A Aliança Objetiva entre Macron e Mélenchon: não necessariamente o caos, mas pior

Em que medida Jean-Luc Mélenchon é, realmente, contrário a Macron?
Europeias: grande vitória do Rassemblement national; legislativas: grande derrota do Rassemblement national!

O partido de Marine Le Pen, no entanto, obteve em 6 de julho mais votos do que nunca, com 8,7 milhões de votos (37,2%), mais do que nas europeias, – 7,8 milhões de votos (32,5%). Fora das presidenciais, é um recorde absoluto que marca um novo avanço deste partido. No entanto, esse resultado lhe rende apenas 143 deputados (dos quais 17 vieram dos Republicanos, apoiando Ciotti), muito menos do que esperava, e dá destaque ao Novo Front Popular, que chega em primeiro lugar.

Como passar do sucesso à derrota com um número crescente de votos? A explicação está no sistema eleitoral, proporcional nas europeias, uninominal em dois turnos nas legislativas.

Não vejamos nenhuma trapaça: este sistema eleitoral favorece os grandes partidos em detrimento dos pequenos e, sobretudo, aqueles que unem suas forças, como fez in extremis o Novo Front Popular e como fizeram por um acordo de desistência recíproca este último e os macronistas do Ensemble. Uma união de dois níveis, por assim dizer. O RN sofreu muito por não ter aliados ou parceiros próximos, exceto pequenos partidos como o Reconquête de Éric Zemmour, cujos eleitores, supõe-se, votaram nele no segundo turno.

O sistema uninominal a dois turnos pode legitimamente gerar frustração quando se sabe que, com o sistema inglês de um turno, em uso no Reino Unido, o RN teria, com os mesmos votos, obtido a maioria absoluta. Mas um retorno à proporcionalidade não resolveria nada. Foi no quadro da proporcionalidade que ocorreu, em 1950, uma fraude ainda pior, o sistema de aparentamentos, com o objetivo de afastar o general de Gaulle do poder.

O resultado destas eleições conduz ao caos? Não é certo. Ele não favorecerá os interesses da França. Ele se baseia em uma aliança discreta de Macron e Mélenchon que, ao contrário do que sugere sua imagem pública, são mais próximos do que se pensa.

Na política interna, eles têm visões idênticas sobre vários assuntos essenciais:

  • Abrir ainda mais a França à imigração em massa;
  • Prosseguir com as reformas sociais transgressoras, como a eutanásia, que estava prestes a ser votada no momento da dissolução. Essas reformas estão em ruptura com uma herança cristã que ambos (e não menos Macron, com todo o respeito aos leitores de La Croix!) desprezam;
  • Ampliar os déficits públicos sem escrúpulos;
  • Continuar a “estratégia do caos” em matéria de ordem pública, sempre prontos a favorecer a severidade em relação às forças da ordem e a indulgência em relação aos delinquentes;
  • Acrescentemos que, como fiéis do globalismo em Davos, nenhum dos dois terá escrúpulos em impor ainda mais ônus às classes médias. Ao suprimir o ISF, Macron poupou apenas as grandes fortunas.

Na política internacional, por outro lado, suas visões diferem consideravelmente, sobre Gaza e talvez sobre a Ucrânia. Mas são convicções ou poses? Se a OTAN não os ditar, saberão encontrar compromissos. Pouco idealistas, ambos sabem que não se chega ao poder sem concessões. Mélenchon é, no entanto, o mais tranquilizador diante do risco de guerra.

O que se deve temer, em última análise, é um governo ao estilo espanhol: uma coalizão que vai do centro-esquerda à extrema esquerda, onde esta última define o tom.

Ficaremos surpresos com essas convergências, mas devemos parar de pensar, como se imagina nos belos bairros, que Macron é um centrista; exceto pelo cuidado com os mais ricos, todas as suas posições estão na extrema esquerda. O que caracteriza nossa época, que poucos entendem, é a passagem para a extrema esquerda da parte mais engajada do grande capital internacional (Bill Gates, Warren Buffet, George Soros, Jeff Bezos e outros). Somente eles são suficientemente poderosos para impor a ideologia woke, que é deles, a todo o Ocidente. Eles não conseguem no resto do mundo, e talvez seja por isso que temos uma guerra. Desta esquerda que domina o mundo, Macron é o perfeito representante e Mélenchon, ao que sabemos, nunca se distanciou.

A única disputa a esperar desta aliança é a partilha dos cargos, já em curso.

A única coisa a temer, não é o caos, é que eles concordem muito bem em destruir ainda mais a França.

Fonte: Égalité et Réconciliation

Imagem padrão
Roland Hereaux
Artigos: 52

Deixar uma resposta