Inteligência Artificial: Garantia do Fim do Mundo

O filósofo russo critica a inteligência artificial como um processo de absoluta objetificação virtual do homem e, portanto, como a sua negação. Ele situa a guerra travada pela Rússia, portanto, em um contexto filosófico de negação dessas tendências transumanistas.

Para avançar em direção à onipotência da inteligência artificial (IA), é necessário conceituar a própria humanidade como um grande computador, cujos componentes, no entanto, não funcionam de forma muito perfeita.

O materialismo, o nominalismo, o evolucionismo, a filosofia analítica (baseada no positivismo lógico) e a tecnocracia preparam uma base teórica para isso (disseminada e implementada pela ciência, educação e cultura).

Em certo sentido, a humanidade, conforme representada pela ciência e pela filosofia modernas, já é uma IA, uma rede neural. A IA é humana na medida em que o pensamento da humanidade é artificial, emulado pelas epistemologias do moderno e do pós-moderno.

  • O Estado burguês é um computador de primeira geração.
  • A sociedade civil é de segunda geração.
  • O domínio completo do governo mundial é a terceira geração.
  • A transição para a IA é a quarta, a finalização do processo de alienação.

A história do capitalismo é o processo de criação do supercomputador. É impossível parar no meio do caminho. A nova era culminará necessariamente na IA.

A única maneira de mudar isso é rejeitar a modernidade como um todo, com toda a sua representação científica do mundo, que abomina Deus e o homem.

E a filosofia de gênero é o penúltimo estágio dessa jornada: os transgêneros são um ato de aquecimento antes da transição para indivíduos transumanos (o humano é opcional). Depois de rejeitar o cristianismo e a Idade Média, o Ocidente, como lemingues, correu para o abismo. Por que deveríamos nos surpreender com o fato de estarmos caindo?

A IA é a parada final. Mas entramos nesse trem há 500 anos. A única maneira de mudar as coisas é fazer o capitalismo descarrilar. E agora.

Caso contrário, olá dragão.

E a ontologia orientada ao objeto é geralmente a ontologia perfeita e desenvolvida das paisagens pós-humanas – o genocídio do sujeito em favor dos Grandes Externos (leia-se deuses idiotas – metáfora deles, não nossa!).

Os Grandes Externos governam o mundo moderno. A Novorrússia está em seu caminho. A Operação Militar Especial é uma guerra filosófica.

A tarefa dos russos é superar a realidade cibernética. Não há muito que possamos fazer para evitá-la. Teremos que montar o tigre e transformar veneno em remédio. A ideia russa deve superar e subjugar não apenas a Ucrânia, mas também a inteligência artificial. É isso que está em jogo.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 48

Deixar uma resposta