Eleições Europeias 2024: O Retorno dos Patriotas

O resultado das eleições europeias 2024 marca uma das maiores derrotas históricas da ordem liberal e é um dos resultados previsíveis da operação militar especial russa na Ucrânia.

Até as últimas horas, os poderes fáticos fizeram tudo o possível, beirando ou ultrapassando os limites da honestidade e das regras da democracia, para frear a maré da direita patriótica. Macron usou descaradamente as cerimônias do desembarque do Dia D para fazer campanha poucos dias antes das eleições, depois que Gabriel Attal dominou o debate em cada oportunidade. O resultado é claro e histórico em muitos sentidos. «Não é um bom resultado para os partidos que defendem a Europa, incluindo a maioria presidencial», reconheceu lastimavelmente o Presidente da República em seu discurso televisionado de 9 de junho.

A lista macronista com o claro nome de Besoin d’Europe (Necessidade de Europa) sofreu uma derrota incrível, caindo de 22,4% dos votos nas eleições europeias de 2019 (um resultado já muito baixo) para menos de 15% em 9 de junho. Foi um tapa violento, não a uma candidata que ninguém conhecia e que não é responsável por nada em si mesma, além de ter escolhido as batalhas erradas, mas ao homem que dirige a política da França desde 2017 em uma única direção, a da Europa federal supranacional. Uma Europa colocada contra os povos e seu direito inalienável de continuar sendo senhores no solo de seus antepassados. Bardella permite-se ver nos resultados eleitorais «uma desautorização pungente e uma rejeição clara da política do presidente da República».

Marion Maréchal chama à unidade

Juntos, Reagrupamento Nacional e Reconquista obtêm o dobro de votos que o partido no poder, ou seja, cerca de 35% no momento em que estas linhas são escritas, sem contar as pequenas listas (Patriotas, UPR, etc.). Apenas a Reagrupamento Nacional deveria superar a barreira dos 30%, ou seja, quase um em cada três eleitores. «Os franceses deram seu veredicto, e é definitivo», apontou Jordan Bardella, que saudou a notícia com «humildade e gravidade». «Um vento de esperança soprou por toda a França, e isso é só o começo», disse o cabeça de lista da Reagrupamento Nacional. Seu partido é agora o maior da França, com um peso sem precedentes no cenário político. A lista encabeçada por Jordan Bardella venceu em 94% dos municípios franceses. Para encontrar um resultado melhor para qualquer partido na história das eleições europeias, é preciso voltar aos 43% alcançados pelo RPR-UDF em 1984, após a decepção de Mitterrand há quarenta anos!

O novo poder eleitoral dos Patriotas abre enormes perspectivas para a direita. E algumas batalhas internas. Éric Zemmour não aplaudiu quando Marion Maréchal disse a seus militantes pouco antes das onze da noite: «Constato esta noite que o bloco nacional está quase em 40%. A coalizão de direita à qual aspiro parece mais necessária do que nunca. Por isso, sempre distingui entre adversários e competidores». Imediatamente chamou Marine Le Pen, Jordan Bardella, Éric Ciotti e Nicolas Dupont-Aignan a unir suas forças, dando as costas a anos de disputas na direita do espectro político.

Haverá um antes e um depois de 2024. Após anos de propaganda europeísta às custas dos franceses, de inúmeras intoxicações antinacionais por parte dos grandes meios de comunicação, e especialmente dos meios de serviço público, os mesmos que deveriam ser absolutamente neutros, após décadas de mentiras, manipulação e enfraquecimento da França pela esquerda e pelos defensores do globalismo, o eleitorado francês deu a estocada final. «Não estou com humor para comemorações», declarou o europeísta, globalista e socialista Raphaël Glucksmann. De fato, o 9 de junho passará sem dúvida para a história nacional como o ponto de partida da grande mudança política do globalismo para o patriotismo, que desta vez retorna pela porta da frente. «Não posso agir como se nada tivesse acontecido», diz Macron. O presidente da República tomou nota, forçado e obrigado, e dissolveu uma Assembleia Nacional sem maioria que claramente já não representava o povo francês. A pedido do partido de Bardella, a organização de eleições legislativas nos dias 30 de junho e 7 de julho abre um novo e vasto desafio, arriscado ainda, para o primeiro partido da França.

A Europa também se move

A decisão de Emmanuel Macron também soou como um trovão em toda a Europa, atônita diante da magnitude de sua derrota. Em todos os lugares se destaca o risco assumido pelo presidente da República Francesa em um momento em que também a Europa dá em grande medida as costas ao trabalho de destruição das nações empreendido pelos europeístas e perseguido ativamente por Emmanuel Macron e seus aliados europeus. «Esses partidos [antieuropeus] estão se abrindo caminho em todo o continente», destacou Emmanuel Macron em seu discurso de 9 de junho.

De fato, a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, que liderava a lista de seu partido, não mostra sinais de desgaste: obteve 28,9% dos votos, superando seu resultado nas eleições legislativas de 2022. Na Áustria, o partido patriótico FPÖ venceu com quase 30% dos votos. Na Alemanha, a Alternativa para a Alemanha conseguiria 16 assentos no Parlamento Europeu, 7 a mais do que antes. Na Espanha, Vox conseguiria 7 assentos, três a mais do que no mandato europeu anterior. Na Holanda, o PVV, com 17,7% dos votos, conseguiria 7 assentos. O partido português Chega, aliado da Reagrupamento Nacional, obteria 2 assentos.

Transformada na «grande força da mudança na França», segundo Marine Le Pen, a Reagrupamento Nacional não pode mais decepcionar. «Estamos prontos para exercer o poder, para colocar o país de pé novamente, para acabar com a imigração em massa […], prontos para reativar a França», declarou Marine Le Pen. Le Pen pediu aos franceses «que venham se unir a nós», em uma linha que também foi ecoada por Bardella. O objetivo, disse, é «fechar o doloroso parêntese globalista que causou tanto sofrimento ao povo».

Já é a hora… Mas, a poucos quilômetros de Paris, os habitantes neerlandófonos de Bruxelas colocaram uma lista islamista em segundo lugar nas eleições federais.

Fonte: Boulevard Voltaire

Imagem padrão
Marc Baudriller

Jornalista.

Artigos: 54

Deixar uma resposta