Anthony Burgess e a Denúncia da Distopia Neomalthusiana

Anthony Burgess é mais conhecido por ter escrito Laranja Mecânica, mas uma obra bastante interessante e pouquíssimo conhecida é a sua narrativa de uma distopia neomalthusiana em que o sexo é regulado, a maior parte da população foi castrada e todas as sociedades foram desintegradas pela ferramenta da diversidade.

Anthony Burgess (1917-1993) é mais conhecido atualmente como o autor de A Laranja Mecânica. É menos conhecido o fato de que, politicamente, ele era próximo da mesma escola de pensamento “anarco-monarquista” de Tolkien e que colaborou com o GRECE (Groupement de Recherche et d’Études pour la Civilisation Européenne) da Nova Direita. Burgess também estava interessado em história, passado e futuro, e escreveu distopias. A Laranja Mecânica é um exemplo; outro, menos conhecido, mas não menos atual, é Sementes Malditas.

Sementes Malditas se passa em um futuro malthusiano, no qual a luta contra a superpopulação domina tanto a teoria quanto a prática. O casamento e a gravidez são desencorajados; há um Ministério da Infertilidade e uma Polícia Populacional. As leis formais são tão importantes quanto as informais, que assumem a forma de cultura e ideologia. Dizem-nos que “você tem o direito de se casar se quiser, você tem o direito de ter um filho na família, mesmo que, é claro, os melhores não tenham”.

As classes respeitáveis não têm filhos; em termos profissionais, são favorecidos os sem filhos, os homossexuais e os castrados. Os policiais, os greyboys, parecem ser recrutados entre esses últimos, incluindo os “brutais greyboys com lábios depilados”. Deve-se observar que Burgess não parece ser homofóbico no verdadeiro sentido da palavra; ele está descrevendo uma lógica política e ideológica. Entre outras coisas, essa lógica está parcialmente alinhada com o que o polêmico conservador americano Steve Sailer chama de “fuga branca”, que explica em parte o rápido aumento do número de pessoas LGBT entre os jovens americanos brancos: “ser gay, você vê, apaga todos os outros pecados, os pecados dos pais, por exemplo”.

A história se passa em uma futura União de língua inglesa, Enspun, que inclui um império de língua russa chamado Ruspun. Ao contrário de Orwell, não há guerra entre eles; a luta é real e simbólica, mas concentrada apenas na superpopulação. Enspun é multiétnico; a futura Inglaterra é povoada por pessoas de diferentes partes do mundo (“eurasiáticos, eurafricanos, europolinésios”). Também não há conflito entre eles. No entanto, Burgess introduz discretamente na trama memórias de sangue racial, tanto gastronômicas quanto mais concretas. Os protagonistas são de ascendência anglo-saxônica, o professor de história Tristram Foxe e sua esposa Beatrice-Joanna. À medida que o relacionamento deles se deteriora após a infidelidade de Beatrice com o irmão de Tristram, ocorrem profundas mudanças sociais. Essas mudanças são consistentes com a teoria cíclica da história de Tristram.

Tristram usa os conceitos de pelfase, interfase e gusfase, o primeiro e o último nomeados em homenagem aos teólogos Pelágio e Agostinho. Durante a fase pelfase, os governantes presumem que as pessoas são relativamente boas por natureza. As punições são leves e a sociedade é socialista. Mas, com o tempo, a elite perde a confiança na bondade da população, o que leva ao aumento da repressão. “Os governantes ficam desapontados quando descobrem que as pessoas não são tão boas quanto eles pensavam. Envolvidos em seu sonho de perfeição, eles ficam horrorizados quando o selo é rompido e eles veem as pessoas como elas realmente são”. Em seguida, passamos para a interfase, que lembra mais o 1984 de Orwell. Isso também não dura para sempre, pois os governantes se afastam da repressão (“os governantes ficam chocados com seus próprios excessos”). Eles relaxam as regras e o caos se instala. Mas agora eles têm uma visão pessimista da natureza humana e não respondem com repressão. Gradualmente, eles percebem que os seres humanos ainda são muito bons, e a fase pelagiana começa novamente, e assim por diante.

O modelo cíclico da história de Tristram não é totalmente desinteressante, embora possa ser difícil identificar a fase de nosso próprio tempo. Por exemplo, temos a punição suave da pelfase combinada com o caos da gusfase. Uma sociedade verdadeiramente multiétnica obviamente permite uma visão pelagiana de certos grupos com repressão interfásica de outros, em suma, a famosa anarcotirania. Entretanto, o modelo histórico de Burgess é uma pequena teoria original da elite, na qual as reações emocionais da elite aos resultados de suas próprias políticas conduzem a história. Ele contém muitas passagens impressionantes, como a observação de que “os pequenos capitalistas saíram de suas tocas, como ratos durante a pelfase, mas como leões de Agostinho (na gusfase)”.

Um tema interessante de Sementes Malditas é o despovoamento como ideologia excessiva; há algumas semelhanças com nossa época. Igualmente interessante é a ênfase de Burgess nos mecanismos informais da política. Esses incluem a criação de pressão social e a influência da indústria cultural. Ele escreve que “por gerações, as pessoas têm se deitado de costas na escuridão de seus quartos, com os olhos grudados no quadrado azul-marinho no teto: histórias mecânicas sobre pessoas boas que não têm filhos e pessoas más que os têm, homossexuais que se amam, heróis das origens que se castram em nome da estabilidade global”. Ao mesmo tempo, essa influência parece menos eficaz quando entra em conflito com os instintos humanos. Assim que a superideologia sexo-negativa é abalada em suas bases, as pessoas voltam a fazer sexo e a comer carne no romance.

No geral, trata-se de uma distopia original, com vários temas interessantes. Algumas partes são empolgantes e emocionantes, como a introdução, em que somos apresentados aos personagens principais e à jornada de Tristram para uma Inglaterra em que a sociedade está em crise e o canibalismo é uma ameaça real. Mas o ponto fraco é a duração, a história é muito longa e poderia ter sido encurtada. Em muitos aspectos, é mais atual do que Laranja Mecânica, mas é como distopia, e não como pura ficção, que ele é uma joia.

Fonte: Adáraga

Imagem padrão
Joakim Andersen
Artigos: 53

Deixar uma resposta