Em carta, autoridades cristãs em Jerusalém rechaçam a decisão de Trump:

Embora parte considerável da direita liberal dita “defensora dos valores cristãs” (o que todos sabemos ser uma falsidade estratosférica) tenha aplaudido decisão do governo americano de reconhecer Israel como capital de Jerusalém (leia nossa nota sobre o assunto, bem como suas repercussões, aqui), autoridades cristãs da região – católicas, ortodoxas, maronitas, etc. – já se posicionaram de maneira contrária em carta aberta dirigida ao presidente americano.

É digno de nota, nestes termos, o posicionamento do líder neocon brasileiro, o escritor Olavo de Carvalho, que, comentando o caso, chegou a afirmar, em sua conta no Facebook, que o “que é bom para os judeus será, no fim das contas, bom para a Igreja”. Talvez o escritor neocon se veja num patamar de autoridade eclesiástica semelhante ao dos líderes cristãos de Jerusalém que redigiram o documento, reproduzida abaixo (os créditos da tradução são de Marcelo Jafar Cipolla).

***

CARTA DOS PATRIARCAS E CHEFES DE IGREJAS LOCAIS EM JERUSALÉM AO PRESIDENTE TRUMP

Jerusalém, 6 de dezembro de 2017.

Caro Sr. Presidente,

Conhecemos muito bem e apreciamos a atenção especial que o Sr. vem dispensando nos últimos dias ao estatuto de Jerusalém. Acompanhamos atentos os acontecimentos e julgamos ser nosso dever endereçar esta carta a Sua Excelência.

Em 17 de julho de 2000, endereçamos carta semelhante aos líderes que se reuniram em Camp David para determinar o estatuto de Jerusalém. Com toda a cortesia, eles levaram nossa carta em consideração. Hoje, Sr. Presidente, confiamos em que também o Sr. levará em conta nosso ponto de vista sobre tema tão relevante.

Nossa terra foi chamada a ser uma terra de paz: Jerusalém, a Cidade de Deus, é uma cidade de paz para nós e para o mundo inteiro. Infelizmente, contudo, nossa Terra Santa, e com ela a cidade santa de Jerusalém, é hoje uma terra de conflito.

Os que amam Jerusalém estão plenamente dispostos a torná-la uma terra e uma cidade de paz, vida e dignidade para todos os seus habitantes. As preces de todos os crentes que a ela acorrem — das três religiões e dos dois povos que pertencem a esta cidade — sobem a Deus e clamam por paz, como diz o Salmista: “Volta-te para nós, ó Deus Todo-Poderoso! Dos altos céus olha e vê!” (Sl 80.14). Inspira nossos governantes e preenche seus corações e mentes com justiça e paz!

Acompanhamos preocupados, Sr. Presidente, as reportagens acerca da possibilidade de modificar-se a maneira pela qual os Estados Unidos encaram o estatuto de Jerusalém e tratam a cidade. Temos certeza de que tais medidas, caso sejam tomadas, farão aumentar o ódio, o conflito, a violência e o sofrimento em Jerusalém e em toda a Terra Santa, afastando-nos ainda mais da meta da unidade e afundando-nos mais ainda numa divisão destrutiva. Rogamos, Sr. Presidente, que nos ajude a caminhar rumo ao incremento do amor e a uma paz definitiva, que não poderá ser alcançada sem que Jerusalém seja de todos.

Nosso solene conselho e súplica é que os Estados Unidos continuem a reconhecer o atual estatuto internacional de Jerusalém. Qualquer mudança brusca causaria um dano irreparável. Temos confiança em que, com o forte apoio de nossos amigos, israelenses e palestinos poderão trabalhar rumo à negociação de uma paz justa e sustentável, beneficiando a quantos anseiam que a Cidade Santa de Jerusalém cumpra seu destino.

A Cidade Santa poderá ser partilhada e gozada plenamente quando um processo político ajudar a libertar das condições de conflito e violência, hoje vigentes, os corações de todos os povos que nela habitam.

O Natal está às portas. Trata-se de uma festa de paz. Os anjos cantaram em nosso céu: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.” Rogamos que Jerusalém não seja privada da paz neste Natal vindouro; rogamos, Sr. Presidente, que nos ajude a ouvir o que cantam os anjos. Na qualidade de líderes cristãos de Jerusalém, o convidamos a caminhar conosco na esperança enquanto construímos uma paz justa e abrangente para todos os povos desta Cidade Santa, que não tem igual no mundo.

Com nossos melhores votos e nossos desejos de um Feliz Natal,

Os Patriarcas e Chefes de Igrejas em Jerusalém:

— Patriarca Teófilo III, Patriarcado Greco-Ortodoxo

— Patriarca Nourhan Manougian, Patriarcado Apostólico Ortodoxo Armênio

— Arcebispo Pierbattista Pizzaballa, Administrador Apostólico, Patriarcado Latino

— Ir. Francesco Patton, ofm, Custódio da Terra Santa

— Arcebispo Anba Antonious, Patriarcado Ortodoxo Copta, Jerusalém

— Arcebispo Swerios Malki Murad, Patriarcado Ortodoxo Sírio

— Arcebispo Aba Embakob, Patriarcado Ortodoxo Etíope

— Arcebispo Joseph-Jules Zerey, Patriarcado Católico Greco-Melquita

— Arcebispo Mosa El-Hage, Exarcato Patriarcal Maronita

— Arcebispo Suheil Dawani, Igreja Episcopal de Jerusalém e do Oriente Médio

— Bispo Munib Younan, Igreja Evangélica Luterana na Jordânia e na Terra Santa

— Bispo Pierre Malki, Exarcato Patriarcal Sírio-Católico

— Monsenhor Georges Dankaye’, Exarcato Patriarcal Armênio Católico

Deixe uma resposta