O liberalismo é o pai da ideologia da gênero

O surgimento, a expansão e a oficialização da ideologia de gênero no Ocidente não é acidental. Não se trata de um evento aleatório imprevisível ou desconectado da história do pensamento político-filosófico em nosso hemisfério. Menos ainda de algum tipo de infiltração externa, de algum tipo de manipulação ad hoc vinda de fora, como ocorre na narrativa fantasiosa da direita olavética, que enxerga agentes da KGB em todo lugar.

Afirmamos de forma insofismável que, na raiz da ideologia de gênero, está a exaltação do Indivíduo e, portanto, a filosofia política liberal e o liberalismo enquanto postura política.

Tendo o Indivíduo como seu sujeito fundamental, o liberalismo empreende um processo de desconstrução das amarras, limitações e proibições impostas à pessoa, além de sua separação de todos os pertencimentos coletivos que o fazem quem ele é.

O primeiro passo foi no âmbito religioso, com um discurso dirigido contra a tradição católica em prol da “liberdade religiosa” após a Reforma Protestante. O “indivíduo” estava sendo limitado pelas obrigações e deveres de teor religioso que recebiam suporte oficial do Estado.

Nasce aí a concepção de “Sociedade Civil” como uma esfera construída em oposição ao Estado, e cuja essência se pauta no esforço contínuo para ir “liberando” o indivíduo de todos os tipos de amarras religiosas, políticas, culturais, econômicas, morais, cujo suporte usualmente está no Estado.

Aos poucos, porém, a ideologia liberal se volta contra toda forma de compromissos sociais, acusados de coletivismo, e vai buscando a “liberação” do indivíduo em relação ao resto da sociedade. No fim do século XX, o liberalismo se dirige contra as nações: os indivíduos devem ser livres para ir e vir, emigrar, migrar e imigrar. Barreiras alfandegárias são ruins. Mais vale pagar barato por sucatas chinesas do que apoiar o desenvolvimento industrial nacional. “Nação” é algo que só é relevante em competições desportivas.

Desvinculado de qualquer religião pública, das obrigações sociais e da nação, o que resta? É aí que começa o empreendimento de desconstrução liberal do homem pela ideologia de gênero. Afinal, o gênero também é uma forma de identidade coletiva, na medida em que “homem” e “mulher” são categorias de pertencimento coletivo. Nessa etapa do liberalismo, sexo e gênero são relativizados ao ponto da irrelevância e da intercambialidade.

Tudo isso faz parte de um processo de “liberação sem fim”. É uma grande bola de neve que não possui qualquer tipo de objetivo além da realização de uma “liberação perpétua” como fim em si mesmo em relação a qualquer tipo de pertencimento.

O que sobra hoje, então, desse indivíduo que é o centro do liberalismo? Nada além de uma abstração, de algo insubstancial, progressivamente privado de qualquer filiação concreta (sem religião, sem comunidade, sem nação, sem gênero).

Nesse sentido, os próximos passos se revelam evidentes. Na medida em que a própria condição humana possui caráter coletivo, após a desconstrução da identidade de gênero, teremos diante de nós a desconstrução da identidade humana. Já começamos a ver coisas do tipo, com pessoas fazendo modificações corporais na tentativa de se tornarem cada vez mais semelhantes a animais. Desenhos como “South Park” também já apontaram nessa direção.

Será aí que o pós-liberalismo (o liberalismo em um grau tão hegemônico, que seus pressupostos passam a se tornar a própria normalidade) nos levará ao pós-humanismo. O “humano” será visto como uma mera alternativa entre outras, passível de ser escolhida ou rejeitada, de ser adotada ou abandonada. Entrarão aí as tentativas de amalgamação com máquinas, a bioengenharia para promover a hibridização com espécies animais, projetos de upload da consciência humana para nuvens. Se hoje há o “orgulho gay”, amanhã haverá passeatas do “orgulho robótico” e coisas do tipo.

Trata-se, portanto, de um projeto fundamentalmente niilista, no sentido negativo do termo. É uma desintegração infinita da pessoa, em um processo linear que começa no pensamento iluminista que, ao identificar na autoridade estatal e na autoridade religiosa formas de tirania, inevitavelmente volta esse juízo para toda forma de autoridade, considerando as próprias noções de autoridade, hierarquia, ordem, etc., como ruins em si mesmas, fazendo delas objetos de “desconstrução”.

Morre assim qualquer mitologia sobre KGB, Escola de Frankfurt, marxismo cultural e besteiras do tipo. Tal como Kant já vociferava contra a autoridade familiar paterna, as sementes da ideologia do gênero estão nas próprias raízes do liberalismo. E os seus próximos passos já estão aqui previstos.

Não há como combater esse problema sem arrancar o mal pela raiz.

Deixe uma resposta