O Pivô Público da Rússia em Prol da Palestina

Historicamente, a Rússia sempre cultivou uma posição equilibrada entre Israel e Palestina, com a finalidade de atuar como mediador na região e lentamente excluir os EUA como fiador dos acordos regionais. Agora, porém, surpreendentemente, a Rússia assumiu categoricamente o lado palestino. Por quê?

Em um momento em que o apoio ocidental à guerra de Israel em Gaza está se tornando indefensável, Moscou está se alinhando com a maioria mundial em defesa da Palestina.

A complexa e sutil questão da neutralidade geopolítica da Rússia na tragédia israelense-palestina foi finalmente esclarecida na semana passada em termos inequívocos.

A prova veio do presidente russo Vladimir Putin, que se dirigiu pessoalmente ao Conselho de Segurança de seu país, a altos funcionários do governo e a chefes de agências de segurança em 30 de outubro.

Entre os presentes estavam o primeiro-ministro Mikhail Mishutin, o presidente da Duma, Vyacheslav Volodin, o secretário do Conselho de Segurança, Nikolai Patrushev, o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, o diretor do FSB, Alexander Bortnikov, e o diretor do SVR (inteligência estrangeira), Sergei Narishkin.

Putin não perdeu tempo em detalhar a posição oficial da Federação Russa na atual incandescência geopolítica de duas guerras entrelaçadas, Ucrânia e Israel-Palestina. Essa declaração foi dirigida tanto ao seu público de alto nível quanto aos líderes políticos da hegemonia ocidental.

“Nada pode justificar os terríveis eventos que estão ocorrendo atualmente em Gaza, onde centenas de milhares de pessoas inocentes estão sendo mortas indiscriminadamente, sem poder fugir ou se esconder dos bombardeios. Quando vemos crianças manchadas de sangue, crianças mortas, o sofrimento de mulheres e idosos, quando vemos médicos sendo mortos, é claro que cerramos os punhos e temos lágrimas nos olhos”.

A coalizão do caos liderada pelos Estados Unidos

Ele prosseguiu descrevendo o contexto: “Precisamos entender claramente quem está realmente por trás da tragédia dos povos do Oriente Médio e de outras regiões do mundo, quem organizou esse caos assassino e quem está lucrando com ele”.

Sem rodeios, Putin descreveu “as atuais elites governantes dos Estados Unidos e seus satélites” como “os principais beneficiários da instabilidade global que eles usam para extrair sua renda sangrenta. Sua estratégia também é clara. Os Estados Unidos, como superpotência global, estão se enfraquecendo e perdendo sua posição, e todos veem e entendem isso, mesmo a julgar pelas tendências da economia global”.

O presidente russo estabeleceu uma ligação direta entre o desejo americano de estender “sua ditadura global” e a obsessão política em promover o caos permanente: “Esse caos os ajudará a conter e desestabilizar seus rivais ou, como eles dizem, seus adversários geopolíticos, entre os quais também incluem nosso país, que são, na verdade, novos centros de crescimento global e países independentes soberanos que não querem se submeter e desempenhar o papel de servos”.

Crucialmente, Putin fez questão de “repetir novamente” tanto ao seu público interno como ao do Sul Global que “as elites dominantes dos Estados Unidos e dos seus satélites estão por detrás da tragédia dos palestinos, do massacre no Oriente Médio em geral, da conflito na Ucrânia, e muitos outros conflitos no mundo – no Afeganistão, Iraque, Síria, e assim por diante.”

É um ponto de vital importância. Ao confundir os perpetradores do conflito na Ucrânia e da guerra em Gaza – “os Estados Unidos e os seus satélites” – o presidente russo agrupou efetivamente Israel com o Hegemon ocidental e a sua agenda de “caos”.

Moscou alinha-se com a verdadeira ‘comunidade internacional’

Essencialmente, o que isto nos diz é que a Federação Russa alinha-se inequivocamente com a esmagadora maioria da opinião pública do Sul Global/Maioria Global – desde o mundo árabe até todas as terras do Islã e mais além, em África, Ásia e América Latina.

Curiosamente, Moscou alinha-se com as análises do líder iraniano, Aiatolá Khamenei – um parceiro estratégico da Rússia – e do secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, no seu discurso abrasador, sofisticado e com um toque de Sun-Tzu na última sexta-feira, sobre “a aranha que está a tentar enredar o planeta inteiro e o mundo inteiro em sua teia de aranha.”

A prova B sobre a posição oficial da Rússia, especificamente sobre Israel-Palestina, veio do representante permanente da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, numa sessão especial da Assembleia Geral da ONU sobre a Palestina, dois dias depois do discurso de Putin.

Nebenzya deixou bem claro que Israel, como potência ocupante, não tem “o direito à autodefesa” – um fato apoiado por uma decisão consultiva do Tribunal Internacional da ONU em 2004.

Na altura, o tribunal também estabeleceu, numa votação judicial de 14 dos 15 votos, que a construção de um enorme muro por Israel na Palestina ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, era contra o direito internacional.

Nebenzya, em termos jurídicos, anulou o argumento interminavelmente evocado do “direito à autodefesa” brandido por Tel Aviv e toda a galáxia da NATO. O Hegemon, protetor de Tel Aviv, vetou recentemente o projeto humanitário do Conselho de Segurança da ONU do Brasil apenas porque não mencionava o “direito à autodefesa” de Israel.

Mesmo ressaltando que Moscou reconhece o direito de Israel de garantir sua segurança, Nebenzya enfatizou que esse direito “só poderia ser totalmente garantido no caso de uma resolução justa do problema palestino com base nas resoluções reconhecidas do Conselho de Segurança da ONU”.

O registro mostra que Israel não respeita nenhuma resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre a Palestina.

As prioridades de Lavrov na Palestina ocupada

A prova C da posição da Rússia em relação a Israel/Palestina foi fornecida pelo ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, em uma conferência de imprensa com o ministro das Relações Exteriores do Kuwait, Sabah Al-Sabah, dois dias após a intervenção de Nebenzya na ONU.

Lavrov reiterou as prioridades de Moscou já enfatizadas por Putin e Nebenzya: um cessar-fogo urgente, corredores humanitários e um retorno à mesa de negociações para negociar “um Estado palestino independente, conforme previsto pelo Conselho de Segurança da ONU dentro das fronteiras de 1967, que coexistiria em paz e segurança com Israel”.

Lavrov enfatizou mais uma vez que várias táticas de diversão entre EUA e Israel estão sendo empregadas “com o objetivo de atrasar (se não enterrar) a decisão do Conselho de Segurança da ONU de estabelecer um Estado palestino”.

Isso, diz o ministro das Relações Exteriores da Rússia, implica condenar os palestinos “a uma existência eterna sem direitos. Isso não garantirá nem a paz nem a segurança na região, apenas aprofundará o conflito. E você não conseguirá aprofundá-lo. As próximas ‘vinhas da ira’ serão semeadas, que rapidamente ‘brotarão'”.

A análise de Lavrov, assim como a de Putin, converge com a de Khamenei e a de Nasrallah: “Não se trata de Gaza, mas do conflito israelense-palestino. O Estado da Palestina é parte integrante dessa solução”.

A Rússia está plantando as sementes para exercer o papel de mediador confiável para todas as partes em Israel/Palestina – um papel totalmente inadequado para o Hegemon, especialmente após a aprovação tácita da atual limpeza étnica israelense de Gaza.

Está tudo aqui, claramente formulado por Lavrov: “Será de fundamental importância para nós conhecer a opinião unânime do mundo árabe”. Essa é uma mensagem que visa especificamente os regimes sunitas vassalos de Washington. Então, quando eles se organizarem, “apoiaremos a solução árabe para essa questão tão difícil”.

O pré-requisito da multipolaridade: Paz na Palestina

Examinados em conjunto, os Anexos A, B e C mostram como Moscou está muito à frente do jogo. A mensagem geral – que está sendo minuciosamente decodificada em todo o Sul Global/Maioria Global – é que, mesmo considerando as jogadas ininterruptas do Império do Caos, o imutável e excludente Projeto Sionista está morto na chegada.

A solução menos ruim até o momento é a Iniciativa de Paz Árabe de 2002 – subscrita por todos, desde as terras do Islã até a Rússia, o Irã e a China: um Estado palestino independente, de volta às fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital.

O problema é como convencer o sionismo fora de controle a recuar. Os fatos imperativos no terreno teriam de incluir o rompimento do cordão umbilical armado/securitizado entre Washington e Tel Aviv e a expulsão do espectro geopolítico da matriz sionista cristã neocon nos EUA, que por acaso está profundamente entrincheirada em silos no Deep State.

Esses dois imperativos são impossíveis – em curto, médio e até mesmo longo prazo.

Enquanto isso, uma simples olhada no mapa mostra que, para todos os efeitos práticos, a solução de dois Estados – da Cisjordânia à Faixa de Gaza – está morta. Pode ser doloroso para os líderes da multipolaridade admitir isso. Levará algum tempo e mudanças no discurso público para reconhecer que a única solução viável é um anátema supremo para o Projeto Sionista: um Estado único com judeus e árabes vivendo juntos em paz.

Tudo isso nos leva a uma formulação severa: sem uma solução justa para a Palestina, a paz tangível em todo o espectro da multipolaridade emergente permanece inatingível. O atual horror em Gaza mostra que a paz continua a não ser uma prioridade para o Império do Caos, e será preciso uma Rússia – e talvez uma China – para mudar o jogo.

Fonte: The Cradle

Imagem padrão
Pepe Escobar

Analista geopolítico independente, colunista para o The Cradle e editor do Asia Times.

Artigos: 48

Deixar uma resposta