Mais de 1.600 Cientistas Negam a Emergência Climática

A narrativa hegemônica, reforçada pela mídia, tenta vender uma noção de que haveria uma “emergência climática” iminente, e de que este seria o consenso científico. Será que há mesmo consenso?

Já 1.609 cientistas, incluindo vários ganhadores do Prêmio Nobel, assinaram uma declaração intitulada “Não Há Emergência Climática”. Esse texto foi promovido pela Climate Intelligence Foundation (CLINTEL). “A ciência climática deve ser menos política, enquanto a política climática deve ser mais científica”, afirma o texto.

“Não há nenhuma emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Nós nos opomos fortemente à política prejudicial e irrealista de CO2 líquido zero proposta para 2050. Apostar na adaptação no lugar de mitigação; a adaptação funciona independentemente das causas”, disse o grupo de cientistas.

Eles argumentam que esse gás é “essencial” para o nosso planeta. Eles também argumentam que “o clima da Terra tem variado desde que existe, e o planeta passou por várias fases frias e quentes”.

Dois “ganhadores do Prêmio Nobel”

Os físicos norte-americanos Ivar Giaever e John F. Clauser, ganhadores do Prêmio Nobel em 1973 e 2022, respectivamente, juntaram-se à declaração contra a crise das mudanças climáticas.

Eles disseram que “a narrativa popular sobre as mudanças climáticas reflete uma perigosa corrupção da ciência que ameaça a economia global e o bem-estar de bilhões de pessoas”.

Um espanhol entre os signatários

O maiorquino Luis Pomar, geólogo e professor emérito da Universidade das Ilhas Baleares, está na lista de cientistas que rejeitam as mudanças climáticas. O espanhol foi o primeiro a ganhar a medalha Sorby da Associação Internacional de Sedimentologia.

Pontos da declaração

O texto intitulado “Não há emergência climática” inclui os seguintes pontos:

Fatores naturais e antropogênicos causam o aquecimento

O registro geológico revela que o clima da Terra tem variado desde que o planeta existe, com fases frias e quentes naturais. A Pequena Era Glacial terminou em 1850. Portanto, não é de surpreender que agora estejamos passando por um período de aquecimento.

O aquecimento é muito mais lento do que o esperado

O mundo aqueceu significativamente menos do que o previsto pelo IPCC com base no efeito antropogênico modelado. A lacuna entre o mundo real e o mundo modelado nos diz que estamos longe de compreender a mudança climática.

A política climática se baseia em modelos inadequados

Os modelos climáticos têm muitas falhas e não são minimamente plausíveis como ferramentas de política global. Eles exageram o efeito dos gases de efeito estufa, como o CO2. Além disso, eles ignoram o fato de que o enriquecimento da atmosfera com CO2 é benéfico.

O CO2 é o alimento das plantas, a base de toda a vida na Terra

O CO2 não é um poluente. Ele é essencial para a vida na Terra. A fotossíntese é uma bênção. Mais CO2 é benéfico para a natureza, ele torna a Terra mais verde: o CO2 extra no ar promoveu o crescimento da biomassa vegetal do mundo. Também é bom para a agricultura, pois aumenta a produtividade das colheitas em todo o mundo.

O aquecimento global não aumentou os desastres naturais

Não há evidências estatísticas de que o aquecimento global esteja intensificando furacões, enchentes, secas e desastres naturais semelhantes, ou tornando-os mais frequentes. Entretanto, há ampla evidência de que as medidas de mitigação de CO2 são prejudiciais e caras.

A política climática deve respeitar as realidades científicas e econômicas

Não há emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Nós nos opomos veementemente à política prejudicial e irrealista de emissões líquidas zero de CO2 proposta para 2050. Se surgirem abordagens melhores, e sem dúvida elas surgirão, teremos muito tempo para refletir e nos readaptar. O objetivo da política global deve ser “prosperidade para todos” por meio do fornecimento de energia confiável e acessível em todos os momentos. Em uma sociedade próspera, homens e mulheres são bem educados, as taxas de natalidade são baixas e as pessoas se preocupam com o meio ambiente.

Fonte: El Manifiesto

Imagem padrão
Sofía Antuño

Jornalista espanhola.

Artigos: 53

Deixar uma resposta