Guerra Integral

O filósofo Alexander Dugin defende a necessidade de se aprofundar a operação militar especial e travá-la também na economia, na cultura, na política interna e em outros todos os âmbitos da sociedade russa para expurgar o país de todos os traços de liberalismo e ocidentalismo.

O ataque de drones às cidades russas pelas forças terroristas do Ocidente (a Ucrânia está cada vez mais à sombra da guerra travada contra nós pela OTAN) foi particularmente intenso esta noite. As vozes finalmente se calaram: como assim? Quem não ficou de olho? Deveríamos ter vigiado melhor! Agora todos estão começando a se perguntar o que fazer em seguida.

A cúpula do BRICS em Joanesburgo mostra como o mundo multipolar está se institucionalizando. Seis das sete civilizações (russa, chinesa, indiana, africana, islâmica e latino-americana) estão se consolidando para rejeitar a hegemonia da sétima, o Ocidente; mas este último claramente não está pronto para aceitar a perda do domínio global e está contra-atacando. A Rússia sente esse golpe de forma aguda.

Nas mãos dos neonazistas ucranianos, o Ocidente, lutando para preservar sua hegemonia a qualquer custo, está matando o povo russo, atacando cidades russas, explodindo instalações militares e civis russas e bombardeando vilarejos e cidades pacíficas. No entanto, não há mais nada de pacífico nessa guerra frontal. É disso que se trata a guerra.

Paralelamente à frente militar, em que nossos heróis estão heroicamente segurando a ofensiva feroz do inimigo e até mesmo contra-atacando, uma verdadeira frente antiocidental deve ser implantada dentro dela. Antes de tudo, uma frente ideológica.

É necessário lançar uma Operação Especial na cultura, na educação e na ciência.

A hegemonia do Ocidente permeou profundamente nossa sociedade. Gramsci acreditava que a hegemonia era alcançada primeiramente e principalmente na esfera das ideias: é aí que devemos começar a operação militar especial na esfera das ideias.

Em nossa esfera humanitária, na cultura e na educação, as ideias do inimigo ainda dominam, e o Ocidente entende perfeitamente a conexão entre ideias e batalha física. Se dermos um passo na direção da desocidentalização ou da proteção dos valores tradicionais, o golpe pode vir por meio de sanções, economia ou um ataque de drone.

Estamos lidando com uma guerra total. Tudo está conectado com tudo: a economia com a política, as ações militares com os fenômenos culturais, os ataques terroristas com os processos on-line, as informações com a psicologia de massa, a diplomacia com a engenharia social, as humanidades com a luta pela liderança tecnológica e os recursos naturais.

O Ocidente tem o principal centro de controle para todos esses níveis de guerra integral contra o mundo multipolar, contra seis civilizações. Tudo é usado lá: redes de agentes, elites ocidentalizadas, atitudes e valores ocidentais na sociedade, instituições educacionais, operações subversivas, terrorismo, provocação de conflitos étnicos e sociais, psicologia de gênero, peculiaridades geracionais.

Temos um centro assim? A pergunta é retórica. Está claro que não temos um e isso é natural, porque o Ocidente vem travando essa guerra contra nós há muito tempo, sabe o que está fazendo e está tentando manter sua dominação total pelo maior tempo possível.

Acabamos de entrar nessa guerra, ou seja, estamos apenas começando a perceber que ela já está em andamento e ainda não nos demos conta disso completamente.

Ainda somos uma colônia civilizada do Ocidente. Mesmo que rebelde, mas uma colônia.

A luta contra o Ocidente deve começar em nossa própria sociedade. Então, a necessidade de um quartel-general para toda a guerra será compreendida.

Enquanto isso, os drones ocidentais atacam as cidades russas noite após noite. É bom que tenhamos nos afastado da indignação irritada, mas ainda não tiramos as conclusões reais da guerra em larga escala e crescente com o Ocidente, que já está em pleno andamento. Espero que o façamos. Estamos sempre terrivelmente atrasados, mas depois nos recuperamos.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 49

Deixar uma resposta