A Lei sobre “Influência Estrangeira” da Geórgia é Razoável

Manifestantes nas ruas da capital georgiana de Tblisi acusam a “lei das ONGs” aprovada pelo país de ser uma “lei russa”. Mas será que isso procede?

O Departamento de Estado dos EUA recentemente condenou um projeto de lei que o parlamento da Geórgia está se preparando para aprovar como lei, o qual exigiria que organizações não governamentais que recebam mais de 20 por cento de seus fundos de fontes estrangeiras divulguem esse fato. O porta-voz Matthew Miller disse, em uma ameaça não tão velada, que a lei “afetaria as aspirações da Geórgia na UE e na OTAN”.

Qualquer coisa que retire a adesão da Geórgia à OTAN da mesa é uma boa ideia, mas por que os Estados Unidos são tão contrários a um requisito de transparência que estão dispostos a usar de toda sua diplomacia para fazer a Geórgia desistir dele?

Os opositores do projeto de lei o chamam de “lei russa” e insinuam que o partido governante Georgian Dream está se aliando a Vladimir Putin ao reprimir a interferência estrangeira na política doméstica. Essa acusação preguiçosa dá muito pouco respeito ao Georgian Dream e também ignora o histórico do partido de buscar a adesão à União Europeia e rejeitar a adesão à União Econômica Euroasiática liderada pela Rússia.

O partido governante georgiano não é pró-russo. Eles são pragmáticos, genuinamente preocupados em preservar a soberania de sua pequena nação. E suas preocupações com as ONGs operando como instrumentos de influência estrangeira não são exageradas.

De acordo com Almut Rochowanski e Sopiko Japaridze, há 25.000 ONGs registradas na Geórgia hoje e “a grande maioria das ONGs georgianas não tem financiamento local algum.” Em vez disso, seus fundos vêm do Banco Mundial, da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional ou das Fundações da Open Society de George Soros.

Essas ONGs não se limitam ao trabalho humanitário. Muitas delas se envolvem livremente em atividades partidárias e se opõem veementemente ao partido governante.

O projeto de lei não impediria as ONGs financiadas por estrangeiros de tratarem de crianças doentes ou operarem abrigos para mulheres espancadas. Ele simplesmente exigiria que os grupos divulgassem o financiamento estrangeiro para que suas incursões na política doméstica pudessem ser vistas sob a luz adequada. A interferência estrangeira em eleições tem sido um ponto doloroso em nossa própria política recentemente. Mal podemos criticar os georgianos por suas preocupações similares.

Fonte: The American Conservative

Imagem padrão
Helen Andrews
Artigos: 49

Deixar uma resposta