O Que é Uma Ditadura?

Muito se fala em “ditadura”, mas quase ninguém se interessa pela ditadura enquanto conceito político. Trata-se de mais um termo, entre muitos, transformado em adjetivo. Faz-se necessário resgatar uma perspectiva séria sobre o tema.

Na política, quer saibamos disso ou não, estamos sempre lutando contra um inimigo, esteja ele estacionado em nossas fronteiras ou camuflado dentro da cidade. Mas há também outra forma de inimizade, muito mais sutil do que a que borbulha no nível do solo, encarnada por homens que têm uma ideologia ou uma cultura, talvez uma religião ou uma antropologia bárbara, incompatível com a nossa. É a inimizade derivada de conceitos políticos, polemicamente manejados e explorados contra o “elemento moral”, o critério pelo qual se mede a verdadeira capacidade de resistência à hostilidade e às ofensas do inimigo.

O que quero dizer, agora a título de exemplo, é que certas definições assumidas, transformadas em tabus, enervam a vontade, tendo previamente trabalhado a inteligência por meio da “lavagem cerebral”, expressão que, suspeitamente, deixou de ser usada em uma época em que a pedagogia política se dedica apenas a isso. Alguns pontificam sobre os benefícios do pluralismo étnico, religioso e cultural – o pluralismo de valores, em suma – e outros sofrem suas consequências: perda de identidade cultural, conflito social, babelização. Tampouco é estranho que as mesmas pessoas que elogiam o multiculturalismo – vagamente no sistema jurídico, mas com mais determinação nas universidades públicas e na Seção de Imprensa e Propaganda da mídia de massa – sustentem que as raças (ou culturas) não existem. Também se tornou normal para os fanáticos do pan-melanismo “defensivo” – o Black Lives Matter não é novo, foi inventado na década de 1920 – promover como justo e necessário um racismo antibranco e exigir que financiemos nossa própria reeducação.

A guerra, mesmo em suas variantes “pacifistas” atuais, ocorre no espaço, ou seja, na Terra, porque controlá-la e ordenar razoavelmente a vida nela é o principal objetivo da política. As disputas muito mais decisivas e brutais sobre conceitos são resolvidas no tempo. A luta pelo significado das palavras, pela “história” que obceca todos os conselheiros principescos modernos – hoje chamados de “analistas políticos” ou “conselheiros”, jovens sem experiência de vida, geralmente vindos, como Jules Monnerot costumava dizer, de um sistema educacional dedicado à “produção em massa de cretinos artificiais”: em oposição àqueles que são assim por uma disposição natural; aqueles que florescem maciçamente hoje são “cretinos cultivados, como um certo tipo de pérola”. Uma vez que os logotipos e o dicionário políticos tenham sido colonizados, ou seja, o “imaginário político” nacional, qualquer capacidade de resistência é radicalmente reduzida. Então, e somente então, a derrota do inimigo externo ou interno pode ser apresentada como uma vitória ou uma “homologação” política e cultural com os carrascos. De fato, há poucos dias, na Espanha, falávamos, com senso de oportunidade, dos “afrancesados”, arquétipo espanhol de um imaginário político colonizado.

Portanto, é necessário, em certo sentido, “descolonizar o imaginário” e devolver aos conceitos políticos seu significado preciso, que não é inventado nem desenvolvido em um Think Tank, mas faz parte, por mais modesta que seja sua alíquota, da verdade da política. Isso é necessário para sabermos onde estamos. Não sei se o “realismo político” tem uma missão específica; talvez, alguns diriam, a elaboração de um “decálogo” ou programa que possa ser implementado por um partido político, uma facção ou um movimento, mas sei que sua razão de ser está na desmistificação do pensamento político. Um dos conceitos que precisa dessa limpeza mental é o de “ditadura”, uma noção assustadora sobre a qual reina a maior confusão – um confusionismo interesseiro, explorado por aqueles que aspiram ao poder, apresentando seus rivais como apoiadores vulgares de regimes autoritários e a si mesmos como “democratas” – como se esse termo tivesse um significado preciso além dos tropismos mentais que adornam a direita liberal-democrática.

Tudo conspira contra a reputação dos desmistificadores políticos. Entretanto, escrever sobre o fenômeno da guerra não pressupõe uma personalidade belicosa; provavelmente apenas um homem manso pode escrever uma teoria ou uma sociologia da guerra. Uma teoria da decisão… uma teoria indecisa. E uma teoria da ditadura talvez só esteja ao alcance de alguém incapaz de exercê-la.

Não é fácil encarar a “ditadura” de frente, um conceito político altamente inflamável que gravita em torno de situações políticas particularmente intensas e que está emaranhado com legislações de exceção, estados de necessidade e golpes de Estado. As pessoas acreditam que uma ditadura é o que a “vulgata anti-Franco” ensina, mas não perdem o sono com um governo que pode fechar ilegalmente o Parlamento e privar toda a nação da liberdade de movimento. O antiparlamentarismo tem muitas formas e as de hoje não são nada parecidas com as de um século atrás. Seria muito interessante escrever uma palingênese da ditadura, pois ela renasce periodicamente e sua singularidade deve ser reconhecida. Dar as costas à sua realidade é ignorar culposamente a concentração momentânea de poder, uma realidade que acontece fora de nossos preconceitos morais ou ideológicos, independentemente de nossa vontade. Não saber em que ela consiste compromete nossa posição em relação ao inimigo, que sabe o que ela é e como usá-la.

A ditadura é uma instituição fundamental do direito público romano. Ela consiste em um levantamento ou suspensão das barreiras jurídicas para que o ditador, geralmente pro tempore, enfrente a situação política excepcional (sedição, guerra civil, invasão estrangeira) e restaure a tranquilidade pública da cidade. Uma vez restaurada a ordem ou expirado o período previsto, os poderes extraordinários do ditador são cancelados, o que tem como protótipo Cincinato. Mas há também na história romana exemplos de ditadores de mandato indefinido (Sila) e vitalício (César), até mesmo omnímodo ou, como diríamos hoje, constituinte (lex de imperio vespasiani).

O pragmatismo romano havia compreendido a essência política da ditadura: trata-se de uma concentração ou intensificação do poder que se opõe ao efeito pernicioso da impotência do poder estabelecido, cercado pelo inimigo, geralmente interno. Do ponto de vista conceitual, não se trata propriamente de um “regime político”, mas de uma “situação política”, transitória por definição. Qualquer manifestação de poder sempre gera críticas de partidos ou facções rivais, mas a crítica à ditadura, secularmente associada ao usufruto pessoal do comando, é particularmente intensa.

Toda ditadura constitui um fato político, imperfeitamente sujeito a um status jurídico. A noção de soberania de Jean Bodin é, nesse sentido, a tentativa de tornar normativo um momento particularmente intenso de comando. Essa é a glória de Bodin e dos juristas franceses do século XVI.

Durante o século XIX, a ditadura perdeu gradualmente toda a sua antiga respeitabilidade, como consequência da generalização de uma nova ideologia jurídica: o constitucionalismo. A historiografia liberal, em sua luta contra o “inimigo”, as monarquias absolutas, retrabalhou a tradição política clássica e generalizou a difamação da instituição ditatorial, arbitrariamente associada à tirania e ao despotismo.

No entanto, o movimento constitucional sempre reconheceu, implicitamente, que a necessidade política não conhece lei quando modula estados de exceção, cerco e guerra, denominações que colocam a ditadura em segundo plano. A ditadura tornou-se um tabu político após o golpe de Luís Napoleão (2 de dezembro de 1851), o golpe mais importante do século XIX. Mas o significado técnico da ditadura permaneceu e se desenvolveu nos estados constitucionais de exceção. Pela primeira vez, a raison d’être da ditadura clássica foi enunciada legalmente, mas sem mencioná-la pelo nome: a suspensão da lei para permitir sua subsistência. Caso contrário, o liberalismo, que na época nunca foi, até certo ponto, um doutrinarismo “neutro e agnóstico” – uma lenda difundida pelo iliberalismo conservador – jamais teria construído os prepotentes Estados-nações europeus.

A ditadura nega formalmente a regra que quer assegurar materialmente, uma doutrina estabelecida por Carl Schmitt em sua pesquisa sobre a evolução da instituição: Sobre a Ditadura (1921), um livro de história conceitual, diáfano e sem equívocos, cujos não-leitores (uma fauna intelectual muito interessante) imaginam, contra todas as probabilidades, que se trata de uma apologia ao nazismo. De acordo com o jurista alemão, “a essência da ditadura do ponto de vista da filosofia do direito consiste na possibilidade geral de separar as normas do direito e as normas da realização do direito”. Ao mesmo tempo, a ditadura também implica uma supressão efetiva da divisão ou separação de poderes. Schmitt, necessitando da necessária demarcação conceitual como jurista, contrasta a ditadura do comissariado com a ditadura constituinte, categorias atualmente recebidas na parte mais saudável da teoria do Estado e da teoria constitucional. A doutrina da vontade geral de Jean-Jacques Rousseau desempenha um papel crucial na transição de uma para outra.

Hermann Heller, um jurista brilhante, como Carl Schmitt, politizado por sua militância esquerdista e também comprometido com o nacional-socialismo – mas do lado oposto do outro nacional-socialismo – estava igualmente preocupado com as taxonomias jurídicas. Menos perspicaz do que seu colega, rival e amigo quando o realismo político ou jurídico (conceitos) entra em conflito com a ideologia (posições), para Heller, a ditadura, condenada em bloco, nada mais é do que um governo personalista e corrupto (“individualidade sem lei”) que se opõe ao Estado de Direito (“lei sem individualidade”); em suma, “uma manifestação de regime político da anarquia”. Simplificando bastante, essa é a ideia de ditadura generalizada entre os constitucionalistas desde 1945, o auge das “democracias de Potsdam”. Carlos Ollero Gómez explicou de forma muito eficaz o “arcaísmo” constitucional que pesava sobre esses regimes.

A ditadura do tipo comissariado, uma fórmula atualizada, no início do século XX, da ditadura romana, pressupõe um mandato ou comissão prévia, espontânea (convocação real ou convite de um parlamento ou assembleia nacional para assumir poderes extraordinários) ou forçada (pronunciamiento, golpe de Estado). A missão do ditador comissionado é restaurar a ordem constitucional violada sem sair da constituição ou questionar suas decisões essenciais (forma de governo). Um bom exemplo disso é a ditadura espanhola de Miguel Primo de Rivera, o “cirurgião de ferro” esperado por todos. Será que os historiadores políticos e jurídicos já pararam para pensar por que a ditadura ganhou tanta fama após a Primeira Guerra Mundial? Eles deveriam ler mais Boris Mirkine-Guetzévitch, por exemplo, um constitucionalista liberal de esquerda, e pensar menos sobre a ANECA, o câncer da universidade espanhola.

A ditadura soberana, por outro lado, busca o estabelecimento de uma nova ordem política, usando para esse fim um poder sem limitações legais e operando como um poder constituinte. Charles de Gaulle em 1958 (dictator ad tempus). Esse tipo de ditadura está associado, no século XX, a regimes totalitários (Estados totais e democracias populares), enquanto a ditadura comissariada se enquadra mais no campo dos regimes autoritários (Boulangismo, Estados autoritários e, por mais bizarro que o termo possa parecer, “ditaduras católicas”). Como os possíveis efeitos da revolução foram limitados pela experiência da Comuna de Paris, cujas lições levaram a uma reviravolta nas técnicas insurrecionais, a alternativa à subversão violenta é, a partir de então, o golpe de Estado cirúrgico ou a revolução legal.

Em seu significado moderno (barroco), golpes de Estado são “ações audaciosas e extraordinárias que os príncipes são forçados a empreender, contra a lei comum, em assuntos difíceis e desesperados, relativizando a ordem estabelecida e as fórmulas legais e subordinando o interesse dos indivíduos ao bem público”. Assim fala, em um livro secreto, Gabriel Naudé, tão maltratado pela ignorância política. Naudé, um bibliotecário de profissão e um espírito inofensivo, considera os golpes legítimos e defensivos. Sua utilidade depende da prudência do príncipe e, acima de tudo, de sua capacidade de se antecipar, pois “a execução sempre precede a sentença”: assim, “o golpe é recebido por aquele que pesa para dá-lo”. A reputação de um golpe de Estado depende daqueles que o exploram: ele será benéfico se for realizado por amigos ou aliados (salus populi suprema lex esto) e perturbador se for planejado por inimigos (violação da constituição, contragolpe). O julgamento, portanto, depende da posição relativa do observador e de seus compromissos e objetivos.

A sequência contemporânea de Considerações Políticas sobre os Golpes de Estado, de Naudé (1639), é Técnica do Golpe de Estado, de Curzio Malaparte (1931). Malaparte, sobre quem recai indiscriminadamente o opróbrio da direita e da esquerda, discute a natureza dos golpes para ensinar como derrotá-los com um “contragolpe” paralisante (coup d’arrêt) e defender o Estado.

Triunfos como a Marcha de Mussolini sobre Roma (1922), envoltos em uma aura de romantismo político, talvez nunca mais aconteçam… da mesma forma. Após a Segunda Guerra Mundial, a impressão geral era de que o golpe de Estado é uma técnica infértil. Mais uma razão para que, devido ao seu romantismo congênito, o pronunciamento não possa mais ter qualquer efeito. De tudo isso, só podemos esperar, como dizia o teórico do Estado Jesús F. Fueyo, uma “aceleração da desordem”.

A violência do golpe é logicamente inaceitável para a opinião pública em regimes constitucionais pluralistas. No entanto, essa mesma “opinião pública”, por inadvertência ou por sedução, pode aceitar de bom grado o que Malaparte chama de “golpe parlamentar”, no estilo daquele executado por Napoleão Bonaparte no 18º Brumário (1799). Carl Schmitt chama isso de “revolução legal” em um famoso artigo de 1977, escrito contra a estratégia eleitoral e não violenta dos partidos comunistas ocidentais (o eurocomunismo de Santiago Carrillo, uma doença senil do marxismo-leninismo, uma religião política que está começando a declinar, embora eles, os comunistas ocidentais, ainda não saibam disso). Na realidade, o mesmo resultado pode ser alcançado sem passar pela “revolução legal”. Para isso, é necessário contar com a astuta estratégia política de ocupar os tribunais constitucionais – muito mais do que um “legislador negativo” – para transformá-los nos arquitetos de uma mutação constitucional inominada, o maior perigo para as constituições que eles deveriam defender.

Mas não foram esses comunistas, nem os soviéticos, nem os ocidentais, mas Adolf Hitler, que, quase meio século antes da publicação de Eurocomunismo e o Estado, deu o pontapé inicial para a construção de uma ditadura constituinte com raízes totalitárias. Diferentemente das ditaduras da outra espécie, a autoritária, a ditadura totalitária pretende ter uma missão não apenas política, mas também moral e até mesmo religiosa: dar à luz o novo homem – bolchevique, ariano ou do Khmer Vermelho – tirando os direitos do velho.

A futilidade do golpe de Munique de 1923 instruiu Hitler sobre a conveniência tática da luta eleitoral e a possibilidade de alcançar legalmente o poder para ativar no governo a revogação de fato da constituição. É uma questão de explorar o “prêmio da legalidade” para revogar a legitimidade. Foi exatamente contra esse processo de subversão constitucional que Carl Schmitt alertou, mais uma vez a Cassandra, no verão de 1932.

A história do sistema de Weimar é bem conhecida e seus últimos suspiros têm um nome: a Lei de Autorização ou Ermächtigungsgesetz (1933), uma constituição-ponte que suspendeu e esvaziou o conteúdo da constituição de Weimar, abrindo a porta para uma ditadura constituinte (totalitária) que acabou se tornando um oximoro político: um regime de exceção permanente.

Uma dessas constituições-ponte, a Lei de Reforma Política de 1977, também serviu de estopim para a “explosão controlada” – como foi chamada durante a Transição – do regime das Leis Fundamentais. A verdade é que na Espanha ninguém foi enganado naquela época; ou, para ser mais exato, apenas aqueles que se deixaram enganar foram enganados: “Da lei para a lei, passando pela lei”. Isso retrata uma geração de constitucionalistas que ninguém lidou com essa constituição-ponte. Na realidade, esses juristas têm motivos poderosos para evitá-la, já que em pouquíssimos processos constitucionais europeus seu caráter de decisão política suprema é tão evidente, além das supercorporações kelsenianas e das ficções sobre a Grundnorm ou norma fundamental da qual tudo hipoteticamente depende. Outra exceção fantástica ao normativismo constitucional é encontrada em De Gaulle, interpretando, pelo amor da França, o Sólon da Quinta República.

A mesma escola da lei nacional-socialista alemã de 1933 tem sustentado o populismo hispano-americano desde o final da década de 1990. O caso de Hugo Chávez é um paradigma que transcende a política venezuelana: desde o fracasso de seu “golpe de Estado” de 1992 até o sucesso da “revolução legal” que começou com sua vitória nas eleições presidenciais de 1998 e seu famoso juramento de investidura sobre “a Constituição moribunda” em virtude da qual ele havia sido eleito.

O constitucionalista politicamente neutralizado não tem resposta para esse desafio político exportado para quase todas as repúblicas latino-americanas. Ele está paralisado pelo paradoxo. É a anquilose de Karlsruhe.

Fonte: The Postil

Imagem padrão
Jerónimo Molina Cano
Artigos: 48

Deixar uma resposta