O Soberanismo segue Vivo: Tanto como Sentimento quanto como Cansaço Popular

Uma vez mais, mesmo após decretada a sua morte por analistas liberais e progressistas, o soberanismo mostra a sua força alcançando cifras inéditas nas eleições europeias.

Que o “soberanismo” – declinado com essas palavras para simplificar enormemente a questão – nunca representou um pensamento unitário ou coerente é obviamente lógico. Alguém, nos últimos anos, o interpretou quase como uma “moda passageira”, especialmente após os fracassos ideológicos da Liga entre 2020 e 2022, quando o partido de Matteo Salvini recuou em praticamente todas as questões importantes. No entanto, a queda que se seguiu para a Liga deveria ter sido um motivo de reflexão, em vez de “fuga”: as pessoas nos últimos anos votaram e continuam a votar em quem percebem como antissistema ou pelo menos se declara desejoso de “mudá-lo por dentro”. Um slogan crítico, mas representativo da forma como os cidadãos reagem aos fenômenos. Estas eleições europeias certificam mais uma vez a tendência.

Soberanismo é uma palavra que não deve ser descartada

Lembram-se da foto deste artigo? Era 2015 e o euroceticismo estava em alta em termos de declarações, tanto na Itália quanto na França. A própria palavra “soberanismo” praticamente desapareceu dos radares nos últimos anos. Quase como se fosse um pensamento considerado pouco adequado às “novas” – por assim dizer – direções, pouco “útil” para pavimentar aquelas mais lucrativas. No entanto, não há uma razão lógica para excluir o tema das reflexões presentes e futuras. Desde as eleições europeias de 2014, realmente muita água passou por debaixo da ponte: a UE enfrentou pelo menos duas crises (aquela do célebre “o que for preciso” de Mario Draghi até a última do Covid, sem falar dos protestos dos agricultores), teve que confrontar suas evidentes contradições e a incompatibilidade de seu modelo com perspectivas de desenvolvimento sérias, até mesmo para o país que mais se beneficiou de sua constituição (a Alemanha), mas sobretudo o já mencionado euroceticismo, que de sentimento anteriormente considerado herético, não só se tornou “possível”, mas até mesmo envolvente para metade dos eleitores com direito a voto. Em várias formas, é claro, porque nenhum dos partidos que receberam muitos votos se permite minimamente discutir a existência da chamada União em sua forma pseudo-institucional. Mas eles giram em torno disso, brincam com uma exasperação pública já enraizada, apelam aos povos (embora de forma confusa). E, no final, vencem. Claro, eles ainda não eliminam o “pensamento europeísta” forte, representado pelo PPE, mas seria surpreendente ver isso. No entanto, eles vencem. Continuam vencendo. De qualquer forma, certificam um percurso iniciado há cerca de dez anos ainda não interrompido, pelo menos por enquanto.

Ouvir as pessoas

Ganha Meloni, que declara liderar “a Itália que muda a Europa”, ganha Marine Le Pen, que derrota Emmanuel Macron tornando-se o primeiro partido francês e força o presidente a convocar novas eleições legislativas, ganha AfD, que na Alemanha ultrapassa 16% dos votos. Isso, repitamos, independentemente da realidade concreta. Se olharmos para isso, Marine Le Pen foi a primeira na Europa a abandonar os tons fortes, transformando o Front National no Rassemblement em 2017, sem sequer ter ido ao governo, mas “apenas” com um partido que se tornou de massa e – na época – um atrás dos mais liberais e europeístas (fossem os chamados socialistas de François Hollande ou os En Marche! do futuro chefe do Eliseu, Macron, pouco importa hoje). Ela foi a primeira a gerar uma espécie de “Fiuggi transalpina”, embora bastante silenciosa. A verdade é que as pessoas continuam a percebê-la como fortemente descontínua, assim como os alemães fazem com a AfD e os italianos com Giorgia Meloni.

Exceto pelo habitual bastião do PD, em ascensão também graças à baixa afluência, também na Itália venceu quem se apresentou como renovador. Repitamos: independentemente da conduta concreta dos vencedores, a vontade de conservar esta estrutura, na verdade, é cada vez menor entre as pessoas. É evidente que Meloni, na linha de frente ao descrever “A Itália que muda a Europa”, tem impacto. É evidente como a Liga deve sua ruína à política “institucionalizada” nos penosos anos de governo com Draghi e que a tentativa desesperada de revertê-la dialeticamente (mesmo com a desajeitada candidatura de Roberto Vannacci) não funcionou, visto que, pelos dados, os leghistas também sofreram a ultrapassagem dos forzistas devotos ao “eterno Berlusconi”.

O soberanismo não representa um pensamento coerente, mas talvez se devesse pensar em formular um, em vez de continuar a descartar o próprio sentimento como se fosse um lenço usado. As pessoas comuns, como é lógico, não podem assumir essa tarefa, distraídas por seus contínuos dramas cotidianos e por um empobrecimento que avança incessantemente há décadas. Há quem, no universo cultural, possa fazê-lo. Talvez começando por uma pequena atividade: ouvir.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Stelio Fergola

Jornalista italiano, bacharel em Ciência Política e Relações Internacionais.

Artigos: 54

Deixar uma resposta