A Morte de Henry Kissinger: Um Realista no País dos Idealistas

Morreu Henry Kissinger, indubitavelmente responsável por inúmeras atrocidades estadunidenses, mas também o último personagem do establishment estadunidense a pensar os EUA em termos limitados como um ator internacional que busca seus interesses e pressiona pela integração mundial, mas sem universalismos pueris.

1923-2023: Henry Kissinger era um homem-século. Ele será lembrado como o homem que liderou a diplomacia americana sob o comando de Richard Nixon – com quem formou uma dupla tão paradoxal quanto inseparável: “Nixinger” – e Gerald Ford. Na terra do messianismo puritano, ele é um forasteiro. Sua elegância, seu brilhantismo intelectual e seu cinismo juraram contra a imagem de uma América tragicamente imperial, evocando, em vez disso, o conservadorismo das chancelarias do Ancien Régime. Em uma época de extremos crescentes no Oriente Médio, israelenses e palestinos fariam bem em se lembrar de suas lições de diplomacia “realista”.

“Não se pode governar inocentemente”, exclamou em tom acusatório Saint-Just durante o julgamento de Luís XVI. O convencional sabia uma ou duas coisas. Portanto, tomemos cuidado para não contradizê-lo: não há nada menos inocente do que o poder. Alexandre Dumas não cometeu nenhum erro ao fazer de d’Artagnan, e não de Richelieu, seu herói. O mosqueteiro tinha o fervor dos jovens românticos – e os favores das moças. Henry Kissinger pode ter tido muitas conquistas femininas, mas foi a política do cardeal que ele adotou: realpolitik, além do bem e do mal. Sua popularidade sofreu um golpe.

No tribunal da história, nunca faltaram promotores dispostos a mandá-lo para o inferno. A esquerda pacifista o considera um criminoso de guerra, a direita anticomunista, um agente soviético, os cinéfilos, um dos modelos do Dr. Strangelove, os judeus, um antissemita, e os antissemitas, o instigador de uma conspiração judaica mundial. Até mesmo os tribunais se interessaram por seu caso. Os juízes da Argentina, Espanha e França intimaram o homem que foi o conselheiro todo-poderoso (1969), depois Secretário de Estado (equivalente ao nosso Ministro das Relações Exteriores) de Richard Nixon e Gerald Ford (1973-1976)? Em 2001, o juiz chileno Juan Guzman chegou a submetê-lo a uma avalanche de perguntas sobre seu relacionamento com o general Pinochet e sua participação na queda de Allende em 1973. Em vão.

Uma lição de diplomacia

O “Caro Henry” é, no entanto, o próprio demônio, tão fascinante quanto um de seus mais ilustres predecessores em sua “carreira”, o coxo Talleyrand. Mefistofélica foi a impressão que ele deixou no refinado Gore Vidal, um escritor andrógino próximo aos Kennedy. Um dia, durante uma recepção muito exclusiva na Capela Sistina, Vidal deu de cara com um Kissinger imerso na contemplação dos condenados lançados ao inferno no afresco de Michelangelo do Juízo Final. “Veja”, disse Vidal a um amigo, “ele está procurando um apartamento”. O que o escritor quis dizer é que ele estava procurando um lugar para colocar sua suposta escuridão, em algum lugar entre o oitavo e o nono círculos do inferno, onde os astutos e enganadores apodrecem.

Na verdade, Kissinger não merece tanto opróbrio, nem tantas honrarias, pois recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1973 pelos Acordos de Paz de Paris, que não impediram que a Guerra do Vietnã continuasse por mais dois anos. Você deveria ler a extensa biografia de Charles Zorgbibe (Bernard de Fallois, 2015). Tão calorosa quanto completa, ela parece o romance de uma vida e a crônica do século XX. Uma lição de diplomacia.

Do nada, Kissinger conquistou os Estados Unidos. Seu destino foi surpreendente. Nascido Heinz Alfred Kissinger, em 1923, na decadente República de Weimar, ele emigrou para os Estados Unidos, a nova Terra Prometida para os judeus alemães. Em 1938, a família encontrou refúgio em Nova York, em um distrito povoado por refugiados que os recém-chegados chamavam de “Quarto Reich”. Em 1943, o jovem Heinz tornou-se Henry e treinou como engenheiro militar antes de ser convocado para o exército. Enquanto estava no exército, fez amizade com Fritz Kraemer, um prussiano incorrigível que havia se passado para o lado do inimigo, tanto pelo anticomunismo quanto pelo antinazismo, mas que fazia questão de cultivar um forte sotaque germânico para se distinguir dos demais “ianques”. Uma reunião decisiva. “Depois de vinte minutos de conversa”, confessa Kraemer, “percebi que esse pequeno refugiado judeu de vinte anos, que nunca havia discutido política internacional com sua família, tinha um ouvido para a história como outros têm um ouvido para a música. Ele estava musicalmente sintonizado com a história”. Nesse meio tempo, Kissinger participou das batalhas em torno de Aachen, pelas quais recebeu a medalha de bronze. Ele não tinha nem 22 anos quando foi nomeado administrador militar de uma cidade industrial de 200.000 habitantes, não muito longe de Düsseldorf.

“Nixinger”: Nixon e Kissinger

No outono de 1947, ele se matriculou em Harvard, onde se tornou um dos pilares do departamento de estudos governamentais. Mas, desde o início, ele teve o cuidado de não se deixar confinar em sua torre de marfim. Ele certamente era um teórico, mas também era um praticante. Sua primeira escolha para um grande homem foi Nelson Rockefeller. Um erro. Patrício demais, o rico e brilhante herdeiro fracassou em sua busca pela suprema magistratura. Na verdade, foi Nixon quem o derrotou nas primárias republicanas de 1968, contratando Kissinger para a ocasião.

Entre eles, formaram um casal explosivo – “Nixinger”. O filho de um merceeiro quaker e de um refugiado judeu alemão. O homem que amaldiçoava os círculos acadêmicos da Costa Leste e o acadêmico de alto nível. O primeiro zombava em particular de seu “menino judeu”, o segundo chamava seu empregador de “um louco cercado de loucos”. Tudo se opunha a eles. A imprensa adorava Kissinger e queimava Nixon, que franzia a testa ao ver os especialistas, enquanto Kissinger sorria, destilava suas pequenas frases e hipnotizava seus interlocutores com seu charme de professor desapegado e cínico.

Embora os dois homens não gostassem muito um do outro, eles compartilhavam uma ambição igual, baseada na mesma concepção de ação política, resolutamente schmittiana e de tomada de decisões, tendo como pano de fundo o desprezo pelo Pentágono e pelos procedimentos de controle das democracias parlamentares. Como Zorgbibe corretamente aponta, eles eram movidos por uma convicção arraigada: “ser ‘revolucionários brancos’ – como Bismarck para Kissinger ou Disraeli para Nixon – em outras palavras, conservadores que roubaram o ‘relâmpago’ da mudança dos revolucionários… a fim de contribuir para um mundo mais estável”. Embora não tenham conseguido se livrar do atoleiro do Vietnã, esses dois anticomunistas trouxeram a China de Mao para o jogo diplomático, rompendo o sistema bipolar herdado de Yalta, ao mesmo tempo em que trabalhavam para a détente com a União Soviética. Um verdadeiro golpe de mestre.

Ao longo de sua carreira, Kissinger deu a impressão de ter se tornado inadvertidamente um americano, interpretando um personagem saído de um romance de Henry James. Ele não tinha nada do sonho wilsoniano de um mundo governado por uma concepção moralista do direito internacional. De fato, ele nunca perdeu uma oportunidade de criticar a “síndrome de Wilson”. A paz não nasce do pacifismo, mas de um princípio de legitimidade reconhecido por todos. O modelo será para sempre o Congresso de Viena (1814-1815) – ao qual ele dedicou sua tese em 1954 – que, longe de excluir a França derrotada, praticamente a acorrentou à mesa de negociações.

Um homem do Ancien Régime

Ele tinha nostalgia de uma ordem internacional do passado, que o ligava à Europa clássica e ao sábio conservadorismo das chancelarias do Ancien Régime. Seus grandes homens eram Metternich e Castlereagh. Entre seus contemporâneos: De Gaulle. Na terra do messianismo puritano banhado em idealismo, ele era um corpo estranho. Sua elegância, seu brilhantismo intelectual e sua elegância mundana podem ter agradado aos salões da Park Avenue, mas não ao coração americano. É por isso que sua parceria com Nixon foi tão formidável. Por um tempo, o casal Nixinger tirou a política externa dos Estados Unidos de seus dilemas morais e de sua pregação humanitária, que sempre oscila entre o livro de Salmos e as recriminações de Tartufo.

Uma questão chamou sua atenção: como o confronto entre Estados soberanos poderia evitar que o mundo mergulhasse no caos? Como um bom realista, ele acreditava que a paz só poderia ser garantida por um equilíbrio de poder entre os principais participantes. Nenhum Estado deveria ser tão poderoso que seus vizinhos em coalizão fossem incapazes de se defender contra ele. Como exemplo, o ex-secretário de Estado sempre cita a política britânica no continente, que se voltou contra os Habsburgos e os Bourbons, antes de degenerar, a torto e a direito, em uma “monarquia universal” no final do século XIX, como Roma e o Império Espanhol, minados por sua expansão sem fim. Uma lição de realpolitik.

“O realismo nasce de uma depreciação da política”, escreve Charles Zorgbibe, com sotaques que não teriam desagradado Julien Freund. É uma depreciação que surge no afresco de Agostinho sobre A Cidade de Deus e a Cidade Terrena. De acordo com o bispo de Hipona, há apenas uma pequena diferença entre o Estado e um empreendimento criminoso, duas organizações baseadas na coerção e no uso da força para fins injustos: “Onde a justiça está ausente, o que são os reinos senão grandes bandos de bandidos? E o que são esses bandos, na verdade, senão reinos rudimentares?”

Retirada de seu contexto teológico, essa visão sombria foi encontrada em Maquiavel. Kissinger a transformou em sua própria visão, baseando-se na tradição da raison d’état e na autonomia do executivo, contra as quais os Pais Fundadores da Constituição Americana procuraram proteger sua nação. “A política consiste em equilibrar os riscos, a administração consiste em evitar o desvio das normas”, diz ele. Nada deve se interpor no caminho do Príncipe. Mas, ao planejarem muito nas sombras, Nixon e Kissinger cometeram alguns erros descuidados – e alguns truques sujos. Quando o escândalo de Watergate eclodiu – um pequeno caso de escuta clandestina no Partido Democrata, que não serviria nem de pretexto para um enredo em uma comédia da Broadway (lembre-se de que hoje é a NSA que espiona o mundo inteiro!) – a mania de segredo saiu pela culatra, e Nixon ficou tão envolvido em suas mentiras que teve de renunciar.

A realpolitik contra a “república imperial”

Ao optar por um sistema presidencialista, Nixon se prestou a críticas e expôs demais a Casa Branca. Foi durante seu mandato e o de Gerald Ford, seu vice-presidente que se tornou seu sucessor, que a “república imperial” foi amplamente fortalecida. Os Estados Unidos intervieram, direta ou indiretamente, em uma série de países, em vez de se limitarem ao papel de “jogador reserva” no tabuleiro de xadrez internacional que Kissinger tanto queria desempenhar. O historiador democrata Arthur Schlesinger, colega de Kissinger em Harvard, rastreou o surgimento da “presidência imperial”, datando seu advento da eclosão da guerra em 1941, uma escolha feita por Roosevelt contra uma opinião pública geralmente isolacionista. A Guerra Fria concentrou ainda mais o poder nas mãos do executivo, que a partir de então se viu na linha de frente.

No entanto, Nixon merecia mais do que seu apelido de “Dick, o trapaceiro”. Em sua biografia monumental publicada em 2013 pela Fayard, Antoine Coppolani reabilitou suas políticas tão criticadas. Foi ele quem iniciou a reaproximação sino-americana. Kissinger foi apenas o arquiteto. Nem sempre sem erros. Vimos isso depois do 11 de setembro, quando ele subitamente descobriu que estava próximo do wilsonismo dos neoconservadores. Um momento de loucura.

No final, o mundo se “desamericanizou”, como Kissinger desejava. Ele se tornou multipolar mais uma vez, mesmo que se pareça mais com o “oito planetário” descrito por René-Jean Dupuy, professor de Charles Zorgbibe. Enquanto a Europa parece ter desistido da realpolitik, os países emergentes, ou melhor, os “reemergentes”, que agora são todo-poderosos, da China à Rússia, fizeram dela o eixo de sua política externa. O conceito de ordem internacional de Kissinger é, portanto, triunfante em Pequim e Moscou, mas não em Washington, e menos ainda em Paris. Nenhum homem é um profeta em seu próprio país.

Fonte: Éléments

Imagem padrão
François Bousquet

.

Artigos: 52

Deixar uma resposta