A Neutralidade Antiocidental da China

A China surpreendeu o mundo aproximando o Irã e a Arábia Saudita. Agora, o próximo desafio chinês será expurgar os EUA do Oriente Médio, por meio da pacificação regional e da solução da Questão Palestina.

Nos últimos anos, a China trabalhou arduamente no cenário internacional para criar uma alternativa à atual ordem de segurança global liderada pelos EUA. Nesse contexto, a necessidade de equilibrar os muitos interesses em jogo levou Pequim a não tomar partido abertamente em questões altamente polarizadas, como a guerra na Ucrânia. Essa dinâmica também se repetiu no conflito entre Israel e o movimento de resistência palestino em Gaza. Enquanto todo o Ocidente condenou os ataques da organização palestina como atos terroristas, a China permaneceu em silêncio por dias; o presidente Xi Jinping esperou até o final do Terceiro Fórum da Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) para comentar sobre a crise, reiterando a posição de longa data da China, que vê a opção de dois Estados como a única solução e pedindo um corredor humanitário para permitir a entrada de ajuda na Faixa sitiada.

No conflito entre o Estado judeu e a resistência palestina, Pequim está claramente buscando manter uma posição de neutralidade estratégica em uma chave antiocidental, desempenhando o papel de mediador, mesmo que seja apenas para tentar equilibrar as posições radicais pró-israelenses dos Estados Unidos aos olhos de uma certa parte do mundo. Em primeiro lugar, as palavras do enviado chinês para assuntos do Oriente Médio, Zhai Jun, explicam essa atitude, destacando que a razão fundamental para a situação atual do conflito israelense-palestino é o não reconhecimento dos direitos nacionais legítimos do povo palestino. Em segundo lugar, para piorar a situação, o Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, também interveio, descrevendo o bombardeio israelense de civis em Gaza como uma ação que excedeu até mesmo o escopo de autodefesa reconhecido ao Estado judeu após os ataques de 7 de outubro. Ao mesmo tempo, Pequim evitou condenar abertamente as ações do Hamas como um ato terrorista, mas apenas expressou “preocupação” com a violência contra a população.

No entanto, por trás dos tons aparentemente conciliatórios e suaves sobre a guerra em Gaza e a manutenção de uma postura não intervencionista, há também uma tentativa do lado chinês de tentar mascarar diplomaticamente as dificuldades de influenciar consistentemente os eventos nessa parte do mundo que está notoriamente sob influência da Rússia e dos EUA. Por outro lado, Pequim está ciente de que a ampliação do conflito atual em escala regional poderia comprometer seriamente o papel de mediador superpartes que a China vem tentando desempenhar há anos.

A abordagem chinesa para a questão palestina

Os interesses chineses em jogo na Palestina e no mundo árabe são muitos e transversais; economicamente, a República Popular precisa de estabilidade nessa parte do mundo que considera crucial para o sucesso de seu projeto central, o BRI, ao qual a Autoridade Nacional Palestina (ANP) também aderiu em 2022. Além disso, Pequim é o maior parceiro comercial de muitos países árabes e um dos mais importantes compradores de petróleo do Irã e da Arábia Saudita. Politicamente, Pequim tem apoiado publicamente a causa palestina há décadas. A China foi um dos primeiros países a reconhecer o Estado da Palestina, em 1988, com relações diplomáticas iniciadas no ano seguinte. Embora o intervalo de tempo entre o início das relações diplomáticas normais entre a China e o Estado de Israel seja de apenas três anos (1992), o apoio do Dragão Vermelho aos países árabes e à população palestina já começou na virada das décadas de 1950 e 1960.

No entanto, desde os primeiros contatos, a posição chinesa de neutralidade mudou para posições cada vez mais pró-palestinas. Para motivar sua proximidade política com o mundo árabe, Pequim começou a investir cada vez mais em nível econômico e comercial, fortalecendo sua influência na região com vistas a um melhor posicionamento geoestratégico. Recentemente, o impulso político da China no cenário do Oriente Médio levou à assinatura de um acordo histórico entre a Arábia Saudita e o Irã, graças à mediação de Pequim. Além disso, na 10ª Conferência de Negócios Árabe-Chinesa, realizada em junho passado, a China assinou mais de 30 acordos de investimento no valor de cerca de dez bilhões de dólares, incluindo um acordo de 5,6 bilhões de dólares com os sauditas para um empreendimento conjunto de veículos elétricos.

Nesse cenário, embora representem uma peça bastante pequena no sistema mais amplo de interesses e alianças chinesas na região, os palestinos desempenham um papel estrategicamente relevante para Pequim, que, ao apoiá-los, opõe-se diretamente ao eixo israelense-americano. Durante a visita do presidente da ANP, Mahmud Abbas, à China em junho passado, os dois parceiros também anunciaram a formação de um comitê conjunto para promover negociações sobre o acordo de livre comércio entre a China e a Palestina. E, embora não seja um acordo que movimentará somas astronômicas de dinheiro, as razões para tal movimento respondem à necessidade chinesa de penetrar na economia palestina a fim de irritar Israel e, consequentemente, Washington. Gradualmente, Pequim conseguiu conquistar um espaço para si no delicado e reduzido mercado palestino, controlado à vista por Tel Aviv, por meio de pequenos investimentos. Nos últimos vinte anos, as exportações chinesas para a Palestina aumentaram de US$ 6,15 milhões em 2000 para US$ 248 milhões em 2021.

Degradar a liderança global dos EUA

A ambiguidade ponderada nos assuntos palestinos faz parte de uma estratégia já adotada por Pequim com sua proposta de plano de paz para o conflito Rússia-Ucrânia. A neutralidade antiocidental manifestada pelo Dragão Vermelho segue escrupulosamente o desejo do presidente chinês de aumentar seu prestígio como estadista global, a fim de construir uma visão da China como um ator capaz de levar paz e estabilidade às áreas mais quentes do planeta, tirando o chão debaixo dos pés dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, o outro objetivo de Pequim continua sendo tentar amenizar a questão da minoria muçulmana uigur na China, em relação ao mundo islâmico. O Partido Comunista da China sempre defendeu suas políticas em Xinjiang como uma tentativa de combater o extremismo interno, portanto, demonstrar solidariedade e apoio à causa palestina poderia ajudar Pequim a distrair a opinião pública internacional de sua política de reeducação em massa.

O conflito entre o Hamas e Israel na Faixa de Gaza deve introduzir uma nova dimensão na já forte rivalidade entre os dois atores globais, já que o atual cenário de crise pode gerar uma crescente presença chinesa na área do Crescente Xiita. De fato, Pequim pretende desafiar cada vez mais abertamente a hegemonia dos Estados Unidos na região, com base nas boas relações construídas nos últimos anos com Riad (aliado de Washington), mas, acima de tudo, com Teerã, o inimigo natural do Estado judeu.

Portanto, o próprio fato de Pequim e Moscou compartilharem a mesma posição sobre o que está acontecendo em Gaza e estarem trabalhando juntos para acalmar os ânimos a fim de unir as partes por meio de uma solução de dois Estados, provavelmente acrescentará mais concretude ao projeto geopolítico da China. De fato, embora ainda restem dúvidas quanto às reais intenções da China em intensificar seus esforços para chegar a uma solução no menor tempo possível em Gaza, o desafio de Pequim à liderança dos EUA está se tornando cada vez mais transversal e abrangente. Atualmente, o Dragão Vermelho não possui uma forte influência sobre Israel, o que lhe permitiria desempenhar um papel realmente decisivo na crise atual; por esse motivo, é improvável que Pequim leve israelenses e palestinos à mesa de negociações. Além disso, a solução de dois Estados, apoiada pela China, nunca agradou ao Estado judeu.

No entanto, trabalhar em um desanuviamento transitório na região, em concorrência com Washington, representa uma oportunidade importante para Pequim se colocar no papel de pacificador em escala global. O grande problema continua sendo a aparência de neutralidade, que impede que a China se exponha de forma decisiva sobre o que está acontecendo em Gaza, deixando sempre a última palavra para seu principal rival estratégico, os Estados Unidos, que, em vez disso, mostraram mais uma vez ser uma potência completa, movendo homens e meios em direção a Israel para emitir um aviso claro ao Hezbollah e ao Irã.

Possuir capacidades de grande potência é uma coisa. Comportar-se como uma grande potência é outra. Após os ataques do Hamas, apesar de estar envolvido na frente ucraniana, Washington não recuou e forneceu apoio militar e diplomático ao Estado judeu. Em contrapartida, Pequim apenas expressou objeções e pediu paz. Isso prova que ainda há um longo caminho a percorrer até que o Dragão Vermelho finalmente pressione os EUA a mediar cenários de crise em escala global. Na China, eles ainda não perceberam que em fases de escalada extremamente complexas, como a atual no exclave palestino, uma grande potência não pode fazer profissão de ambiguidade, mas deve sempre refletir uma posição clara e inequívoca.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Tommaso Di Caprio

Bacharel em Filosofia.

Artigos: 53

Deixar uma resposta