Iêmen: A Tumba da Credibilidade Ocidental

Ninguém tem causado mais dano econômico a Israel durante os atuais conflitos do que o Ansarullah do Iêmen. Por mais de 10 anos, os iemenitas têm estado sob ataque de uma coalizão árabe pró-ocidental, mas além de resistir, eles se tornaram fortes o suficiente para atacar Israel.

A guerra no Iêmen foi amplamente ignorada pela mídia ocidental mesmo antes do infame 24 de fevereiro, mas desde que a Rússia iniciou a chamada “operação militar especial”, o conflito no Iêmen caiu definitivamente no esquecimento. Um silêncio que se destaca ainda mais quando justaposto ao bombardeio contínuo da mídia sobre os eventos na Ucrânia e arredores, que só parou no último dia 7 de outubro para dar espaço à Palestina.

No entanto, é preciso ressaltar que a cobertura da mídia sobre essas duas guerras é muito diferente, não apenas em termos quantitativos, mas também qualitativos. Um estudo esclarecedor publicado no site The Conversation e realizado por meio da análise das manchetes dos artigos do New York Times sobre o Iêmen e a Ucrânia demonstrou a parcialidade do jornal norte-americano. Uma parcialidade que, obviamente, está muito alinhada com as orientações de política externa do governo dos EUA[1].

Primeiro, uma observação sobre o método. Se o tema da pesquisa são os títulos dos artigos, não é por superficialidade. Embora o texto de um artigo seja geralmente mais rico em informações – tanto sobre a notícia em si quanto sobre o contexto – o título ainda é de importância crucial. Além de sugerir a linha editorial da publicação, a manchete se fixa na memória do leitor e influencia sua apreciação do artigo. Além disso, não se deve subestimar o fato de que muitos leitores param no título[2].

Diferença quantitativa e qualitativa, dissemos. Em termos de números, entre 26 de março de 2015 (o dia em que a intervenção da coalizão liderada pela Arábia Saudita começou) e 30 de novembro de 2022, o The New York Times dedicou 546 artigos ao Iêmen. Os artigos sobre a Ucrânia ultrapassaram esse número após três meses e o dobraram até o final de novembro de 2022. Em termos qualitativos, em ambos os casos, usando manchetes sobre ataques contra civis como amostra, os artigos sobre a Ucrânia são frequentemente caracterizados por tons moralistas que denunciam abertamente a conduta russa na guerra. Os artigos sobre o Iêmen, ao contrário, usam tons mais neutros que geralmente evitam apontar o dedo para a Arábia Saudita.

Estamos, portanto, diante de dois Estados que, como parte de suas respectivas campanhas militares, realizaram ataques que causaram vítimas civis. A mesma conduta, no entanto, não é acompanhada pela mesma narrativa dos fatos. Se a diferença quantitativa não é surpreendente – a opinião pública norte-americana e europeia está, sem dúvida, mais interessada no destino da Ucrânia do que no Iêmen -, a diferença qualitativa merece um pouco mais de consideração.

A cobertura da mídia no New York Times é emblemática dos padrões duplos que o Ocidente demonstra quando se trata da proteção da democracia e dos direitos humanos na arena da política internacional. Sob essa perspectiva, uma conduta que respeite os valores democráticos liberais deveria teoricamente se traduzir, no contexto da guerra, em uma conduta de operações militares cuidadosa para não prejudicar a população civil, ou seja, baseada no princípio de distinguir alvos civis de militares. A coerência exige que, no momento em que um Estado viola esses princípios, ele seja criticado e sancionado. Mas o que se aplica aos adversários não se aplica aos aliados ou supostos aliados.

Os padrões duplos mencionados acima caracterizam não apenas grande parte da opinião pública, mas também – de fato, acima de tudo – a política externa conduzida pelos governos. De fato, se a Rússia foi alvo de pesadas críticas e sanções, o mesmo tratamento não foi reservado à Arábia Saudita. O máximo que alguns países ocidentais fizeram, incluindo a Dinamarca, a Alemanha e a Itália, foi bloquear temporariamente as vendas de armas[3].

Deve-se ressaltar, neste ponto, que o governo saudita não é apenas responsável por bombardeios que causaram a morte de milhares de civis, mas também por um bloqueio criado para enfraquecer seus inimigos, um bloqueio que apenas exacerbou o que as Nações Unidas e várias organizações não governamentais descreveram como uma das mais graves crises humanitárias do século XXI. O bloqueio saudita prejudicou a ajuda humanitária ao promover a disseminação de doenças (incluindo a cólera) e exacerbar o flagelo da desnutrição. Desde que a Arábia Saudita interveio na guerra civil, dezenas de milhares de civis iemenitas morreram de doenças e fome[4].

Também deve ser lembrado que, em sua campanha militar mal-sucedida, Riad não só contou com armas ocidentais, mas também se beneficiou do apoio logístico dos Estados Unidos e do Reino Unido.

A diferença de tratamento é, portanto, gritante: de um lado, as sanções contra a Rússia, a condenação de sua conduta de guerra, o envio de armas para Kiev e a glorificação da Ucrânia como um bastião da democracia contra a autocracia. De outro, o silêncio sobre o bombardeio e o bloqueio, o apoio logístico e a venda de armas para a Arábia Saudita. Sem mencionar as violações diárias dos direitos humanos pelo governo saudita e o caso Khashoggi.

Embora os motivos da intervenção de Riad no Iêmen sejam muito diferentes daqueles que levaram Moscou a invadir a Ucrânia, os Estados Unidos e seus aliados têm sido cúmplices mais ou menos diretos das atrocidades causadas pelos sauditas por meio de bombardeios e bloqueios. A democracia e os direitos humanos são, portanto, reduzidos a alavancas usadas para desacreditar os oponentes e cerrar as fileiras dos aliados, ferramentas a serem usadas para fins de conveniência política.

A política ocidental em relação à intervenção saudita é, portanto, mais um curto-circuito dessa narrativa que alega dividir a comunidade internacional em dois campos claramente definidos e opostos: democracias versus ditaduras, ou bom versus ruim. Essa é a última (por enquanto) de uma longa série de contradições que desmentem a credibilidade do Ocidente.

Vale a pena mencionar pelo menos duas delas. Alguns aniversários significativos foram comemorados este ano: o 50º aniversário do golpe contra o presidente chileno Salvador Allende e o 70º aniversário do golpe que depôs o primeiro-ministro iraniano Mohammed Mossadeq. Políticos que foram eleitos democraticamente, mas cuja orientação não era compartilhada pelos Estados Unidos, que decidiram eliminá-los para favorecer seus próprios partidários. A essas vítimas do duplo padrão ocidental, deve-se acrescentar a população iemenita e, principalmente, a palestina, a quem os governos ocidentais e grande parte da opinião pública não reconhecem dignidade igual à dos civis ucranianos.

Com tudo isso, o drama no Iêmen continua. Há, no entanto, algumas notas positivas: desde a trégua alcançada em abril de 2022 graças à mediação da ONU, a intensidade dos combates diminuiu. A ONU também conseguiu evitar um desastre ambiental[5], enquanto o acordo histórico entre o Irã e a Arábia Saudita, mediado pela China, ajudou ainda mais a diminuir o conflito.

Nesse contexto de estabilização lenta, mas progressiva, o recente ressurgimento do conflito israelense-palestino foi um raio. A violência da retaliação israelense causou a intervenção no Iêmen. Já no final de outubro, o governo pró-iraniano, composto por membros do partido Ansar Allah (Houthi), lançou vários mísseis balísticos contra alvos militares israelenses[6]. Nas últimas semanas, no entanto, o conflito assumiu uma dimensão marítima, estendendo-se ao Estreito de Bab al-Mandeb, um gargalo estratégico que separa a Península Arábica e o Chifre da África, conectando o Mar Vermelho e o Oceano Índico. O governo pró-iraniano do Iêmen controla a parte asiática do estreito, e foi a partir daí, em 19 de novembro, que a blitz de um grupo de milícia aérea do Ansar Allah tomou posse de “um navio israelense”[7].

Essa dimensão marítima do conflito entre Israel e o Iêmen também contou com o envolvimento dos EUA. Nas últimas semanas, a Marinha dos EUA interveio várias vezes na tentativa de interceptar mísseis e drones iemenitas. O incidente mais recente ocorreu em 3 de dezembro, quando o Ansar Allah lançou drones armados com mísseis para atingir alguns navios mercantes que estavam transitando pelo Mar Vermelho. O destróier USS Carney, da Marinha dos EUA, interveio para defender os navios mercantes e conseguiu abater três drones.

A intervenção do Iêmen no conflito israelense-palestino é consistente com a afiliação do Ansar Allah ao eixo de resistência liderado pelo Irã. Nas palavras do porta-voz das Forças Armadas do Iêmen, Yahya Sare’e, a intervenção em apoio à população palestina tornou-se “imperativa” devido ao “inimigo sionista” e seus “crimes e massacres contínuos contra o povo de Gaza e todo o povo da Palestina”.

De qualquer forma, além das consequências da ampliação da guerra na Palestina, o país continua fragmentado e, no horizonte, não há vislumbres de uma verdadeira pacificação que permita a reunificação: o norte, com a capital Sana’a, é controlado pelo governo pró-iraniano, enquanto o restante do país está nas mãos do grupo heterogêneo de facções que apoiam o governo reconhecido pelo Ocidente. Enquanto isso, a crise humanitária não dá trégua: a desnutrição e as doenças continuam a atingir os civis, em meio à indiferença geral.

Notas

[1] Esther Brito Ruiz, Jeff Bachman, Headlines and front lines: How US news coverage of wars in Yemen and Ukraine reveals a bias in recording civilian harm, theconversation.com, 3 agosto 2023.
[2] A citação a seguir foi retirada da versão original do artigo mencionado acima. “Propositalmente, nossa análise se concentrou apenas nas manchetes. Embora as matérias completas possam trazer mais contexto para a reportagem, as manchetes são particularmente importantes por três motivos: Elas enquadram a história de uma forma que afeta a maneira como ela é lida e lembrada; refletem a posição ideológica da publicação sobre uma questão; e, para muitos consumidores de notícias, são a única parte da história que é lida.”
[3] Ebad Ahmed, Denmark ends arms sale ban against Saudi Arabia, UAE, aa.com.tr, 11 marzo 2023. Luca Gambardella, Anche l’Italia torna a vendere bombe e missili all’Arabia Saudita, ilfoglio.it, 01 giugno 2023. Hans Von Der Burchard, Germany loosens arms export restrictions to Saudi Arabia – but not on fighter jets, politico.eu, 12 luglio 2023.
[4] Uma tortura em câmera lenta: The economic blockade of Yemen and its grave humanitarian consequences (O bloqueio econômico do Iêmen e suas graves consequências humanitárias), reliefweb.int, 22 settembre 2022.
[5] L’operazione per svuotare la petroliera abbandonata al largo dello Yemen è andata a buon fine, ilpost.it, 11 agosto 2023.
[6] Emad Almarshahi, Yemeni Armed Forces confirmate launching strikes against Israel in retaliation for its aggression against Gaza, hodhodyemennews.net, 31 ottobre 2023.
[7] Houthis seize ship in Red Sea with link to Israeli company, reuters.com, 20 novembre 2023.
[8] Ver nota 6.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Massimiliano Palladini

Bacharel em Ciências Políticas, Sociais e Internacionais, Mestre em Relações Internacionais e Europeias.

Artigos: 53

Deixar uma resposta