Intriga Pós-Capitalista

O mundo ocidental caminha para uma nova feudalização, uma na qual as garantias materiais e existenciais se esvaem e o trabalhador é reduzido à condição de servo de uma classe oligárquica internacional.

Karl Marx já havia declarado que o capitalismo não era a última forma de desenvolvimento da sociedade humana, mas que, mais cedo ou mais tarde, seria substituído por outra forma de sociedade. Estamos agora em uma encruzilhada?

A chamada sociedade “pós-capitalista” está sendo construída constantemente, tendo como pano de fundo a psicopatologia diária, os conflitos militares, os desastres e as distrações da mídia. Isso não significa, entretanto, que a corporatocracia, o poder das corporações transnacionais e as disputas financeiras chegarão ao fim e que o “bem” triunfará sobre o “mal” nessa área.

Se o liberalismo econômico já teve seu tempo (o que significa, essencialmente, que a “classe proprietária” já assumiu o controle de quase tudo que vale a pena possuir), o próximo desenvolvimento que entusiasmará os capitalistas das partes interessadas se concentrará nas “oportunidades tecnofeudais” da digitalização.

A complexa hidra do capitalismo global, que parece ser composta de “complexos” econômicos, políticos, militares e farmacêuticos, não se importa se o mundo é nominalmente governado por uma ou mais superpotências. Tudo o que importa para eles é que a mesma elite, menos de 1%, governa, seja o mundo unipolar, multipolar ou sem polos.

De fato, é muito mais fácil promover a visão tecnototalitária da elite se o ethos vazio da “liberdade e democracia” for abertamente abandonado e as pessoas estúpidas forem forçadas a se submeter a uma disciplina mais rígida em nome da “crise climática” ou de outros “problemas globais” que exigem “circunstâncias excepcionais”.

O desenvolvimento tecnológico, a automação e a robótica também estão aumentando o desemprego. Será que os poderes constituídos estão preparados para pagar pessoas inativas por sua mera existência? Embora às vezes se fale em uma “renda básica”, suspeito que a elite não esteja interessada na ideia de um “comunismo sem escassez” em que os necessitados não existam mais.

Embora muitos oligarcas ocidentais se apresentem como “filantropos”, a máscara do falso humanismo é transparente: não faz muito tempo, as mesmas pessoas que falavam sobre superpopulação e a importância de reduzir a população humana alegavam querer salvar vidas com as vacinas que recomendavam.

Nas cidades inteligentes das sociedades digitais, os cidadãos são monitorados com mais facilidade e as opiniões errôneas podem ser censuradas a qualquer momento. De qualquer forma, os piores gagos podem ser transformados em desajustados rotineiros, porque até mesmo o fechamento da conta bancária de um dissidente é fácil no fascismo corporativo, onde os bancos só aceitam determinadas opiniões de seus clientes.

Mas o que dizer do presente e da “guerra de agressão russa na Ucrânia” que, de acordo com pesquisas, pode até causar sintomas depressivos? Como a elite lidará com essa ferida aberta no flanco da Europa? Ou o objetivo sempre foi o estado do mundo como no romance 1984 de George Orwell?

Como na distopia de Orwell, as grandes potências podem estar jogando juntas, plenamente conscientes de que estão envolvidas em uma guerra permanente que provocará um estado de emergência permanente, impedirá viagens, o movimento das cadeias de suprimentos, mas, acima de tudo, retardará a queda do sistema capitalista e o colapso socioeconômico.

Não me surpreenderia se a causa subjacente de todos os jogos geopolíticos que estão sendo jogados fosse simplesmente o banal das Kapital, que exige uma crise de saúde, emergência climática, guerra, política de sanções, lavagem de dinheiro e outras estratégias para evitar que a bolha dos banqueiros centrais estoure antes que os alicerces do novo sistema econômico – ou o próximo golpe da pirâmide – sejam lançados.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 54

Deixar uma resposta