A civilização ocidental deve perecer:

Nos últimos anos, temos visto o crescimento de um discurso direitista raso e superficial sobre salvar ou proteger uma certa “civilização ocidental”. Esse discurso tem proliferado bastante nas redes sociais, onde se multiplicam páginas, principalmente em inglês e português, associando conceitos como “tradicionalismo”, “contra o mundo moderno”, e outros do mesmo jaez, a essa tal “civilização ocidental”.

Os arautos de semelhante defesa da “civilização ocidental” são figuras nefastas, deletérias e suspeitas, como Olavo de Carvalho e outros elementos semelhantes, tanto aqui como nos EUA.

Nós que, propositalmente, nunca fizemos qualquer apelo do tipo e sempre zombamos dessas páginas infanto-juvenis, brasileiras e estrangeiras, repletas de imagens de “loiras em campos de trigo” e cavaleiros medievais, mas sem qualquer tipo de conteúdo relevante, papagaiando sobre “Ocidente”, “civilização ocidental” e “cultura ocidental”, vamos tratar de enterrar essas besteiras.

O Ocidente que esses personagens defendem tem pouco mais de 200 anos. A civilização ocidental é uma construção que emerge a partir da decadência da civilização europeia nos primórdios da modernidade. Ela é, portanto, algo que já nasce na modernidade e está indissociavelmente ligada à modernidade com tudo que ela tem de problemático.
Não por acaso, as concepções de política, economia, moral, ética, estética dos “salvadores da civilização ocidental” são fundamentalmente vitorianas, recentíssimas. A arte que agrada a eles, por exemplo, são regurgitações oitocentistas de temas e arquétipos medievais ou clássicos. E, por isso, não há mais que um conservadorismo reacionário nesses clamores por defender a “civilização ocidental”.

Para colocar as coisas da maneira mais clara possível: Platão, Dante e Michelangelo não tem absolutamente nada a ver com qualquer “civilização ocidental”. Eles são baluartes de algo muito mais específico, que é a civilização europeia, a qual, segundo a quase totalidade dos pensadores antimodernos e dissidentes (que às vezes esses “salvadores” citam, mas, na realidade, nunca os leram), jaz adormecida e moribunda, enquanto, no seu lugar, sobre seu corpo, impera a civilização ocidental, corrompendo o mundo inteiro com seus tentáculos. Para esses autores, o objetivo é resgatar a civilização europeia (no caso, quando os autores em questão são europeus) através da destruição da civilização ocidental.

Mesmo do ponto de vista simbólico, isso já é algo que deveria ser tido como claro. O Ocidente é a terra do poente. E a terra do poente se encontra nos Estados Unidos da América. O coração e centro do Ocidente, a terra que porta o desenvolvimento histórico essencial dessa civilização, são os Estados Unidos da América. É por isso que não há que rir quando políticos, empresários e artistas falam que os “valores ocidentais” são capitalismo, democracia, liberdade religiosa, etc., porque não há nada de errado ou absurdo aí. São esses, realmente, os “valores” da civilização ocidental, da civilização que nasce a partir da decadência europeia e que foi levada à hegemonia mundial pelos Estados Unidos da América.

Por isso, não pode haver qualquer tipo de “tradicionalismo” ou qualquer reflexão associada ao conceito de “tradição” que possa se misturar ao conceito de “civilização ocidental” ou a qualquer discurso sobre salvar, proteger, defender a “civilização ocidental”. Ao contrário. A civilização ocidental é um câncer que se alastrou pelo planeta e almeja subjugar, absorver e padronizar todas as outras civilizações e culturas. A civilização europeia foi sua primeira vítima e, ao longo dos últimos 250 anos, muitas outras civilizações já caíram sob seu jugo ou até mesmo foram apagadas da existência. A maioria desses arautos que falam em “salvar a civilização ocidental” sabem disso. Eles desejam apenas reverter algumas poucas décadas na inevitável decadência progressiva dessa civilização e eles, efetivamente, defendem os mesmos valores que os políticos, empresários e artistas da burguesia mundial defendem, apenas com algumas variações mais reacionárias.

Para finalizar, não custa reafirmar a obviedade de que o Brasil não é, nunca foi e nem nunca poderia ser parte da “civilização ocidental”, apesar de, infelizmente, há bastante tempo já estar subjugada a ela, influenciada por ela e corrompida por ela. Nossas matrizes são as civilizações do Velho Mundo e do Novo Mundo que precedem a “civilização ocidental” em séculos e que foram praticamente destruídas por ela. Não somos ocidentais. Não queremos ser ocidentais. O Ocidente é decadente em sua própria essência e arrastará consigo para o abismo toda e qualquer outra civilização que permaneça sob seu controle.

Assim sendo, a civilização ocidental deve perecer.

Deixe uma resposta