O que é o 4 de julho para o imperialismo dos EUA? E o que ele significa para o oprimido?

Fonte: What is July 4th to US Imperialism? What is it to the Oppressed?

O que a celebração da independência dos Estados Unidos significa para aqueles que estão sob o jugo da doutrina do “Destino Manifesto”, tanto na América quanto fora dela? “Para as vítimas do imperialismo dos EUA, o 4 de julho é de fato uma “verborragia ininteligível” não passando de “fraude e engano”, como Frederick Douglass de forma tão eloquente colocou em seu famoso discurso.

“A Declaração da Independência implicitamente legalizou a escravização do povo negro e o genocídio dos povos indígenas dentro do contexto do estado-nação capitalista norte-americano em desenvolvimento.”

O dia 4 de julho está novamente se aproximando e as forças emergentes de esquerda precisam usar o dia como um momento de aprendizagem. Em um discurso proferido em 4 de julho de 1852, Frederick Douglas falou diante de um Rochester Hall abarrotado, destacando a hipocrisia da celebração da Declaração de Independência dos Estados Unidos. A Declaração de Independência, como Douglass enfatizou, não tinha valor para os milhões de negros nos Estados Unidos, cuja existência estava sujeita ao racismo e à exploração e escravidão. Mais de um século e meio depois, a celebração de 4 de julho continua sendo não apenas de uma hipocrisia acachapante, mas também um flagrante do descaramento imperialista dos EUA por todo o planeta.

Liberdade, independência e igualdade são ideias abstratas. Sua presença na Declaração de Independência deve ser colocada em um contexto político-histórico adequado. Os capitalistas brancos, muitos deles proprietários de escravos, escreveram a Declaração da Independência. A independência da Coroa Britânica para a burguesia americana proprietária de escravos significou a capacidade de desenvolver uma ordem colonial-capitalista de colonos livre das políticas restritivas do Império Britânico. Notavelmente, Thomas Jefferson e George Washington estavam preocupados com um mandato britânico para abolir a escravidão em suas colônias, uma política que tinha o potencial de enfraquecer severamente a burguesia colonial e impedir a expansão do sistema capitalista na América do Norte. A Declaração da Independência legalizou implicitamente a escravização do povo negro e o genocídio dos povos indígenas dentro do contexto do estado-nação capitalista norte-americano em desenvolvimento.

Esse é o tipo de “liberdade” que é celebrada anualmente a cada 4 de julho. Douglass abordou os antagonismos trazidos pelo “feriado” de 4 de julho quando perguntou:

O que, para o escravo americano, é seu 4 de julho? Eu respondo: um dia que lhe revela, mais do que todos os outros dias do ano, a selvática injustiça e crueldade de que é vítima constante. Para ele, sua celebração é uma farsa; sua orgulhosa liberdade, uma licença profana; nossa grandeza nacional, um inchaço de diabólica vaidade; seu espírito de alegria está vazio e sem coração; sua denúncia de tiranos cobria a impudência; seu grito de liberdade e igualdade, escárnio oco; suas orações e hinos, seus sermões e agradecimentos, com todo seu desfile religioso e solenidade, são, para ele, fraude, engano, impiedade e hipocrisia – um véu delicado para encobrir crimes que envergonhariam uma nação de selvagens. Não há uma nação na Terra culpada de práticas mais desumanas e sangrentas do que o povo dos Estados Unidos, neste exato momento.”

A acusação de Douglass sobre o modo de vida americano permanece verdadeira. Apesar da implacável guerra de desinformação travada pela mídia corporativa imperialista dos EUA e pelo sistema educacional, as condições dos oprimidos são muito piores agora do que eram na data do discurso de Douglass. A América Negra e os povos indígenas residem nos EUA em estado de neo-escravidão. Enquanto as nações indígenas lutam contra as incursões do presidente Obama pela sobrevivência sob a exclusão genocida na residência forçada em reservas, as massas da América Negra vivem com as realidades coloniais diárias do terror policial-estadual, encarceramento em massa e morte econômica e social. Imigrantes ilegais, muitos dos quais são chicanos, são exaustivamente explorados por seu trabalho e foram deportados em número recorde pela administração Obama. O espírito do imperialismo dos EUA é, por definição, o mais alto estágio do colonialismo anglo-americano, o sistema social fundador que inspirou a análise de Douglass em 4 de julho.

O estado colonialista dos EUA é agora um estado imperialista que garante a exploração e a miséria de bilhões de pessoas em todo o mundo, não apenas dentro da América. Os EUA têm quase mil bases militares em todo o planeta e gastam trilhões por ano em operações militares abertas e secretas. O foco recente da mídia corporativa tem sido a nova invasão no Iraque para “proteger” o Estado iraquiano de insurgentes terroristas. Isso ignora os 1,6 milhão de iraquianos que morreram durante a década de ocupação dos EUA. A retórica imperialista de levar “estabilidade” ao Iraque é uma afronta ao fato de que o aparelho de inteligência militar dos EUA patrocina o ISIS e outros grupos terroristas em todo o Oriente Médio e Norte da África através das nações aliadas da Jordânia, Arábia Saudita e o resto das alianças do GCC e da OTAN. O imperialismo dos EUA aniquila tudo por onde quer que passe, seja militarizando aliados neocoloniais ou conduzindo “intervenção humanitária” para justificar a invasão aberta, como foi o caso na Líbia e agora novamente no Iraque. Para as vítimas do imperialismo estadunidense forçadas a viver sob a instabilidade política imperialista e a dependência econômica, o 4 de julho é de fato um “escárnio” e uma “fraude e engano”, como Douglass, de forma eloquente, expressou em seu discurso.

“As massas da América negra vivem com as realidades coloniais diárias do terror policial, da prisão em massa e da morte econômica e social.”

Na era Obama, o imperialismo dos EUA tem expressado com ferocidade masoquista o seu desprezo pela humanidade. Em 2010, o presidente Obama brincou que ele iria assassinar os integrantes da banda Jonas Brothers com drones, zombando das milhares de pessoas que seu governo assassinou com esse mesmo recurso. A política imperial do governo esquerdista da administração Obama rotulou o imperialismo e a exploração corporativa com o racismo anti-negro (veja o discurso de Obama sobre a graduação de Morehouse em 2013) e o nacionalismo fascista (veja o discurso de 2014 do “West Point Commencement” de Obama). Além disso, Hilary Clinton está fazendo um grande nome para si mesma no discurso político dominante depois de afirmar na CNN que “só porque o seu filho atravessa a fronteira, isso não significa que a criança sobreviverá. ” Esta resposta veio depois da questão da imigração e foi levantada em relação às milhares de crianças que atravessam a fronteira do México com a América Central. Os arquitetos do imperialismo estão expondo seu próprio sistema ilegítimo e, por extensão, a farsa que o 4 de julho representa. A crueldade ululante e visível da classe dominante é tanto um sinal de decadência no sistema imperialista dos EUA quanto da crise política entre as forças de esquerda nos EUA, que permitem que essa brutalidade seja realizada com impunidade.

No espírito de Frederick Douglass, este 4 de julho deve ser um momento não de celebração, mas de profunda reflexão para as forças políticas de esquerda. O que significa “Independência Americana”? Significa a liberdade do imperialismo dos EUA para desestabilizar nações, assassinar milhões e forçar o mundo a entrar na sua esfera de influência política e econômica? Significa a independência do imperialismo dos EUA para aprisionar o maior número de pessoas (a maioria negras) do mundo? A “liberdade” é definida pelos séculos de colonização da América Nativa e Negra do sistema imperialista norte-americano, agora tomando forma na privatização de cidades inteiras como a Black Detroit? A resposta é sim para todos os itens acima. Os mestres do engano não podem e não vão acabar com o sistema imperialista que o feriado de 4 de julho representa. Só nós podemos fazer isso. Em vez de sair para celebrar este feriado farsante, vamos organizar nossas comunidades e pessoas na direção da libertação do sistema imperialista dos EUA.

Danny Haiphong é um ativista e gerente de caso na área da Grande Boston. Você pode entrar em contato com Danny em: wakeupriseup1990@gmail.com.

1 Comment

  1. Se os negros sofrem tanto nos EE.UU., como suas eternas vítimas, que levam vida desgraçada sob exploração, opressão, racismo etc., por que não vão embora dos EE.UU.? Por que os negros não voltam para a África?

    Será que na África eles estariam em pior condição ainda? Será que o negro prefere viver nos países de gente branca? Será que o negro precisa do branco para, bem ou mal, sobreviver?

    Será que a raça negra é inferior? Será que os racistas têm razão?

    Quem nota as evidências diz que sim; quem fala o discurso politicamente correto diz que não.

    Quem merece mais crédito: a história ou a utopia?

Deixe uma resposta