Dragana Trifkovic: Os EUA estão coordenando as ações tanto do governo sérvio, quanto da oposição sérvia

Protestos em massa começaram em Belgrado. Representantes da oposição e os seus apoiadores, que discordaram dos resultados das últimas eleições parlamentares, saíram às ruas, bloquearam estradas e começaram a atacar instituições governamentais. As agências responsáveis pela aplicação da lei estão a responder tentando pacificar a agitação. A situação está esquentando.

Segundo especialistas, prevê-se a tentativa de realização de um golpe de Estado na Sérvia nos moldes do Maidan ucraniano de 2014. A maioria dos especialistas acredita que as ações da oposição sérvia são coordenadas por Bruxelas e Washington.

É possível uma revolução política na Sérvia?

A Diretora do Centro de Pesquisa Geoestratégica, Dragana Trifkovic, apresentou ao Serviço Público de Notícias o seu próprio ponto de vista sobre esta questão:

★★★

Em 17 de dezembro deste ano, foram realizadas eleições parlamentares – locais e de Belgrado – na Sérvia. Na minha opinião, o objetivo da organização de eleições antecipadas era legitimar as políticas do regime no poder, especialmente em relação ao Kosovo e Metohija.

Permitam-me lembrar que o regime governante assinou o Acordo de Bruxelas em 2013 e o Acordo de Washington em 2020, segundo os quais a Sérvia praticamente renuncia à sua soberania e concorda com as decisões dos separatistas albaneses apoiados por Washington.

Também em Fevereiro deste ano, o plano franco-alemão que reconhece a soberania, a integridade territorial e os símbolos nacionais de um Kosovo independente foi adotado verbalmente na cidade de Ohrid. Os Estados Unidos acreditam que o consentimento verbal do Presidente sérvio Aleksandar Vucic é suficiente para legitimar um Kosovo independente. Ao mesmo tempo, o Presidente sérvio repete que nunca reconhecerá a independência do Kosovo, mas não cancela acordos já assinados e consentimento verbal.

É importante para os Estados Unidos concluir o projeto de independência do Kosovo após as eleições e, para tal, estão a coordenar as ações tanto do governo quanto da oposição. Deve-se ter isso em mente ao avaliar a situação atual na Sérvia, onde os protestos e a instabilidade política são apenas parte de um plano mais amplo.

Há sinais de que Vucic concordou com o pedido do Embaixador dos EUA na Sérvia, Christopher Hill, para entregar o poder em Belgrado à oposição pró-Ocidente, mas é claro que ele quer manter o poder em Belgrado. Não apoio de forma alguma a intervenção de um fator estrangeiro na Sérvia, bem como protestos violentos. Contudo, o fato é que tanto o governo como a oposição têm o mesmo programa político – a integração incontestada da Sérvia na UE. A UE incluiu recentemente no processo de integração europeia o compromisso da Sérvia de reconhecer a independência do Kosovo.

Em conclusão, notamos que os protestos na Sérvia são organizados pela oposição devido a irregularidades eleitorais, mas não representam uma ameaça para o regime, a menos que recebam total apoio do Ocidente, algo que eles ainda não têm atualmente. Portanto, a oposição pró-Ocidente é utilizada pelos EUA como fator de controle em relação ao governo, sendo uma chantagem para que o governo cumpra todos os contratos assinados com relação ao Kosovo.

Depois das eleições antecipadas, o regime de Aleksander Vucic obteve maioria no parlamento e reforçou efetivamente o seu poder. Isto mostra que ele ainda goza de grande apoio do Ocidente. Por um lado, o regime sérvio está a tentar atrasar a implementação das obrigações já assinadas e acordadas sobre o Kosovo e, por outro lado, os Estados Unidos querem implementar plenamente o projeto de independência do Kosovo antes das eleições americanas.

Assim, se compararmos a situação na Sérvia com a situação na Ucrânia antes de Maidan, uma vez que existem muitas semelhanças deste tipo, devemos reconhecer uma diferença fundamental. Isto deve-se ao facto de Yanukovych ter adiado a assinatura de um acordo com a UE, enquanto Vucic ainda defende a ideia de uma integração incontestada da Sérvia na UE e continua a cooperação com a União. Por esta razão, acredito que não existe o risco de golpe de Estado na Sérvia.

Esta primavera tivemos manifestações muito mais sérias na Sérvia, onde mais de 100 mil pessoas saíram às ruas, mas depois da oposição pró-Ocidente ter assumido a liderança dos protestos, estes foram reprimidos. Deve-se notar também que o descontentamento dos cidadãos na Sérvia existe claramente, e eles estão igualmente insatisfeitos com o governo e a oposição, ou seja, com toda a cena política na Sérvia.

Na verdade, na Sérvia não existe alternativa ao caminho único para a UE, tal como não existem estruturas políticas sérias que possam ganhar a confiança dos cidadãos. Por esta razão, não está claro a que ponto o crescente descontentamento dos cidadãos nos levará. A estabilidade política baseia-se unicamente no acordo entre o governo e a oposição com o embaixador americano, e os interesses dos cidadãos sérvios não estão de forma alguma relacionados com isto.

Imagem padrão
Dragana Trifković

Diretora Geral do Centro de Estudos Geoestratégicos em Belgrado, Sérvia.

Artigos: 53

Deixar uma resposta