A Grande Vitória do Irã

A retaliação iraniana contra Israel, que Israel não conseguiu revidar, sinaliza uma drástica mudança nas relações de poder no Oriente Médio.

13 de abril de 2024 é uma data a ser escrita nos livros de história, tanto no capítulo que trata do Oriente Médio/Ásia Ocidental quanto no capítulo que resume o sistema internacional em geral.

Na noite de 12 para 13 de abril, a República Islâmica do Irã atacou o Estado de Israel. Aqui estão alguns resultados preliminares.

Desde 1973, o primeiro ataque direto de um Estado contra Israel

Em outubro de 1973, as repúblicas árabes do Egito e da Síria realizaram um ataque contra Israel, dando início à chamada Guerra do Yom-Kippur.

Desde então, o conflito sobre o Estado de Israel e a Palestina continuou, incluindo várias guerras, ocupações e retiradas. Mas até hoje, a contraparte direta de Israel nesses conflitos tem sido as organizações locais não estatais, como a OLP, o Hezbollah ou, mais recentemente, o Hamas.

Com exceção dos mísseis que Saddam Hussein disparou contra Israel durante a Guerra do Golfo, os dias 12 e 13 de abril marcam a primeira vez que um Estado-nação atacou direta e abertamente a soberania de Israel.

Com repercussões que serão discutidas abaixo, o Irã não reconhece a existência de Israel, chamando-o de “entidade sionista”, e colocou essa posição em prática.

Apesar das condições muito favoráveis, Israel não conseguiu se defender

Em retaliação ao ataque à embaixada iraniana em Damasco, em 1º de abril, Teerã lançou 170 drones, 30 mísseis de cruzeiro e 120 mísseis balísticos contra o território israelense.

Militarmente, Israel tinha condições favoráveis de defesa: o ataque havia sido anunciado há dias. O Irã “limitou” o ataque como “punição pelos crimes israelenses”. A mobilização dos aliados do Irã, como o Hezbollah, também foi limitada. A representação iraniana na ONU declarou que o assunto estava “resolvido” via X, mesmo antes de os mísseis atingirem o território israelense.

Apesar disso, Israel não conseguiu defender seu território com sucesso.

Prova disso é que os EUA, o Reino Unido, a França e a Jordânia tiveram que ajudar Israel a se defender. O exército dos EUA deslocou aeronaves e defesa contra mísseis balísticos para a região “ao longo da semana passada”, disse o presidente Biden.

Os caças da RAF abateram drones iranianos, disse o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak. A marinha francesa foi enviada para defender Israel, enquanto a força aérea jordaniana também prestou assistência.

Apesar da natureza limitada do ataque, de seu anúncio claro e da reunião de pelo menos quatro países para defender Israel militarmente, o Irã conseguiu danificar uma base militar israelense e causar pânico entre a população de Israel.

O restabelecimento do relacionamento EUA-Israel

Muito tem sido escrito sobre o objetivo do primeiro-ministro israelense Netanyahu de “arrastar os EUA para uma guerra regional” contra o Irã.

Considerando os fatos simples acima, a declaração do presidente dos EUA, Biden, após o ataque parece irônica:

“Eu disse a ele (o primeiro-ministro Netanyahu) que Israel demonstrou uma capacidade notável de se defender e derrotar até mesmo ataques sem precedentes – enviando uma mensagem clara a seus inimigos de que eles não podem ameaçar efetivamente a segurança de Israel.”

Eles, de forma bastante “eficaz”, o fizeram.

O secretário de Defesa dos EUA, Austin, aumentou a “ironia”:

“Sob a direção do presidente Biden, as forças dos EUA no Oriente Médio interceptaram dezenas de mísseis e veículos aéreos não tripulados a caminho de Israel em 13 de abril”.

Em vez de ironia nas avaliações militares, esses foram lembretes de que a segurança de Israel depende da vontade dos Estados Unidos.

Em sua declaração, o presidente dos EUA, Biden, condenou os “ataques”, mas não comentou sobre o “agressor”, muito menos usou o ataque como mais uma prova de participação em um eixo do mal.

Além disso, o presidente Biden disse a Netanyahu que os EUA não apoiariam um contra-ataque israelense contra o Irã – disse um funcionário da Casa Branca à Axios, para que a Axios dissesse ao gabinete israelense.

O posicionamento é realmente sem precedentes e merece destaque: o Irã atacou Israel com mais de 300 mísseis e o presidente dos EUA “reunirá meus colegas líderes do G7 para coordenar uma resposta diplomática unida (!!!)” (declaração da Casa Branca). (declaração da Casa Branca).

Dessa forma, o governo israelense está sendo inundado por apelos dos governos ocidentais para “pedir moderação”, como os mísseis iranianos fizeram há um dia.

Em vez de punir um Estado desonesto, o Alto Representante da UE, Borell, declara que o objetivo de sua organização é “contribuir para a redução da escalada e a segurança na região”.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel completou a “ironia” exigindo “novas sanções ao Irã”.

As relações entre os EUA e o Irã continuam apesar do ataque iraniano a Israel

O outro lado da moeda são as relações entre os EUA e o Irã.

“O presidente tem sido muito claro, publicamente: não estamos buscando uma guerra com o Irã”, disse o porta-voz da Casa Branca, John Kirby, ao programa “This Week”.

Outra “autoridade sênior da Casa Branca” disse à CNN que Biden havia dito a Netanyahu: “Os EUA não se envolverão em nenhuma operação ofensiva contra o Irã”.

O presidente do Comitê de Inteligência da Câmara dos EUA, Mike Turner, declarou que não acredita que os EUA devam tomar medidas militares diretas contra o Irã.

Por outro lado, o ministro das Relações Exteriores do Irã afirma ter informado os EUA com antecedência sobre os ataques.

Além disso, apesar dos protestos de grupos de lobby israelenses, os EUA emitiram um visto para o ministro das relações exteriores iraniano participar de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Palestina em 18 de abril.

Se Amir-Abdollahian, sem um cancelamento de última hora, comparecesse à reunião de Nova York apesar do bombardeio, isso seria um duro tapa na cara de Netanyahu e um reconhecimento do seguinte fato:

O Irã está de volta ao centro da diplomacia da Ásia Ocidental

O chamado Quarteto do Oriente Médio consistia então na ONU, nos EUA, na UE e na Rússia. Mais tarde, veio Trump, que, com seus Acordos de Abraão, tentou uma normalização entre os estados árabes e Israel às custas do Irã.

No conflito de Gaza, várias iniciativas diplomáticas foram desenvolvidas, todas buscando excluir o Irã.

Isso foi um reflexo de outra divisão fundamental na abordagem em relação a Israel: como mencionado acima, o Irã não reconhece a condição de Estado de Israel. Ele exige um referendo em todo o território palestino, incluindo a área de Israel, sobre a futura condição de Estado. Portanto, ele rejeita a chamada solução de dois Estados.

Enquanto isso, a maioria dos estados árabes, bem como a Turquia, seguem a solução de dois estados, e a Turquia, por exemplo, busca o projeto de uma garantia para a Palestina e, portanto, a mediação entre as partes.

Com o recente ataque, não é difícil adivinhar que o Irã ganhou apoio entre as massas árabes que exigem uma posição firme contra Israel. O Hamas também aplaudiu imediatamente o ataque.

No momento em que este artigo foi escrito, a reunião especial do Conselho de Segurança da ONU sobre o ataque ainda não havia sido concluída.

Apesar disso, são evidentes os pedidos de contenção até mesmo de países e organizações ocidentais, como a OTAN: Uma vez fora da lei, o Irã está novamente no centro da diplomacia da Ásia Ocidental.

Outra rachadura na ordem baseada em regras

Após a guerra na Ucrânia, o ataque do Irã a Israel mostra outra rachadura profunda na chamada ordem baseada em regras.

O conteúdo dessa ordem é que os EUA determinam as regras, sendo as regras de paz e guerra, e quando um ataque é considerado “autodefesa” e quando é considerado agressão, as mais fundamentais.

Antes do ataque, perguntaram ao presidente dos EUA, Biden, o que ele diria ao Irã sobre um ataque a Israel. Ele respondeu: “Não faça isso”.

Mas o Irã “o fez”.

Que o G-7 discuta a “resposta diplomática” e o Conselho de Segurança da ONU convoque reuniões extraordinárias: com sua participação no BRICS, suas alianças com a China e a Rússia e seus aliados regionais e locais, o Irã já passou dos limites há muito tempo.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Yunus Soner
Artigos: 49

Deixar uma resposta