O Judaísmo Desaparecerá com o Estado Jabotinskiano?

Conforme uma parte considerável da população israelense parece cair em uma psicopatia coletiva, é fundamental examinar o fenômeno bem como refletir sobre o futuro do Judaísmo e a necessidade de sua desvinculação dessa obra política de Theodor Herzl e Vladimir Jabotinsky.

Na tradição e, portanto, na imaginação do judeu religioso, não existe um conceito como o conhecido em francês pelo termo “folie meurtrière” [loucura homicida], que é o tema de nossa atenção aqui.

Entretanto, a tradição judaica está familiarizada com a loucura individual, particularmente na forma de possessão por espíritos malignos. Embora a possessão demoníaca possa ser comunicada a um terceiro, é principalmente a pessoa possuída que destrói a si mesma. Em nossa época, uma verdadeira representação disso pode ser encontrada na peça em russo “O Dybbuk”, cuja tradução em iídiche foi apresentada e depois filmada de forma notável em 1937.

Outra forma de possessão “por objeto interposto” é o Golem, um conceito relacionado ao zumbi e ao voduísmo, no qual um punhado de argila transformado em um manequim é feito para agir em nome de seu mestre, geralmente um rabino. Na inversão característica desse voduísmo disfarçado, o Golem passa a possuir seu mestre até que o E de Emet (Verdade) seja apagado, deixando apenas Met (Morte).

Isso quer dizer que a loucura não se manifesta da mesma forma em todos os povos e que, até a formação do Estado Jabotinskiano, a figura do homicida não exercia fascínio sobre os judeus. Pelo contrário, o assassino era uma vergonha para a comunidade, ameaçando sua integridade ao expor suas falhas.

Por outro lado, nos EUA, onde os assassinatos em massa se tornaram uma tradição nos últimos trinta anos, o assassino, que é sempre “sacrificado” no local pelas “autoridades”, sem dúvida para manter sua história em segredo[1], é um “folk hero” que às vezes é adulado, como Charles Manson em sua época, que recebia milhares de cartas de “fãs”, se essa é a palavra certa, bem como propostas de casamento.

Na tradição primitiva escandinava/báltica, levando em conta a conversão extremamente tardia (século XIV d.C. para os países bálticos!) ao Cristianismo, a loucura assassina recebe um caráter que poderia ser descrito como “sagrado”, quase desfrutando de status ritual, enquanto os próprios bálticos reconhecem, não sem certo orgulho, que praticavam sacrifícios humanos até o século XIV d.C.[2]

Uma visão geral de alguns dos termos que ainda são usados atualmente pode ajudar.

Amoklauf: o termo é de origem malaia, mas, por um bom motivo, tornou-se linguagem comum no mundo de língua inglesa. Fazer o possível para matar tudo o que estiver em seu caminho.

Raserei: fúria, sair completamente do curso, levando a atos desesperados e muitas vezes sangrentos.

Berzerker: o indivíduo, geralmente um soldado, entra em uma espécie de transe que lhe permite matar tudo o que vê pela frente sem remorso ou dor. Depois que o transe passa, sua força o abandona. Identificado com o antigo culto saxão do Urso (Baer, Ber).

Hamask/hamrammr: metamorfo – aquele que muda sua forma e se transforma em uma fera, geralmente um urso, para matar. Um conceito familiar ao mundo anglo-saxão e visto como real até hoje; pouco usado no mundo latino, exceto na forma metafórica (Ovídio, Dante).

Lobisomem (licantropo): embora o homem-lobo exista no mundo greco-latino, onde é uma psicopatologia rara, ele é bastante comum, levado a sério e temido pelos anglo-saxões e alemães[3] até pelo menos o século XVII d.C. Desde a antiguidade, o lobisomem tem sido associado a ritos de iniciação de guerreiros e, desde então, a formas de psicose metamórfica reprimidas por motivos óbvios (assassinato, canibalismo) por todas as religiões.

Inevitavelmente concisa, essa visão geral da loucura assassina no mundo anglo-saxão/báltico.

É claro que qualquer povo ou soldado pode entrar em surtos de delírio por um breve período, como nos crimes cometidos pelos soldados de Napoleão na Espanha, testemunhados por Francisco de Goya em “Os Desastres da Guerra”.

Nos tempos modernos, no entanto, nunca foi um método de comando; a sociedade circundante não o estabeleceu como um modelo heroico, enquanto as grandes figuras militares, como Carl von Clausewitz, não o contemplaram por um único segundo, julgando os massacres como manifestações extremamente perigosas da perda de controle psicológico das tropas.

Também é notável o grau de preocupação de Von Clausewitz com os aspectos morais e psicológicos de seus homens e com o que pode ser chamado de objetivos espirituais da luta armada.

De acordo com fontes oficiais dos EUA[4], “em comparação com os soldados que não serviram no teatro de guerra do Vietnã, os soldados que lutaram diretamente lá tinham quatro vezes mais risco de TEPT (transtorno de estresse pós-traumático), duas vezes mais risco de depressão e sofrimento psicológico. Em comparação com os civis, eles tinham nove vezes mais risco de TEPT, duas vezes mais risco de depressão e seis vezes mais risco de sofrimento psicológico… esses resultados são provavelmente subestimados porque… os mais vulneráveis podem já estar mortos, na prisão ou sem teto”.

Em relação aos eventos que se desenrolam em Gaza diante de nossos olhos, crimes “lucidamente” pensados, calculados e ordenados pelo alto comando político e militar do Estado de Jabotinsky, estamos claramente lidando com o planejamento de um episódio Berzerker em massa, que deve durar até o extermínio do “outro”. Em outras palavras, o planejamento de um retorno ao paganismo que pode ser rigorosamente descrito como anglo-saxão/báltico.

Isso significa duas coisas: o abandono definitivo do disfarce de “Judaísmo” pelas autoridades do Estado que afirma ter esse nome; e a morte psíquica definitiva dos cidadãos desse Estado.

Não nos esqueçamos de que o Profeta ou Messias chamado Jesus Cristo era judeu. Se ele desapareceu por 20 anos, foi para estudar na Grécia, no Egito ou na Índia. Ao retornar à Palestina, desencadeou a principal revolução conceitual no Ocidente desde Sócrates, levando o Império Romano a sua conclusão.

Nos séculos que se seguiram, os judeus que preferiram não segui-lo permaneceram como uma pequena seita protegida pelo Islã ou pelo Cristianismo, dependendo do país. O pensamento judaico do Antigo Testamento, que os líderes do chamado Estado jabotinskiano gostam de citar, tem pouco a ver com o da época depois de Jesus Cristo. De fato, a religião judaica de hoje é criação de estudiosos como Moisés Ben Maimon, fruto de suas reflexões sobre o monoteísmo judaico primitivo, o cristianismo e a ciência árabe e persa de sua época.

Além disso, pode-se acrescentar que os únicos semitas na Palestina são os palestinos, sejam eles cristãos ou muçulmanos; os judeus asquenazes que povoam o Estado jabotinskiano são geneticamente de uma origem completamente diferente do Oriente Médio[5], mas, a essa altura, o que isso importa?

Tudo o que importa no momento é salvar a Palestina e os palestinos.

Quanto aos jabotinskianos que professam sua crença em um Deus da Vingança, é muito provável que eles o encontrem.

Notas

[1] https://www.hachettebookgroup.com/lieutenant-colonel-dave-grossman/assassination-generation
[2] https://lithuaniatribune.com/the-sacrifice-of-captives
[3] https://www.polen.travel/das-fuhrerhauptquartier-wolfsschanze-in-gierloz-gorlitz
[4] https://www.research.va.gov/Study-finds-ongoing-mental-health-concerns-for-Vietnam-Veterans
[5] https://apolut.net/koennen-palaestinenser-antisemiten-sein-von-peter-haisenko

Fonte: Reseau International

Imagem padrão
Moses Mendelssohn
Artigos: 53

Deixar uma resposta