A “Frente Secundária” da Guerra da Palestina e as suas Consequências

No conflito israelo-palestino desempenha um papel bastante importante a atuação dos houthis no Mar Vermelho.

Ataque a uma artéria do comércio mundial

Com o Canal de Suez, o Mar Vermelho é um dos principais pontos de transbordo econômicos do comércio mundial. Mais de 15% do comércio mundial passa por esse gargalo geográfico. O choque foi ainda maior no Ocidente quando, a partir de 19 de novembro de 2023, os combatentes do movimento Ansar-Allah (partidários de Deus), também conhecidos no Ocidente como Houthis, começaram a atacar os navios de Israel e dos países ocidentais aliados.

A razão dessa ação: a guerra de extermínio conduzida por Israel contra os palestinos e a ameaça que o regime sionista representa para a mesquita Al-Aqsa em Jerusalém. Enquanto outros países muçulmanos não agem por medo da opção Sansão, os iemenitas enfrentam a morte de frente. Os xiitas, que pertencem à corrente zaidita dentro do xiismo, são considerados aliados próximos do Irã. Anteriormente, eles enfrentaram com sucesso a Arábia Saudita e o Ocidente em uma guerra de extermínio que durou de 2015 a 2022 e que resultou em uma das piores fomes do mundo. Hoje, eles combatem praticamente todo o Ocidente ao mesmo tempo – e com sucesso.

A guerra no Mar Vermelho – uma resposta à guerra de extermínio conduzida por Israel na Palestina
Grandes companhias marítimas ocidentais, como a dinamarquesa Maersk, a francesa CMA CGM e a petrolífera BP, começaram a evitar o canal de Suez e a redirecionar seu tráfego pelo Cabo da Boa Esperança. O custo do seguro para os navios que fazem escala no porto israelense de Eilat aumentou em 250%.

O consumo mundial de petróleo também aumentou massivamente como resultado dos ataques, pois as rotas comerciais foram significativamente prolongadas ao passar pelo Cabo da Boa Esperança. Embora por muito tempo o único risco de encalhe devido aos ataques dos Houthis tenha levado o Ocidente a evitar a rota do canal de Suez, em 28 de fevereiro de 2024, o inevitável aconteceu: o petroleiro Rubymar foi afundado pela primeira vez, com 21.000 toneladas de fertilizantes indo para o fundo do Mar Vermelho.

Mesmo uma missão militar liderada pelos Estados Unidos não conseguiu acabar com essa ameaça – o que aumenta consideravelmente a influência do Irã na região, bem como a de Ansar-Allah, que agora é considerado um dos grupos de resistência islâmica mais poderosos. Seu grito de guerra é: “Que a América morra! Que Israel morra! Malditos sejam os judeus! Vitória ao Islã!”. Como resultado, os adeptos de Deus – que praticam um socialismo tribal islâmico particular, diferente do islamismo hollywoodiano do Estado Islâmico e do islamismo revolucionário do Irã – rejeitam as ofertas de negociação do Ocidente depois que a administração Biden retomou a guerra contra Ansar-Allah, iniciada por Donald Trump, e impôs novamente sanções aos iemenitas famintos do norte do país. Em janeiro deste ano, Biden declarou o grupo “terrorista mundial especialmente designado”.

A OTAN – uma aliança militar marcada por desejos piedosos

Mas enquanto um grupo de porta-aviões americano protege Israel de drones e mísseis de cruzeiro vindos do norte do Iêmen, as frotas da OTAN são regularmente alvo das armas iemenitas. É aqui também que a falta de aptidão para a guerra do pacto do Atlântico Norte se torna evidente: uma fragata dinamarquesa sofreu um mau funcionamento em sua luta contra os drones dos Houthis, dois fuzileiros navais americanos morreram tentando interceptar uma entrega de armas iranianas aos partidários de Deus. Esses sucessos são principalmente possibilitados pela massa de drones e mísseis disparados.

Além do Mar Vermelho – os Houthis ameaçarão em breve o Oceano Índico?

Os revolucionários conservadores ameaçam até mesmo expandir a guerra: além do Mar Vermelho, eles querem ameaçar no futuro o Oceano Índico e até o Cabo da Boa Esperança, que serve como rota alternativa para muitas companhias marítimas ocidentais após o bloqueio do canal de Suez. Mas como uma milícia tribal muçulmana pode agir em escala global e atingir o capitalismo no coração?

Por trás deles está o Irã, que apoia a luta contra o liberalismo e o sionismo não apenas no Iraque, no Líbano e na Palestina, mas também no Iêmen. Os soldados político-religiosos da Guarda Revolucionária exportam a revolução formando os membros do eixo da resistência na utilização da tecnologia avançada de drones e mísseis. Muitos drones – como o modelo Wa’id, semelhante ao Shahed 136 iraniano (com alcance de 2500 km) – e mísseis de cruzeiro permitem a Ansar-Allah atacar não só Israel, mas também a navegação no Chifre da África.

Ansar-Allah – de um pequeno grupo de resistência a um dos principais membros do eixo da resistência
Os Houthis tornaram-se, quase da noite para o dia, um dos grupos de resistência mais famosos da civilização islâmica, o que também lhes permite ganhar capital adicional na guerra civil iemenita: A luta contra Israel é extremamente popular no mundo muçulmano, eles viram 16.000 novos recrutas desde dezembro de 2023. Eles poderiam usá-los para conquistar a costa sul e leste do país, rica em recursos, onde se encontram importantes depósitos de petróleo e gás ainda controlados por um governo pró-ocidental.

Em sua propaganda, os guerreiros iemenitas falam em conquistar os territórios zaiditas da Arábia Saudita ou até mesmo tomar as cidades sagradas do Islã, Meca e Medina. Se por enquanto isso é apenas um desejo, não devemos esquecer que a tomada do estado iemenita também parecia impossível para o grupo há apenas dez anos. O fenômeno Ansar-Allah continuará, portanto, a nos preocupar no futuro. Enquanto o Hezbollah, muito mais conhecido, tenta exercer poder sobre o estado libanês, Ansar-Allah tenta controlar o estado iemenita.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Alexander Markovics

.

Artigos: 52

Deixar uma resposta