Perón, Fidel e Chávez: Caudilhos de um Socialismo Nacional e Referenciais para a Construção de uma Quarta Teoria Política

A Quarta Teoria Política é a expressão da autenticidade política de cada povo. Nesse sentido, para pensar uma Quarta Teoria Política na América Ibérica devemos, necessariamente, passar pelas experiências populistas que emergiram em nosso continente.

O mundo mudou radicalmente desde o fracasso do Ocidente na Ucrânia (2023), precedido pela fuga em pânico dos americanos do Afeganistão (2021) e sua desastrosa interferência na Síria. A máquina militar americana, gigantesca e onipresente em todos os mares, é um fiasco. Ela pode semear o caos e intimidar governos. Ela pode moldar políticas e alianças e gerar cada vez mais sofrimento. Mas seus fracassos estratégicos anunciam o fim de uma era e o início de outra.

Há uma ligação entre o fracasso da OTAN na Ucrânia e a atitude genocida e irresponsável de Israel em relação aos palestinos. Esse é o elo revelado, essa é a história e sua epifania: o desdobramento da verdade em meio a rios de sangue e confusão de ideias. Os raios luminosos da verdade surgem anos depois de os eventos terem se dissipado. É com um olhar frio e crítico que o Tempo, o juiz severo, contempla o que já aconteceu. E o que, à luz dos fatos, Chronos condenou?

Não há outra verdade: o ciclo americano está chegando ao fim. É o ciclo de um “longo século”, iniciado na perspectiva da guerra contra a Espanha em 1898. A “jovem nação americana” foi lançada no cenário mundial, tendo arruinado a civilização hispânica (e, em menor escala, a francesa) em seu próprio continente. Os Estados Unidos da América substituíram o Império Britânico em todos os sentidos da palavra: a cultura anglo-saxônica colocou em movimento uma máquina econômica e militar de dominação mundial, muito mais talassocrática e distributiva do que a britânica. O capitalismo em sua versão extremamente predatória não teria sido possível sem esse processo de revezamento e complementaridade imperial. A reinvenção da anglosfera após 1898 marcou o início do fim da Europa e de muitas outras civilizações antigas e veneráveis. As potências europeias não impediram que os ianques abusassem da Espanha, e estão pagando por isso hoje. Em vez de serem potências, são nações anãs e protetorados americanos sem dignidade.

O grande pensador russo Alexander Dugin propôs uma estrutura muito completa e bem pensada para orquestrar uma revolta planetária contra o hegemon americano. A estrutura é tanto ontológica quanto prática. Ela envolve a localização do “sujeito” da transformação planetária.

O liberalismo centrou sua ontologia no indivíduo, atomizado e deificado. O liberalismo, em sua versão extrema, nega a própria existência da sociedade (Thatcher) e, em sua versão fanática e caricatural, coincide com as heresias anarquistas nas quais a esquerda pós-moderna ocidental se baseia cada vez mais: abolição da família, negação da pátria, negação da identidade biológica e sexual, autodeterminação onanista, hedonismo. O que hoje é conhecido como neoliberalismo, de Milton Friedman a Javier Milei ou Isabel Díaz Ayuso, não é tão diferente da esquerda anarquista que despertou e que Fusaro, com grande pertinência e precisão, chama de “esquerda arco-íris”. Essa é a 1ª teoria política, uma teoria que teria sido varrida da história por sua fraqueza e anti-humanismo se não tivesse sido apoiada pela Anglosfera.

Dugin fala sobre a segunda teoria política em termos muito interessantes. Seu ciclo, com o colapso da URSS e seu bloco de “socialismo real” após 1989, parece fechado, mas não totalmente. A evolução da República Popular da China é um lembrete interessante do que realmente é o socialismo. É possível falar de socialismo em termos de uma redistribuição planejada de riqueza e de uma visão nacional coletivista, ao mesmo tempo em que há uma atualização e validação genuína e sincera dos princípios confucionistas na China.

Nunca haverá um socialismo verdadeiro sem colocar o princípio da autoridade no centro e sem um renascimento dos valores tradicionais da polis adaptados ao presente. É claro que a esquerda anarco-liberal ocidental é incapaz de entender o que o socialismo ainda significa. No meu país, a Espanha, aqueles de nós que acompanham a evolução imperial e socialista da China com interesse e admiração podem ser rotulados de “rancios” ou “vermelho-marrons”. O uso de tais epítetos nada mais é do que um sinal de estupidez. A maior parte da esquerda do estilo “Sumar” ou “Podemos” é anarquismo pequeno-burguês infantil e não sabe nada além de distribuir cartões progressistas em suas redes sociais. Lênin, Mao, etc. conheciam o bom remédio de que essas pessoas precisam.

Dugin tem uma atitude construtiva em relação à 2ª teoria política (socialista, marxista 2TP): com vistas à 4ª teoria política que ele promove, é dado a ela um valor crítico e instrumental, um valor combativo na erosão da 1ª teoria política, liberal ou capitalista predatória sob a hegemonia anglo-americana.

O melhor do marxismo recente contém ferramentas conceituais que são claramente úteis, eu diria até mesmo necessárias, para a construção coletiva do mundo multipolar. As teorias marxistas da dependência, da troca desigual e da opressão do centro sobre a periferia (Gunder Frank e Samir Amin, entre muitos outros) são essenciais para cercar o império anglo-americano, que se estabeleceu como o único pólo de poder dominante. Os povos oprimidos em luta e a crescente aliança conhecida hoje como “Sul Global” precisam de uma teoria adequada da luta de classes e de uma visão rigorosa do imperialismo. Em seu famoso livro “A Quarta Teoria Política”, Dugin expõe claramente a necessária articulação das lutas de todos os povos da Terra, cada um com sua própria visão de mundo (religião, mito, ética e outros aspectos de seu contexto antropológico) contra o hegemon. O hegemon é o (neo)liberalismo como ideologia ou teoria política, e é também o Império Anglo-Americano (Anglosfera) como proprietário ou líder do Ocidente coletivo.

A terceira teoria política (3TP, fascismo e nacional-socialismo) é a que foi mais severamente prejudicada por Chronos, pelo juiz severo. Sua derrota em 1945 foi justa, necessária e definitiva. Em sua versão fascista pura (Mussolini), ele constituiu um estatismo não muito diferente de outros modelos socialistas avançados (como já mencionamos, no caso da China pós-maoista). Um estatismo com um forte componente sindical e operário pode ser incluído no vasto catálogo de modelos de “terceira via” ou “terceira posição” sem, por essa razão, merecer o atual rótulo – tão criminalizado – de fascismo.

O estatismo é consideravelmente reduzido e está muito distante das tendências despóticas se adotarmos o interessante modelo peronista da “comunidade organizada”. A comunidade organizada, conforme tentada pelo General Perón, não era tanto um Estado totalitário puro (como o de Mussolini), mas uma organização rigorosa das próprias pessoas em famílias, comunidades locais, filiais de sindicatos e grupos profissionais, e assim por diante. No caso da Espanha de Franco, a insustentabilidade de seu regime autoritário estava justamente na incapacidade do próprio Caudillo e de seu sistema pessoal de se legitimar novamente como um Estado corporativo genuíno ou como uma comunidade organizada genuína de trabalhadores. Diante dessas fraquezas organizacionais, Franco simplesmente prolongou um Estado autoritário em uma base bastante liberal, especialmente após a aquisição da Falange e do Carlismo e a irrupção tecnocrática do Opus Dei. Como a base já era liberal e desenvolvimentista, a oposição alimentada pelos norte-americanos e pelo eixo “europeísta” franco-alemão estava fadada a crescer, não para “injetar democracia” na Espanha, mas para despojá-la de toda a soberania, que Franco ainda mantinha, embora em um equilíbrio precário.

Uma derrota maior e definitiva foi a do nacional-socialismo. Na versão fascista da terceira teoria política, o “sujeito” é o Estado, enquanto na versão nacional-socialista, é a raça. A loucura criminosa de Hitler, sua ação genocida e a irracionalidade dos nazistas – derrotados – em 1945 impedirão qualquer renascimento de uma Teoria Política centrada no Sujeito “Raça”, mesmo que, de forma completamente análoga, o sionismo israelense continue sendo uma ideologia muito próxima. O sionismo é um nazismo que, até hoje, representa um câncer para a humanidade e um perigo existencial, não apenas para seus vizinhos, mas para todo o planeta, devido ao seu domínio de armas nucleares.

A evolução das “teorias políticas”, no sentido duguiniano, é a evolução dos diferentes Sujeitos da transformação política do mundo: o indivíduo abstrato e atomizado (1TP), a classe social, o proletariado (2TP), o Estado ou a Raça (3TP). O sujeito da quarta teoria política é, como todo leitor do pensador russo sabe, o Dasein. O “ser-aí” heideggeriano que, em minha opinião, é muito nebuloso para uma teoria política que transforma o mundo e, ao mesmo tempo, serve para compreendê-lo de uma forma totalmente racional e não romântica. Pois precisamos situar esse Sujeito necessário, ao mesmo tempo em que organizamos uma oposição multipolar ao hegemon americano. Um hegemon que, com a enorme ajuda e sob a enorme pressão do sionismo racista israelense, está colocando em risco a paz, a coexistência e o desenvolvimento dos outros povos do mundo.

Diante desse sujeito nebuloso das 4TPs, estou muito interessado em destacar a dialética interna das teorias políticas anteriores, sua reativação contingente em diferentes cenários e momentos, bem como suas ressurreições. A luta de classes no sentido marxista, o motor da história na 2TP, pode ter parecido desativada no Ocidente opulento e pós-industrial. A ausência do sujeito revolucionário explica a crise dos partidos comunistas ocidentais, que até a década de 1980 tinham aparatos organizacionais formidáveis, hegemonia acadêmica, uma ampla militância, intelectuais e formadores de opinião de prestígio, ampla representação parlamentar e tudo o mais.

Foi a gentrificação objetiva de parte da classe trabalhadora e a realocação da indústria ocidental, que fugiu para a periferia em busca de carne humana mais barata e mais explorável (de preferência no “Terceiro Mundo”), que levou ao surgimento do “Terceiro Mundo”. Os partidos comunistas e as forças da esquerda radical então perderam sua identidade, entraram em crise e buscaram os “novos proletários” (migrantes estrangeiros, mulheres oprimidas “só porque são mulheres”, animais dotados de “sensibilidade e direitos”, gays e lésbicas, transgêneros etc.). Todas essas pessoas e todas essas entidades que podem ser lamentadas, defendidas, exaltadas etc. não são o “proletariado”. A teoria marxista, centrada em uma visão de mundo segundo a qual nosso sistema mundial se baseia na exploração do homem pelo homem e, de forma cada vez mais abstrata e terrível, na exploração do homem pelo capital, é fatalmente diluída e destruída assim que o sujeito revolucionário não é mais o trabalhador, nem uma classe social definida mais ou menos rigorosamente como uma classe econômica assalariada e explorada.

O que o marxismo ocidental e quase toda a esquerda radical ocidental perderam de vista é o verdadeiro tema da luta de classes. Esse não é o caso do marxismo das organizações de trabalhadores e camponeses do Sul, das zonas dependentes e neocolonizadas, onde seus atores são muito claros quanto ao fato de que a luta contra o capitalismo exige estratégias de solidariedade popular. Somente a solidariedade de classe pode derrotar as oligarquias, acabar com os governos corruptos, expulsar as multinacionais e prender os proprietários de terras neoescravagistas.

É assustador ver como alguns líderes da esquerda espanhola “desperta”, mesmo com pastas ministeriais, aconselham uma “greve de brinquedo” e a parar de comer carne (Baltasar Garzón), ou entram em uma luta verbal contra um fascismo inexistente (Pablo Iglesias, I. Belarra, Monedero, Echenique, etc.), enquanto no mundo há milhões de pessoas que não podem considerar essas “lutas” simplesmente porque vivem como escravos e trabalham do nascer ao pôr do sol para comer um punhado de algo comestível por dia.

Esses esquerdistas burgueses e neoliberais “woke” não contribuem em nada. A verdadeira esquerda está longe deles. Camponeses pobres com chinelos de dedo e rifles desalojaram os americanos no Vietnã e em Cuba. Essa é a verdadeira esquerda. Deixe a “esquerda” espanhola e ocidental se preocupar com a implementação da Agenda 2030 nas escolas, forçando as crianças a participar de “oficinas” de doutrinação sexual hedonista e promovendo o veganismo e o transexualismo por decreto, enquanto o Capital continua em todo o Sul a devastar povos inteiros, condenando-os à emigração em massa, ao tráfico de crianças e de órgãos e enviando-os como mercadorias para um Primeiro Mundo decadente – com a colaboração necessária das ONGs mafiosas do imigrantismo – é nada menos que uma vergonha. Essa esquerda neoliberal, arco-íris, “wokista” e pós-moderna (Izquierda Unida, Podemos, Sumar, Comunes, Esquerra, etc. na Espanha) não tem nada a ver com o 2TP de Dugin.

O 2TP (socialismo, marxismo) permanece eficaz contra o 1TP (liberalismo, neoliberalismo) na medida em que reconstrói o conceito de classe (classe social entendida de acordo com critérios econômicos, como controle desigual dos meios de produção) e, portanto, o conceito de luta de classes. O verdadeiro 2TP, quando reativado no contexto internacional multipolar pós-Guerra Fria, retoma certos elementos do 3TP, precisamente aqueles que são essencialmente emancipatórios e que não foram contaminados pela criminalidade fascista e, acima de tudo, nacional-socialista. Aleksandr Dugin afirma, de uma forma ou de outra, que o pano de fundo válido (e, portanto, passível de ser reativado nos momentos seguintes ao desaparecimento do 3TP pela derrota de 1945 é o ethnos). Além de Mussolini, e contra ele, é possível pensar em um socialismo nacional, ou seja, em um Estado não totalitário que emana organicamente do povo. Um Estado do povo, uma comunidade organizada de trabalhadores. Para além de Hitler, e radicalmente contra ele, contra seu racismo pseudocientífico e irracional, podemos pensar em um ethnos ou Volk, um Sujeito dotado de uma identidade coletiva que se dota dos meios para garantir sua sobrevivência (autárquica) e sua convivência (solidária) com outros povos.

De fato, os grandes líderes anti-imperialistas ibero-americanos eram “nacional-socialistas”, sínteses do 2TP e do 3TP, verdadeiros representantes do inveterado caudilhismo hispânico e referências para toda a esquerda autêntica: Juan Domingo Perón, Fidel Castro, Hugo Chávez. Esse tipo de homem hispânico é um caudilho, e o caudilhismo é a forma particular dessa área civilizacional, herdeira do império espanhol (e também do português, que não tem diferenças culturais ou étnicas substanciais com a Espanha). Os três grandes homens mencionados eram revolucionários, anti-imperialistas e, consequentemente, construtores de novas nações. Eles criaram um socialismo nacional genuíno na prática. Eles são uma síntese do 2TP e do 3TP “purificados” de todos os traços do fascismo e do nazismo, o 3TP descrito por Dugin. Essas são referências essenciais para a construção do 4TP: a Teoria Política que fala de uma pluralidade de civilizações articuladas em torno de Impérios que garantem a) sua diversidade interna (qualquer Império não predatório é plural) e b) a diversidade humano-planetária. Essa diversidade é baseada no direito internacional, não nas “regras” ianques: cada império deve evitar interferir em seu vizinho, respeitando-o e colaborando com ele para o benefício da humanidade.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Carlos Xavier Blanco

Doutor em Filosofia e professor.

Artigos: 48

Deixar uma resposta