A Guerra Entre Israel e Irã é Iminente: Eis o Porquê

O desenvolvimento militar do Irã e as geografias de influência conflitantes colocam o país persa e Israel em uma rota de colisão incontornável.

Observando as tensões aumentarem ano após ano no Oriente Médio, não é muito difícil adivinhar a razão por trás desse aquecimento. Na verdade, tudo se deve à presença de potências relativamente iguais e concorrentes na região, desde o Irã e a Turquia até Israel, Arábia Saudita e Egito. Essas potências têm diferentes agendas estratégicas e são apoiadas por diferentes potências globais que também têm interesses opostos no Oriente Médio.

No caso de Israel e Irã, há alguns fatores que diferenciam sua competição das outras regionais. Ambos os países têm uma ampla gama de recursos. Ambos os países têm ligações com conjuntos totalmente diferentes de alianças globais. Ambos os países compartilham geografias centrais de influência, como Síria, Iraque, Líbano e Iêmen. Além disso, ambos os países têm diferentes ideologias políticas, um fator que os ajuda a serem concorrentes regionais e inimigos ferrenhos.

Em números, o PIB de Israel é de 522 bilhões (USD), tornando-o a segunda maior economia do Oriente Médio, depois da Arábia Saudita. Enquanto isso, o PIB do Irã é de cerca de 388 bilhões (USD), um número que também é significativo em termos de poder econômico. A geografia de Israel permite que seja uma parte importante das rotas comerciais internacionais entre a Ásia, Europa e América do Norte, enquanto a localização do Irã lhe dá uma vantagem premium em ser uma rota de trânsito principal entre a Ásia e a Europa.

O Irã mantém fortes laços com duas grandes potências, Rússia e China, em todas as esferas, política, militar e economicamente. Enquanto isso, Israel é um dos principais aliados ocidentais no Oriente Médio; alguns analistas vão além e descrevem Israel como “uma extensão da terra americana fora de suas fronteiras”. Ter alianças globais de naturezas opostas provavelmente complicará ainda mais a relação entre as duas potências, porque tanto o Irã quanto Israel precisam considerar seriamente os interesses de seus apoiadores globais no caso de uma “aproximação” ou negociações indiretas.

Israel tem o segundo maior orçamento militar do Oriente Médio — depois da Arábia Saudita — e o 16º no ranking global. O orçamento de defesa de Tel Aviv é estimado em 27,5 bilhões (USD) em 2023. Por outro lado, o orçamento militar do Irã é estimado em 10,3 bilhões (USD) no ano passado. Ambos os orçamentos são considerados grandes e ambos são usados para financiar pesquisas de desenvolvimento de armas avançadas. Portanto, ambos os exércitos são considerados bem equipados e altamente treinados.

Israel é uma potência nuclear e tem uma das maiores forças aéreas do Oriente Médio, sem mencionar seu arsenal avançado de mísseis de cruzeiro e mísseis de longo alcance. Tel Aviv também conta com um amplo suporte militar dos EUA, Reino Unido, Alemanha e outros exércitos tecnologicamente avançados. No entanto, o exército do Irã é maior em número de militares e também em número de máquinas mecanizadas e forças de artilharia. Teerã desenvolveu constantemente mísseis de longo alcance — nos últimos anos — que podem atingir qualquer ponto em Israel, além de ser conhecida por adquirir uma grande frota de drones de ataque avançados.

Ambos os países têm programas nucleares bem avançados; no entanto, o de Israel é muito mais avançado que o do Irã. Sabe-se que Israel possui bombas nucleares em seu arsenal de armas não tradicionais, enquanto o Irã está trabalhando no desenvolvimento de seu programa nuclear dia após dia, sem sinais de parar. Aparentemente, o Irã sabe com certeza que uma bomba nuclear caseira é a única garantia para deter qualquer possível uso de armas nucleares por Israel contra suas forças ou territórios. Assim, cancelar ou desmantelar o programa nuclear iraniano é uma opção “não realista” na atmosfera regional atual.

Em relação ao avanço contínuo do programa nuclear do Irã, acredita-se fortemente que Israel eventualmente atacará o Irã e “destruirá seu programa nuclear” se Teerã se aproximar demais de desenvolver uma bomba nuclear. Além disso, muitos oficiais israelenses anunciaram sua preferência por lidar com um Irã não nuclear em vez de um Irã armado nuclearmente. Em outras palavras, o Irã já é poderoso, extenso e muito influente no Oriente Médio, e o desenvolvimento de sua primeira bomba nuclear complicará ainda mais a atmosfera para Tel Aviv e conterá ainda mais sua influência.

Além do dilema nuclear entre os dois estados, ambos compartilham massivas “geografias de influência” — como Síria e Líbano — que encurtaram a distância entre os dois exércitos e aumentaram as tensões mais do que nunca. O último bombardeio da embaixada iraniana em Damasco pode ser um bom exemplo disso. Hoje, Tel Aviv e Teerã não são mais potências regionais separadas por países intermediários, mas sim potências lutando guerras em “fronteiras diretas”, seja na Síria, Iêmen ou Líbano. Em outras palavras, quanto mais próximos os exércitos, maior o risco de conflito direto.

Se o Irã continuar desenvolvendo suas capacidades nucleares e Israel vendo essas capacidades como uma “ameaça nacional” para seu futuro, a guerra entre os dois países eventualmente acontecerá. Todos os desenvolvimentos recentes estão levando logicamente a essa conclusão alarmante e a mais nenhuma outra.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Koutaiba Daboul
Artigos: 53

Deixar uma resposta