Tempestade Al-Aqsa: Imperialismo, Sionismo e Reacionarismo no Século XXI

Surpreendendo Israel e o mundo, a Resistência Palestina liderada pelo Hamas lançou um ataque relâmpago contra as forças de ocupação nos arredores de Gaza. É necessário, porém, fazer uma análise dialética sobre os fenômenos do imperialismo, do sionismo, da resistência e das monarquias árabes reacionárias, para compreender os cenários para a região.

Em 7 de outubro de 2023, entre 2 mil e 3 mil combatentes palestinos de várias facções políticas, incluindo o Hamas, a Jihad Islâmica Palestina, a FDLP (Frente Democrática para a Libertação da Palestina) e a FPLP (Frente Popular para a Libertação da Palestina), entre outras, romperam o cerco de 16 anos a Gaza. Eles fizeram isso para lançar uma batalha épica no território ocupado do sul da Palestina histórica, em uma tentativa de iniciar uma guerra de libertação do jugo da entidade sionista (Israel). Entramos agora no oitavo dia da guerra, que testemunhou a condenação imediata e unânime dos palestinos pelo Ocidente coletivo, que se apressou em proteger o direito de Israel de se defender. Destacando o Hamas como a única facção que lidera a batalha, as classes dominantes ocidentais coletivas se uniram para rotular essa operação histórica como uma “operação terrorista” de inspiração islâmica. A representação dos palestinos como terroristas islâmicos forneceu o sinal verde necessário para que o governo israelense bombardeasse Gaza incessantemente e se preparasse para uma invasão terrestre. O Ocidente coletivo demonstrou unidade e apoio absolutos aos apelos genocidas israelenses para “eliminar Gaza” e cortar o gás, a água e a eletricidade, enquanto o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, publicou com orgulho no Twitter/X o bombardeio de uma residência civil na Faixa de Gaza.

Os tambores da guerra continuam, os combatentes palestinos ainda estão engajados na batalha e, como as facções palestinas na Cisjordânia começaram a confrontar as forças de ocupação, outros atores regionais, como o Irã, a Síria e o Hezbollah, podem se juntar à guerra a qualquer momento. Neste artigo, tento refletir sobre a escala e o significado da guerra, tanto regional quanto globalmente, recorrendo às ferramentas teóricas que muitas vezes orientaram as pessoas do Sul Global a entender suas dificuldades e lutas. Ou seja, acredito que é importante voltar à tríade conceitual de imperialismo-sionismo-reacionarismo para situar essa batalha histórica além dos meros limites da prisão a céu aberto de Gaza. Ao fazer isso, devemos nos basear nesses conceitos, mas atualizá-los para os tempos atuais, para entender a natureza dialética dessa guerra em um mundo que está testemunhando o lento (porém constante) declínio do imperialismo liderado pelos EUA.

Imperialismo: o fim do momento unipolar dos EUA

O imperialismo se refere a um sistema mundial de extração de mais-valia,[1] em que o desenvolvimento é distribuído de forma desigual segundo linhas de classe. É um conjunto de relações materiais de exploração entre países do Norte e do Sul Global, que ocorre por meio de um processo de colaboração de classe entre as classes dominantes no centro e os compradores na periferia. A acumulação depende cada vez mais do grau em que os países imperialistas oprimem e exploram os países em desenvolvimento.[2] Isso implica, por exemplo, o uso de dominação militar e políticas que impedem os países em desenvolvimento de aproveitar seus recursos internos para fins de desenvolvimento regional ou popular. Ao mesmo tempo, essa acumulação desigual de riqueza, historicamente estabelecida, não envolve apenas a pilha de mercadorias e recursos naturais, mas também a massa de ideias que correspondem à lógica invasora do capital. Em outras palavras, o imperialismo como um fenômeno sociológico[3] opera como um processo material e ideológico.

Após a Segunda Guerra Mundial, foram os EUA que consolidaram sua influência política e financeira em todo o mundo, tornando-se a maior potência imperialista. Como credor da França e da Grã-Bretanha durante a guerra, os Estados Unidos tentaram reestruturar o sistema mundial após a retirada do colonialismo europeu da África e da Ásia, motivada pelo déficit[4]. Essa tarefa estava baseada nos domínios interrelacionados do comércio e da expansão militar. Em relação ao comércio, o governo Truman do pós-guerra buscou estabelecer uma “Porta Aberta”, com “a eliminação de barreiras comerciais e financeiras, blocos comerciais exclusivos e políticas restritivas de todos os tipos”.[5] Embora esses novos acordos comerciais fossem retratados como facilitadores de uma liberdade neutra de empreendimento e intercâmbio internacional, na verdade eles representavam uma americanização do sistema global, refletindo as necessidades do capital dos EUA, conforme existiam no final da década de 1940. O recém-criado Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) regulamentaram o comércio mundial sob a moeda comum do dólar americano; a reconstrução econômica da Europa Ocidental no pós-guerra proporcionou aos exportadores americanos mercados emergentes; e a coordenação militar com um imperialismo britânico em declínio permitiu às corporações americanas acesso preferencial aos principais recursos do mundo industrializado, como o petróleo. Inevitavelmente, foi a mitologia do “excepcionalismo americano” que ajudou a manter essas políticas de dominação. Essa mitologia política encarnou o zelo missionário e colonial que justificou o genocídio das Américas[6] e demonstrou uma crença religiosa na ideia de que os EUA têm um papel único a desempenhar na história mundial, enquanto outros países os seguiriam.

No entanto, a progressiva ascensão econômica da China e duas intervenções militares russas, respectivamente em apoio ao governo sírio em 2015 e contra a invasão da OTAN na Ucrânia em 2022, lançaram decisivamente os EUA e seus aliados, Europa e Japão, em um pesadelo geopolítico. O imperialismo liderado pelos EUA entrou em uma fase histórica de declínio político. O momento unipolar está desmoronando, enquanto novos blocos políticos do Sul Global, como os BRICS, estão se tornando mais assertivos na formação de uma ordem internacional que evite sua humilhação, mas que os trate igualmente. Juntamente com esses processos, também testemunhamos uma onda de golpes militares na África Ocidental contra o neocolonialismo francês/ocidental e a crescente assertividade do Irã na Ásia Ocidental e sua colaboração com a Rússia, enquanto Cuba e Venezuela resistiram a décadas de sanções e golpes patrocinados pelos EUA. A pressão sobre o imperialismo liderado pelos EUA e seus aliados está aumentando, e a reação mais imediata à percepção consciente de seu declínio tem sido uma onda renovada de retórica e ideologia reacionária flagrante. A partir da eleição de Donald Trump em 2016 nos EUA, a característica mais marcante da nova Europa foi a reabilitação completa do neonazismo na Ucrânia como uma forma de resistência popular contra a Rússia “ditatorial”. De Giorgia Meloni, na Itália, a Emmanuel Macron, na França, as classes dominantes europeias estão prontas para sacrificar seus povos e países a todo custo pelos poderosos EUA.

Sionismo e reacionarismo: Da unidade árabe à Muqawama

Nesse contexto, a região árabe ocupou um papel único na geoestratégia do imperialismo liderado pelos EUA desde a Segunda Guerra Mundial, especialmente devido à sua riqueza em petróleo. Por ser um recurso natural fundamental para as economias dos países imperialistas, a melhor maneira de garantir esse acesso consistia em assegurar o controle político da região.[7] Para atingir esses objetivos, o imperialismo liderado pelos EUA operou em estreita cooperação com dois aliados fiéis: Israel e as monarquias reacionárias do Golfo.

De acordo com a entidade sionista, isso se tornou efetivamente um posto militar avançado dos EUA na região.[8] Como escreve Sheila Ryan[9], de 1948 até meados de 1973, “Israel recebeu a impressionante soma de mais de US$ 8 bilhões em assistência econômica de várias fontes estrangeiras, ou US$ 3.500 no total para cada israelense – uma média de US$ 233 por ano per capita em ajuda. Assim, um israelense médio recebia anualmente, somente em ajuda, mais do que o dobro da renda per capita de um egípcio (US$ 102 em 1969).” Entre 1943 e 2023, os EUA forneceram a Israel US$ 160 bilhões em ajuda (com a inflação ajustada chegando a cerca de US$ 260 bilhões),[10] sem considerar as garantias de empréstimo regulares concedidas à entidade, que valem bilhões. Essa ajuda a Israel é um investimento em militarismo para o imperialismo liderado pelos EUA. A peculiaridade da entidade sionista reside no fato de ser uma formação colonizadora-colonial, tanto quanto os EUA, incubando um modo de consciência que promove os valores imperialistas e assegura a dominação hegemônica dos EUA na região. Ao adquirir armas nucleares e por meio de seus inúmeros ataques militares e invasões a outros países da região, como Iraque,[11] Líbano e Síria,[12] Israel tem sido a principal força por trás da acumulação de capital imperialista e de seu corolário, o desdesenvolvimento árabe. Como os círculos esquerdistas palestinos dos anos 1960-70 enfatizavam constantemente, o sionismo é a ponta de lança do imperialismo na região. Por mais que a libertação da Palestina seja uma luta contra o imperialismo liderado pelos EUA, em cujo nome Israel atua como gendarme, um ataque a Israel é uma tentativa de minar diretamente os principais interesses dos EUA e de seus aliados reacionários na região.

No que diz respeito às monarquias do Golfo, ricas em petróleo, o controle das classes dominantes dessas formações políticas garantiu a supremacia do dólar americano em nível internacional por meio das vendas de petróleo denominadas em dólares[13], que foram recicladas na compra de títulos do tesouro americano e armamentos. Nos últimos anos, após os vários ataques à soberania das repúblicas árabes seculares (Iraque, Líbia e Síria), coordenados com o dinheiro e as armas dos países do Golfo, os EUA também promoveram uma agenda de normalização com Israel. Quanto mais Israel for reconhecido oficialmente na região, mais seguros serão os interesses do imperialismo liderado pelos EUA.

Entretanto, dois outros processos se desenrolaram e abalaram o equilíbrio geopolítico da região. Primeiro, enquanto 2011 testemunhou o sucesso da operação de mudança de regime liderada pela OTAN na Líbia, a intervenção da Rússia na Síria em 2015 – em parte estimulada por suas experiências com a invasão da Líbia – mostrou que os equilíbrios regionais e geopolíticos haviam mudado. Em segundo lugar, a capacidade da República Islâmica do Irã de resistir a décadas de sanções (como fizeram Cuba, a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) e a Venezuela) permitiu que ela se tornasse um importante ator político na região, tornando-se o inimigo número um da entidade sionista. Fornecendo apoio a outras formações sociopolíticas na região, incluindo o Hezbollah no Líbano e o Ansar Allah no Iêmen, a assertividade política e militar do Irã representa uma mudança decisiva na natureza da marcha ideológica da região contra o sionismo. Com a consolidação da ideologia muqawama (Resistência), tanto o Irã quanto o Hezbollah evitaram, em grande parte, produzir uma visão sectária, excludente e liderada pelos xiitas para a região. Em outras palavras, eles contornaram o perigo de responder com o mesmo remédio ao que o imperialismo liderado pelos EUA financiou progressivamente – desde os tempos dos mujahedines afegãos – trabalhando lado a lado com as forças reacionárias sunitas. Pelo contrário, o muqawama preservou dialeticamente a continuidade histórica e ideológica da região, passando da unidade árabe para a muçulmana. Ele não rejeitou o passado a priori. Em vez disso, combinou o passado com o presente, criando uma nova ordem ideológica que conclama a identidade árabe e islâmica da região a lutar contra a guerra material e ideológica desencadeada por opressores estrangeiros contra a soberania de cada estado da região. Como Seyed Hassan Nasrallah observou certa vez:

“No projeto de hegemonia americana (…) não é permitida a existência de um Estado forte (…) um Estado forte no sentido de um Estado independente, um Estado que toma suas decisões por conta própria, um país que leva em conta os interesses de seu povo, um país que se beneficia de seus recursos e de sua economia e os emprega, um Estado que se desenvolve científica, técnica, cultural e administrativamente em todos os níveis. No projeto da hegemonia americana, [tal Estado] é proibido”.

Testemunhando o declínio da ordem mundial unipolar, o muqawama encarna um Eixo de Defesa que se mantém firme para evitar ataques imperialistas à região. Ela também pode criar o espaço para realinhamentos futuros e inesperados. Na verdade, enquanto as principais análises saturaram o público ocidental com a imagem de uma divisão entre sunitas e xiitas, colocando a Arábia Saudita contra o Irã, como definidora da região e aparentemente tendo que moldar seu futuro, foi a República Popular da China que fez uma importante jogada política, intermediando um acordo diplomático entre esses dois países em 2023. E se o Irã e a Arábia Saudita pudessem moldar juntos um caminho comum para o futuro da região?

Dito isso, o reacionarismo ainda está vivo e atuante na região. Os interesses das classes dominantes de vários regimes compradores continuam intimamente ligados ao capital imperial liderado pelos EUA, especialmente Jordânia, Egito e Emirados Árabes Unidos. No entanto, o Tempstade Al-Aqsa acelerou essas contradições existentes entre os Estados reacionários da região e seus povos, bem como dentro da ordem multipolar emergente. Enquanto os Emirados Árabes Unidos já haviam se normalizado com a entidade sionista, a Arábia Saudita agora responde congelando qualquer discussão futura sobre a normalização, ao mesmo tempo em que se relaciona (pela primeira vez) com o Irã sobre a situação. Nesse sentido, a Tempestade Al-Aqsa pode se tornar o cemitério do corredor de transporte apoiado pelos EUA, que espera ligar a Índia à UE por meio da Arábia Saudita e de Israel. Não é de se surpreender que a Índia tenha se apressado em apoiar Israel, mas membros muito mais poderosos do BRICS tiveram reações completamente opostas. Em uma ligação telefônica com seus colegas brasileiros, o Ministério das Relações Exteriores da China não hesitou em destacar que “o cerne da questão está no fato de que não foi feita justiça ao povo palestino”.[14] O desenrolar desses eventos é cada vez mais uma má notícia para os EUA e suas esperanças de se “retirarem” da região para se concentrarem na China. Os palestinos desferiram um golpe direto nos principais interesses dos EUA. Eles não apenas abriram uma nova e inesperada frente militar, mas também lembraram ao Sul Global que a criação de uma nova ordem mundial deve passar pela Palestina, a menos que o poder dos EUA permaneça incontestado.

Além disso, a Tempestade Al-Aqsa acentuou ainda mais a lacuna existente entre os regimes reacionários no poder e seus eleitores. Independentemente dos interesses dos compradores, eles não refletem os interesses das massas trabalhadoras da região. Enquanto os militares jordanianos isolavam miseravelmente a fronteira com Israel, quando a Resistência convocou grandes mobilizações em toda a região, as pessoas ainda se aglomeravam nas fronteiras em apoio à Palestina. O que o Tempestade Al-Aqsa desencadeou foi um reacendimento da consciência da classe trabalhadora da região sobre como seu destino está interligado à luta contra o capital norte-americano, suas bases militares e aliados reacionários. Esse é um processo que está se desdobrando lentamente e sua forma e intensidade ainda estão para ser vistas. Por exemplo, o ataque dos manifestantes libaneses ao McDonalds em Saida é um exemplo inicial de mobilização em massa contra as encarnações ideológicas e materiais do imperialismo liderado pelos EUA na região. Em Alexandria, o tiroteio contra dois turistas israelenses e o discurso que propagou sobre os israelenses como inimigos da nação árabe é mais um golpe contra a postura oficial egípcia de normalização. Isso significa que a luta não é apenas sobre ou em Gaza; ao contrário, ela está ocorrendo em todas as capitais árabes – do Cairo a Amã e Bagdá – e, para as massas trabalhadoras da região, organizar-se em torno da Palestina é recuperar seu futuro e sua independência.

Gaza é a esperança do mundo para um futuro justo

Nesse contexto, há vários elementos que devemos considerar ao analisar a operação palestina lançada em 7 de outubro de 2023. Primeiro, a operação representa a maneira de os palestinos entrarem de forma decisiva neste momento histórico de declínio dos EUA, lançando uma guerra de libertação contra a entidade sionista que, como a muqawama, combina o passado e o presente em direção ao futuro. Escolhendo o 50º aniversário da Guerra Árabe contra Israel em 1973, a guerra de libertação palestina do Tempestade Al-Aqsa se baseia na Unidade Árabe do passado, mas se projeta em direção a um futuro que convoca todos os árabes, muçulmanos e cristãos, a lutar e defender os locais sagrados.[15] Ao mesmo tempo, embora a natureza e a escala da Tempestade Al-Aqsa sejam indubitavelmente históricas, sua capacidade de magnetizar e unir militarmente as massas árabes em torno da luta pela libertação da Palestina não é imediata. Um obstáculo concreto permanece – como mencionado acima – devido aos regimes reacionários da região, cujos interesses centrais estão ligados ao capital liderado pelos EUA, sem esquecer a destruição militar sistemática que devastou as principais repúblicas antissionistas da região (Iraque, Líbia e Síria). No entanto, o Eixo da muqawama não pode perder seus aliados na Palestina. De fato, o Hezbollah advertiu repetidamente que está pronto para entrar na guerra, caso ocorra uma invasão terrestre de Gaza. Isso revela o caráter cumulativo da história. Não podemos abordar o Tempestade Al-Aqsa apenas como o caminho final para uma guerra de libertação, mas como uma das principais etapas que – começando com a vitória militar de 2006 do Hezbollah contra Israel – levará à lavoura das plantações no campo da libertação.

Em segundo lugar, a entidade sionista foi pega completamente de surpresa. O exército mais avançado tecnologicamente da região não conseguiu impedir esse ataque, e isso já representa uma grande perda política. Atravessado por crescentes contradições sociais que colocam os colonos liberais e conservadores uns contra os outros, Netanyahu espera unir o país em torno do que mais representa Israel: o genocídio dos palestinos. Por esses motivos, vários políticos israelenses pediram abertamente uma segunda Nakba, com o objetivo de eliminar Gaza do planeta. No entanto, esses apelos genocidas são uma vitória de Pirro para os sionistas, pois apenas manifestam ainda mais aos países do Sul Global a rápida descida do Ocidente e de seus aliados ao neofascismo moral e político. Ao mesmo tempo, os apelos genocidas também podem ter outro destino. Ou seja, se a Cisjordânia decidir pegar em armas e se juntar às facções de Gaza, ou se o Eixo da muqawama decidir abrir novas frentes militares, Israel poderá se ver completamente encurralado. Um ataque total a Gaza pela entidade sionista – conforme explicado acima – é uma reafirmação do declínio do poder dos EUA na região. Em outras palavras, isso ocorre contra o tempo histórico, já que a Rússia, a China e os vários países do Sul Global estão observando a guerra, e a Palestina representa um teste para seu novo desejo de moldar uma ordem global igualitária.

Em terceiro lugar, esse movimento dialético é incompreensível para os chamados esquerdistas ocidentais, que não conseguem se reconciliar com a ideia de que uma luta progressista na região tenha tomado um rumo liderado pelo islamismo – mesmo quando, conforme descrito acima, as forças de resistência ideologicamente heterogêneas na Palestina adotaram a coordenação estratégica e as alianças com organizações como o Hamas. Cego por sua arrogância imperialista, o Ocidente coletivo deslizou rapidamente para o apoio racista e fanático a Israel ou viu seus grupos de esquerda completamente desorientados. Esses últimos, de fato, continuam a procurar desesperadamente a quantidade ou o tipo “certo” de violência e, quando não estão presentes, apressam-se em condenar ambos os lados igualmente. Não é preciso dizer que, depois de normalizar e apoiar sete décadas de violência sionista contra os palestinos e os sucessivos bombardeios na região, o Ocidente está fracassando como aliado da Palestina neste momento histórico. Em termos interrogativos: a esquerda ocidental, apesar de toda a sua oposição, já conseguiu impedir um bombardeio liderado pelos EUA ou pela OTAN na região? Neste momento histórico crítico, a esquerda ocidental deve ser lembrada de que Gaza e a luta pela Palestina são a esperança da humanidade para um mundo melhor. Os últimos dias mostraram como as instituições civis, educacionais e de mídia do Ocidente trabalham de mãos dadas com seus aparatos militares e de segurança, todos eles implantados para proteger os interesses das classes dominantes. Chegou a hora de a esquerda ocidental se mobilizar em várias frentes, respectivamente a curto e a longo prazo: 1) para combater o apoio genocida unânime que suas classes dominantes estão dando à entidade sionista; 2) para oferecer uma alternativa política que se una ao Sul na criação de uma ordem mundial alternativa e mais justa. Como Ghassan Kanafani, autor palestino e membro líder da FPLP, escreveu a famosa frase: “A causa palestina não é uma causa apenas para os palestinos, mas uma causa para todo revolucionário, onde quer que ele esteja… uma causa das massas exploradas e oprimidas”.

A Tempestade Al-Aqsa é um momento que encarna nosso tempo histórico. As massas palestinas, árabes e muçulmanas decidiram entrar no palco e dizer ao mundo que não serão deixadas de fora da história. Elas estão prontas para participar da luta por um mundo mais igualitário para a maioria de seus habitantes. E você, está?

Notas

[1] Ver Arghiri Emmanuel, Unequal Exchange: A Study of the Imperialism of Trade (New York: Monthly Review Press, 1972); Samir Amin, Unequal Development: An Essay on the Social Formations of Peripheral Capitalism (New York: Monthly Review Press, 1976); Utsa Patnaik and Prabhat Patnaik, A Theory of Imperialism (New York: Columbia University Press, 2016)
[2] Ali Kadri, Imperialism with Reference to Syria (Singapore: Springer, 2019)
[3] Anouar Abdel-Malek, Social Dialectics: Nation and Revolution (Albany: SUNY Press, 1981)
[4] Joyce Kolko and Gabriel Kolko, The Limits of Power: The World and United States Foreign Policy, 1945-1954 (New York: Harper & Row, 1972)
[5] Joyce Kolko and Gabriel Kolko, The Limits of Power, p. 12.
[6] Domenico Losurdo, Il marxismo occidentale. Come nacque, come morì, come può rinascere [Western marxism: How it was born, how it died, how it can be reborn] (Bari: Laterza, 2017)
[7] Brandon Wolfe-Hunnicutt, The Paranoid Style in American Diplomacy: Oil and Arab Nationalism in Iraq (Stanford: Stanford University Press, 2021)
[8] Seif Dana, “The Setback 49: The Dialectic of Neoliberalism and War”, hadfnews, 2016, https://hadfnews.ps/post/17225/%D8%A7%D9%84%D9%86%D9%83%D8%B3%D8%A9-%D8%AC%D8%AF%D9%84%D9%8A%D8%A9-%D8%A7%D9%84%D9%86%D9%8A%D9%88%D9%84%D9%8A%D8%A8%D8%B1%D8%A7%D9%84%D9%8A%D8%A9-%D9%88%D8%A7%D9%84%D8%AD%D8%B1%D8%A8
[9] Sheila Ryan, “Israeli Economic Policy in the Occupied Areas: Foundations of a New Imperialism.” MERIP Reports (1974) 24, pp. 3-28, p. 6
[10] Congressional Research Service, “US Foreign Aid to Israel”, 2023, chrome-extension://efaidnbmnnnibpcajpcglclefindmkaj/https://sgp.fas.org/crs/mideast/RL33222.pdf
[11] Soula Avramidis, ‘Iraq’s Constitution: The Dream of “New Imperialism”’, Monthly Review, 2005, https://mronline.org/2005/10/15/iraqs-constitution-the-dream-of-new-imperialism/
[12] Patrick Higgins, “Gunning for Damascus: The US war on the Syrian Arab Republic.” Middle East Critique 32(3)
[13] Max Ajl “Robert Vitalis, Oilcraft: The Myths and Scarcity that Haunts U.S. Energy Policy.” Journal of Labor and Society 24(1): 252-260. 2021
[14] Yukio Tajima, “China calls lack of justice for Palestinians ‘crux’ of conflict”, Nikkei Asia, 13 October 2023. https://asia.nikkei.com/Politics/Israel-Hamas-war/China-calls-lack-of-justice-for-Palestinians-crux-of-conflict
[15] Hamas, “Statement for the People”, Resistance News Network, 9 October 2023

Fonte: Ebb Magazine

Imagem padrão
Hassan Harb

Militante pró-palestino.

Artigos: 52

Deixar uma resposta