Eleições Turcas: Uma Lição para Erdogan

Enorme derrota para Erdogan nas eleições locais da Turquia, sinalizando mudanças políticas importantes no país asiático ocidental.

As eleições locais na Turquia ocorreram cinco anos após as anteriores: os comentários ocidentais sobre elas enfatizam impiedosamente a “derrota”, às vezes a “goleada” de Erdoğan e seu partido AKP e a vitória das “oposições”.

Os dados atestam que há alguma verdade em tais comentários, mas um olhar mais atento revela o significado dos resultados e talvez a perspectiva deles.

Os dados, então: o maior partido de oposição, o progressista e secularista CHP, afirma-se como o principal partido – em nível administrativo, repetimos – com 37,8% dos votos (30,1% em 2019) em comparação com os 35,5% do AKP (44,3% em 2019). Trata-se de um sucesso eleitoral notável, além de ter prevalecido amplamente nas grandes cidades, especialmente em Istambul (51,1% contra 39,6%, com a confirmação do prefeito cessante Imamoğlu) e principalmente em Ancara, onde o candidato do CHP, Yavaş (que paradoxalmente significa “lento” em turco…), desbancou o candidato do AKP com quase 30 pontos percentuais.

No total, o CHP ganhou 35 províncias, o AKP 24, o pró-curdo Hakların Eşitlik ve Demokrasi Partisi (DEM) 10, o nacionalista MHP 8, o tradicionalista e antiocidental Yeniden Refah Partisi (YRP) 2, enquanto o centrista e ocidentalista İyi Partisi e o soberanista Büyük Birlik Partisi (BBP) ganharam uma província cada.

Sem dúvida, o peso dos argumentos administrativos e locais – como geralmente acontece nesse tipo de eleição – é substancial; no entanto, considerações mais gerais também devem ser levadas em conta, começando – na frente doméstica – com a forte preocupação com a inflação, que não é suficientemente equilibrada pelo aumento dos salários e das pensões (e os aposentados representam quase um quarto dos eleitores na Turquia). O presidente do CHP, Özgür Özel, disse que a mensagem do eleitorado puniu “o mau serviço e a má fé”, “aqueles que esmagam a democracia e minam o estado de direito”. O resultado retumbante em Ancara mostra que o AKP não foi capaz de combater com eficácia a propaganda secularista-kemalista, apesar dos esforços especiais de Erdoğan durante a campanha eleitoral, enquanto o CHP conseguiu vincular suas palavras de ordem à denúncia de políticas governamentais insuficientes.

No entanto, a notável afirmação do YRP de Fatih Erbakan – filho do lendário Necmettin Erbakan, o ex-primeiro-ministro deposto pelos militares pró-OTAN por suas posições corajosas na política interna e externa – fornece outra chave para interpretar as eleições. O secretário do YRP – que conquistou Şanlıurfa e (no coração da Anatólia) Yozgat, tornando-se, com 6,2%, o terceiro maior partido nacional – apontou as razões desse sucesso, obtido às custas do AKP de Erdoğan, responsável por uma política comprometedora em relação à Palestina e ao sionismo. “Uma denúncia vigorosa dos crimes cometidos pelos assassinos sionistas”, aponta Erbakan, “foi acompanhada pela complacência do governo em relação às muitas empresas turcas que continuam a fazer negócios no Estado judeu. Nem mesmo a devida expulsão do embaixador israelense ocorreu, enquanto o radar instalado pela OTAN em Kürecik (Malatya) continua suas atividades de espionagem em favor de Israel. Por fim, o YRP lamentou, com razão, a continuação da “economia de dívidas e juros” e a resposta incerta à crise econômica. A afirmação do YRP também pode ser justaposta com a vitória do BBP em Sivas: em ambos os casos, essas são duas formações aliadas ao AKP nas eleições presidenciais e legislativas do ano passado, que agora estão expressando críticas “corretivas”, por assim dizer, e pedindo que o partido do presidente Erdoğan seja consistente.

O Ministro das Relações Exteriores de Israel, por sua vez, enviou os parabéns de Tel Aviv a “Ekrem Imamoğlu em Istambul e Mandur Yavaş em Ancara; uma mensagem clara chegou a Erdoğan: o incitamento contra Israel não funciona mais”. Em resumo, as preferências sionistas com relação às escolhas eleitorais turcas estão claramente expressas. O AKP de Erdoğan pode refletir sobre esse e seu revés eleitoral e considerar cuidadosamente as razões para isso. Os casos de Ancara e Şanlıurfa, embora tão diferentes, oferecem amplo material para discussão.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Aldo Braccio

Escritor e analista político italiano especializado na Turquia.

Artigos: 49

Deixar uma resposta