Não existe Marxismo Cultural

Olavo de Carvalho já deu aulas mostrando saber que os autores vinculados à Escola de Frankfurt não podem ser descritos pura e simplesmente como “marxistas”.

Pelo contrário, apesar do intuito de crítica social, eles subvertem os fundamentos do marxismo com forte influência hegeliana, freudiana, existencialista, neo-kantiana e idealista.

Outras tendências na Filosofia e ciências humanas, como o estruturalismo, o pós-estruturalismo, o desconstrucionismo etc., tampouco podem ser tidas como marxistas.

Elas se desenvolvem com forte influência dos campos da linguística, semiótica, psicologia e outras.

São esses desenvolvimentos teóricos e metodológicos que se vinculam mais diretamente à esquerda liberal defensora de pós-modernices, e não o marxismo propriamente dito.

Quando Olavo e seus sequazes jogam todos esses autores e escolas e militantes num mesmo saco e os rotula de “marxismo cultural”, constroem um espantalho cuja função é meramente erística e voltada para fins políticos.

Eles pensam que esse jogo retórico não tem nada demais desde que sirva para combater as ideias citadas acima e a militância desenvolvida em torno delas.

Só que além de espalhar burrice e desinformação, essa retórica ajuda a ocultar as verdadeiras raízes sociais que possibilitam a militância progressista se apropriar dessas tendências.

E com isso permite que as causas continuem operando nas sombras.

As causas não estão em ideias e teorias criadas por acadêmicos , mas na revolução cultural impulsionada pelo capitalismo e sua ideologia de base, o liberalismo.

O consumismo e individualismo liberal capitalista levam à privatização da ideia de bem, ao procedimentalismo, à erosão dos laços comunitários, ao Estado cartesiano, ao transbordamento das paixões para que organizem a vida social por meio do Mercado.

Olavo e seus sequazes não apenas escondem essa verdade como se tornam agentes daquilo que declaram combater ao proporem como suposta alternativa ainda mais liberalismo e ainda mais capitalismo.

É o capitalismo liberal que gesta e impulsiona o globalismo cosmopolita pos-moderno fundamentado nas finanças sem pátria.

Abraçar o capitalismo e o liberalismo como soluções para o cenário atual é como tentar apagar um incêndio jogando gasolina no fogo.

A mitologia de um “marxismo cultural” já morreu.

Ela é insustentável em um mundo em que os principais motores das causas globalistas são megacorporações como Apple, Google, McDonald’s, Coca-Cola, Microsoft e outras.

Seguiremos submetidos a essa lavagem cerebral enquanto não atacarmos as suas fontes: o liberalismo, enquanto filosofia, e o capitalismo, enquanto ordem econômica, e especialmente a subordinação ideológica do Brasil aos influxos culturais vindos dos países atlantistas.

Deixe uma resposta