Multipolaridade: Era de Transição

Estamos em uma era de transição da unipolaridade para a multipolaridade, e isso possui implicações em vários campos da existência humana, especialmente no dos valores.

Nossa era está passando por uma grande transição: a unipolaridade está chegando ao fim e a multipolaridade está nascendo. Nesse sentido, as mudanças pelas quais a arquitetura mundial está passando são fundamentais e, às vezes, esses processos estão se desenvolvendo tão rapidamente que a opinião pública mal consegue acompanhá-los. É por isso que é tão importante compreender os eventos grandiosos que estão abalando a humanidade.

Ninguém no mundo – exceto os mais fanáticos – nega o fato de que, após o colapso do sistema socialista e da URSS, o Ocidente teve a oportunidade de se tornar o único líder do planeta, Em vez de buscar uma política mundial razoável, justa e equilibrada, ele se tornou um hegemon, propagando o neocolonialismo, satisfazendo seus próprios interesses egoístas e predatórios, buscando uma política de dois pesos e duas medidas, provocando guerras e conflitos sangrentos e colocando povos e religiões uns contra os outros. Nada disso tem a ver com liderança real, mas com imperialismo agressivo e a continuação das piores tradições do Ocidente, como dividir para reinar, colonização e escravidão.

Esse colapso da liderança do Ocidente coletivo foi acompanhado e intensificado pelo rápido declínio moral de sua cultura, devido à promoção obstinada de valores como LGBT, migração descontrolada, legalização de todos os tipos de perversões, cancelamento cultural, expurgos brutais, repressão de dissidentes, destruição do humanismo e o desejo de que a Inteligência Artificial e o transumanismo dominem tudo. Isso contribuiu para que o Ocidente perdesse prestígio aos olhos do resto do mundo e não fosse mais visto como um modelo universal, uma autoridade suprema ou um exemplo a ser seguido.

Em oposição à hegemonia da unipolaridade, está surgindo um novo mundo multipolar, no qual as grandes civilizações, antigas e novas, buscam recuperar a soberania de seus Estados e povos em face do globalismo.

Hoje, o restante da humanidade não ocidental começou a construir seus próprios polos independentes de civilização. Primeiro, há a Rússia, que finalmente despertou de seu longo sono; depois, há a China, que está avançando muito rapidamente, bem como a mobilização espiritual do mundo islâmico e o incrível potencial demográfico e econômico da Índia. Por fim, a África e a América Latina estão avançando em um longo e tortuoso processo de integração rumo à criação de seus próprios Grandes Espaços.

Os representantes de todas essas civilizações fazem parte do BRICS, e é essa instituição que está formando os parâmetros do novo mundo multipolar, onde cada um poderá desenvolver seus próprios princípios, valores, tradições, regras e normas com base na verdadeira justiça, no respeito às ideias dos outros e na promoção da verdadeira democracia, sem a pretensão de impor sua hegemonia aos outros polos. O BRICS é uma aliança contra-hegemônica onde hoje se concentram os principais recursos humanos, econômicos, naturais, intelectuais, científicos e tecnológicos do planeta. A unipolaridade é coisa do passado e a multipolaridade será o futuro.

Se o Ocidente renunciar à sua hegemonia violenta e ao neocolonialismo, reconhecendo finalmente a soberania e a subjetividade de cada civilização, recusando-se a impor pela força suas regras, normas e valores, obviamente rejeitados pela maioria da humanidade, então ele poderá se tornar um polo respeitado e soberano, reconhecido por todos os outros dentro de um diálogo amigável e igualitário com o restante das civilizações. Esse é precisamente o objetivo da construção de um mundo multipolar: estabelecer um modelo harmonioso de existência amigável e equilibrada entre todas as civilizações da Terra, sem a necessidade de estabelecer uma hierarquia entre elas para reconhecer a hegemonia de uma sobre as outras. A maioria das civilizações atuais – Rússia, China, Índia, mundo islâmico, África e América Latina – baseia-se unanimemente nos valores tradicionais, na sacralidade e no conteúdo espiritual de suas culturas e sociedades. Qualquer tipo de progresso que não se baseie na identidade profunda de um povo é insustentável e só levará à degeneração e à degradação do próprio homem. Embora os valores tradicionais possam diferir de uma nação para outra, é possível encontrar algo em comum entre eles: a defesa do sagrado, a religião, a família, os sistemas de governo, o patriotismo, a defesa do bem e da verdade, bem como o respeito à liberdade e à dignidade humana. O mundo multipolar baseia-se precisamente no reconhecimento e na proteção dos valores tradicionais de cada civilização. Acima de tudo, a multipolaridade representa a paz e a harmonia entre todos. No entanto, é óbvio que qualquer mudança na ordem mundial, especialmente uma mudança tão significativa, é ferozmente resistida pelas estruturas existentes: o recuo da unipolaridade invariavelmente entra em conflito com a multipolaridade crescente. A maioria dos conflitos atuais, como a guerra na Ucrânia, na Palestina e na maior parte do Oriente Médio, as crescentes tensões no Pacífico em relação à China, as guerras comerciais, as sanções políticas devido ao rancor e ao ódio da atual hegemonia em declínio… fazem parte dessa luta.

O globalismo unipolar é incapaz de sair vitorioso e de manter sua “liderança”, completamente desacreditada, caso os defensores da multipolaridade e o restante da humanidade global – que inclui grandes porcentagens da população ocidental que ainda têm a mente sóbria e independente diante da propaganda constante que os bombardeia – se unam e entendam claramente que os contornos do novo mundo devem ser construídos em torno do apoio mútuo a um sistema justo e verdadeiramente democrático. O principal é entender os contornos da nova ordem mundial policêntrica e multipolar que permitirá o estabelecimento de relações amistosas, o respeito e a confiança entre as civilizações, a luta conjunta para estabelecer a paz e a harmonia, bem como o fortalecimento de nossos valores tradicionais e o respeito aos valores dos outros. Se todos nós, juntos, opusermos nossa vontade de estabelecer a paz universal, deixando de lado os globalistas que instigam guerras e conflitos sangrentos, financiam revoluções coloridas e a decadência da moral pública, então venceremos sem sequer disparar um tiro. O Ocidente coletivo, apesar de seu poder e grandeza, não conseguirá derrotar o resto da humanidade sozinho.

Em 2024, a Rússia se tornará presidente do BRICS, uma nomeação profundamente simbólica. Temos muito a fazer: admitir novos membros, desenvolver e implementar novos mecanismos econômicos, o funcionamento de instituições financeiras, como o Banco do BRICS, a promoção da segurança e a resolução de conflitos, juntamente com o intercâmbio cultural entre as várias civilizações.

No entanto, o mais importante é que devemos não apenas entender, mas também desenvolver a filosofia da multipolaridade a fim de promover a descolonização de nossa própria consciência, cultura, ciência e educação. O Ocidente, durante sua expansão colonial, conseguiu impor às sociedades não ocidentais a falsa ideia de que somente o pensamento, a ciência, a tecnologia e os sistemas políticos e econômicos criados por ele são os únicos verdadeiros, tornando o “desenvolvimento” dependente disso. É hora de acabar com essa consciência escravagista, pois somos os representantes das culturas e tradições ancestrais de todos os povos do planeta. Nenhum de nós é inferior ao Ocidente e, em alguns aspectos, somos até superiores a ele.

Essas são as conclusões do nosso Fórum de Multipolaridade que, apesar das diferenças entre nós, certamente concordamos que estamos entrando em uma nova época em que tudo dependerá de nós e de mais ninguém.

Juntos, criaremos o futuro!

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 48

Deixar uma resposta