O Expurgo Étnico na Terra Santa da Bíblia Hebraica aos Dias de Hoje

Não se deve subestimar a legitimação religiosa da política, mesmo no mundo contemporâneo. Quer acreditemos ou não, os mitos religiosos ainda fundamental boa parte dos fenômenos e instituições políticas. E mesmo quando não citam diretamente, os extremistas sionistas que governam Israel buscam sua fundamentação também em sua interpretação da tradição religiosa.

A Bíblia Hebraica (Tanaque)

“Jeová teu Deus passará adiante de ti; ele destruirá estas nações de diante de ti, para que as possuas. Josué passará adiante de ti, como Jeová disse. E Jeová lhes fará como fez a Siom e a Ogue, reis dos amorreus, e à sua terra, aos quais destruiu. Quando, pois, Jeová vo-los entregar, fareis com eles conforme todo o mandamento que vos tenho ordenado”. (Deuteronômio 31:3-5)

“E destruíram totalmente, ao fio da espada, tudo quanto havia na cidade, homem e mulher, menino e velho, bois, ovelhas e jumentos”. (Josué 6:21)

“A cidade, porém, com tudo quanto nela houver, será anátema a Jeová; somente a prostituta Raabe viverá, ela e todos os que com ela estiverem em casa, porquanto escondeu os mensageiros que enviamos”. (Josué 6:17)

“A cidade, porém, e tudo quanto havia nela queimaram a fogo; tão-somente a prata, e o ouro, e os vasos de bronze e de ferro, colocaram-nos no tesouro da casa de Jeová”. (Josué 6:24)

“Também aqueles que estavam na cidade lhes saíram ao encontro, e assim os de Ai ficaram no meio dos israelitas, estando estes de uma e de outra parte; e feriram-nos, de sorte que não deixaram ficar nem escapar nenhum deles”. (Josué 8:22)

“Quando os israelitas acabaram de matar todos os moradores de Ai no campo, no deserto para onde os tinham seguido, e havendo todos caído ao fio da espada até serem consumidos, então todo o Israel voltou para Ai e a feriu a fio de espada.Ora, todos os que caíram naquele dia, assim homens como mulheres, foram doze mil, isto é, todos os de Ai. Pois Josué não retirou a mão, que estendera com a lança, até destruir totalmente a todos os moradores de Ai”. (Josué 8:24-26)

“Assim feriu Josué toda aquela terra, a região montanhosa, o Negebe, a baixada, e as faldas das montanhas, e a todos os seus reis.  Não deixou nem sequer um; mas a tudo o que tinha fôlego destruiu totalmente, como ordenara Jeová, o Deus de Israel” (Josué 10:40)

“Assim Josué tomou toda aquela terra, a região montanhosa, todo o Negebe, e toda a terra de Gósem e a baixada, e a Arabá, e a região montanhosa de Israel com a sua baixada, desde o monte Halaque, que sobe a Seir, até Baal-Gade, no vale do Líbano, ao pé do monte Hermom; também tomou todos os seus reis, e os feriu e os matou”. (Josué 11:16-17)

“Era Josué já velho e avançado em anos, quando lhe disse Jeová: Já estás velho e avançado em anos, e ainda fica muitíssima terra para se possuir. A terra que ainda fica é esta: todas as regiões dos filisteus, bem como todas as dos gesureus, desde Sior [NdA – o Nilo em hebraico], que está defronte do Egito, até o termo de Ecrom para o norte, que se tem como pertencente aos cananeus; os cinco chefes dos filisteus; o gazeu [NdA – cobiçada hoje por Israel], o asdodeu [NdA – parte integrante do Estado sionista], o asqueloneu [NdA – também parte integrante do Estado sionista], o giteu, e o ecroneu; também os aveus; no sul toda a terra, dos cananeus, e Meara, que pertence aos sidônios, até Afeca, até o termo dos amorreus; como também a terra dos gebalitas, e todo o Líbano para o nascente do sol, desde Baal-Gade, ao pé do monte Hermom, até a entrada de Hamate; todos os habitantes da região montanhosa desde o Líbano até Misrefote-Maim, a saber, todos os sidônios. Eu os lançarei de diante dos filhos de Israel; tão-somente reparte a terra a Israel por herança, como já te mandei”. (Josué 13:1-6)

Moisés Maimônides

Moisés Maimônides (1135-1204) – uma das mais importantes autoridades religiosas da história judaica e autor do primeiro código da lei talmúdica, a Mishneh Torah, que continua sendo de fundamental importância – ele escreveu que, quando chegasse o dia, todos os habitantes da Terra Prometida teriam de ser exterminados; o mandamento: “Não deixai nenhum cananeu sobreviver”, disse ele, era “válido para todo o tempo”.

“Quando os judeus são mais poderosos do que os goyim, é-nos proibido admitir um idólatra em nosso meio; mesmo um residente temporário ou um comerciante itinerante não terá permissão para passar por nossa terra, a menos que aceite os sete preceitos de Noé, pois está escrito: ‘Eles não habitarão mais em sua terra (Êxodo 23:33)’, ou seja, nem mesmo provisoriamente. Se ele aceitar esses sete preceitos, ele se tornará um estrangeiro residente (ger toshav), mas é proibido conceder esse status de estrangeiro residente, exceto nos períodos em que o Jubileu é observado (ou seja, quando o Templo existe e os sacrifícios são oferecidos). Mas durante os períodos em que os jubileus não são observados, é proibido aceitar qualquer pessoa que não tenha se convertido totalmente ao judaísmo (ger tzedeq)”. (Mishneh Torah, Hilkhot M’lakhim)

Rabino Siftei Kohen

O rabino Siftei Kohen (meados do século XVII), comentando o Shul-han ‘Arukh (um compêndio autorizado da lei talmúdica escrito por Joseph Caro no final do século XVI), “loreh De’ah” 158, explica:

“Mas em tempos de guerra, o costume era matá-los com a própria mão, pois é dito: Ao melhor dos gentios (não judeus) – mate-o!”

Desde 1973, essa doutrina tem sido propagada publicamente para os soldados israelenses religiosos. A primeira dessas exortações oficiais apareceu em uma brochura publicado pelo Comando Regional Central do exército israelense, o Rabino Coronel A. Avidan, cuja área de ação incluía a Cisjordânia. No pequeno livro, o rabino-chefe desse corpo do exército escreve:

“Quando, no decorrer de uma guerra ou durante uma perseguição armada ou um ataque, nossas forças se deparam com civis que não podemos ter certeza de que não nos farão mal, esses civis, de acordo com a Halakhah (lei judaica), podem e até devem ser mortos…. Em nenhuma circunstância você pode confiar em um árabe, mesmo que ele pareça civilizado… Na guerra, quando nossas tropas se engajam em um ataque final, elas têm permissão e ordem pela Halakhah para matar até mesmo os bons civis, ou seja, os civis que se apresentam como tal.” (“Tohar hannesheq le’or hahalakhah” em Be’iqvot milhemet yom hakkippurim – pirqey hagut, halakhah umehqar)

David Ben-Gurion

Ben-Gurion, primeiro-ministro de Israel de 17 de maio de 1948 a 26 de janeiro de 1954 e de 3 de novembro de 1955 a 26 de junho de 1963. Já em 1918, em um livro coescrito em iídiche, Ben-Gurion incluiu nas fronteiras do futuro Estado sionista os territórios ocupados, o sul do Líbano até o rio Litani, parte do sul da Síria, uma grande parte da Jordânia e a Península do Sinai.

“Depois da formação de um grande exército após a criação do Estado, aboliremos a partição e ocuparemos toda a Palestina”. (1937)

No mesmo ano, ele disse a seu filho:

“Vamos construir um Estado judeu agora mesmo, mesmo que não seja em toda a terra. O restante virá para nós com o tempo. Nós precisamos”.

Em seguida:

“É impossível imaginar uma evacuação geral da população árabe sem recorrer à força, até mesmo à violência” (1941).

Em 13 de maio de 1947, um ano antes da criação do Estado de Israel, Ben-Gurion declarou perante a Agência Judaica nos Estados Unidos:

“Queremos toda a Terra de Israel. Essa era a intenção original”.

Uma semana depois, diante da Assembleia eleita em Jerusalém:

“Há alguém entre nós que não concorde com o fato de que a intenção original da Declaração Balfour e do Mandato sobre a Palestina, e a intenção original das esperanças nutridas por gerações de judeus, era criar um Estado judeu em toda a Terra de Israel?”

Moshe Dayan

Moshe Dayan, Ministro da Defesa israelense de 5 de junho de 1967 a 3 de junho de 1974 e Ministro das Relações Exteriores de 20 de junho de 1977 a 23 de outubro de 1979:

“As aldeias judaicas foram construídas no lugar das aldeias árabes. Você nem sabe os nomes desses vilarejos, e não posso culpá-lo, porque os livros de geografia não existem mais, e não apenas os livros não existem mais, mas os vilarejos também não. Não há um único edifício neste país que não tenha sido habitado por árabes antes”.

Yossef Ovadia

Yossef Ovadia (1920-2013), rabino-chefe de Israel, fundador e guia espiritual do Shass, o terceiro maior partido de Israel, que “se estabeleceu como o criador de quase todos os governos israelenses nos últimos trinta anos”:

“Que eles desapareçam da terra. Que Deus envie um flagelo aos palestinos, esses filhos de Ismael, esses vis inimigos de Israel”.

“É proibido ter piedade deles. Vocês devem enviar mísseis e aniquilá-los. Eles são maus e detestáveis.”

“O Senhor voltará as ações dos árabes contra eles mesmos, esgotará sua semente e os exterminará, os devastará e os banirá deste mundo.”

Ayelet Shaked

Ayelet Shaked, deputada do Knesset de 5 de fevereiro de 2013 a 30 de abril de 2019 e de 3 de outubro de 2019 a 23 de junho de 2021, ministra da Justiça de 14 de maio de 2015 a 2 de junho de 2019 e ministra do Interior de 13 de junho de 2021 a 29 de dezembro de 2022:

“Todas as mães palestinas devem ser mortas”.

Moshe Feiglin

Moshe Feiglin, vice-presidente do parlamento israelense de 2014 a 2015:

“Hitler era um gênio militar incomparável. O nazismo levou a Alemanha de um nível baixo para um nível físico e ideológico fantástico. Jovens esfarrapados foram transformados em uma categoria limpa e ordeira da sociedade, e a Alemanha tinha um regime exemplar, um sistema de justiça adequado e lei e ordem. Hitler adorava boa música. Ele sabia pintar. Os nazistas não eram um bando de bandidos”.

O plano de Moshe Feiglin para Gaza (julho de 2014):

“Um aviso do primeiro-ministro israelense para a população inimiga, no qual ele anuncia que Israel está prestes a atacar alvos militares em sua área e pede àqueles que não estão envolvidos e não desejam ser prejudicados que saiam imediatamente. O Sinai não fica longe de Gaza e eles podem sair. Esse será o limite dos esforços humanitários de Israel. O Hamas pode se render incondicionalmente e impedir o ataque.”

“Atacar toda a ‘faixa-alvo’ de Gaza com toda a força da IDF (não uma pequena parte dela) e com todos os meios convencionais à sua disposição. Todos os alvos militares e a infraestrutura serão atacados, independentemente de ‘escudos humanos’ ou ‘danos ambientais’. Tudo o que temos de fazer é atingir alvos específicos e avisá-los com antecedência”.

“Paralelamente ao que foi dito acima, um cerco total será imposto a Gaza. Nada pode entrar na área. No entanto, Israel permitirá que as pessoas saiam de Gaza. (Os civis podem ir para o Sinai, os combatentes podem se entregar à IDF).”

“Assim que a IDF terminar de ‘amaciar’ os alvos com seu poder de fogo, ela conquistará toda a Faixa de Gaza, usando todos os meios necessários para minimizar os danos aos nossos soldados, sem qualquer outra consideração.”

“A população inimiga que é inocente e se separou dos terroristas armados será tratada de acordo com o direito internacional e terá permissão para sair. Israel ajudará generosamente aqueles que desejarem sair.”

“Gaza é um fragmento de nossa Terra e permaneceremos lá até o fim dos tempos… ela se tornará parte integrante do Estado de Israel e será povoada por judeus.”

Yoav Galant

Yoav Galant, ministro da Defesa de Israel desde 29 de dezembro de 2022:

“Estamos impondo um cerco total à Cidade de Gaza. Não há eletricidade, nem comida, nem água, nem combustível. Tudo está fechado. Estamos lutando contra animais humanos e estamos agindo de acordo com isso.” (9 de outubro de 2023)

Fonte: Egalité et Réconciliation

Imagem padrão
Youssef Hindi

Escritor francês.

Artigos: 49

Deixar uma resposta