Nicola Bombacci, o comunista de camisa negra assassinado pelos “libertadores”

Por Francesco Carlesi
25/04/2016
Fonte: https://www.ilprimatonazionale.it/cultura/bombacci-comunista-camicia-nera-43988/

Roma, 25 de abril – Hoje faz 71 anos da “libertação”: a cultura oficial se reúne nas celebrações e o mundo político se recompacta sob a sempre verde bandeira do antifascismo. Mas no dia 25 de abril de 1945, junto ao Duce, não morria apenas a república de Salò [1], herdeira do Ventennio[2], mas também uma série de experiências e personagens cuja trajetória “fora dos esquemas” foi esquecida. Homens que tinham entendido que por trás da queda do fascismo se escondia uma armadilha: a subordinação da Itália aos Estados Unidos e União Soviética e o fim de qualquer “sonho socialista”, cujas reformas mussolinianas de 1944 foram um pequeno, mas ousado exemplo. Nicola Bombacci foi o mais brilhante e ao mesmo tempo controverso símbolo daquele mundo, capaz de cumprir um itinerário único, do comunismo ao fascismo sempre com o lema “Viva o socialismo!”. Um revolucionário e um dissidente no verdadeiro sentido do termo, perfeitamente indicativo dos fermentos que animaram o nosso país na primeira parte do século passado. Paixões que hoje, trancadas entre preconceitos e cativeiros mentais, penamos muito a compreender. Para isso vale a pena, justamente nestes dias, percorrer num só fôlego a vida e as ideias de Nicolino, como era chamado pelos seus companheiros.

Romanholo e socialista como Mussolini, foi um importante expoente da ala maximalista do Partido Socialista Italiano. O seu caminho e o do futuro Duce se dividiram por causa do primeiro conflito mundial: Bombacci foi contra a intervenção, alinhando-se estranhamente uma vez às escolhas oficiais dos chefes do socialismo italiano, com os quais sempre estava em polêmica. Ao fim da guerra se tornou até secretário do partido, para mais tarde fundar o Partido Comunista da Itália em 1921. Também aqui se distinguiu pelas posições anticonformistas: primeiro apoiou entusiasticamente a ocupação dannunziana de Fiume[3], depois propôs a aliança do Fascismo com a URSS, em nome do anticapitalismo que caracterizava ambas revoluções. Se tratava de um personagem incômodo seja para os fascistas voltados para a conquista do poder seja para os seus próprios companheiros de partido, de que foi expulso em 1927. Togliatti[4], do alto de sua cega ortodoxia, usou como justificativa a culpa de Bombacci não ter sido marxista o suficiente e de querer “tudo e rápido”. Segundo ele, um verdadeiro comunista não deveria contar com a “ação direta” de marca soreliana, mas criar as condições para o desenvolvimento e o colapso do sistema capitalista. Curioso que Togliatti não se apercebeu do fato de que a URSS, onde residia e onde o comunismo estava no poder, na época da Revolução de Outubro, era um Estado semifeudal. Mas para Bombacci, as fendas políticas não estavam de todo fechadas. Mussolini tinha reconhecido oficialmente a URSS em 1924, entre os primeiros líderes europeus. Essa escolha, ditada principalmente por interesses econômicos, foi aceita com entusiasmo pelo fundador do Partido Comunista da Itália, que buscou, entre muitas dificuldades, levar a sua contribuição ideal para o debate cultural italiano.

Interessante a esse propósito são as suas posições no que concerne ao corporativismo[5] e à Guerra da Etiópia[6]. Reconheceu na política econômica fascista uma maior eficácia em relação às soluções tomadas na URSS, apreciando os primeiros resultados conquistados pelo regime. Ainda mais surpreendente é a sua leitura do conflito colonial italiano, que Bombacci descreveu como o prosseguimento natural sobre o plano geopolítico do conflito entre “povos jovens” e plutocracias capitalistas. Uma tese que contava com as teorizações do chefe dos nacionalistas italianos Enrico Corradini, resumíveis na equação: “proletários contra capitalistas = luta de classe; povos pobres contra povos ricos = nacionalismo”, datada de 1910. Em 1936 o empenho de Nicolino foi finalmente reconhecido graças ao lançamento da revista “La Verità” (“A Verdade”, tradução da Pravda soviética), dirigida por ele e ponto de encontro de muitos expoentes do velho mundo socialista. É nesse mesmo período que Palmiro Togliatti publica o famoso “apelo aos irmãos de camisa negra”, em que busca um terreno de encontro entre comunistas e fascistas sobre o programa de San Sepolcro de 1919[7]. No meio tempo, uma personalidade do calibre do filósofo Ugo Spirito, que via com bons olhos uma aproximação entre as duas revoluções, tinha dado a sua contribuição elaborando a teoria da “corporação proprietária”, prevendo a passagem da propriedade dos meios de produção para a corporação, pela definitiva destruição das lógicas do sistema capitalista. Cabe ainda mencionar a tentativa de Ivanoe Bonomi, Membro histórico do parlamentarismo pré-fascista, de fundar a “Associação Socialista Nacional”, junto aos ex-deputados Bisogni, D’Aragona e Caldara, dispostos a colaborar com o regime.

Uma série de agitações muito interessantes e dignas de nota, embora ao escopo da Guerra da Espanha as relações entre a Itália e a URSS tivessem se tornado mais que tensas. Poucos anos mais tarde, no momento do breve idílio Stálin-Hitler[8], foi de fato “La Verità” (que continuará a ser publicada quase que ininterruptamente até 1943, apesar da aversão dos intransigentes Farinacci e Starace[9]) que se mostrou favorável a essa convergência, em uma Itália fascista compreensivelmente desorientada. Já dez anos antes “Roma e Moscou ou a velha Europa?” foi o intrigante título de um longo debate sobre as colunas de “Crítica Fascista”. “E ainda virá o dia em que o soviete, permeando-se de espírito hierárquico, e a corporação, de resoluto ânimo revolucionário, se encontrarão sobre um terreno de redenção social”, escreveu Walter Mocchi na “La Verità” de 13 de outubro de 1940. Mas a guerra foi para uma direção totalmente diferente. Até o desastre de 1943 e o renascimento do Fascismo com a República Social Italiana, Bombacci, que não teve nunca o cartão do Partido Nacional Fascista, aliou-se subitamente com a decisão que o caracterizava: “Duce, já escrevi em “La Verità” no novembro passado – tendo uma prévia sensação do que a maçonaria, a plutocracia e a monarquia estavam tramando contra ti – hoje, mais do que ontem, estou contigo. A imunda traição do Rei-Badoglio infelizmente levou as ruínas e a desonra à Itália, mas te libertou de todos os componentes de uma direita pluto-monárquica de 22”, afirmou categoricamente em uma carta a Mussolini. A análise acima continha grãos de verdade: libertados das “forças reacionárias” (a “direita” interna oportunista e conservadora), os fascistas redigiram os 18 pontos de Verona e deram início à socialização, para deixar ao futuro uma mensagem de civilidade. As realizações foram compreensivelmente incompletas, por razões óbvias de tempo e pela hostilidade de certos expoentes do governo e dos alemães.

É redundante dizer que Bombacci lutou entusiasticamente em favor das reformas, se empenhando não só nas fábricas, mas também nas políticas domésticas. Neste propósito se empenhou pela extensão e atuação do revolucionário ponto 15 do Manifesto de Verona: “O que é doméstico não é apenas um direito de propriedade, é um direito à propriedade. O partido inscreve no seu programa a criação de um ente nacional para a casa do povo que, absorvendo o instituto existente e ampliando-lhe ao máximo a ação, seja capaz de fornecer em propriedade a sua casa às famílias dos trabalhadores de toda categoria, mediante construção direta de novas moradias ou expropriação das existentes. A este respeito deve-se afirmar o princípio geral em que o aluguel, uma vez reembolsado o capital e dele pago o justo rendimento, constitui título de aquisição. Como primeira tarefa, o ente resolverá os problemas derivantes das destruições de guerra com a requisição e distribuição de locais inutilizados e com construções provisórias”. O “canto do cisne” de Bombacci aconteceu em março de 1945, quando em Gênova fez um comício no qual estavam presentes trinta mil operários, apesar de que o fim da República Social fosse questão de dias.

Ainda havia muitos que gostariam de escutar as palavras revolucionárias desse “combatente social”, cujas escolhas foram com frequência contestadoras, mas nunca oportunistas. Quando morreu ao lado do Duce, gritou na cara de seus assassinos o lema da sua vida: “Viva o socialismo!”. E assim, logo ele, do “não me importo com Bombacci / nem com o sol do amanhecer”[10] cantado pelos jovens fascistas, escolheu sacrificar tudo ao lado de Mussolini, em nome da libertação social de toda uma nação. No pós-guerra, não poucos expoentes (entre os que restaram, tendo em vista as vinganças dos partisans) daquela “esquerda fascista” que tinha alcançado maravilhosos exemplos nos sindicatos e nos grupos universitários fascistas, confluíram para o Partido Comunista Italiano, oportunisticamente em busca de quadros competentes para a organização. O Movimento Social Italiano nasce, por outro lado, sendo prisioneiro da “direita”, como mostrou nos seus escritos Giuseppe Parlato. E, de fato, na ausência daquele que soube ter em equilíbrio as diversas tendências durante o Ventennio, os “continuadores” do fascismo por muitas vezes fizeram escolhas que não estavam de acordo com o seu passado. Mas essa é uma outra história.

Notas do tradutor:

[1] República Social Italiana (1943-1945), chamada também de República de Salò devido à localização do Ministério da Cultura Popular, localizado na cidade de Salò, de onde saíam as ordens para a nova república.

[2] O Ventennio Fascista foram os anos entre a tomada do poder pelos fascistas em outubro de 1922, com a Marcha Sobre Roma, e o Armistício de Cassibile em 1943, assinado pelo então rei da Itália Vittorio Emmanuele III e o marechal Pietro Badoglio, que dividiu o país entre o Reino da Itália ao sul, ocupada pelos aliados, e a República Social Italiana ao norte, sob Mussolini e protegida pela Alemanha.

[3] A Empresa de Fiume, liderada pelo poeta italiano Gabriele D’Annunzio logo após a Primeira Guerra em 1919, foi uma tentativa de anexar ao Reino da Itália a cidade de Fiume, localizada na fronteira entre o Reino da Itália e o Reino da Iugoslávia, empreendida por veteranos de guerra e demais rebeldes. Com a conquista da cidade, iniciou-se a Regência de Carnaro, que durou de setembro de 1919 a dezembro de 1920, quando foi expulsa pelo exército italiano.

[4] Palmiro Togliatti (1893-1964) foi um dos grandes expoentes e políticos socialistas italianos e após a Segunda Guerra foi deputado da República Italiana.

[5] O termo corporativismo se refere ao conjunto de políticas econômicas de caráter socialista realizadas pelo regime fascista, em que a economia era organizada em torno de corporações, isto é, corpos organizados de trabalhadores e setores políticos de relevância na sociedade.

[6] Também conhecida como Guerra da Abissínia (1935-1936), foi uma guerra empreendida pelas forças coloniais Reino da Itália, saindo da sua colônia da Eritreia e invadindo a Etiópia. O Reino da Itália foi vitorioso, tendo suas tropas marchando sob a liderança de Pietro Badoglio sobre a capital etíope em 1936.

[7] O Programa, ou Manifesto de San Sepolcro, foi publicado em 1919 no jornal “Il Popolo d’Italia” com propostas nacionalistas e sindicalistas apresentadas pelos Fasces Italianos de Combate.

[8] Pacto Molotov-Ribbentrop (23 de agosto de 1939), feito entre a Alemanha de Hitler e a URSS de Stálin, um pacto de não-agressão entre os dois Estados.

[9] Roberto Farinacci (1892-1945) e Achille Starace (1889-1945) foram membros de posições de autoridade no Partido Nacional Fascista.

[10] Versos da canção fascista “Me ne frego” (não me importo) nos quais se faziam referências a socialistas importantes, como Bombacci ou Togliatti.

2 Comments

Deixe uma resposta