vendo-o como um passo em direção a uma divisão permanente da nação”. [21]

A Síria moderna, deve-se lembrar, já é o produto de uma divisão da Grande Síria pelas mãos de britânicos e franceses, que dividiram o país no Líbano, na Palestina, na Transjordânia e no que hoje é a Síria. Em março de 1920, o segundo Congresso Geral da Síria proclamou “a Síria como completamente independente dentro de seus limites ‘naturais’, incluindo o Líbano e a Palestina.” Simultaneamente, “uma delegação árabe na Palestina confrontou o governador militar britânico com uma resolução que se opunha ao sionismo e peticionando para tornar-se parte de uma Síria independente”.[22] A França enviou seu Exército do Levante, principalmente tropas recrutadas de sua colônia senegalesa, para reprimir à força os esforços dos árabes levantinos para estabelecer o autogoverno.

A Síria, já truncada pelas maquinações imperiais britânicas e francesas após a Primeira Guerra Mundial “é pequena demais para um Estado federal”, opina o presidente da Síria, Bashar al-Assad. Mas Assad rapidamente acrescenta que sua visão pessoal é irrelevante; uma questão tão pesada quanto se a Síria deveria se tornar um estado federal ou confederado ou unitário, diz ele, é uma questão para os sírios decidirem em um referendo constitucional, [23] uma visão democraticamente renovadora em contraste com a posição ocidental que de que Washington deveria ditar como os sírios organizam seus assuntos políticos (e econômicos).

A Ponta da Lança Americana

Para Washington, o PKK oferece um benefício adicional à utilidade do grupo guerrilheiro curdo em avançar a meta dos EUA de enfraquecer a Síria ao fraturá-la, a saber, o PKK pode ser pressionado a servir como substituto do Exército Americano, evitando a necessidade de enviar dezenas milhares de soldados americanas à Síria, permitindo assim que a Casa Branca e o Pentágono contornem uma série de dilemas jurídicos, orçamentários e de relações públicas.

“A situação ressalta um desafio crítico que o Pentágono enfrenta”, escreveu Paul Sonne, do Wall Street Journal; ou seja, “apoiar as forças locais…em vez de colocar as tropas americanas na ponta da lança”. [24]

Tendo prometido apoio ao domínio curdo no norte da Síria em troca do PKK se tornar a ponta da lança americana, os Estados Unidos estão “fornecendo“ armas de pequeno calibre, munição e metralhadoras e, possivelmente, alguma ajuda não-letal, como caminhões leves, às forças curdas”.[25]

As armas são “parceladas” na chamada abordagem de “drop, op and assess”. As remessas são “lançadas, uma operação [é] realizada, e os EUA [avaliam] o sucesso dessa missão antes de fornecer mais armas.” Disse uma autoridade dos EUA: “Nós iremos fornecer-lhes apenas armas e munição suficientes para realizar cada objetivo interno”.[26]

Os soldados de infantaria do PKK são apoiados por “mais de 750 fuzileiros navais dos EUA”, rangers do Exército e forças especiais dos EUA, da França e da Alemanha, “usando helicópteros, artilharia e ataques aéreos”, os mestres das marionetes ocidentais na Síria ilegalmente, em violação ao direito internacional. [27]

Limpeza Étnica

“Um grande número de residentes árabes povoam as regiões que os curdos designam como suas”. [28] O PKK assumiu o controle de “uma grande faixa de território no norte da Síria – incluindo cidades e vilas predominantemente árabes”. [29] Raqqa e partes adjacentes do vale do Eufrates, onde o PKK mirou, são habitadas principalmente por árabes, observa Patrick Cockburn, correspondente veterano do Independent no estrangeiro – e os árabes se opõem à ocupação curda. [30]

As forças curdas não estão apenas “retomando” cidades árabes cristãs e muçulmanas na Síria, mas estão fazendo o mesmo na província de Nínive no Iraque – áreas “que nunca foram curdas. Os curdos agora consideram Qamishleh e a província de Hassakeh, na Síria, como parte do ‘Curdistão’, embora representem uma minoria em muitas dessas áreas.”[31]

O PKK agora controla 20.000 milhas quadradas do território sírio [32], ou aproximadamente 17% do país, enquanto os curdos representam menos de 8% da população.

Em seus esforços para criar uma região curda dentro da Síria, o PKK “foi acusado de abusos por civis árabes no norte da Síria, incluindo prisões arbitrárias e deslocamento de populações árabes em nome da expulsão do Estado Islâmico”. [33] O PKK “tem expulsado árabes e turcomanos étnicos de grandes partes do norte da Síria”, relata o The Wall Street Journal. [34] O Journal observa ainda que grupos de direitos humanos “tem acusado os [combatentes curdos sírios e iraquianos] de impedir que os árabes retornem às áreas liberadas”. [35]

Nem Sírias nem Democráticas

O PKK domina as Forças Democráticas da Síria, um nome impróprio conferido a um grupo de combatentes principalmente curdos por seu patrono dos EUA. O grupo não é sírio, já que muitos de seus membros são não-sírios que se identificam como curdos e que inundaram a fronteira a partir da Turquia para aproveitar o caos produzido pela insurgência islamista na Síria para escavar uma área de controle curdo. O grupo também não é particularmente democrático, pois busca impor o domínio curdo às populações árabes. Robert Fisk descarta as “Forças Democráticas da Síria” como um “nome de fachada para um grande número de curdos e alguns combatentes árabes”. [36]

O PKK se apresenta como uma força democrática síria e trabalha com uma força simbólica de combatentes árabes sírios, para disfarçar a realidade de que as áreas povoadas por árabes que controla e aquelas que ainda não foram capturadas caem sob ocupação curda.

Uma Zona de Exclusão Aérea De Facto (e Ilegal)

Em agosto de 2016, depois de “os bombardeiros do governo sírio terem atingido posições curdas perto da cidade de Hasakah, onde os EUA estavam apoiando as forças curdas”, o Pentágono arranjou “jatos para protegê-los. Os jatos dos EUA chegaram no momento em que os dois bombardeiros Su-24 do governo sírio estavam partindo”. Isso “levou a coalizão liderada pelos EUA a começar a patrulhar o espaço aéreo sobre Hasakah e levou a outro incidente…no qual dois bombardeiros sírios Su-24 tentaram voar pela área, mas foram recebidos por caças da coalizão”.[37]

O Pentágono “avisou os sírios para ficarem longe. Os caças F-22 americanos os fizeram entender a mensagem patrulhando a área”.[38]

O New York Times observou que, ao usar o “poder aéreo para proteger áreas do norte da Síria, onde conselheiros americanos” dirigem combatentes do PKK, os Estados Unidos estabeleceram efetivamente uma zona de exclusão aérea sobre a área, mas observou que “o Pentágono se recusou firmemente a” usar o termo. [39] Ainda assim, a realidade é que o Pentágono estabeleceu ilegalmente uma zona de exclusão aérea de facto sobre o norte da Síria para proteger as guerrilhas do PKK, a ponta da lança americana, que estão engajadas em uma campanha para criar uma fratura da Síria, inclusive através da limpeza étnica da população árabe, para deleite de Israel e de acordo com os planos dos EUA de enfraquecer o nacionalismo árabe em Damasco.

Uma Analogia Astigmática

Alguns encontram um paralelo na aliança do YPG com os Estados Unidos, com Lênin aceitando ajuda alemã para retornar do exílio na Suíça para a Rússia após a Revolução de Março de 1917. A analogia é inapta. Lênin estava jogando um poder imperialista contra outro. A Síria dificilmente é um análogo da Rússia Imperial, que, cem anos atrás, estava travada em uma luta por mercados, recursos e esferas de influência com impérios rivais. Em contraste, a Síria é e sempre foi um país dividido, dominado, explorado e ameaçado por impérios. Ela foi emancipada do colonialismo e continua uma luta – agora contra os esforços contrários do PKK – para resistir à sua recolonização.

O PKK fez uma barganha com os Estados Unidos para alcançar seu objetivo de estabelecer um Estado nacional curdo, mas às custas dos esforços da Síria para salvaguardar sua independência de um esforço americano de décadas para negá-lo. A partição da Síria ao longo de linhas etno-sectárias, desejada pelo PKK, por Washington e por Tel Aviv, serve tanto aos objetivos dos EUA quanto de Israel de enfraquecer um foco de oposição ao projeto sionista e à dominação americana da Ásia Ocidental pelos EUA.

Uma analogia mais adequada, equipara o PKK na Síria ao sionismo trabalhista, a força sionista dominante na Palestina ocupada até o final da década de 1970. Como Ocalan, o primeiro sionismo enfatizava as comunidades descentralizadas. Os kibbutzim eram comunidades utópicas, cujas raízes estavam no socialismo. Como a encarnação síria do PKK, o sionismo trabalhista contou com o patrocínio das potências imperialistas, assegurando seu patrocínio oferecendo-se como as pontas das lanças dos imperialistas no mundo árabe. Os sionistas empregaram a conquista armada do território árabe, juntamente com a limpeza étnica e a negação do repatriamento, para estabelecer um Estado étnico, antecipando a extensão do domínio de um Estado curdo em território de maioria árabe na Síria pelo PKK, assim como combatentes curdos fazendo o mesmo no Iraque. Anarquistas e outros esquerdistas podem ter se sentido inspirados pelas comunidades agrícolas coletivas judaicas na Palestina, mas isso dificilmente tornou o projeto sionista progressista ou emancipatório, uma vez que seus elementos progressistas e emancipatórios foram negados por sua opressão regressiva e desapropriação da população árabe indígena e seu conluio com o imperialismo ocidental contra o mundo árabe.

Conclusão

Representando uma comunidade étnica que compreende menos de 10% da população síria, o PKK, um grupo guerrilheiro anarquista curdo que opera na Turquia e na Síria, está usando os Estados Unidos, sua Força Aérea, seu Corpo de Fuzileiros Navais, seus Rangers do Exército e suas Forças Especiais como um multiplicador de forças em um esforço para impor uma partição da Síria na qual a população curda numericamente insignificante controlará uma parte significativa do território da Síria, incluindo áreas habitadas por maiorias árabes e nas quais os curdos nunca foram maioria. Para alcançar seus objetivos, o PKK não apenas fechou um acordo com um regime despótico em Washington que busca recolonizar o mundo árabe, mas também conta com a limpeza étnica e a negação da repatriação de árabes de regiões das quais fugiram ou foram expulsos para estabelecer o controle curdo do norte da Síria, táticas que são paralelas às usadas pelas forças sionistas em 1948 para criar um Estado judeu na Palestina de maioria árabe. Washington e Israel (este último há muito tempo mantendo uma relação semi-clandestina com os curdos) valorizam um sistema confederal para a Síria como um meio de enfraquecer a influência nacionalista árabe na Ásia árabe, minando um pólo de oposição ao sionismo, ao colonialismo e à ditadura internacional dos Estados Unidos. As forças que resistem à ditadura, incluindo a mais odiosa de todas, a dos Estados Unidos em grande parte do mundo, são os verdadeiros campeões da democracia, uma categoria à qual o PKK, como evidenciado por suas ações na Síria, não pertence.

Notas

1. Nikolaos Van Dam, The Struggle for Power in Syria: Politics and Society under Assad and the Ba’ath Party, IB Taurus, 2011, p.1.

2. “The Kurds of Iraq: Renewed Insurgency?”, US Department of State, May 31, 1972, https://2001-2009.state.gove/documents/organization/70896.pdf

3. Sam Dagher, “Kurds fight Islamic State to claim a piece of Syria,” The Wall Street Journal, November 12, 2014.

4. Patrick Cockburn, “War against ISIS: PKK commander tasked with the defence of Syrian Kurds claims ‘we will save Kobani’”, The Independent, November 11, 2014.

5. Carne Ross, “Power to the people: A Syrian experiment in democracy,” Financial Times, October 23, 2015.

6. Dagher, November 12, 2014.

7. Dagher, November 12, 2014.

8. Dagher, November 12, 2014.

9. Yaroslav Trofimov, “The State of the Kurds,” The Wall Street Journal, June 19, 2015.

10. Joe Parkinson and Ayla Albayrak, “Syrian Kurds grow more assertive”, The Wall Street Journal, November 15, 2013.

11. Patrick Seale, “Al Assad uses Kurds to fan regional tensions”, Gulf News, August 2, 2012.

12. Seale, August 2, 2012.

13. Dagher, November 12, 2014.

14. David E. Sanger, “Legacy of a secret pact haunts efforts to end war in Syria,” the New York Times, May 16, 2016.

15. Anne Barnard, “Syrian Kurds hope to establish a federal region in country’s north,” The New York Times, March 16, 2016.

16. Dagher, November 12, 2014.

17. Dagher, November 12, 2014.

18. Robert Fisk, “This is the aim of Donald Trump’s visit to Saudi Arabia – and it isn’t good for Shia communities,” The Independent, May 18, 2017.

19. Seale, August 2, 2012.

20. Yaroslav Trofimov, “U.S. is caught between ally Turkey and Kurdish partner in Syria,” The Wall Street Journal, May 4, 2017.

21. Anne Barnard, “Syrian Kurds hope to establish a federal region in country’s north,” The New York Times, March 16, 2016.

22. David Fromkin, A Peace to End All Peace: The Fall of the Ottoman Empire and the Creation of the Modern Middle East, Henry Holt & Company, 2009, p. 437.

23. “President al-Assad to RIA Novosti and Sputnik: Syria is not prepared for federalism,” SANA, March 30, 2016.

24. Paul Sonne, “U.S. seeks Sunni forces to take militant hub,” The Wall Street Journal, April 29, 2016.

25. Dion Nissenbaum, Gordon Lubold and Julian E. Barnes, “Trump set to arm Kurds in ISIS fight, angering Turkey,” The Wall Street Journal, May 9, 2017.

26. Nissenbaum et al, May 9, 2017.

27. Dion Nissenbaum and Maria Abi-Habib, “Syria’s newest flashpoint is bringing US and Iran face to face,” The Wall Street Journal, June 15, 2017; “Syria condemns presence of French and German special forces in Ain al-Arab and Manbij as overt unjustified aggression on Syria’s sovereignty and independence,” SANA, June 15, 2016; Michael R. Gordon. “U.S. is sending 400 more troops to Syria.” The New York Times. March 9, 2017.

28. Matt Bradley, Ayla Albayrak, and Dana Ballout, “Kurds declare ‘federal region’ in Syria, says official,” The Wall Street Journal, March 17, 2016.

29. Maria Abi-Habib and Raja Abdulrahim, “Kurd-led force homes in on ISIS bastion with assent of U.S. and Syria alike,” The Wall Street Journal, May 11, 2017.

30. Patrick Cockburn, “Battle for Raqqa: Fighters begin offensive to push Isis out of Old City,” The Independent, July 7, 2017.

31. Robert Fisk, “This is the aim of Donald Trump’s visit to Saudi Arabia – and it isn’t good for Shia communities,” The Independent, May 18, 2017.

32. Dion Nissenbaum and Maria Abi-Habib, “U.S. split over plan to take Raqqa from Islamic state,” The Wall Street Journal. March 9, 2017.

33. Raja Abdulrahim, Maria Abi_Habin and Dion J. Nissenbaum, “U.S.-backed forces in Syria launch offensive to seize ISIS stronghold Raqqa,” The Wall Street Journal, November 6, 2016.

34. Margherita Stancati and Alia A. Nabhan, “During Mosul offensive, Kurdish fighters clear Arab village, demolish homes,” The Wall Street Journal, November 14, 2016.

35. Matt Bradley, Ayla Albayrak, and Dana Ballout, “Kurds declare ‘federal region’ in Syria, says official,” The Wall Street Journal, March 17, 2016.

36. Robert Fisk, “The US seems keener to strike at Syria’s Assad than it does to destroy ISIS,” The Independent, June 20, 2017.

37. Paul Sonne and Raja Abdulrahim, “Pentagon warns Assad regime to avoid action near U.S. and allied forces,” The Wall Street Journal, August 19, 2016.

38. Michael R. Gordon and Neil MacFarquhar, “U.S. election cycle offers Kremlin a window of opportunity in Syria,” The New York Times, October 4, 2016.

39. Michael R. Gordon and Neil MacFarquhar, “U.S. election cycle offers Kremlin a window of opportunity in Syria,” The New York Times, October 4, 2016.

Deixe uma resposta