A CIA ressuscita o Nazismo Ucraniano

Saiba mais sobre como o Ocidente instrumentalizou os remanescentes do fascismo ucraniano no pós-Segunda Guerra Mundial como arma contra a Rússia.

No século XIX, os impérios alemão e austro-húngaro planejavam destruir seu rival, o Império Russo. Para isso, os ministérios das relações exteriores da Alemanha e da Áustria lançaram uma operação secreta conjunta: a criação da Liga dos Povos Alogênicos da Rússia (Liga der Fremdvölker Rußlands – LFR).

Em 1943, o Terceiro Reich criou o Bloco Antibolchevique de Nações (ABN) para desmembrar a União Soviética. No final da Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido e os Estados Unidos tomaram nazistas e seus colaboradores e mantiveram o ABN. No entanto, em vista dos milhões de mortes que ele causou, Frank Wisner, o número 2 da CIA, reescreveu sua história. Ele imprimiu vários folhetos afirmando que o ABN havia sido criado na Libertação. Ele afirmou que os povos da Europa Central e do Báltico haviam lutado coletivamente contra os nazistas e os soviéticos. Isso é uma grande mentira. Na realidade, muitos partidos políticos da Europa Central ficaram do lado dos nazistas contra os soviéticos, formando divisões da SS e fornecendo quase todos os guardas para os campos de concentração nazistas.

John Loftus, promotor especial do Escritório de Investigações Especiais, uma unidade do Departamento de Justiça dos EUA, testemunhou que, em 1980, descobriu que uma pequena cidade em Nova Jersey, South River, abrigava uma colônia de ex-SS da Bielorrússia. Na entrada da cidade, um memorial de guerra, adornado com símbolos da SS, celebrava seus camaradas mortos, enquanto um cemitério separado abrigava o túmulo do primeiro-ministro nazista da Bielorrússia, Radoslav Ostrovski.

Acredita-se com frequência que os Estados Unidos lutaram contra os nazistas e julgaram todos eles em Nuremberg e Tóquio. Mas isso não é verdade. Se o presidente Roosevelt era um liberal convicto, ele achava possível recrutar traidores e colocá-los para trabalhar para ele. No entanto, como ele morreu antes do fim do conflito, os criminosos dos quais ele se cercou chegaram aos cargos mais altos. Eles sequestraram determinadas administrações para promover seus objetivos. Foi o que aconteceu com a CIA.

Os esforços do Congresso com a Comissão Church, que revelou os crimes da CIA nas décadas de 50 e 60, foram em vão. Todo esse mundo opaco voltou à clandestinidade, mas não cessou suas atividades.

Os “nacionalistas integrais” ucranianos de Dmytro Dontsov e seus capangas Stepan Bandera e Yaroslav Stetsko seguiram esse caminho. O primeiro, que já era um agente secreto do Kaiser Wilhelm II e, mais tarde, do Führer Adolf Hitler, foi pego pela CIA, viveu no Canadá e morreu em 1973 em South River, Nova Jersey, ao contrário do que consta em seu registro na Wikipédia. Ele foi um dos piores criminosos em massa do Reich. Desapareceu da Ucrânia durante a guerra e tornou-se administrador do Instituto Reinard Heydrich em Praga. Foi um dos arquitetos da Solução Final para a questão cigana e judaica.

Seus capangas, Stepan Bandera e Yaroslav Stetsko, foram contratados pela CIA em Munique. Eles faziam transmissões em ucraniano para a Radio Free Europe e organizavam operações de sabotagem na União Soviética. Stepan Bandera havia cometido vários massacres e proclamado a independência da Ucrânia com os nazistas. Entretanto, ele também havia desaparecido da Ucrânia durante a guerra. Ele alegou ter sido preso em um “cativeiro honroso” em um campo de extermínio. Isso é improvável, pois ele reapareceu em 1944 e foi encarregado pelo Reich de governar a Ucrânia e lutar contra os soviéticos. É possível que ele tenha vivido na sede da administração do campo em Oranienburg-Sachsenhausen, onde trabalhou no projeto nazista de exterminar as “raças” que supostamente corromperiam os arianos. Durante a Guerra Fria, ele percorreu o “mundo livre” e foi ao Canadá para propor a Dmytro Dontsov que se tornasse o chefe de sua organização.

O tempo passou, esses criminosos em massa morreram sem nunca terem sido responsabilizados. Suas organizações, a OUN e a ABN, também deveriam ter desaparecido. Mas não desapareceram. A OUN foi reconstituída durante a guerra na Ucrânia. O mesmo aconteceu com a ABN. Ela agora tem um site. Lá você pode ler folhetos de propaganda pós-guerra que afirmam que a organização nunca existiu antes da queda do Reich. A ABN continua hoje com o “Fórum Pós-Rússia das Nações Livres”, a ser realizado nos dias 26, 27 e 28 de setembro em Londres, Paris e possivelmente em Estrasburgo. Seu objetivo continua o mesmo: dividir a Federação Russa em 41 estados separados. Não há dúvidas quanto às origens desse fórum: embora afirme falar em nome dos povos da Rússia, ele não apenas acusa Moscou, mas também ataca a República Popular da China, a Coreia do Norte e o Irã. Seus documentos também abordam a Venezuela, a Bielorrússia e a Síria. No entanto, a ABN participou da criação e animação da Liga Mundial Anticomunista, onde se reunia a maioria dos ditadores do mundo, agora elegantemente denominada Liga Mundial pela Liberdade e Democracia.

Esse Fórum Pós-Rússia de Nações Livres foi criado pela CIA em resposta à intervenção militar da Rússia na Ucrânia. Em um ano e meio, ele já se reuniu sete vezes, na Polônia, na República Tcheca, nos EUA, na Suécia e nos parlamentos europeu e japonês. Ao mesmo tempo, a CIA criou governos no exílio para a Bielorrússia e o Tartaristão, assim como fez com o Iraque e a Síria. Ninguém ainda os reconheceu, mas a União Europeia já os recebeu com deferência. Esses governos no exílio se somam ao governo no exílio de longa data na Itchkeria (Chechênia).

O sistema atual não foi projetado para atingir seu objetivo declarado. Os Estados Unidos não têm intenção de desmembrar a Federação Russa, uma potência nuclear. A maioria de seus líderes está ciente de que tal evento desestabilizaria completamente as relações internacionais e poderia desencadear uma guerra nuclear. Não, é mais uma questão de mobilizar pessoas a serviço dos Estados Unidos que esperam alcançar o objetivo improvável de dissecar a Rússia.

Várias personalidades políticas jogam esse jogo. É o caso da ex-ministra das Relações Exteriores da Polônia, Anna Fotyga. Em 2016, ela apresentou ao Parlamento Europeu uma resolução sobre as comunicações estratégicas da União Europeia. Ela havia criado um sistema para influenciar todos os principais meios de comunicação da União, o que se mostrou eficaz. Ou um parlamentar centrista francês, Frederick Petit. Em 2014, os garotos-propaganda de seu partido (François Bayrou e Mireille de Sarnez) foram à Praça Maïdan, em Kiev, para serem fotografados ao lado dos “nacionalistas integrais”. Não vou nem mencionar o ex-deputado russo Ilya Ponomarev.

Os think tanks também, como a Jamestown Foundation. Ela foi fundada com a ajuda do diretor da CIA, William J. Casey, por ocasião de um desertor de alto nível da URSS. Ela foi proibida na Rússia em 2020 (ou seja, antes da guerra na Ucrânia), porque já estava imprimindo material sobre o desmembramento da Rússia. Por fim, o Hudson Institute é financiado por Taiwan por meio de sua agência, a Liga Mundial para a Liberdade e a Democracia (antiga Liga Mundial Anticomunista). Isso lhe permitiu sediar uma sessão do Fórum Pós-Rússia de Nações Livres.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Artigos: 52

Deixar uma resposta