A Construção de Greta Thunberg: A Verdade Inconveniente por trás da Cooptação de Jovens [Ato II]

Escrito por Cory Morningstar

Personagens da We Don’t Have Time

O conselho administrativo da We Don’t Have Time é compost pelas seguintes pessoas:

  • Ingmar Rentzhog, fundador e CEO da We Don’t Have Time
  • Anette Nordvall, presidenta/acionista, investidora privada, trabalha com a STOAF (empresa de capital de risco na Suécia, parceira da Capital A Partners
  • David Olsson, COO (diretor operacional), presidente do think-tank climático Global Utmaning
  • Christian Emmertz, cofundador da We Don’t Have Time, diretor de negócios da Hewitt Packard (HP) Suécia, parceiro na RealCap Investment, líder no Climate Reality Project, treinado por Al Gore
  • Stella Diesen, “Mudando o mundo com tecnologia Microsoft na Innofactor” (anteriormente na Microsoft), líder no Climate Reality Project, treinada por Al Gore
  • Gustav Stenbeck, CEO da Mestro, fundador e diretor executivo da Gain Sustain (banco de investimentos) Global Utmaning, que se traduz em Desafio Global em português, foi fundada em 2005 pela economista Kristina Persson, ex-ministra de Desenvolvimento Estratégico e Cooperação Nórdica da Suécia. Persson foi encarregada de fortalecer a cooperação entre os países nórdicos, a fim de ampliar sua força dentro da comunidade internacional (“juntos somos um ator influente”). Sua posição envolvia a promoção do desenvolvimento a longo prazo para “a transição verde, empregos e distribuição e iniciativas para influenciar a agenda global do desenvolvimento sustentável”. [Fonte: https://sciblogs.co.nz/ariadne/2015/11/30/swedens-ministry-of-future-issues/] Ela é herdeira (com seus irmãos) do império comercial estabelecido por seu pai, Sven O. Persson, que tem uma receita de aprox. 3 bilhões de coroas suecas (aproximadamente US $ 332.500.000,00) por ano. Persson também é o fundador da Fundação Freja criada em 2017.

O Conselho Diretor da Fundação We Don’t Have Time inclui:

  • Cathy Orlando, diretora nacional, membro do Citizen’s Climate Lobby no Canadá
  • Stuart Scott, líder do Climate Reality Project, treinado por Al Gore
  • Per Espen Stokenes, pesquisador em economia comportamental
  • Ingmar Rentzhog, fundador e CEO da We Don’t Have Time
  • David Olsson, COO (diretor operacional) da We Don’t Have Time
  • Greta Thunberg, assessora especial para a juventude
  • Jamie Margolin, assessora especial para a juventude
Acquisition International Magazine, número 10, 2018
“A gerente de relações internacionais do Citizen Climate Lobby Cathy Orlando, no centro, está satisfeita com o plano do governo Trudeau de criar um novo imposto sobre carbono. Ela é vista aqui com o ex-vice presidente Al Gore, com seu marido Sanjiv Mathur, e com sua filha Sophia Mathur”. [Fonte: https://www.sudbury.com/local-news/local-climate-activist-applauds-trudeau-governments-carbon-fee-plan-1098273]

O Conselho Consultivo da We Don’t Have Time inclui os seguintes indivíduos:

  • Daniela Rogosic, assessora de imprensa do Grupo IKEA
  • Tove Ahlström, CEO da Global Utmaning, afiliado do Climate Reality Project de Al Gore
  • Anna Svahn, CEO da Feminvest, CEO e cofundadora da Cygnus Capital [http://annasvahn.se]
  • Kaj Török, CRO (diretor de reputação) e CSO (diretor de sustentabilidade) da Max Burgers, cofundador da agência de publicidade e propaganda Futerra
  • Sweta Chakraborty, cientista comportamental (especializada em mudança comportamental) [Bio: http://swetachakraborty.com/]
  • David J.P. Phillips, fundador da http://davidjpphillips.com, da http://speakerrating.com e da http://presentationsteknik.com. (Phillips dá treinamento em apresentação em mais de 16 países. Sua especialização se baseia na última pesquisa em neurologia, psicologia e biologia como meio de construir narrativas eficazes e se comunicar).

A presença da Ikea no conselho consultivo da We Don’t Have Time deve ser devidamente observada. Em 2017, a Ikea concedeu uma doação de US $ 44,6 milhões da Fundação IKEA à coalizão We Mean Business (fundada em 2014). Essa doação foi de fato “a segunda maior doação individual já feita pelo braço filantrópico da gigante do varejo IKEA”. Os membros fundadores da coalizão We Mean Business incluem o B Team, a Business for Social Responsibility (BSR), o Carbon Disclosure Project, Ceres, The Climate Group, o Conselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD) e o Prince of Wales Corporate Climate Group. Outros parceiros comerciais da We Mean Business incluem o Pacto Global das Nações Unidas, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a Iniciativa Financeira UNEP, o Banco Mundial e Fundo Mundial para a Vida Selvagem. [Lista completa: https://www.wemeanbusinesscoalition.org/partners/] Leitura adicional: “100 bilhões para todos que se inscreverem” [http://www.theartofannihilation.com/mckibbens-divestment-tour-brought-to-you-by-wall-street-part-xvii-of-an-investigative-report-100-billion-for-everyone-who-signs/]

A B Team é gerenciada pela Purpose, empresa de relações públicas com fins lucrativos, administrada pelo cofundador da Avaaz, Jeremy Heimans, co-autor do livro “New Power”. A Ikea é cliente da Purpose e parceira da ONG “Estamos aqui agora” (“Here Now”), criada pela Purpose.

No trecho a seguir, de 28 de janeiro de 2016, o artigo de Maclean, “Atingimos o ápice? Ikea diz que há espaço para crescer”, o fervor climático corporativo coletivo que agora varre o mundo é demonstrado mais uma vez:

Então como entender o discurso da Ikea sobre ‘ápice’ com suas ações de ‘comprar mais’? Um porta-voz disse em um e-mail que os comentários de [Steve] Howard [diretor de sustentabilidade da Ikea] foram feitos como ‘parte de um contexto global mais amplo onde muitas pessoas ainda tem meios muito limitados’ enquanto Sjostrand sugeriu que o objetivo era ‘continuar a fazer nossa empresa crescer, mas fazê-la crescer de maneira mais sustentável’. Tradução: A Ikea vai vender mais mobília, mas vai se esforçar mais para que você não se sinta culpado com isso. O que explica o motivo dos relatórios corporativos da empresa estarem repletos com exemplos de iniciativas de sustentabilidade, de vender apenas luzes compatíveis com LED a servir peixes responsavelmente pescados na cafeteria.”

Sustentabilidade e capitalismo são como óleo e água. Os dois são incompatíveis. Eles não podem coexistir.

A “revolução climática” buscada pela We Don’t Have Time et alia não reduz o consumo massificado, entrega novos produtos para expandi-lo.

A “revolução da energia limpa” não ameaça as corporações petrolíferas – ela as protege. Não enfraquece o capitalismo. O fortalece. Não inspira resistência – a reprime – até o esquecimento.

Aqui podemos refletir sobre as coisas mais simples que lançam luz sobre as ideologias compartilhadas pela maioria das pessoas que estão no comando da tomada de decisões para enfrentar nossa crise climática. Em plena vista, em quais empresas e instituições as pessoas estão mais interessadas é algo publicado na sua conta do LinkedIn. Grupos selecionados para serem seguidos, compartilhados pelo profissional do complexo industrial sem fins lucrativos comum (NPIC), raramente são grupos, instituições ou pessoas que trabalham nos domínios da ecologia, dos direitos indígenas, da justiça social, das ciências ambientais ou outras áreas críticas associadas com mudança climática e esgotamento ambiental. Nem essas instituições ou indivíduos estão trabalhando em busca de soluções locais em pequena escala de qualquer interesse.

Em vez disso, essa diretoria interligada de “palestrantes do Ted” e “líderes intelectuais” geralmente seleciona e segue as empresas de finanças e tecnologia mais poderosas e bem-sucedidas do mundo, e as empresas de marketing que as impulsionam rumo ao sucesso. Raramente são instituições, grupos ou pessoas dentro das ciências ambientais, tampouco instituições menores ou indivíduos trabalhando para soluções locais em pequena escala. As instituições mais populares seguidas e compartilhadas por grande parte dessa multidão são compostas por lideranças ocidentais, predominantemente masculinas. Alguns dos mais admirados escolhidos por muitos são o Fórum Econômico Mundial, a Fundação Bill e Melinda Gates, a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), o The Economist, o Fundo Verde para o Clima – grupos e instituições com os quais se identificam totalmente, e aos quais procuram se assimilar.

Aqui, devemos lembrar o fato (divulgado no ATO I) de que o Climate Reality Project de Al Gore é um parceiro da We Don’t Have Time. (As prioridades de Al Gore serão discutidas no ATO III.)

“Rentzhog quer causar ‘mudanças nos negócios, não contra os negócios’.” – Anette Nordvall, Presidente da We Don’t Have Time [Fonte: https://www.businessinsider.com/this-swedish-crowdfunding-project-is-riffing-off-metoo-to-save-the-climate–]

Os Cordeiros de Sacrifício

Os mesmos hormônios e neurotransmissores podem ser liberados por uma boa história. Esses incluem a dopamina, a oxitocina, e as endorfinas, aos quais Phillips se refere como o ‘coquetel dos anjos’. Os efeitos da oxitocina tornam você mais generoso, confiante e disposto a empatizar. É isso que o seu corpo solta no seu sangue quando você ouve uma história triste. Ela nos torna mais relaxados e mais humanos conforme empatizamos com o narrador”. – TEDxStockholm Talk, “A Ciência Mágica da Narrativa”, por David J.P. Phillips, do conselho administrativo da We Don’t Have Time [Fonte: https://www.thecoachingroom.com.au/blog/the-powerful-effects-of-functional-storytelling]

Para iniciar esse segmento, podemos olhar para o movimento “WE” (“ME to WE”, Libertem as Crianças e WE Day). [1] A apresentação de 2015 “Liberando o voluntariado”, produzida pela Canadian Public Broadcasting (CBC), estava originalmente programada para ir ao ar em 19 de março de 2015. O documentário investigou a privatização, a ONGuização e o crescimento explosivo daquilo que se transformou em uma indústria bilionária – turismo disfarçado de voluntariado – para jovens privilegiados no Ocidente.

A celebridade, fetichizada em uma sociedade em rápida erosão, desprovida de significado e de cultura, resultou em um ativo tão poderoso para o capitalismo e para o militarismo, que o assunto se tornou uma área de estudos ativa para acadêmicos como Dan Brockington e Ilan Kapoor. O poder da celebridade não passou despercebido pela WE, cujos principais palestrantes para eventos enormes incluíram: o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, em 2008 (vídeo) e, novamente, em 2015, após sua vitória nas eleições, a ex-“primeira-dama” Michelle Obama, Natalie Portman, de Hollywood, e muitos outros. De fato, alugar celebridades para galas e eventos também se tornou uma indústria especializada.

Pouco antes de ir ao ar, o documentário foi retirado depois que a WE solicitou que imagens não autorizadas fossem removidas da exposição. Quando foi ao ar, em 7 de abril de 2017, duas cenas foram cortadas do filme. O clipe a seguir é um dos dois trechos excluídos (tempo de execução: 1m: 1s), “Voluntários Desencadeados: vídeo suprimido da ME to WE #1”:

A controvérsia sobre a WE está longe de terminar, já que a ONG luta para proteger sua marca multimilionária. Em 17 de janeiro de 2019, a WE anunciou que iniciaria uma ação judicial contra uma pequena rede de podcasts e meios de comunicação em Manitoba, Canadá, onde os jornalistas não têm proteção legal explícita contra processos SLAPP (Ações Estratégicas Contra Participação Pública). Este meio de comunicação estava reportando o movimento WE desde 2015.

As imagens e breves comentários a seguir são apenas uma pequena amostra do mundo da cooptação da resistência e da juventude. Hoje testemunhamos o que pode ser adequadamente descrito como os mecanismos e movimentos orquestrados do espetáculo industrial sem fins lucrativos.

Para ilustrar a cooptação da juventude, prestaremos atenção agora às celebridades do ativismo juvenil Greta Thunberg e Jamie Margolin. Nós nos concentramos nessas duas pessoas, pois elas estão diretamente conectadas à campanha e ao plano de negócios da We Don’t Have Time.

“O Climate Reality Project e o Global Utmaning. Greta Thunberg na esquerda. “Como podemos garantir que os tomadores de decisão de hoje se beneficiem e aprenda com a dedicação dos jovens ao futuro?” Em 26 de setembro, esta pergunta atraiu mais de 250 visitantes ao Kulturhuset Stadsteatern onde o Global Utmaning e o Climate Reality Project de Al Gore organizaram seminários.” [Fonte: https://www.globalutmaning.se/vem-bryr-sig-om-framtiden/]

Thunberg afirmou repetidamente que sua greve continuará “até que a Suécia esteja alinhada com o Acordo de Paris”. Portanto, por suas próprias declarações, esse é o objetivo singular e geral da greve. A base do Acordo de Paris é a expansão da energia nuclear, a financeirização da natureza, privatizações adicionais em uma escala sem precedentes, “redução em larga escala de CO2” (armazenamento de captura de carbono), uma tentativa desesperada de revitalizar o crescimento econômico e mais “soluções” de mercado que perpetuarão ainda mais nossas múltiplas crises. Portanto, a campanha de Thunberg deve, em parte, criar uma demanda sobre governos de todo o mundo para se alinharem com o acordo de Paris. (Uma demanda para obter o que as classes dominantes já decidiram desencadear sobre nós, nosso planeta e toda a vida.) Como a adesão ao Acordo de Paris é um tema recorrente no movimento das ONGs hegemônicas, a campanha de marketing é auxiliada por 350.org, Avaaz, WWF, Greenpeace, em conjunto com a ONU (“Mudando Juntos”), o Banco Mundial (“Intensificando”) [2] e, mais recentemente, com o Fórum Econômico Mundial (WEF).

O think-tank Global Utmaning diz que seu principal ativo é sua rede de mais de 90 assessores sênior. Segundo sua homepage:

“O mercado global tirou milhões de pessoas da pobreza. Enquanto isso, a desigualdade cresceu de forma significativa. O sistema financeiro deve ser globalmente regulamentado e a atual estagnação econômica quebrada. Isso demanda um novo modelo de crescimento verde, circular e inclusive que crie valores, trabalho e bem-estar. Qual será a nova história econômica de amanhã?”

A Global Utmaning anunciou recentemente uma parceria com a Global Shapers – uma iniciativa do Fórum Econômico Mundial que reúne jovens líderes de todo o mundo: “A Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial 2019 será realizada de 22 a 25 de janeiro em Davos-Klosters, Suíça. Mais de 3.000 líderes globais se reunirão para o tema Globalização 4.0: Moldando uma Arquitetura Global na Era da Quarta Revolução Industrial.”

AVAAZ

Aqui faremos algumas breves observações tanto sobre a Avaaz como sobre a 350.org em relação as campanhas de “greve climática”. Um exaustivo corpo de informações que expõe o funcionamento e as origens das duas ONGs, baseado em investigações de 2012 até o presente, agora existe no site Wrong Kind of Green. Eu encorajo os leitores a se familiarizarem com as duas entidades.

Em 14 de dezembro de 2018, a 350.org [https://350.org/press-release/polish-school-children-join-call-for-global-climate-strike-at-un-climate-talks-in-katowice/] enviou um comunicado de imprensa contendo os seguintes trechos:

Katowice, Polônia – Hoje, 30 crianças de três escolas locais de Katowice responderam ao chamado de Greta Thunberg e trouxeram o #ClimateStrike global para o último dia das negociações da ONU sobre o clima em Katowice.

Os 30 estudantes receberam acesso especial para participar das negociações da ONU e levar sua mensagem aos delegados e ao governo polonês: com apenas 12 anos para tirar o mundo dos combustíveis fósseis, os líderes devem agir agora.”

Sob sugestão, a mídia internacional publicaria fotos como esta:

Isso é o que você não vê:

“No final do press release da 350.org sob o título “Para mais informações”, o press release revela: “OBSERVE que a 350.org e a Avaaz NÃO estão organizando essas ações, apenas estão ajudando os estudantes a difundirem sua mensagem.”

E, no entanto, certamente parece que a Avaaz de fato desempenhou um papel de liderança na organização da ação – ao mesmo tempo que orquestrava os holofotes da mídia. [Veja as fotos no slide acima.]

No dia seguinte ao comunicado de imprensa da 350.org-Avaaz, em 15 de dezembro de 2018, ONGs e instituições correram para catapultar as palavras de Thunberg nos corações e mentes dos cidadãos de todo o mundo. Da ONU à Avaaz, ao Banco Mundial, a organizações de base, todos clamavam por espalhar as palavras da jovem Thunberg. Mas uma ONG específica assumiu o encargo redigir muitas das palavras de Thunberg, lançando uma versão abreviada (79 mil visualizações no Facebook). Sem avisar sua audiência, a Avaaz removeu quatro trechos do discurso de Thunberg. [4] Os dois trechos a seguir, que foram cortados pela Avaaz, são bastante reveladores:

Eis dois dos trechos cortados:

Vocês só falam em um crescimento econômico verde e eterno porque vocês têm medo de serem impopulares. Vocês só falam sobre seguir adiante com as mesmas ideias ruins que nos colocaram nessa confusão, mesmo quando a única coisa sensata a se fazer é pisar no freio.”

“Mas eu não me importo com ser impopular. Eu me importo com justiça climática e com o planeta vivo. Nossa civilização está sendo sacrificada em prol da oportunidade de um pequeno número de pessoas continuarem a lucrar imensas quantias de dinheiro.”

Não é de surpreender que a Avaaz corte esses comentários de Greta, considerando que a principal função da Avaaz é promover soluções de mercado que aceleram o crescimento econômico “verde” – servindo para que “um número muito pequeno de pessoas continuarem a lucrar quantias imensas de dinheiro”.

Na campanha seguinte da Avaaz, a ONG emprega o rosto de Thunberg para pressionar a Suécia por não-soluções corporativas, como neste caso, a “redução de CO2 em larga escala”. Esse é um enquadramento holístico para as tecnologias de armazenamento e captura de carbono.

Aqui é imperativo fazer referência ao comunicado de imprensa do “Seminário Bellona sobre Cooperação Nórdica”, de 24 de agosto de 2017. Do comunicado:

Agora os políticos precisam avançar para que possamos construir instalações de captura de CO2 em larga escala o mais rápido possível”, disse Tandberg. Estão previstas três instalações em grande escala na Noruega, mas ainda não estão garantidas, com um preço preliminar de NOK 12,6 bilhões (EUR 1,28 bilhões)…

A Noruega é líder em tecnologias de captura, transporte e armazenamento e pode exportar o conhecimento e as instalações. Há potencial para uma indústria completamente nova ser construída. No entanto, depende de a Noruega conseguir manter sua posição. É urgente construir as plantas de CCS, desenvolver mais a tecnologia e obter uma infraestrutura de CCS em larga escala, e uma cooperação nórdica pode facilitar esse processo.”

Este é um excelente exemplo de uma das principais funções das ONGs. Gerar demanda popular dos cidadãos que, por sua vez, apoiarão a legislação necessária para projetos que sirvam para beneficiar a indústria, e não as pessoas e o planeta. Antes da assinatura dos contratos ou das pás quebrarem o chão para construir as infraestruturas que compõem a “arquitetura global na era da quarta revolução industrial” – é necessária legislação. E, assim como uma bola de neve proverbial que se transforma em avalanche, a legislação gera dinheiro para que um orçamento com licitações e construção comece logo em seguida.

Que melhor maneira de criar uma demanda por algo prejudicial ao meio ambiente e à população do que empacotá-lo sob soluções de mudança climática, com o rosto adorável e inocente de Greta. Com a realidade virada de cabeça para baixo, a indústria não precisa impor sua vontade às pessoas – as pessoas a imporão a si mesmas, via Avaaz et al. Assim, as pessoas são projetadas para exigir as mesmas soluções falsas que as corporações tinham nas mangas há anos e até décadas.

Portanto, o complexo industrial sem fins lucrativos e a mídia, ambos financiados pela elite do poder mundial, são amalgamados com e pelo poder corporativo. Juntos, eles trabalham em unidade, em direção a um objetivo comum: crescimento econômico. Portanto, as soluções de mercado são sempre AS soluções. Não se trata simplesmente de colocar a economia em primeiro lugar antes de tudo. Em vez disso, é colocar a economia em primeiro lugar à custa de todo o resto. E todo mundo. E toda a vida neste planeta.

Para vermos a escala dessas supostas soluções, só precisamos olhar para o “Relatório do Carbono Inqueimável” de 2013, da Iniciativa Carbon Tracker, página 12:

“Dado que a taxa média anual de armazenamento em 2015 é projetada pelo Instituto para Captura e Armazenamento Global de Carbono (2012) como de aproximadamente 2.25 milhões de toneladas para 16 projetos de CCS, seriam necessários 3800 projetos de CCS operacionais até 2050 sob o cenário idealizado.”

O cenário idealizado “oferece aproximadamente 80% de chance de não exceder um aquecimento de mais de 2ºC”.

14 de maio de 2015:

Como com toda modulação de nossos futuros partilhados pela elite, o caminho para a captura e armazenamento de carbono é claro no ensaio da Green Alliance, ‘Uma Última Chance para o Carvão’, com contribuições de Bem Caldecott no think-tank Policy Exchange. O ensaio nota que é crítico que o comprometimento da Europa com a captura e armazenamento de carbono esteja realizado antes de 2020; 12 anos antes da publicação do ensaio. O ano de 2020 é uma data crítica de imenso significado – um prazo recorrente para que todas as soluções ecológicas de mercado estejam no lugar.”

[Leia mais: http://www.wrongkindofgreen.org/2017/07/27/avaaz-the-globes-largest-most-powerful-behavioural-change-network-part-i/]

[Leia mais: http://www.wrongkindofgreen.org/2013/05/17/mckibbens-divestment-tour-brought-to-you-by-wall-street/]

Jamie Margolin – Zero Hour

Jamie Margolin é a adolescente fundadora da This Is Zero Hour e “uma das 13 demandantes que estão processando o Estado de Washington por não tomar medidas adequadas em relação às mudanças climáticas”. (Conforme divulgado no ATO I desta série, Margolin – e sua ONG Zero Hour – era responsável por duas das seis contas marcadas pela We Don’t Have Time no primeiro post relatando a greve escolar de Greta Thunberg.) Margolin participou do Climate Reality Leadership Corps de Al Gore (uma conferência de três dias) realizada em Seattle de 27 a 29 de junho de 2017. [Fonte] Em julho de 2017, Margolin começou a se organizar para uma marcha climática juvenil em Washington, DC, e lançou o Zero Hour. Em 27 de fevereiro de 2018, exatamente oito meses após seu primeiro dia no Climate Reality Leadership Corps, Margolin seria destaque na revista Rolling Stone. Antes de sua ascensão meteórica ao estrelato, Margolin estagiou no escritório de campanha de Hillary Clinton em Seattle. A passagem a seguir demonstra o que agora se tornou a promoção corporativa normal da juventude:

O palestrante mais jovem da Cúpula Global de Ação Climática em São Francisco nesta semana é Jamie Margolin, de Seattle, que fundou a marcha climática jovem da Zero Hour em julho passado e liderou sua ação em Washington, DC. Aos 16 anos, Margolin apresenta um contraste juvenil com a maioria da liderança do GCAS, como o governador da Califórnia Jerry Brown (80); o ex-prefeito da cidade de Nova York, Michael Bloomberg (76); e o principal diplomata climático da China, Xie Zhenhua (68).” [Fonte: https://psmag.com/environment/at-the-gcas-in-san-francisco-the-youth-have-a-voice]

Nos movimentos e revoluções manufaturados do século XXI, os “líderes” de hoje (fabricados pela mídia corporativa) não são mais inimigos do establishment. Em vez disso, eles realizam eventos juntos – com figuras do establishment, como o prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio elogiando nossos novos “revolucionários” enquanto os taggeia e tuita seus elogios. Quando o próprio estabelecimento ama nossos movimentos e nossas “faces do futuro” – sabemos que já perdemos o amanhã.

“Doe”: Jamie Margolin, fundadora adolescente do This is Zero Hour/banner do site do Climate Reality Project]
Em 5 de dezembro de 2018, a revista Time votou Greta Thunberg como uma das adolescentes mais influentes (agora a faixa demográfica mais assediada pelas corporações) de 2018, enquanto Jamie Margolin, fundadora do Zero Hour, líder treinada pelo Climate Reality Project e influenciadora juvenil, foi elogiada pela Teen Vogue. [19 de julho de 2018, As Mudanças Climáticas ameaçam o futuro, então estou agindo; 5 de novembro de 2018, Jamie Margolin sabe que justiça climática é a chave para todas as justiças; 1 de dezembro de 2018, Cúpula da Teen Vogue 2018]
Teen Vogue, 5 de dezembro de 2018: “A ativista de 15 anos Greta Thunberg educou líderes mundiais sobre mudanças climáticas em uma Cúpula das Nações Unidas”]

Na imagem acima, Margolin usa seu status como celebridade para apoiar as marcas Global Citizen e Johnson & Johnson. A Global Citizen é talvez a ONG mais notória do complexo industrial sem fins lucrativos, com seu modelo grotesco de “ativismo” raso e oco e corporativização. Recentemente, a Global Citizen introduziu “pontos” que podem ser acumulados clicando em ações. Em uma emulação flagrante dos cartões de crédito (quanto mais dinheiro você gasta, mais pontos você adquire), em quanto mais ações você clica, mais pontos você adquire. Esses pontos podem ser trocados para ter acesso a eventos e concertos de celebridades.

Essa é a engenharia social da conformidade inquestionável e da aquiescência instantânea. Para receber a recompensa, é preciso executar a ação solicitada. Se você não cumprir, simplesmente não receberá os pontos. Aqui, o incentivo ao pensamento crítico e ao debate é deliberadamente e estrategicamente apagado da equação.

25 de setembro de 2018, a fundadora e presidente do movimento Zero Hour Jamie Margolin presente no evento Global Citizen – Movement Makers no Times Center em Nova Iorque

As ONGs não são as únicas entidades a explorar a juventude. Os parceiros corporativos que financiam seus empreendimentos também fornecem grandes somas de dinheiro para que seus legados tóxicos sejam lavados em verde. Em julho de 2018, a Johnson & Johnson foi condenada a pagar “quase 4,7 bilhões de dólares em danos totais a 22 mulheres e suas famílias depois de afirmarem que o amianto no talco da Johnson & Johnson contribuiu para o seu câncer de ovário, no primeiro caso contra a empresa a focar no amianto do talco… Seis dos vinte e duas demandantes no último julgamento morreram de câncer de ovário. … Mark Lanier, principal advogado dos demandantes, disse em comunicado que a Johnson & Johnson encobriu evidências de amianto em seus produtos por mais de 40 anos.”[Fonte: https://www.cbc.ca/news/world/johnson-johnson-talc-powder-cancer-lawsuit-1.4745406]

Desnecessário dizer, parcerias e endossos para empresas que infligem violência às crianças e ao planeta são uma marca registrada do complexo industrial sem fins lucrativos. Este não é o único processo instaurado contra a Johnson & Johnson nem será o último. Existem também 1200 processos pendentes somente nos EUA contra essa entidade corporativa. A Johnson & Johnson não é a exceção – é a regra.

Global Citizen – Movement Makers. Nesta foto, da esquerda para a direita: Ladan Manteghi, Jamie Margolin e Afroz Shah falam no palco durante o evento no Times Center em 25 de setembro de 2018, em Nova Iorque
Bill Gates com o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau para a Global Citizen. Montreal, Quebec, Canadá, 17 de setembro de 2016
Jamie Margolin – fundadora e diretora executiva da This is Zero Hour, fundada em 2017

Jamie Margolin, falando por Skype na apresentação do plano de emergência climática (We Don’t Have Time, Global Utmaning, Clube de Roma), 24 de novembro de 2018:

Nós não pensamos apenas, oh, há carbono no ar e precisamos abaixá-lo, pensamos em como o carbono chegou lá?, como, por exemplo, como permitimos um sistema que pôde nos levar a essa destruição?”

O sistema a que Margolin se refere é o do capitalismo global, um sistema econômico que está devorando tudo em seu caminho. Uma promessa de destruir os ecossistemas planetários de nossos futuros compartilhados. E não é como se Margolin não tivesse começado a entender os sistemas flagrantes que se cruzam no nexo de nossas múltiplas crises, como capitalismo, colonialismo e racismo.

Na verdade, Margolin possui, de fato, os blocos de construção básicos do conhecimento necessários para o longo caminho à frente de incutir e inspirar as mudanças revolucionárias necessárias entre os jovens. No entanto, posicionando-se com aqueles que geram e se aproveitam tudo o que Margolin toca, ela denigre tragicamente sua própria análise, apenas pedindo melhores copos para a Starbucks, em vez de defender a sua eliminação. Portanto, em seu caminho atual, Margolin faz mais mal do que bem pelas questões bastante sistêmicas que ela articula tão bem.

Com “capitalistas crus”, como Gore, de Blasio e outros, agora capturando os últimos vestígios de jovens que até têm essa consciência (uma consciência que está lentamente desaparecendo), logo as estruturas sistêmicas que permitem o florescimento do capitalismo e da opressão não terão nenhuma oposição. Estamos chegando ao ponto em que não há distinção entre nossos “movimentos” e as coalizões criadas para promover nossa opressão e servidão. O fato de Margolin servir de rosto para o Climate Reality Project de Al Gore – quando salvar o capitalismo é a prioridade número um de Gore (como aprenderemos no ATO III), acaba com todas as palavras e ações articuladas de Margolin. Gore usa Greta, Margolin e todos os jovens que eles mobilizam – destruindo o futuro que esses jovens esperam salvar – tudo em servidão ao crescimento econômico e ao capitalismo para a elite mundial.

Também relevante para a campanha de Thunberg é a corrida para capturar a Geração Millennial e a Geração Z. Com crescente frequência, essa captura é alcançada principalmente pelos “movimentos” juvenis fabricados e fortemente financiados. “Movimentos” repletos de consumidores em potencial, totalmente exploráveis ​​por aqueles que se beneficiam e, em muitos casos, contribuem para o fluxo constante de financiamento. O título Geração Z tem sido aplicado àqueles conectados desde o nascimento à mídia on-line, para quem “gratificação instantânea é a norma”. Hoje, esse público é o público mais poderoso e procurado da América do Norte. Como ilustração da popularidade do termo, a Margolin da Zero Hour na verdade se refere como parte da “Geração Z”.

O artigo do Barclays de 8 de novembro de 2018, “Geração Z: Step Aside Millennials”, relata que esta demografia (crianças nascidas entre 1995 e 2009), a mesma demografia à qual líderes juvenis como Greta Thunberg e Jamie Margolin pertencem, apelam e influenciam estão se tornando rapidamente os novos “gigantes do consumo” e “mega influenciadores”:

Até 2020, a Geração Z será o maior grupo de consumidores do mundo. Eles serão responsáveis ​​por 40% dos consumidores nos EUA, Europa e países do BRIC e 10% no resto do mundo. As empresas que não se envolverem com a Geração Z com êxito poderão perder rapidamente participação de mercado. Alguns deles podem ter apenas 9 anos de idade, mas a geração Z já possui um poder aquisitivo enorme. Nos EUA, a Geração Z atualmente possui 200 bilhões de dólares em poder de compra direta, mas 1 trilhão de dólares em poder de gastos indiretos, influenciando os gastos das famílias. O conhecimento digital avançado da Geração Z e a capacidade de avaliar fatores como preço e disponibilidade desde tenra idade os tornam cada vez mais influentes nas decisões de gastos familiares.”

Aos olhos de banqueiros e capitalistas, esse grupo de jovens são meros consumidores. Cifrões .Não crianças, jovens ou mesmo pessoas.

O ativismo falso vem com muitas vantagens, inclusive salários de seis dígitos, “jet-setting” e “Ted Talks”. Além disso, as melhores marcas ecológicas hipsters que o dinheiro pode comprar. Talvez a vantagem mais atraente – seja o acesso. Acesso aos corredores do poder. Com a mídia bajulando cada palavra reformista, o falso ativista pode se apaixonar novamente por sua própria imagem. Todo mundo quer ser uma estrela. Todo mundo quer viver a vida luxuosa. Todo mundo quer pertencer ao circuito do champanhe.

Tudo nas costas dos mais oprimidos. Tudo nas costas dos mais vulneráveis. No entanto, o paradoxo é esse – nós somos o veículo deles. Nossa resistência capturada e canalizada diretamente de volta para os próprios sistemas que nos esmagam.

Um Golpe de Misericórdia

Greta Thunberg está sendo explorada estrategicamente pelo Banco Mundial, pela ONU e pelo complexo industrial sem fins lucrativos que serve às classes dominantes. Eles a estão usando para promover seus próprios interesses e objetivos – que estão em oposição direta a tudo o que essa jovem articula brilhantemente. Isso está sendo apresentado como um “movimento sem liderança” – basicamente a metodologia e religião do “Novo Poder” para os capitalistas – teorizada por Jeremy Heimans (Avaaz/Purpose) para a construção de movimentos de massa – que serve as forças mais poderosas e destrutivas do planeta.

A manipulação de mentes jovens e maleáveis está na base da doutrinação ocidental, a fim de insular um sistema decadente e mascarar as soluções de mercado que estão sendo projetadas para enfrentar essa decadência. “Soluções” de mercado que beneficiam os ricos às custas do meio ambiente. É por isso que os jovens são sempre os cordeiros sacrificiais do complexo industrial sem fins lucrativos.

[Ler mais: http://www.theartofannihilation.com/from-stable-to-star-the-making-of-north-american-climate-heroes/]

[Ler mais: http://www.theartofannihilation.com/mckibbens-divestment-tour-brought-to-you-by-wall-street-part-x-targeting-millennials-the-30-trillion-dollar-jackpot/]

[Ler mais: http://www.theartofannihilation.com/the-pygmalion-virus-in-three-acts-2017-avaaz-series-part-ii/]

Notas

[1] “De acordo com o WE.org,‘WE é constituído por WE Charity e ME para WE. Ambos fazem parte do Movimento WE, também conhecido como ‘WE’ e ‘We’.”- “A WE Charity costumava ser chamada Free The Children e, antes disso, Kids Can Free The children. ME to WE é um negócio privado, com fins lucrativos, mas preferimos chamá-lo de ‘empresa social’.” [Fonte: https://www.canadalandshow.com/craig-kielburger-founded-we-to-fight-child-labour-now-the-we-brand-promotes-products-made-by-children/]

[2] A COP24 Stepping Up Climate Action é uma campanha iniciada pela ONU com o Connect4Climate. A campanha de “líderes globais, pensadores, ativistas e influenciadores” inclui Greta Thunberg. “O Connect4Climate é um programa de parceria global no âmbito do Fundo Fiduciário de Comunicação para Mudanças Climáticas do Grupo Banco Mundial. O Fundo Fiduciário foi iniciado pelo Ministério do Meio Ambiente italiano e, em 2014, foi acompanhado pelo Ministério Federal Alemão de Cooperação e Desenvolvimento Econômico.”

[3] Vídeo: Greta & Svante Thunberg – Straight Talk, 9 de dezembro de 2019 [15:31 in]; Grist, 5 de dezembro de 2018: “Vou sentar lá toda sexta-feira até a Suécia se alinhar com o acordo de Paris”, disse ela a um auditório lotado em Katowice.

[4] 1) “Vocês só falam em crescimento econômico verde e eterno porque têm medo de serem impopulares. Vocês só falam em seguir em frente com as mesmas idéias ruins que nos meteram nessa confusão, mesmo quando a única coisa sensata a fazer é acionar o freio de emergência.”

2) “Mas não me importo em ser popular. Eu me preocupo com a justiça climática e o planeta vivo. Nossa civilização está sendo sacrificada para que um número minúsculo de pessoas continue tendo a oportunidade de lucrar enormes quantias de dinheiro.”

3) “Até que vocês comecem a se concentrar no que precisa ser feito, e não no que é politicamente possível, não há esperança. Não podemos resolver uma crise sem tratá-la como uma crise.”

4) “Ficamos sem desculpas e estamos ficando sem tempo.”

Deixe uma resposta